Translate this Page

Rating: 3.0/5 (915 votos)



ONLINE
10




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Geografia biblica Mesopotania
Geografia biblica Mesopotania

                             Geografia biblica Mesopotania                       

     MESOPOTAMIA

       -Mes-o ta'-mi-a.

      SÍRIA (1)

        sir'-i-a (Suria (Mateus 4:24 Lucas 2: 2)):

  1. Nome e sua origem
  2. Outras Denominações
  3. Física

(1) The Plain Maritime

(2) First Mountain Belt

(3) Segundo Belt Montanha

(4) Great Central Valley

(5) O Cinturão Médio

(6) Rios

(7) Nature of Soil

(8) Flora

(9) Fauna

(10) Minerais

(11) Posição Central

  1. História

(1) cananeus semita

(2) Sargão da Acádia

(3) babilônico Supremacy

(4) hitita e Aramean

(5) hititas e egípcios

(6) Período de Amarna

(7) Ramsés II

(8) filisteus

(9) Tiglate-Pileser I

(10) Os Estados Aramean

(11) Desenvolvimento Peaceful

(12) Shalmaneser II

(13) Tiglate-Pileser III

(14) Shalmaneser IV e Sargon

(15) Faraó-Neco e Nabucodonosor 

  1. Nome e sua origem:

  A Mesopotâmia (do grego antigo Μεσοποταμία; composto de μέσος, "meio", e ποταμός, "rio", ou seja "[terra] entre dois rios") é a denominação de um planalto de origem vulcânica localizado no Oriente Médio, delimitado entre os vales dos rios Tigre e Eufrates, ocupado pelo atual território do Iraque e terras próximas. Os rios desembocam no Golfo Pérsico e a região toda é rodeada por desertos.

Inserida na área do Crescente Fértil - de Lua crescente, exatamente por ter o formato de uma Lua crescente e de ter um solo fértil -, uma região do Oriente Médio excelente para a agricultura, exatamente num local onde a maior parte das terras vizinhas era muito árida para qualquer cultivo, a Mesopotâmia tem duas regiões geográficas distintas: ao Norte a Alta Mesopotâmia ou Assíria, uma região bastante montanhosa, desértica, desolada, com escassas pastagens, e ao Sul a Baixa Mesopotâmia ou Caldeia, muito fértil em função do regime dos rios, que nascem nas montanhas da Armênia e desaguam no Golfo Pérsico.

 O termo também designa o estudo do período histórico entre o III e o I milênios a.C., quando a região desenvolveu uma cultura em comum e apresentou momentos variáveis de unificação territorial, desde o surgimento das primeiras cidades, como Ur e Uruk até o fim da dominação persa aquemênida.    

 O nome não ocorre no texto massorético nem a Peshitta do Antigo Testamento, mas é encontrado na Septuaginta, na Peshitta do Novo Testamento e na Mishná Na Septuaginta ele representa "Aram" em todas as suas combinações, como Aram -zobah, etc. o próprio nome aparece pela primeira vez em Heródoto AN VII.63, onde ele diz que "sírios" e "assírios" foram o grego e designações bárbaras das mesmas pessoas. Caso contrário, ele é bastante vago em seu uso do termo. Xenophon é mais clara quando ele (Anabe; VII.8, 25) distingue entre a Síria e Fenícia. A Síria é, sem dúvida, uma extensão do nome "Suri" a antiga designação babilônica de um distrito no norte da Mesopotâmia, mas mais tarde abraçando regiões além do Eufrates para o Norte e Oeste, tanto quanto o Taurus. Sob os selêucidas, a Síria foi considerado como co-extensivo com o seu reino, eo nome encolheu com suas dimensões. Estrabão, Plínio e Ptolomeu dar suas fronteiras como as Montanhas Taurus, o Eufrates, no deserto sírio-árabe eo Mediterrâneo, e do território dentro desses limites ainda está politicamente designado Síria, embora popularmente Palestina é geralmente chamado separadamente.

 

  1. Outras designações:

 

Homer (Ilíada ii.785) e Hesíodo (Theog. 304) chamam os habitantes do distrito "Arimoi", com o qual comparar o cuneiforme "Arimu" ou "Aramu" para sírios. O nome assírio mais adiantado era "Martu", que Hommel considera como uma contração de "Amartu," a terra do "Amurru" ou amorreus. Em registros egípcios o país é chamado de "Ruten" ou "Luten", e divide-se em "Baixa" e "Alta", o ex denotando Palestina e o último a Síria propriamente dita.

 

  1. física:

(1) The Plain Maritime. 

Síria, dentro dos limites indicados, consiste em uma série de cintos de terra de baixa e alta correndo do Norte e do Sul, paralelo ao Mediterrâneo. A primeira delas é a planície marítima. Ele consiste em uma ampla faixa de dunas de areia cobertos por grama curta e arbustos baixos, seguido por uma série de baixas colinas onduladas e vales largos que subir gradualmente até uma altura de cerca de 500 pés Este cinto começa no norte da Síria com a estreita planície de Issus, que se estende a algumas milhas ao sul de Alxandretta, mas mais longe do Sul quase desaparece, sendo representado apenas pelos vales mais amplos e as planícies menores ocupados por cidades como Latakia, Tripolis e Beirute. Sul da última chamada do cinto marítima é contínua, sendo interrompida apenas quando a Escada de Tiro e Mt. Carmel descer abruptamente para o mar. Na planície de Akka que tem uma amplitude de 8 milhas, e de Carmel southward-lo novamente alarga, até para além Caesarea tem uma média de 10 milhas. Dentro das dunas de areia do solo é um aluvião rica e facilmente cede à cultivo. Nos tempos antigos, ele foi coberto com palmeiras, que, sendo dali introduzido na Grécia, eram de seu lugar de origem chamado phoinikes.

 

(2) Primeiro Belt Mountain.

 

Da planície marítima que subir para a primeira cadeia de montanhas. Ela começa com a Amanus, um ramo da Taurus no Norte. Com esse nome ela deixa com o vale Orontes, mas continua na faixa Nuseiriyeh (Mt. Cassius, 5.750 ft.), Até o vale Eleutério é atingido, e daí se elevando novamente no Líbano (média de 5.000 ft.), Jebel Sunnin ( 8, 780 ft.), continua a Leontes ou Quasmiyeh. O intervalo, em seguida, divide-se em colinas arredondadas de Alta Galileia (3, 500 ft.), Estende-se através da mesa-terra do Oeste da Palestina (2, 500 pés) e no Sul da Judéia amplia para fora no árido Badiet et -Tih ou deserto de Wandering.

 

(3) Segundo Belt Mountain.

 

Junto com isso, pode ser considerada a serra paralelo. Começando no bairro de Ribla, a cadeia de anti-Líbano se estende para o sul para Hermon (9, 200 ft.), E dali se estende até o planalto da Jaulan e Hauran, onde nos encontramos com os cones truncados de vulcões extintos e grande folhas de lava basáltica, especialmente em el-Leja e Jebel ed-Druz. A mesma tabela da terra continua para o sul, com ravinas profundas perfurando seus lados, sobre Gileade, Moab e Edom.

 

(4) Grande Vale Central.

 

Entre o Líbano e Anti-Líbano está o grande vale de Cele-Síria. Continua-se para o norte ao longo das Orontes e dali se estende afastado para o leste até o Eufrates, enquanto que o sul se funde os vales do Jordão e da Arabá. A partir das fontes de Orontes e Leontes em Baalbek (4.000 pés) que cai suavemente para o Norte; mas para o Sul a descida é rápida. Em Merj `Ayun que afundou a 1.800 pés, no Lago Huleh é mais de 7 pés, no lago de Tiberíades-682 pés, e no Sea-1 Morto, 292 pés, e daí ele sobe novamente para o Golfo do Akabah. Este grande vale foi causado por uma linha de falha ou fractura da crosta terrestre, com paralelo e falhas de ramificação. Nos tempos antigos, todo o vale formado um braço do mar, e até o período Glacial, no final da Idade Terciária (Pleistoceno), um lago estendido ao longo de todo o vale do Jordão até o Huleh. Assim, podemos entender que a grande planície e adjacentes vales consistem principalmente de depósitos aluviais com terraços de cascalho e areia nas encostas envolventes

.

V.

(5) O Belt Oriental.

 

Para o Leste da correia Anti-Líbano há uma estreita faixa de terra cultivada que, em alguns lugares atinge uma amplitude de várias milhas, mas esta é sempre determinada pela distância a que as correntes do leste, de fluxo de Anti-Líbano. Por volta de Damasco, o Abana (Barada) e córregos vizinhos fizeram o distrito de um paraíso terrestre, mas eles logo se perdem nos pântanos de sal de cerca de 10 milhas a leste da cidade. Em outra parte da tira frutífera gradualmente cai nas areias e pedras do deserto sírio, estéril tanto da vida vegetal e animal.

 

(6) Rios.

 

As cadeias de montanhas determinar o curso dos rios e seu comprimento. Os rios que fluem para o oeste são naturalmente curto e pouco mais do que torrentes de verão. Aqueles que flui para o deserto são do mesmo caráter, o único de importância sendo o Abana, em que Damasco deve a sua existência. Só o grande vale central permite a formação de rios maiores, e não encontramos as Orontes e Leontes subindo dentro de alguns pés do outro lado Baalbek, e drenagem Cele-Síria do Norte e do Sul, até quebrar através das montanhas que atingem a mar. A Jordânia é a única outra corrente de qualquer tamanho. No antigo, como também nos tempos modernos, a direção desses fluxos determinada a direção da grande rota de comércio da Mesopotâmia ao Egito através Cele-Síria e em todo pal, como também a posição das cidades maiores, mas, não sendo eles próprios navegável, eles não formam um meio de comunicação interna.

 

(7) Natureza do solo.

 

A variação na altura ambos acima e abaixo do nível do mar é naturalmente conducente a uma grande variedade de clima, enquanto a natureza das rochas de desintegração e o solo de aluvião tornar grande produtividade possível. Ambas as cadeias de montanhas em todo o comprimento, composta principalmente de calcário cretáceo, misturada com calcário friável, com intrusões basálticas e produtos vulcânicas. O calcário é altamente porosa, e durante a estação chuvosa absorve a umidade que se forma reservatórios e alimenta as numerosas fontes de ambos os declives orientais e ocidentais. As rochas também são suaves e penetrável e pode facilmente ser transformado em terra pomar, um fato que explica o quanto que agora aparece como resíduos estéreis foi produtiva em épocas antigas como jardins e campos férteis (Bab Talmud, Megh. 6A).

 

(8) Flora.

 

Os vales ocidentais e a planície marítima tem a flora do Mediterrâneo, mas as encostas orientais e os vales de frente para o deserto são mais pobres. Nas costas do sul e nos vales mais profundos a vegetação é tropical, e não nos encontrarmos com a tamareira, a cana de açúcar eo sycomore. Até 1.600 pés, os produtos incluem a alfarroba eo pinho, após o qual a videira, o figo ea azeitona são atendidas com em meio a grandes plantações de carvalho anão, até depois de 3.000 pés é alcançado, então ciprestes e cedros até a altura de 6.200 pés, após o qual apenas as plantas alpinas são encontrados. Os "cedros do Líbano", uma vez renome agora só existem nos vales Qadisha e Baruk. A noz e amora são abundantes em todos os lugares, e trigo, milho, cevada, milho e lentilhas são amplamente cultivadas. pastagens encontram-se nos vales e planícies, e até mesmo durante as ovelhas estação seca, caprinos e bovinos pode recolher pastagens suficientes entre a baixa mato.

 

(9) Fauna.

 

O mundo animal é quase tão variada. A raposa, chacal, hiena, urso, lobo e porco são atendidas quase em toda parte, e os pequenos tigres são vistos às vezes (compare 2 Reis 14: 9). A águia, abutre, perdiz e pombo azul são abundantes, e os pássaros gays gorjeiam em todos os lugares. Os peixes na Jordan e seus lagos são peculiar e interessante. Há em todas as 22 variedades, a maior sendo uma espécie de poleiro, o coracinus, que é conhecido em outros lugares também no Nilo (Josephus, Ant, III, x, 8), e uma peculiar variedade velho mundo chamado localmente `Abu- musht.

 

(10) minerais.

 

Em cadeias de montanhas tanto a leste e o oeste, há abundantes fontes de riqueza mineral. Eles consistem principalmente de carvão, ferro, betume, asfalto e óleo mineral, mas eles são na sua maioria em bruto. No vale do Jordão todas as molas abaixo do nível do Mediterrâneo são salobra, e muitos deles também são quentes e sulfurosas, os mais conhecidos são aqueles Tiberíades.

 

(11) Posição Central.

 

O país, sendo em virtude de sua configuração geográfica separada em pequenos distritos isolados, naturalmente tendem a dividir-se em uma série de estados independentes mesquinhas. Ainda assim, a posição central entre os impérios da Mesopotâmia, de um lado e do Egito e da Arábia por outro fez a auto-estrada através do qual o comércio do mundo antigo passou, deu-lhe uma importância muito além de seu tamanho ou a produtividade, e fez dele um objecto de contenção, sempre que o Oriente eo Ocidente eram governados por diferentes poderes.

 

  1. História:

(1) Canaanitic semitas.

 

Quando a história começa para nós no 3º milênio aC, a Síria já estava ocupado por uma população semítica pertencente à onda Canaanitic da imigração, ou seja, como dialetos falou semelhante ao hebraico ou fenício. Os semitas já havia sido resolvido por um tempo considerável, por um milênio mais cedo no Egito encontramos nomes semitas para artigos de Comércio da Síria, bem como semitas representadas nos monumentos egípcios.

 

(2) Sargão da Acádia.

 

Omitindo referências como duvidosos às relações anteriores entre Babilônia e da Síria, podemos considerar-nos em terra firme em aceitar as declarações dos Tablets Omen que nos dizem que Sargão da Acádia (2750 aC) quatro vezes visitaram a terra de Martu e fez os povos da um acordo. Seu filho Naram-sin, enquanto estende o império em outras direções manteve sua autoridade aqui também. As relações comerciais foram continuou, e Babilônia reivindicado pelo menos uma supremacia sobre Martu, e às vezes tornou eficaz.

 

(3) A supremacia babilônica.

 

Hammurabi e também o seu bisneto Ammisatana designar-se em inscrições como reis de Martu, e é muito provável que outros reis mantidos os limites tradicionais do império. A supremacia longa e continuada de Babilônia não só se fez sentir na imposição de nomes de lugares, mas isso fez Assírio a linguagem da diplomacia, mesmo entre a Síria e Egito, como vemos em The Tell el-Amarna letras.

 

(4) hitita e sírio.

 

Em meados do segundo milênio aC encontramos mudança considerável na população. O Mitani, um povo hitita, os restos de cuja língua podem ser encontrados nas inscrições ainda não decifrados em Carquemis, Marash, Aleppo e Hamate, agora são mestres do norte da Síria.

 

Veja hititas.

 

As grandes descobertas de Dr. H. Winckler no Boghazkeui forneceram uma contribuição mais importante para o nosso conhecimento. A conta preliminar pode ser encontrada em OLZ, 15 de dezembro de 1906, eo Mitteilungen der deutschen oriente. Gesellschaft, número 35, de dezembro de 1907.

Em outra parte da onda Aramean tornou-se o elemento semita predominante da população, o Canaanitic agora ocupando as cidades do litoral (fenícios) ea Canaan do Antigo Testamento.

 

(5) hititas e egípcios.

 

Neste momento Babilônia estava sujeita à Kassites, uma raça alienígena de reis, e quando caiu, cerca de 1100 aC, que deu lugar a uma série de dinastias de curta duração. Isso deu aos egípcios, libertos da regra dos hicsos, a oportunidade de reivindicar a Síria, e, consequentemente, encontramos a luta para estar entre os hititas e os egípcios. Thothmes I, cerca de 1600 B.C.a invadiram a Síria, tanto quanto o Eufrates e trouxe o país à sujeição. Thothmes III fez o mesmo, e ele nos deixou nas paredes de Karnak um relato de suas campanhas e uma lista das cidades que ele conquistou.

 

(6) Período de Amarna.

 

No reinado de Tutmés IV hititas começaram a deixar suas montanhas mais e mais e para pressionar para a frente em Central Síria. The Tell el-Amarna Cartas mostram que eles sejam mais sérios oponentes à autoridade egípcia na Síria e na Palestina durante o reinado de Amenhotep IV (cerca de 1380 aC), e antes de Seti I subiu ao trono do poder dos faraós tinham diminuído muito na Síria. Em seguida, a esfera egípcio só chegou ao Carmelo, enquanto uma zona neutra estendida daí para Cades, ao norte da qual todos pertenciam às Hitites.

 

(7) Ramsés II.

 

Ramsés II entrou energicamente para a guerra contra Hatesar, rei dos hititas, e lutou uma batalha perto de Kadesh. Ele alega uma grande vitória, mas o único resultado parece ter sido a de que a sua autoridade foi alargado para o território neutro, ea esfera de influência egípcia estendeu em toda a Síria do Lico (Rio Dog) para o Sul de Damasco. O acordo foi confirmado por um tratado no qual norte da Síria foi formalmente reconhecida como a esfera hitita de influência, e, por parte dos assírios que estavam prestes a se tornar os herdeiros das pretensões hititas, este tratado formou a base de uma reclamação contra Egito. Sobre o aC ano de 1200, os hititas, enfraquecidos por esta guerra, foram ainda invadidas pelos movimentos de raças do norte, eo império dividiu-se em uma série de pequenos estados independentes separados.

 

(8) filisteus.

 

Entre as raças que se deslocam que ajudaram a enfraquecer e quebrar a influência hitita na Síria foram os Pulusati (ou Purusati), um povo cuja origem ainda não está definitivamente resolvida. Eles entraram na Síria a partir do Norte e superou todos os que deles se encontraram, após o que acamparam dentro da esfera de influência egípcia. Ramsés III marcharam contra eles, e ele reivindica uma grande vitória. Mais tarde, no entanto, vamos encontrá-los resolvido no sudeste da Palestina sob o nome de filisteus. Sua liquidação naquele momento está em harmonia com as Tell el-Amarna cartas em que nos encontramos nenhum vestígio deles, enquanto que no século 11 aC eles estão lá como os inimigos inveterados de Israel.

 

(9) Tiglate-Pileser I.

 

Assíria foi agora lentamente ascendendo ao poder, mas teve de se contentar com a Babilônia antes que pudesse fazer muito no Ocidente. Tiglate-pieser Eu, porém, atravessou o rio Eufrates, derrotou o rei hitita de Carquêmis, avançou para a costa de Arvad, caçado touros selvagens no Líbano e recebeu presentes do Faraó, que, assim, reconheceu-o como o sucessor dos hititas no norte da Síria .

 

(10) Aramean Unidos.

 

Quando o império hitita se separou, os sírios em Central Síria, agora libertado, criou um número de estados arameus separados, os quais envolvidos em guerra uns com os outros, exceto quando eles tinham de se unirem contra um inimigo comum. Esses estados foram estabelecidos em Hamat, Hadraque, Soba e Roob. A posição exata do Hadraque ainda é desconhecida, mas Hamath era, evidentemente, reuniu-se em sua fronteira sul por Reobe e Zoba, o ex-estende ao longo do Biqa'a ao pé do Hermon, enquanto o último se estendia ao longo das encostas orientais do Anti-Líbano e incluídos Damasco, até Rezon rompeu e não configurar um reino independente, que logo passou a ser o estado líder; Sudeste de Hermon foram os dois estados arameus menores de Gesur e Maacá.

 

(11) um desenvolvimento pacífico.

 

Por quase três séculos, a Síria ea Palestina foram, exceto em raras ocasiões, deixados em paz por ambos Mesopotâmia e Egito. No aC século 12 Babilônia foi desperdiçado pela invasão Elamite, e, posteriormente, uma guerra prolongada foi realizado em entre Assíria e da Babilônia, e apesar de um período alongado de paz bem-sucedido, que foi sabiamente utilizada pelos governantes pacíficos da Assíria para o fortalecimento do seu reino internamente. No Egito, os sucessores de Ramsés III estavam engajados contra a hierarquia de Tebas agressivo. Durante a Dinastia XXI o trono foi usurpado pelos altos sacerdotes de Amen, enquanto o XXIId eram usurpadores da Líbia, e os três seguintes dinastias conquistadores etíopes.

 

(12) Shalmaneser II.

 

No nono século Assur-nazirpal atravessou o Eufrates e invadiram o estado recentemente estabelecido de Patin na planície de Antioquia. Ele cercou seu capital e plantou uma colônia no seu território, mas o arranjo não era final, para seu sucessor, Salmanasar II, teve novamente para invadir o território e acabar com o reino em um número de pequenos principados. Então, em 854 aC ele avançou em Central Síria, mas foi recebido no Karkar por uma confederação forte consistindo de Ben-Hadade de Damasco e os seus aliados da Síria, incluindo Acabe, de Israel. Ele afirma uma vitória, mas não fez nenhum avanço por 5 anos. Ele então fez três expedições mal sucedidas contra Damasco, mas em 842 recebeu homenagem de Tiro, Sidon e Jeú, de Israel, tal como registado e representado no Obelisco Negro. Não era até o ano de 797 que Ramman-nirari, depois de dominar a costa da Fenícia, foi capaz de reduzir Mari'a de Damasco à obediência, altura em que também ele parece ter levado suas conquistas através do leste da Palestina, tanto quanto Edom. O poder assírio agora sofreu um período de declínio, durante o qual levantes teve lugar no Hadraque e Damasco, e Jeroboão II de Israel foi capaz (2 Reis 14:25) para estender suas fronteiras para o norte até os limites de idade.

 

(13) Tiglate-Pileser III.

 

Assim, aconteceu que Tiglate-Pileser III (745-728) teve que reconquistar toda a Síria. Ele capturou Arpad após a guerra de dois anos (742-740). Então ele dividiu o território de Hamat entre seus generais. Nesta conjuntura Acaz de Judá implorou sua ajuda contra Rezin de Damasco e Remalias de Israel. Acaz foi aliviada, mas ficou sujeita à Assíria. Damasco caiu em 732 aC e um grande corte foi realizado lá, que os príncipes tributários da Síria, incluindo Acaz (2 Reis 16:10), participou. O império assírio agora possuía toda a Síria, tanto quanto o rio do Egito. Sibahe, no entanto, incentivou a revolta no que havia sido a esfera egípcio de infiuência e insurreições ocorreu na Fenícia e Samaria.

 

(14) Shalmaneser IV e Sargon.

 

Depois de alguma dificuldade Shalmaneser IV obrigou Tiro e Sidon para apresentar e prestar tributo. Samaria, também, foi sitiada, mas não foi levado até Sargon subiu ao trono em 722. Hamat e Carchemish voltaram a subir, mas finalmente foram reduzidas em 720 e 717, respectivamente. Novamente em 711 Sargon invadiram a Palestina e quebrou-se uma confederação fresco consistindo do Egito, Moab, Edom, Judá e os filisteus. Em 705 os egípcios sob Sibahe e seus aliados os filisteus sob Hanun de Gaza foram derrotados em Raphia.

Os três últimos governantes da Assíria estavam em dificuldades constantes com a Babilônia e uma grande parte do império, também foi invadida pelos citas (circa 626 aC), e por isso nada mais foi feito no Ocidente salvar a anexação das posses continentais da Fenícia.

 

(15) Faraó-Neco e Nabucodonosor.

 

Em 609, quando a Assíria foi na garra morte com a Babilônia, Faraó-Neco aproveitou da situação, invadiu a Síria, e, derrotando Josias en route, marcharam para Carquemis. Em 605, no entanto, ele estava lá completamente derrotado por Nabucodonosor, e de toda a Síria tornou-se tributário para a Babilônia. os antigos estados da Síria agora aparecem como províncias da Babilônia, e revoltas em Judá reduziu também a essa posição em 586 aC

 

Sob persa governar estas províncias permaneceram como estavam por um tempo, mas finalmente "EBIR nari" ou a Síria foi formada em um satrapy. A conquista grega com os Ptolomeus no Egito e os Selêucidas na Babilônia trouxe de volta um pouco da velha rivalidade entre o Oriente eo Ocidente, e as mesmas condições instáveis.  

No advento de Roma, a Síria foi separada da Babilônia e transformada em uma província com Antioquia como sua capital, e depois a civilização semita que tinha continuado praticamente intocada até o início da era cristã foi trazido cada vez mais em contato com o Ocidente. Com o advento do Islã, a Síria caiu em mãos dos árabes e Damasco tornou-se por um tempo curto (661-750 dC) a capital do novo império, mas a autoridade central foi logo removida para Babilônia. Daí em diante a Síria caiu para o nível de uma província do califado, primeiro Abbasside (750-1258), então Fatimite (1258-1517) e, finalmente Otomano.  (notas Enciclopedia Standard 1915) 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com