Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

interpretação literal das profecias biblicas
interpretação literal das profecias biblicas

 

                               Interpretação Literal: Um apelo de consenso

 

Qual é o ponto de partida para compreender e interpretar corretamente a profecia? Muitas vezes há confusão e discordância entre os cristãos quanto ao melhor método de abordar a interpretação dos textos bíblicos. Neste ensaio o autor afirma tanto a infalibilidade das Escrituras, bem como a sua capacidade de ser compreendida quando interpretados de forma clara e consistente. A Bíblia é a autoridade, e os significados expressos nos textos são verdadeiros e têm referência ao que é real a menos que o contexto indique o contrário.

Introdução

Para promover a "interpretação literal" em um ambiente pós-moderno seria inútil, a menos que as pessoas simpatizavam com alguns valores tradicionais e aberto a considerar os argumentos. Um valor é a necessidade de manter uma visão da verdade e da realidade objetiva. Um sistema literal é com base nesta visão da realidade objetiva, mas o princípio literal não pode garantir a prática objetivo na interpretação. Na verdade, ao invés de supor uma objetividade, desejo de promover a "literal" como um crente em Cristo e como um abençoado com a presença eo ministério do Espírito Santo.

Estes dois pressupostos afetará a objetividade do processo de pensamento, mas tanto a fé como a iluminação dada pelo Espírito são indispensáveis ​​para atingir interpretações bíblicas válidos.

Interpretação Literal

A interpretação literal formula. -Um Sistema que leva o que a Bíblia afirma ser verdadeiro para si mesmo como um quadro necessário para a interpretação. Reivindicações básicas Reforma vendido Scriptura, solafide ea clareza das Escrituras quadro de um sistema de interpretação literal.

Além de formular este sistema, eu reconheço que há outras influências necessárias para a interpretação. Um intérprete traz algumas preunderstandings que vão influenciar a interpretação de textos individuais. Irineu certa vez descreveu um como como colocar juntos um grande mosaico, ou como a montagem de versos de Homero em sua estrutura de enredo correta e coerente. Essa influência envolve uma teologia bíblica da revelação progressiva de toda a Bíblia. Além disso, é necessário reconstruir as referências históricas a partir de um texto para compreender o mundo em que, e sobre o qual, o texto fala. Embora tanto uma teologia e uma reconstrução histórica pode influenciar a interpretação de um texto, que nunca deverá substituir os compromissos de um sistema literal.

Enquanto a tarefa de obter um consenso pode parecer fútil e anacrônico mais, pode parecer desnecessário para outros. É por essas outras que este ensaio está escrito, porque, como Martin Marty comentou, "literalistas se unir contra os seus adversários, mas eles estão longe de ser unânime sobre questões que consideram importantes". [1] O objetivo deste ensaio é identificar as preocupações necessárias e suficientes necessários à formulação de um sistema de interpretação literal. Se a "interpretação literal" está incluído em uma declaração doutrinária, é importante que haja um acordo sobre o que se acredita.

A introdução de "literal" deve-se considerar o uso mais abrangente do termo para se referir a um sistema de interpretação. Esse sistema irá então implicar dois sentidos relacionados de literal.

Literal é um compromisso com a compreensão de que a autoridade da Bíblia é incorporado nos significados expressos nas palavras do texto

Este primeiro uso literal é um sentido conotativo, o que reflete uma crença compartilhada sobre o que a Bíblia afirma ser verdadeiro para si mesmo; a Bíblia é a Palavra de Deus escrita em palavras humanas.

A interpretação literal tem sido tradicionalmente considerado um marco nos estudos bíblicos, se era como a interpretação básica em Antioquia ou como uma interpretação preliminar em uma abordagem de Alexandria. Estas abordagens iniciais e pré-críticos ficaram sob um desafio fundamental para a ascensão para a proeminência da crítica histórica. Marty resumiu o debate histórico: "Na Inglaterra e na América, pelo menos, por mais de um século, houve defesas intelectuais do literalismo bíblico Enquanto Harper (Wm Rainey Harper, 1892.) E sua espécie estavam fazendo Chicago, Yale, Harvard e antecedência. estações para o "estudo científico da Bíblia," os teólogos de Princeton foram transformando a escola em um dos bastiões de uma abordagem literalista a Escritura inerrante ". [2] Estes de Princeton estavam preocupados com as ramificações teológicas de interpretação crítica, uma vez que eles consideravam que a Bíblia é uma revelação especial de Deus. Eles concluíram que a Bíblia nos autógrafos originais foi verbalmente e completamente inspirado, e, portanto, autoritária. Aqueles que considerou esta doutrina relevante, invocado certos princípios que explicam interpretação. Estes princípios são considerados nos seguintes resumos.

A Bíblia fala com a autoridade de Deus . A autoridade da Bíblia reside naquilo que Deus tem a dizer sobre assuntos, eo que Ele tem a dizer para várias gerações de Seu povo. [3] Esta afirmação do testemunho da Bíblia sobre si mesma foi devidamente observado e desenvolvido por estudiosos da Bíblia. [4]

O discurso oficial de um documento escrito reside no tipo de significados expressos pelas palavras do texto. Os estudiosos nos domínios jurídico, como Robert H. Bork, [5] no domínio literário, como Leland Ryken, [6] e em campos filosóficos, tais como ED Hirsch, [7] reconheceram a importância das palavras de um texto . As palavras individuais devem ser levadas a sério. Os intérpretes não têm a liberdade de mudar de redação, sem alterar o significado. Eles não têm o direito de ignorar palavras, ou mesmo formas de letras, nem de manipular o texto como estudiosos críticos fazem com freqüência. Em vez de um texto é lido palavra por palavra, linha por linha, como o leitor ganha uma compreensão do significado expresso em um texto.

Os significados de autoridade são entendidos como mensagens ex pressionado apenas se as palavras de um texto são lidos no contexto. Palavras por si só não representam verdades; mensagens expressas por palavras comunicar a verdade ou erro. [8]

Assim, as palavras são lidas por si, e em relação ao contexto imediato, numa tentativa de reconhecer a mensagem se destina. Essa mensagem entendida então resume, na mente do leitor, o tipo de significado expresso no texto. E essa mensagem, validamente compreendido por um leitor, afirma a verdade do texto.

A importância de ler as palavras de um texto em seu contexto, para entender o sentido pretendido, foi dito por David Cooper. Em sua "Regra de Ouro de Interpretação", ele afirma: "Quando o sentido claro das Escrituras faz sentido comum, não procure outro sentido, portanto, tome cada palavra em seu primário, sentido comum, usual, literal, a menos que os fatos do contexto imediato ... indicam claramente de outro modo ". [9] Embora a influência do contexto imediato é introduzido por Cooper como uma qualificação, é uma qualificação determinação, substituindo às vezes um sentido claro. Assim que eu escolhi para apresentar a influência determinante do contexto pela primeira vez como o princípio controlador.

O determinante contexto L contexto textual imediato porque influencia diretamente uso da palavra. Outros contextos relevantes quando deve ser visto como o fornecimento de uma influência de apoio. Enquanto o assunto de "contexto" pode parecer facilmente definido, os fatores gramaticais, históricos, literários e teológicos são muitas vezes difíceis de reconhecer em sua influência apropriada. Numerosos contextos podem entrar em consideração: passagens bíblicas paralelas; consciência histórica do autor humano; Crenças culturais de Israel no momento da composição; teologia canônica antecedente; questões sociais, culturais e comniunicative na comunicação inicial; até mesmo problemas e questões contemporâneas. [10] Tudo isso pode ter uma influência apoio de uma decisão final sobre o sentido apropriado de uma palavra, ou palavras, mas a influência determinante deve ir para o contexto textual imediato. Essa moda de contexto um uso textual que podem ser clarificadas e amplificada por outros contextos de apoio.

Em uma tentativa de esclarecer as questões abstratas na discussão de um sistema de interpretação literal, Isaías 9, 1-7 serão exploradas. Uma questão entre os intérpretes contemporâneos é a pessoa do rei prometido da linhagem de Davi. O texto diz que ele é um Deus-homem ou apenas um rei histórico que posteriormente é revelado para ser, de fato, um homem-Deus. [11] O sistema literal dá prioridade à formulação do texto na quase- contexto do oráculo (9: 1-7), e em seguida, ele considera contexto mais amplo de Isaías (como 07:14, Emanuel, 11: 1-16, e assim por diante).

A Oracle anuncia a palavra de alegria para a terra escura da Galiléia, porque um líder não identificado se manifestar. Esta pessoa traz alegria, porque ele está envolvido em uma nação alargada que ganha lançamento a partir de um invasor opressivo.

Então essa pessoa é introduzido como um nascido de arcar com o governo do reino de Davi. Como inesperado como a luz no meio da escuridão, por isso são os nomes deste governante, cada nome exprime a qualificação da esperança final da linha davídica: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da paz.

A questão gira em torno da pessoa do chamado "Deus Forte". Será que esse nome fala do rei como Deus? Estudiosos contemporâneos questionam se século VII Israel acreditava que seu Messias seria um homem-Deus. Delitszch questiona se esse assunto é ainda abordada no Antigo Testamento. [12] A fim de responder à pergunta, a força da redação do texto será examinado mais de perto, sob os sentidos relacionados de literal.

Portanto, este uso conotativo de literal em primeiro lugar refere-se a um sistema de interpretação literal, derivado do fato de que a Bíblia é a Palavra de Deus expressa nas palavras de humanos. Os dois seguintes sentidos de "literal" dependem de decidir o que uma palavra tem referência e que sentido a palavra deveria ter no contexto.

Literal é um compromisso de que os significados expressos em um texto bíblico são verdadeiras e têm referência ao que é rea4 a menos que o contexto indique o contrário.

Este compromisso baseia-se na crença básica: a Bíblia é a Palavra de Deus e tudo o que Deus diz é verdade. Essa crença é sobre o tipo de afirmações encontradas na Bíblia, mais do que o tipo de linguagem, ou o uso da linguagem. "Qualquer declaração, literal ou metafórico, pode ser verdadeira ou falsa, e seu referente pode ser real ou irreal". [13] A crença na infalibilidade implica que as declarações bíblicas são verdadeiras e têm referência à realidade. Pode haver uma exceção, como declarações que você encontrar por meio de parábolas, que imaginar uma experiência, como em Lucas 15:11 (Mw), "Havia um homem que tinha dois filhos ..." A verdade não tem referência ao realidade de um pai e seus filhos já existentes na história, mas a uma atitude entre os fariseus, como fotografada no filho mais velho. Da mesma forma, pode haver declarações como a do demônio: "Tudo isto te darei ..." (Mateus 4: 9 Mv), que pode ser uma mentira, e, portanto, uma referência ao que é irreal. Em cada caso, a quase contexto esclarece o tipo de indicação expressa no texto.

Embora existam algumas exceções (tão esclarecidas a partir do contexto quase-), a Bíblia é a revelação de Deus, e assim suas afirmações são verdadeiras, no sentido real e em referência. Assim narrativa histórica refere-se a fatos passados, discursos proféticos referir tanto a apresentar e fatos futuros, e epístolas referem-se a pessoas históricos e as obras factuais de Deus na salvação.

A crítica que se coloca é que "por dedução eles argumentaram que Deus, sendo Deus e, portanto, inerrante, falou através de um necessariamente merrant Bíblia, que se transformou em uma espécie de fato-book". [14] Embora a Bíblia é mais do que um fato- livro, não é menos do que isso. A resposta final a essa crítica, será necessário analisar o tipo de declaração, texto a texto, e uma demonstração da historicidade provável de cada um. Uma série de artigos considerar a questão da historicidade. [15] Mas, com nosso atual estágio de conhecimento, as tentativas de manifestação não provaram persuasiva para todos. No entanto, tal dedução é claramente preferiu opiniões críticas, como a de que o mito final da Exodus claramente não pretende ser uma versão literal de eventos. [16] Em muitos desses tratamentos críticos, o mito é tomado como verdade em algum sentido teológico , mas irreal historicamente. Mas que base existe para qualquer distinção válida, exceto para alguma preferência pessoal?

Quando a fé se baseia em testemunho da Bíblia que Deus fala, e quando a autoria de Deus influencia um texto bíblico, como Isaías 9: 6-7, então a realidade de referência de um texto deve ser cuidadosamente considerada. Duas perguntas devem ser feitas: é Isaías 9: 6-7 um literal ou uma declaração metafórica, e, em seguida, para o que a realidade é que a declaração se refere?

A declaração em questão é uma lista de nomes (v. 6). O sentimento de alguns nomes podem ser metafórico (referindo-se a um rei como conselheiro ou pai), mas neste ensaio, um nome está em questão. Se o texto refere-se ao rei como "Deus Poderoso", com o que a realidade é o texto se refere? Se o nome do "Poderoso Deus" refere-se a um homem, então a realidade ontológica continua a ser um homem na história, ou na profecia, ea declaração é metafórico. Não há nada no texto para indicar que um homem semelhante a Deus torna-se de fato Deus. Ontologicamente, uma pessoa divina é incriado e infinito, enquanto uma pessoa humana é criada e finita. As duas referências são distintos. É textualmente incompatíveis para o mesmo texto para se referir a um mero humano, em um contexto histórico, e um homem-Deus no contexto do advento de Jesus. A declaração seria, portanto, ser tomada como ambígua; em um contexto histórico, metafórico; e num contexto profético, literal. Assim, a verdadeira realidade em que o Estado-mento se refere está perdido.

A questão da compreensão de Isaías do que ele diz, ou o entendimento do público histórico destas palavras, não é a questão determinante. Um profeta não é a melhor fonte de sua mensagem (2 Pd 1, 20-21.). Em vez disso, a questão do tipo de declaração é o uso da língua no contexto. Qual é a evidência textual que o termo "Deus Poderoso" deve ser entendida em sentido literal, em vez de um sentido metafórico? Esta é a questão a ser considerada agora.

Literal é uma expectativa de que as palavras são feitas para serem compreendidos e utilizados em sua forma primária, sentido a matéria de facto, a menos que o contexto indique o contrário.

A expectativa de um sentido literal reflete uma crença importante na composição da Bíblia. Os autores bíblicos não falar de forma enigmática, de modo que a declaração contém dois significados textualmente não relacionados ou contraditórios. Essa é outra maneira de falar sobre a clareza das Escrituras, em que um texto em seu contexto só tem um sentido: provavelmente o sentido claro. O método histórico-crítico tem sido criticado pelos crentes por causa dos pressupostos críticos que fornecem uma base para o método. [17] Além disso, o método aumenta ainda mais a suspeita se ele suporta a compreensão válida do mesmo texto em dois sentidos textualmente não relacionados: o que significa eo que isso significa.

Essa expectativa de um único, simples, ou literal, sentido também se baseia na crença de que a Bíblia é composta em palavras humanas. Mas um sentido literal, enquanto facilmente ilustrado, é difícil de definir. Então Ramm ou Cooper usar palavras como "simples, primário, normal, usual, ou normal," mas, apesar das descrições multiplicados, cada representa simplesmente uma máxima literária. A máxima representa uma primeira tentativa de reconhecer o significado da palavra, em que uma palavra é, provavelmente, usado em um sentido não marcado ou liso. Thomas Ice tem adequadamente concluiu: ".. Cooper não usar a expressão" senso comum ", como sugerem os críticos, apelando para uma teoria abstrata do entendimento comum latente na humanidade Em vez disso, ele a define dentro de um contexto literário" [18] O leitor do texto reconhece esse sentido claro como uma expectativa inicial de sentido de uma reflexão sobre a alfabetização básica. No entanto, a alfabetização básica de cada leitor reflete a cultura dentro da qual ele ganhou sua alfabetização. Essa expectativa se abre a Bíblia para um leigo a ler e estudar traduções para si mesmo. Tal expectativa, com a educação, pode tornar-se uma expectativa mais sofisticada do sentido literal com base no estudo do vocabulário bíblico de investigação lexical e semântico. Ainda assim, o leigo, como qualquer leitor, deve sempre testar sua expectativa de um sentido literal, tendo em vista os fatos no contexto imediato, e, como Cooper acrescenta, "estudado à luz de passagens relacionadas e verdades axiomáticas e fundamentais."

A emissão de um único sentido, claro pode ser ilustrado na Isaías 9: 6 texto. No sentido normal da linguagem, nossa leitura inicial do sentido torna-se o ponto de partida para a leitura do oráculo. Em tal leitura, "Deus Poderoso" nomearia uma pessoa divina e "eterno" se refere a um atributo divino. Esta leitura inicial é suportado dentro do contexto do texto. A causa final deste notável rei é o "zelo do Senhor" (9, 7), eo governo deste rei começará na história ", a partir desse momento e para sempre" (9, 7). A abrangência de seu governo e da paz não conhece limites (9, 7). Este oráculo só poderia ser realizado por uma pessoa divina, se a linguagem é tomada pelo valor de face.

Se, por outro lado, um rei histórico é que o texto significava, então o nome deve ser feita metaforicamente. Este conta com o apoio de uma série de metáforas. Em comparação com outras fontes de direção nacional, o rei é um conselheiro maravilhoso. Na comparação entre a nação a uma família, o rei é um pai eterno. Em comparação com outros governantes humanos com poder, o rei é como um deus poderoso. Mas foi nenhum rei em Israel já considerou ser Deus, e muito menos o poderoso Deus? Era nenhum Rei adorado em Jerusalém, como os reis pagãos tinham sido adorado? Não a lei proibir essa adoração (Ex 20: 2-6.)? Por isso, é improvável que este nome tem o sentido de um rei divino.

Isso expõe o tratamento insustentável que o método histórico-crítico, muitas vezes impõe aos textos. [19] Como resultado, o texto de Isaías 9: 6 seria tratado como apoiar dois sentidos para os quais existe apenas suposto apoio histórico. Quando esse método valida significados textualmente não relacionados entre o que significava eo que isso significa, a verdade objetiva ea realidade do texto é perdida. Ou o texto, a pessoa divino-humana, ou que significa uma pessoa meramente humana. E esta determinação deve ser feita com base no contexto textual imediato.

Conclusão

Martin Marty levanta uma importante questão final: "O que, se alguma coisa ... é que a devoção literalista a infalibilidade bíblica resolver" [20] A resposta apresenta duas distinções básicas da Reforma. O primeiro libera o intérprete de operar de forma consistente em fé em Deus e fé que Deus diz-sola. Na distinção a um método histórico-crítico, em que tudo deve ser interpretado é submetido a dúvida ou ceticismo, um sistema literal começa a aceitar suas reivindicações da Bíblia. Tal abordagem representa a equidade que qualquer autor desejaria, em que a simpatia que preceder qualquer juízo crítico.

A segunda característica apresenta o residente autoridade vendeu Scriptura. As palavras de um texto, entendido no contexto, determinar o tipo de significado expresso na Bíblia. Como tal, a Escritura determina o significado de distinção a alguma outra pessoa ou contexto que está sendo tratado como o órgão de decisão.

O tipo de sentido envolve o único sentido da mensagem, expressa num texto. Este compromisso impede que as palavras sejam condicionados historicamente ou culturalmente, de modo que, como em Isaías 9: 6, uma verdade é vista em um contexto histórico e uma verdade diferente é visto em um contexto profético. Em causa está a perda da verdade expressa em um texto ea referência correspondente à realidade. E essa perda é grande demais para sacrificar por uma suposta necessidade histórica ou cultural

No entanto, essas definições de interpretação literal, enquanto necessário para preservar a interpretação da verdade ensinada na Bíblia, não são suficientes para resolver todos os debates sobre interpretações. Esta insuficiência é porque as definições não são nem inata para o senso comum, nem completa em considerar todas as questões relacionadas com a interpretação válida. De um lado, ele não descanse em Scottish Common Sense Filosofia, que se baseia "na crença de que as pessoas razoáveis ​​poderia intuir absolutos morais" [21] Se tal intuição daria a um consenso sobre o que determina o significado, então as escolhas difíceis de interpretação, como ilustrado em Isaías 9: 6, pelo menos teria um acordo sobre a base para fazer essas escolhas.

Por outro lado, o sistema literal não é uma consideração completa de todas as questões relevantes relacionadas com a interpretação; portanto, não deve haver uma expectativa irrealista de que será alcançado um acordo em interpretações em

WWW.PRE-TRI.ORG


           
    A Literal Cumprimento da profecia bíblica

 

Eu sempre pensei que um dos argumentos mais poderosos para o cumprimento literal da profecia relativa ao futuro da vinda de Cristo é o fato de que a profecia se cumpriu literalmente, em sua primeira vinda. Eu ainda acredito muito isso apesar do fato de que algumas pessoas tenham tentado disputar esta importante verdade. Aqueles que argumentam que a profecia não será cumprida literalmente no futuro ir contra padrão de Deus no passado e não tem base bíblica para as suas reivindicações.

Os símbolos e figuras de linguagem

Alguns opositores do futuro, cumprimento literal da profecia tentativa de argumentar contra o futuro, o cumprimento literal, observando que a profecia muitas vezes emprega símbolos e figuras de linguagem. Isso é verdade, mas não significa que a profecia não se cumpriu literalmente na história. Intérpretes literais sempre levado em símbolos e figuras de linguagem conta. Dr. Charles Ryrie explica:

Símbolos, figuras de linguagem e tipos são todos interpretados claramente neste método e eles não são de forma contrária à interpretação literal. Afinal, a própria existência de qualquer significado para uma figura de linguagem depende da realidade do significado literal dos termos envolvidos. Figuras muitas vezes cometem o mais claro o significado, mas é o significado literal, normal, ou simplesmente que eles transmitem ao leitor. [1]

Logo no início do ministério de Cristo, João Batista disse de Jesus como Ele se aproximou dele: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (João 1:29). João usou um símbolo para designar Jesus-o Cordeiro de Deus. No entanto, só porque um símbolo foi usado não significa que Jesus não literalmente morrer, como um cordeiro sacrificial, pelo pecado do homem. Todos nós sabemos que ele fez. O uso de João de uma referência simbólica a Cristo elogiou o ponto que Jesus veio para "tirar o pecado do mundo" através da Sua morte real, sacrificial. Esta previsão foi cumprida literalmente na história.

De forma semelhante, a Bíblia usa o termo "animal" em todo Daniel e Apocalipse como um símbolo para a pessoa que é muitas vezes conhecido como o anticristo. Aparentemente, o símbolo da besta foi escolhido por Deus para designar a natureza bestial ou animal do anticristo. Isto não significa que o animal é apenas a personificação do mal no mundo. Não, mesmo que um símbolo é usado para descrever esta ainda no futuro ser humano, isso significa que o anticristo irá exibir caráter ímpio como uma pessoa histórica real. Esta profecia se cumpriu literalmente, exatamente como foi a morte de Cristo, como o Cordeiro de Deus.

Cotação do Antigo Testamento

Em meados da década de 1980 um casal de ex-alunos do Seminário de Dallas, que tinham abandonado a interpretação literal da profecia, se adiantou para fazer avançar uma teoria de que a profecia do Antigo Testamento sobre a primeira vinda de Cristo não foi sempre cumprida literalmente, portanto, não devemos esperar um literal . cumprimento da profecia no futuro [2] ". cinco tipos de cumprimento da OT no NT como aplicado a Cristo" Curtis Crenshaw escreveu o capítulo que disse que há [3] Crenshaw diz que os cinco tipos de atendimento são: " direto, típico, analógica, de acordo com o sentido ", [4] e "o Senhor cumprimento escatológico". [5] No início Crenshaw tinha notado a seguinte declaração de Charles Ryrie: "As profecias do Antigo Testamento sobre a primeira vinda de Cristo. .. foram todas cumpridas literalmente. Não há cumprimento não-literal destas profecias no NT ". [6] Crenshaw fornece uma lista de 97 Velho Testamento profecias sobre a primeira vinda (ele admite que poderia ter perdido alguns), que de Cristo ele classifica de acordo com as cinco categorias. [7] Ele então conclui: "Dos 97 OT profecias apenas 34 foram direta ou literalmente cumprida, que é apenas 35,05 por cento! Não Ryrie dizer NONE foram cumpridas de forma não-literal? " [8]

Em seu zelo para minar o cumprimento literal da profecia, Crenshaw introduz um arenque vermelho que ele acredita que refuta a alegação de Ryrie. Mas o que ele realmente fez? Crenshaw tomou a forma em que inspirou escritores do Novo Testamento citam profecias do Antigo Testamento e substituído esse processo para o resultado do cumprimento. De Crenshaw cinco maneiras pode ou não pode explicar como os escritores do Novo Testamento citam passagens do Antigo Testamento, mas a cotação dessas passagens é uma questão totalmente diferente do cumprimento das profecias. Ao introduzir o processo de como os escritores do Novo Testamento citam o Antigo, como se fosse o mesmo que o resultado do cumprimento da profecia, ele realizou uma grande mão leve-of-para muitas pessoas. No entanto, estas são duas questões diferentes.

Cumprimento das predições do Antigo Testamento

Independentemente de como um Novo Testamento escritor inspirado cita ou refere-se a profecia do Antigo Testamento no Novo, o real reivindicação por intérpretes literais são de que essas profecias se cumpriram literalmente, ao contrário de alegoricamente. O que significa um cumprimento literal eo que seria um cumprimento não-literal parece? Um cumprimento literal envolve algo que realmente aconteceu na história. Voltar para a declaração de João Batista proclamando Jesus como o Cordeiro de Deus, como ele aponta para uma real pessoa de Jesus de Nazaré. Depois, Jesus morreu na cruz como um sacrifício pelos nossos pecados. Este foi um cumprimento literal. Um cumprimento não-literal seria algo que não chegou a realizar-se na história do tempo-espaço. Teria sido uma idéia do sacrifício que não foi efetivamente realizado.

Crenshaw diz: "Ironicamente, um curso que eu tomei em DTS [Seminário Teológico de Dallas] intitulado" O Velho Testamento, no Novo Testamento ", ministrado por S. Lewis Johnson, começou a abrir meus olhos para as falácias da hermenêutica dispensacionalista." [ 9] É claro que Crenshaw foi mal interpretado e mal aplicado a informação de que ele era para ter aprendido na aula do Dr. Johnson, assim como o livro por ele e Gunn está cheia de distorções semelhantes a respeito dispensationalism mesmo que ambos tiveram ampla oportunidade de aprender com precisão sobre o sistema que agora se opõem.

É claro que Crenshaw está fazendo mau uso da informação que ele ganhou de palestras em sala de aula do Dr. Johnson quando se examina a tabela de passagens da Escritura que ele compôs em seu livro. [10] Como o quadro se move da esquerda para a direita, ele começa com a citação do Novo Testamento, em seguida, a passagem do Antigo Testamento a partir do qual a citação tem origem, seguido de sua classificação de cumprimento. O fato de que ele começa com a passagem do Novo Testamento a partir do qual o Antigo Testamento é citado mostra que esta tabela que adquirida a partir de classe do Dr. Johnson está enfatizando como a passagem se citada no Novo Testamento, e não a sua realização. Isto é ainda mais reconhecido quando se observa que a mesa de Crenshaw inclui uma série de passagem que não foram cumpridas na primeira vinda de Cristo. Por exemplo, Apocalipse 1: 7a, em comparação com Daniel 7:13 não foi cumprida na primeira vinda de Cristo.

No início de 1990 eu vi o Dr. Johnson em uma reunião teológico e discutiu com ele o uso de Crenshaw de seu material de aula como encontrado em seu livro. Dr. Johnson disse que ele estava familiarizado com a apresentação de Crenshaw e notou que seu ex-aluno tinha torcido seus ensinamentos e aplicou-as para dizer algo com o qual ele não poderia concordar. Ele também observou que sua classe tratados como os escritores do Novo Testamento citou o Antigo Testamento. Dr. Johnson pensou que era impróprio de Crenshaw aplicá-la para saber se uma profecia do Antigo Testamento foi cumprida literalmente ou não. Ele ficou desapontado que Crenshaw fez parecer que ele (Dr. Johnson) estava de acordo com a rotação que Crenshaw tinha colocado em suas palestras.

Se os opositores do cumprimento literal da profecia quer fazer um caso de cumprimento não-literal das profecias em primeira vinda de Cristo que eles precisam para tentar algo diferente de tentativa equivocada de Crenshaw. Eles precisam encontrar exemplos de profecias que se não cumpridas literalmente no passado. Mas eu não sei de um.

Conclusão

Eu acredito que ele ainda é um verdadeiro axioma de que uma vez que as profecias sobre a primeira vinda de Cristo foram cumpridas literalmente, então isso significa que as profecias relativas à Sua segunda vinda também será cumprida literalmente. Pode ser que os símbolos e figuras de linguagem são usadas em dar essas profecias, mas assim como eles não afetou o cumprimento literal deles no passado, por isso vai ser de que serão cumpridas literalmente no futuro. Sir Robert Anderson disse muito bem:

Não existe uma única profecia, de que o cumprimento está registrado nas Escrituras, que não foi realizado com precisão absoluta, e em todos os detalhes; e é totalmente injustificável supor que um novo sistema de atendimento foi inaugurada após o cânon sagrado fechado. . . . Literalidade do cumprimento pode, portanto, ser aceito como um axioma para nos guiar no estudo da profecia. [11]

Mesmo que as profecias do Apocalipse fala sobre uma besta e um cordeiro, não é apenas a linguagem poética discutir a luta entre o bem eo mal em geral. Estes símbolos falar de reais, indivíduos futuras (o anticristo e Jesus), que vai literalmente ser envolvido em acontecimentos históricos do espaço-tempo. Profecia sobre o futuro serão cumpridas literalmente, assim como tem profecia do passado. Na verdade, não há outro caminho para a profecia a ser cumprida e ainda tê-lo classificado como profecia. 

 

N

 

                                Literal X alegórica Interpretação

 

A principal forma de críticos de nossos pontos de vista profecia atacar o que nós acreditamos que a Bíblia ensina é distorcer nossa visão da interpretação literal. Eles gostam de pintar-nos como aqueles que acreditam em "literalismo de madeira", que agora eles rotulam como simplesmente literalismo. Este facto é considerado por eles como um entendimento nave, imaturo da literatura bíblica. Muitos já respondeu a estas reivindicações e tentou esclarecer as coisas, mas eles estão cada vez mais caindo sobre os ouvidos surdos de oponentes que simplesmente se recusam a ouvir.

Os críticos falam

Em seu livro, Fim dos Tempos Fiction , Gary DeMar ridiculariza a afirmação de Tim LaHaye para interpretar a Bíblia literalmente, em conexão com o Left Behind série. "Tendo feito a alegação de que seu método é baseado no literalismo, LaHaye gasta um tempo considerável redefinindo o que ele quer dizer com literalismo", reclama Gary DeMar. "Ele faz isso para que ele possa explicar os muitos símbolos do Apocalipse e de outras partes da Bíblia que ele não interpreta em termos de sua definição literalismo". [1] Carl Olson sugere que, "Uma das características mais atraentes dispensacionalismo é que é um método de interpretação da Escritura que parece ser lógico, arrumado, e abrangente ". [2] Barbara Rossing diz: "Lindsey, LaHaye e outros dispensacionalistas afirmam estar lendo o livro do Apocalipse ', literalmente, 'aplicando previsões geopolíticas até hoje. Mas uma leitura literal do Apocalipse é impossível, e eles sabem disso ". [3] Ela acrescenta: "Uma interpretação estritamente literal do Apocalipse não é possível nem desejável". [4] "Este processo de tradução a Bíblia em um código profético e, em seguida, convidando os leitores a reconhecer o "sentido comum" do texto tem uma longa história em êxtase ficção ", diz Amy Frykholm. [5] Assim, as reclamações e representações do fluxo de interpretação literal das penas dos evangélico e liberal iguais.

Por que esses adversários da nossa teologia deturpar e distorcer a interpretação literal? Eu acredito que isso seja feito, porque se a interpretação literal da profecia está de pé esquerdo, em seguida, eles não teriam base para criticar a teologia dispensacionalista. É evidente a partir das afirmações acima que representam interpretação literal como "literalismo de madeira." Esta é uma abordagem que não é capaz de entender figuras de linguagem e símbolos para o que eles são e não propriamente caracterizar o que os intérpretes literais como eu, Tim LaHaye e Hal Lindsey realmente acreditam. Assim, os críticos geralmente alegam que os dispensacionalistas chegar a conclusões interpretativas impróprias porque usamos uma hermenêutica má ou inadequada.

Hermenêutica literais

"..... Teologia dispensacionalista é dono de nenhum outro método de interpretação ou hermenêutica do que a da Reforma dispensacionalismo não é mais considerado um método interpretativo" Dale DeWitt correctamente observou que [6] DeWitt continua:

Teologia dispensacionalista não emprega hermenêutica única ou culto; sua hermenêutica é a hermenêutica protestante histórica. Mas isso não tente aplicar esse método de forma mais consistente ao Velho Testamento profecia preditiva do que os reformadores ou as tradições denominacionais provenientes deles estavam dispostos a fazer. Ao mesmo tempo, o esforço dispensationalists no máximo literalismo possível tem sido mais uma questão de princípio do que a profunda rigor na prática. [7]

Dispensationalists sempre disse que nós estamos simplesmente aplicando o acordado hermenêutica do protestantismo-histórico, gramatical-método também conhecido como interpretação literal a todo o cânon das Escrituras, sem recorrer a métodos espirituais ou alegóricas, simplesmente porque o texto tratou do assunto de profecia. Isso significa que, incluídas no hermenêutica literal é a capacidade de reconhecer e compreender figuras de linguagem e símbolos, sem ter que abandonar a interpretação literal. Dr. Ryrie dirige esse ponto, quando diz:

Símbolos, figuras de linguagem e tipos são todos interpretados claramente neste método e eles não são de forma contrária à interpretação literal. Afinal, a própria existência de qualquer significado para uma figura de linguagem depende da realidade do significado literal dos termos envolvidos. Figuras muitas vezes cometem o mais claro o significado, mas é o significado literal, normal, ou simplesmente que eles transmitem ao leitor. [8]

Não dispensationalist Bernard Ramm em seu livro amplamente aceita sobre a interpretação bíblica diz:

O programa de interpretação literal das Escrituras não esquece as figuras de linguagem, os símbolos, os tipos, as alegorias que como uma questão de fato encontram-se na Sagrada Escritura. Não é um letterism cego nem um literalismo de madeira como tantas vezes a acusação. [9]

Em alguns de seus momentos mais sinceros, os opositores da interpretação literal admitir que, se a nossa abordagem é seguido então ele justamente levar a teologia dispensacionalista. Floyd Hamilton disse o seguinte:

Agora, temos de admitir francamente que a interpretação literal das profecias do Antigo Testamento nos dá apenas como uma imagem de um reino terrestre do Messias como as imagens pré-milenistas. Esse era o tipo de reino messiânico que os judeus do tempo de Cristo procurando, com base em uma interpretação literal das promessas do Antigo Testamento. [10]

Na mesma linha, Oswald Allis admite, "as profecias do Antigo Testamento, se interpretadas literalmente, não pode ser considerada como tendo sido ainda cumprida ou como sendo capaz de cumprimento do presente século". [11]

Aqui reside o problema com aqueles que, seja evangélica ou liberal, que não gostam de onde a abordagem adequada (a hermenêutica literal) leva-los. Ou essas conclusões não se encaixam seu a priori visão de mundo ou credo de sua igreja, mas é claro que eles não gostam dos ensinamentos bíblicos claros em relação ao futuro.

Interpretação alegórica

Historicamente, quando as pessoas não gostam do que um documento diz ou que querem torná-lo apto a sua linha filosófica que alegorizam esse documento. Isto é o que Philo fez com a Bíblia judaica em Alexandria, no Egito e, no início, alguns cristãos peguei esse hábito dele e importados para dentro da Igreja. Ronald Diprose nos diz sobre a abordagem interpretativa alegórico de Orígenes:

No entanto, sua metodologia exegética foi profundamente influenciado pelo clima intelectual em que ele cresceu. Os gregos tinham usado allegorism para tornar o conteúdo mítico de obras antigas, como aqueles escritos por Homero e Hesíodo, aceitável para os leitores com uma volta mais filosófica da mente. Orígenes também foi influenciado pelo exemplo de Philo, um judeu de Alexandria do primeiro século que havia interpretado Escrituras do Antigo Testamento alegoricamente, a fim de torná-los harmonias com o platonismo. [12]

Gary DeMar e outros intérpretes não literal da profecia não pode desenvolver um acordo sobre sistema de princípios interpretativos de que para realizar a abordagem alegórica. Eles não podem lidar com a teologia dispensacionalista através de uma abordagem positiva; eles devem estar sempre no ataque. Portanto, eles tentaram argumentar que, se você interpretar a profecia literalmente, em seguida, leva ao absurdo. Este é claramente o tato que DeMar usa todo Fim dos Tempos Fiction . Tal abordagem também explica por que o tom de todo o livro de DeMar, e outros como ele, é um dos condescendência e ridículo.

Historicamente, os intérpretes alegóricos têm comumente olhou para intérpretes literais como estúpido ou lenta, uma vez que são incapazes de ascender às percepções mais profundas, espirituais da abordagem alegórica. Um exemplo clássico desta atitude está em exibição nos escritos do primeiro historiador da igreja primitiva, Eusébio (cad 260-340) ao escrever sobre uma profecia que interpretou literalmente chamado Papias (cad 70-155).

Papias. . . diz que haverá um milênio após as ressurreições dos mortos, quando o reino de Cristo será estabelecido na forma material nesta terra. Suponho que ele tem essas noções por uma leitura perversa das contas apostólicos, não percebendo que eles tinham falado misticamente e simbolicamente. Pois ele era um homem de muito pouca inteligência, como forma clara seus livros. Mas ele é responsável pelo fato de que tantos escritores cristãos depois dele tinha a mesma opinião, confiando em sua antiguidade, por exemplo, Irineu e quem mais parece ter mantido os mesmos pontos de vista. [13]

Tal atitude de condensação alegórico para literalists parece explicar por que uma paródia de Left Behind foi produzido intitulado logo atrás . [14] Nathan Wilson, um autor de vinte e poucos anos, foi claramente dominado a arte do ridículo sarcástico que, muitas vezes tipifica a mentalidade pós-moderna dos nossos dias. Em vez de interação pensativo com o Left Behind série, a abordagem de Wilson é a de ataque, insulto e escárnio. Intérpretes alegóricos pensar que eles são pensadores profundos e ver mais do que é, na verdade, no texto. Esse é o problema, eles vêem mais do que está no texto. Por outro lado, os intérpretes literais que eles dizem, não entendo, a sofisticação da linguagem e da literatura.

Uma autoridade Alternate

Eu acredito que a tendência entre os estudiosos evangélicos é criar uma base de autoridade alternativa fora da Bíblia. Eles, então, usar o que equivale a uma base de autoridade alternativa como base para atacar o significado literal das Escrituras, especialmente no que se refere ao início e ao futuro. Ter cultivado uma base de autoridade alternativo, como o uso indevido de arqueologia, história, mitologia, ciência e outras fontes de influência, eles usam essas "autoridades" extra-bíblicas para questionar e desafiar as próprias Escrituras. Isso é feito sob o pretexto de que devemos entender o contexto ea cultura do texto da Escritura, a fim de entendê-la corretamente. Eu também acredito no uso do material de fundo, mas a questão é como ele deve ser usado. Esses evangélicos não estão usando esse material para adicionar profundidade a apenas uma interpretação que é adquirida principalmente a partir do próprio texto, mas em vez disso eles estão usando essas informações extra-bíblica para introduzir novas interpretações inteiras do texto que não poderia começar sem essa informação alternativa . Assim, com base na sua interpretação torna-se a informação extra-textual que eles costumam usar para desacreditar o entendimento tradicional e simples de uma determinada passagem bíblica. Isso equivale a uma forma de interpretação alegórica.

Um exemplo na área da escatologia é de Brent Sandy Plowshares & Poda Hooks . [15] típica daqueles que estão sob o feitiço de influência pós-moderna de hoje, Sandy exalta o processo interpretativo, em detrimento de se chegar a uma teologia definitiva. Doublespeak de Sandy é evidente no seguinte:

As limitações da profecia como uma fonte de informação para o futuro foram demonstrados com exemplos de várias partes proféticas da Escritura. Tornou-se evidente que o elemento predicativo de profecia é mais translúcido do que transparente. A profecia é sempre preciso em que se propõe a revelar, mas raramente ele revelar informações para que possamos saber o futuro com antecedência. Figuras de linguagem para descrever a função e não os detalhes do que vai acontecer, mas a gravidade do que está para acontecer. [16]

Tão típico dos evangélicos que querem atribuir a profecia bíblica alguma categoria especial ou gênero literário que eles chamam de "apocalíptico", Sandy diz: "os intérpretes devem reter o julgamento sobre muitos elementos da profecia, inequívocas temas proféticos abundam por toda a Escritura, centrando-se na segunda vinda de Jesus, o Messias ". [17] Bem, muitos preteristas, que concordam com a sua manipulação vago e sombrio da profecia bíblica não acreditam em um futuro segunda vinda. Sandy conclui, "se minhas conclusões sobre a linguagem da profecia apocalíptica e estão corretos, todos os sistemas de escatologia estão sujeitos a reconsideração". [18] Não deve ser surpreendente, já que Sandy está em dívida com uma mentalidade pós-moderna, que ele acredita que o correto compreensão da mensagem escatológica da Bíblia será composto de uma mistura de todas as diferentes visões proféticas. [19]

Uma coisa é clara sobre Sandy ea vista acadêmico evangélico é que a profecia não deve ser tomada literalmente, como tem sido feito pelos dispensacionalistas. E eles dizem que nós sabemos isso, principalmente, porque as porções proféticas da Bíblia são apocalíptico, que não se destinavam a ser tomado literalmente. Eles podem não ser capaz de lhe dizer o que essas seções da Bíblia realmente significam, mas uma coisa eles sabem: a profecia não deve ser interpretada literalmente (que está de acordo com a abordagem histórica, gramatical).

Conclusão

Walt Kaiser sugeriu cerca de vinte anos atrás, que a igreja é "agora passando por uma crise hermenêutica, talvez tão importante em sua importância e resultado que o da Reforma". [20] A crise atual tem raízes históricas nos escritos de tais liberais radicais como Friedrich Schleirmacher (1768-1834), Wilhelm Dilthey (1833-1911), Martin Heidegger (1889-1976), Rudolf Bultmann (1884-1976), e Hans Georg Gadamer (b. 1.900). [21] Com Gadamer, como Kaiser, observa que "o sentido do texto encontra-se em seu tema, em vez de o que um autor quer dizer com esse texto." [22] Kaiser explica ainda:

O processo de exegese de um texto não é mais linear, mas circular, aquela em que o intérprete afeta seu texto, tanto quanto o texto (em seu assunto) de alguma forma afeta o intérprete também. Claramente, há uma confusão de ontologia com a epistemologia, o sujeito com o objeto, o "aí-seidade" das proposições do texto com o total "bagagem" cultural e interpretativa do intérprete. [23]

A última década viu a fusão da hermenêutica evangélicos e liberais, que tem por-e-grande foi adotado por estudiosos em escolas anteriormente conservadores. Não são os liberais que mudaram. Nesta abordagem as palavras do autor estão vestidos com algum sentido espiritual mais profundo. Com esse retorno ao método alegórico de interpretação, as palavras dos profetas do Antigo Testamento são muitas vezes explicadas. A mais recente e termo "moda" é sensus plenior . O uso deste conceito envolve encontrar a "mais completa, que significa" que o autor não tinha a intenção clara. [24] O "olhar mergulhado" também está encontrando seu caminho para a comunidade evangélica, como alguns estão voltando para os múltiplos significados do texto, uma vez na posse de . escolásticos [25] Bruce Waltke sugere uma abordagem quádruplo: histórico, típico, anagógico, e moral. [26] Ora, está desenvolvendo um consenso evangélico, em conluio com o liberalismo que diz a profecia não pode ser tomada literalmente. A imprensa está em demonizar e marginalizar o intérprete literal da profecia bíblica. Maranatha!

 

 fonte WWW.ESTUDARESCATOLOGIABIBLICA.BLOGSPOT.COM