Translate this Page

Rating: 3.0/5 (902 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


GEORGE FREDERICH HANDEL
GEORGE FREDERICH HANDEL

 

               MUSICO GEORGE FRIEDRICH HANDEL  

 

Compositor musical Inglês, Alemão, por origem, nasceu em Halle, na Baixa. Saxônia, no 23 de fevereiro 1685 Seu nome A vida era Handel, mas, como a maioria dos músicos do século 18 que viajaram, ele comprometido com sua pronúncia por estrangeiros, e quando na Itália soletrou Hendel, e na Inglaterra (onde ele se naturalizou ) aceitou a versão de Handel, que é, portanto, razão para os escritores ingleses, enquanto Händel continua a ser a versão correta na Alemanha. Seu pai era um cirurgião-barbeiro, que desaprovou a música, e desejou George Frederick para se tornar um advogado. Um amigo contrabandeados um clavicórdio no sótão, e sobre este instrumento, que é inaudível atrás de uma porta fechada, o menino praticada secretamente. Antes ele tinha oito anos, seu pai foi visitar um filho de um casamento anterior, que era um criado-de-chambre ao duque de Saxe-Weissenfels. O menino implorou em vão para ir também, e finalmente correu atrás do carro, a pé até agora que ele tinha que ser tomada.

 Ele fez amizade com os músicos da corte e artificial para a prática no órgão quando ele poderia ser ouvido pelo duque, que, imediatamente reconhecer o seu talento, falou seriamente com o pai, que teve de ceder aos seus argumentos. Ao retornar a Halle Handel tornou-se um aluno de Zachau, a catedral organista, que lhe deu uma formação completa como compositor e como intérprete de instrumentos com chave, oboé e violino. Seis muito bons trios para dois oboés e baixo, que Handel escreveu na idade de dez, são existentes; e quando ele próprio foi mostrado a eles por um admirador de Inglês que eles haviam descoberto, ele foi muito divertido e comentou: "Eu escrevi como o diabo naqueles dias e, principalmente, para o oboé, o que era o meu instrumento favorito." Sua principal também é claro o fez escrever uma quantidade enorme de música vocal, e ele teve que produzir um moteto a cada semana.Pelo tempo que ele tinha doze anos Zachau pensou que poderia ensiná-lo não mais, e, consequentemente, o menino foi enviado para Berlim, onde ele fez uma grande impressão na corte. 

Seu pai, no entanto, o pensamento apto para recusar a proposta do eleitor de Brandemburgo, mais tarde rei Frederico I. da Prússia, para enviar o menino para a Itália a fim depois de anexar ele ao tribunal em Berlim.
 Músicos da corte alemã, tão tarde como o tempo de Mozart, quase não teve liberdade suficiente para satisfazer um homem de caráter independente, ea Handel mais velho ainda não tinha perdido a esperança de seu filho de se tornar um advogado. Jovem Handel, portanto, voltou a Halle e retomou seu trabalho com Zachau. Em 1697 seu pai morreu, mas o menino mostrou grande piedade filial em terminar o curso normal de sua educação, tanto geral e musical, e até mesmo de entrar na universidade de Halle em 1702 como estudante de direito. Mas nesse ano ele conseguiu o cargo de organista da catedral, e depois de sua "liberdade condicional" em que a capacidade de ano, ele partiu para Hamburgo, onde a única ópera alemã digna desse nome estava florescendo sob a direção de seu fundador, Reinhold Keiser . Aqui, ele fez amizade com Matheson, um compositor prolífico e escritor sobre música. Em uma ocasião, eles saíram juntos para ir a Lübeck, onde um sucessor era para ser nomeado para o cargo deixado vago pelo grande organista Buxtehude, que estava se aposentando por conta de sua idade avançada. Handel e Matheson fez muita música nesta ocasião, mas não competir, porque eles descobriram que o candidato foi obrigado a aceitar a mão da filha idosos do organista de se aposentar.

 

No 90 de janeiro 1705, a primeira ópera de Handel, Almira, foi realizado em Hamburgo, com grande sucesso, e foi seguido, algumas semanas depois por um outro trabalho, intitulado Nero. Nero está perdido, mas Almira, com sua mistura de linguagem e forma italiana e alemã, permanece como um valioso exemplo das tendências da época e de métodos ecléticos de Handel. Ele contém muitos temas usados ​​por Handel na conhecida trabalhos posteriores; mas a afirmação corrente de que a famosa ária de Rinaldo, " Lascia ch'io pianga ", vem de uma sarabanda em Almira, é baseada em nada mais definida do que a semelhança inevitável entre as mais simples formas possíveis de sarabanda ritmo. 

Em 2010 Handel esquerda Hamburgo para a Itália, onde permaneceu por três anos, rapidamente adquirindo o estilo vocal italiano suave que seguir sempre caracterizou sua obra. Ele tinha antes deste se recusou ofertas de patronos nobres para mandá-lo lá, mas agora tinha guardado dinheiro suficiente, não apenas para apoiar a sua mãe em casa, mas para viajar como seu próprio mestre. Ele dividiu seu tempo na Itália entre Florença, Roma, Nápoles e Veneza; e muitas anedotas são preservados de, seus encontros com Corelli, Lotti, Alessandro Scarlatti e Domenico Scarlatti, cuja técnica cravo maravilhoso ainda tem uma relação direta com alguns dos recursos mais modernos de estilo pianoforte. Handel logo se tornou famoso como Il Sassone (" Saxon "), e diz-se que Domenico no primeiro ouvi-lo tocar incógnito exclamou:" Ou é o diabo ou o Saxon! " Depois, há uma história de Corelli. Está vindo para o sofrimento sobre uma passagem em abertura de Handel para Il Trionfo del tempo, em que os violinos subiu para A em altissimo. Handel, impaciente pegou o violino para mostrar Corelli como a passagem deve ser tocada, e Corelli, que nunca tinha escrito ou tocada além da terceira posição em sua vida (esta passagem estar no sétimo), disse gentilmente: "Meu querido saxão, isto música é no estilo francês, o que eu não entendo ".

Na Itália Handel produziu duas óperas, Rodrigo e Agrippina, este último um trabalho muito importante, de que a esplêndida abertura foi remodelado 44 anos depois como a de seu último oratório original Jephtha.Ele também produziu dois oratórios, La Ressurreição, e Il Trionfo del ritmo. Isto, 46 anos depois, formou a base do seu primeiro trabalho. The Triumph of Time e Verdade, que não contém nenhum material original.Primeiras obras de Handel Todos conter material que ele usou muitas vezes com muito pouca alteração mais tarde, e, embora o famoso "Lascia ch'io pianga" não ocorre em Almira, ela ocorre nota por nota emAgripina e os dois oratórios italianos. Por outro lado, a cantata Aci, Galattea e Polifemo não tem nada em comum com Acis e Galatea. Além destas obras maiores existem várias cantatas de corais e solistas, dos quais o mais antigo, como o grande Dixit Dominus, show em sua dificuldade vocal extravagante como radical foi a mudança que a experiência italiana de Handel tão rapidamente efectuadas em seus métodos. 

 

O sucesso de Handel na Itália estabeleceu sua fama e levou a sua recepção em Veneza em 3097 a oferta do. 

 

Em seu retorno à Inglaterra, ele entrou para o serviço do Duque II de Chandos como condutor de seus shows, recebendo mil libras para o seu primeiro oratório Esther. A música que Handel escreveu para o desempenho em "canhões", o duque de Chandos de residência em Edgware , é composta na primeira versão de Esther, Acis e Galatea, e os doze Chandos Anthems, que são composições aproximadamente na mesma forma como cantatas de igreja de Bach, mas sem qualquer uso sistemático de músicas corais.O londrino moda iria viajar nove milhas naqueles dias para a pequena capela de Whitchurch para ouvir a música de Handel, e tudo o que resta da magnífica cena dessas visitas é a igreja, que é a igreja paroquial de Edgware.

 Em 1720 Handel apareceu novamente em uma capacidade de público como empresário da ópera italiana no Teatro Haymarket, que ele conseguiu para a instituição chamada a Royal Academy of Music. Senesino, uma cantora famosa, para envolver quem Handel especialmente viajou para Dresden, foi o esteio da empresa, que abriu com um desempenho de grande sucesso da ópera de Handel Radamisto.Para esse tempo pertence a famosa rivalidade entre Handel e Buononcini, um compositor italiano melodioso quem muitos pensavam ser o maior dos dois. A controvérsia foi perpetuado em linhas de John Byrom: "Alguns dizem que, em comparação com Buononcini Isso Mynheer Handel, mas um tolo, outros afirmam que ele a Handel é pouco apto para segurar uma vela.

 

Estranho toda essa diferença deve ser Twixt Tweedle-Dum e Tweedle-dee "Deve ser lembrado que, neste momento Handel ainda não tinha afirmado a sua grandeza como escritor coral;. As idéias de moda de música e musicalidade foram baseadas inteiramente em cima de sucesso em italiano ópera, ea disputa entre os compositores rivais foi travada com base em obras que caíram em quase completo esquecimento no caso de Handel como em. Nenhuma das cerca de quarenta óperas italianas de Handel do Buononcini pode ser dito para sobreviver, exceto em cerca de dois ou três árias destacadas fora de cada ópera; árias que revelam as suas qualidades essenciais muito melhores isoladamente do que quando realizado em grupos de entre vinte e trinta anos no palco, como as interrupções de a ação de um drama clássico a que ninguém prestou a menor atenção. Mas mesmo dentro desses limites recursos artísticos de Handel eram grandes demais para deixar a questão em dúvida, e quando Handel escreveu o terceiro ato de uma óperaMuzio Scevola, dos quais Buononcini e Ariost11 escreveu os outros dois, o seu triunfo foi decisivo, especialmente porque Buononcini breve entrou em descrédito ao não defender-se da acusação de produzir como um prêmio-madrigal de sua própria composição, que provou ser por Lotti. 

Em todos os eventos Buononcini deixou Londres e Handel para os próximos dez anos foi, sem rival em seus empreendimentos como um compositor operístico. Ele não foi, no entanto, sem um rival como um empresário; ea competição hostil de uma empresa rival, que obteve os serviços do grande Farinelli e também induziu Senesino abandoná-lo, levou à sua falência em 1737, e um ataque de paralisia causada por ansiedade e excesso de trabalho. A empresa rival também teve de ser dissolvida por falta de apoio, de modo a que os infortúnios de Handel não deve ser atribuído a qualquer falha em manter a sua posição no mundo musical. Consciência artística de Handel foi a do oportunista mais easy-going, ou ele nunca teria continuado até 1741 para trabalhar em um campo que deu tão pouco espaço para sua genialidade. Mas o público parecia querer óperas, e, se a ópera não tinha espaço para seu gênio, em todos os eventos que ele poderia fornecer melhores óperas com maior rapidez e facilidade do que quaisquer outros três compositores vivos que trabalham em conjunto. E isso ele naturalmente continuou a fazê-lo desde que ele parecia ser a melhor maneira de manter a sua reputação. Mas com toda essa oportunismo artístico que ele não era um homem de tato, e há inúmeras histórias do tipo da sua exploração a grande prima donna Cuzzoni em condições normais de mercado para fora de uma janela e ameaçando deixá-la a menos que ela consentiu em cantar uma canção que ela havia declarado inadequado para seu estilo. 

 

Já antes de sua última ópera, Deidamia, produzido em 1741, Handel vinha fazendo uma impressão crescente com seus oratórios. 1 Chrysander diz Mattei, em vez de Ariosti.

 

Nestes, liberto das restrições do palco, ele foi capaz de dar espaço para o seu talento para a escrita coral, e, assim, desenvolver, ou melhor, reviver, que a arte de coro cantando que é a saída normal para Inglês talento musical. Em 1726 Handel tinha se tornado um inglês naturalizado, e em 1733 ele começou sua carreira pública como compositor de textos em inglês, produzindo o segundo e maior versão de Esther no teatro do rei. Isto foi seguido no início do mesmo ano por Deborah, em que a parte do refrão é muito maior. Em julho, ele produziu Athalia em Oxford, o primeiro trabalho em que seus característicos coros duplas aparecem.

 A parcela dos aumentos coro em Saul (1738); e Israel no Egito (também 1738) é praticamente inteiramente uma obra coral, os movimentos de solo, apesar de sua fama, sendo tão superficial em caráter como eles são poucos em número. Não era natural que o público, que ainda considerava a ópera italiana a mais alta, porque a forma mais moderna de arte musical, obrigado Handel em performances subseqüentes deste trabalho gigantesco para inserir mais solos. 

Messias foi produzido em Dublin no 13 abril de 1742. Samson (que Handel preferiu o Messias ) apareceu em Covent Garden, no 02 de março de 1744; Belsazar no teatro do Rei, 27 de março de 1745;o Oratório Ocasional (principalmente uma compilação dos oratórios anteriores, mas com alguns importantes novos números), no 14 de fevereiro de 1746 no Covent Garden, onde foram produzidos todos os seus oratórios posteriores; Judas Macabeu sobre o 01 de abril de 1747; Joshua em a 09 de marco de 1748, Alexander Balus no 23 de março de 1748; Salomão na 17 março, 1749; Susanna, primavera de 1749; Theodora, um grande favorito de Handel, que estava muito decepcionado com a sua recepção fria, no dia 16 de março 1750; Jephtha (a rigor, seu último trabalho) sobre o 26 de fevereiro de 1752, e The Triumph of Time and Truth (transcrito de Trionfo del ritmo com a adição de muitos números depois favoritos), 1757 Outras obras importantes, indistinguíveis em forma artística de oratórios, mas sobre assuntos seculares, estão Festa de Alexander, 1736; Ode para o Dia de Santa Cecília (palavras por Dryden); L 'Allegro, ele pensieroso ed ele moderato (as palavras da terceira parte por Jennens), 1740;Semele , 1744; Hércules, 1745; e A Escolha de Hércules, 1751. 

Aos poucos, a inimizade contra Handel morreu longe, embora ele tinha muitos problemas. Em 1745 ele tinha novamente em falência; pois, embora ele não tinha rival como compositor de música coral era possível para seus inimigos para dar bailes e banquetes nas noites de suas performances oratório. Tal como acontece com a sua primeira falência, assim, em seus últimos anos, ele mostrou senso de honra escrupuloso no cumprimento de suas dívidas, e ele continuou a trabalhar duro até o fim de sua vida. Ele não só se recuperou completamente sua situação financeira até o ano de 1750, mas ele deve ter feito uma boa quantidade de dinheiro, para ele, em seguida, apresentou um órgão para o Hospital Foundling, e abriu-a com uma performance do Messias em 15 de maio . 

Em 17 51 sua visão começou a incomodá-lo;eo autógrafo de Jefté, publicado em fac-símile pelo Handelgesellschaft, mostra traços patéticos desta em sua caligrafia, "e isso proporciona uma prova mais valiosa de seus métodos de composição, todos os acompanhamentos, recitativos, e porções menos essenciais do trabalho que está sendo evidentemente preenchidos muito tempo depois do resto. Ele foi submetido a operações mal sucedidas, um deles pelo mesmo cirurgião que operou nos olhos de Bach. 

Há evidências de que ele era capaz de ver em intervalos durante seus últimos anos, mas a sua visão praticamente nunca mais voltou depois de maio de 1752 Ele continuou superintender performances de suas obras e escrever novas árias para eles, ou inserir as antigas revistas, e ele participou de uma desempenho do Messias , uma semana antes de sua morte, que ocorreu, de acordo com o Public Advertiser do 16 de abril, e não na sexta-feira, dia 13 de abril, de acordo com seu próprio desejo piedoso e de acordo com o relatório comum, mas na 14 abril 1759 Ele foi enterrado na Abadia de Westminster; e seu monumento é por LF Roubilliac, uma por uma coincidência dramática cegueira de Handel interrompeu durante a escrita do refrão: "Como escuro, oh Senhor, são os teus decretos ,. .. todas as nossas alegrias para a tristeza de girar. .. como a noite sucede ao dia. " o mesmo escultor que modelou a estátua de mármore erguido em 1739 em Vauxhall Gardens, onde seus trabalhos foram realizados com freqüência. 

Handel era um homem de grande caráter e inteligência, e seu interesse não se limitou à sua própria arte exclusivamente. Ele gostava da sociedade de políticos e homens de letras, e ele também era um colecionador de fotos e artigos de vertu. Seu poder de trabalho era enorme, eo de Handelgesellschaftedição de suas obras completas enche cem volumes, formando uma massa total de quase igual ao as obras de Bach e Beethoven juntos. (FH; DFT) Ninguém tem popularizado com mais sucesso os maiores ideais artísticos que Handel; nenhum artista é mais desconcertante para os críticos que imaginam que o desenvolvimento mental de um grande homem é fácil de seguir. 

Nem mesmo Wagner efetuou uma maior c omposer. transformação nas possibilidades da música dramática de Handel realizada em oratório, mas vimos que Handel era exatamente o oposto de um reformador. Ele não era nem conservador, e ele mal tomou as dores para verificar o que era uma forma de arte, desde que algo externamente como ele iria transmitir a sua ideia. Mas ele nunca deixou de transmitir a sua ideia, e, se as formas híbridas em que ele transmitiu que não tinha influência histórica e sem caráter típico, eles eram nada menos precisa em cada caso individual. A mesma aptidão ea mesma falta de método são evidentes em seu estilo. 

A idéia popular de que o estilo de Handel é facilmente reconhecível vem do fato de que ele ofusca todos os seus antecessores e contemporâneos, exceto Bach, e assim nos faz considerar típico estilo italiano e Inglês do século 18, como Handelian, em vez de considerar o estilo como típico 18 italiano de Handel -century. Nada na música exige mais conhecimento especializado minuto de peneiração das peculiaridades reais do estilo de Handel da massa de fórmulas contemporâneas que em suas páginas inspiradas ele absorvidos, e que em suas páginas não inspirados ele absorvida. 

Seu domínio foi adquirido fácil, como Mozart, na infância. As sonatas posteriores para dois oboés e baixo que ele escreveu em seu décimo primeiro ano são, excepto na sua prolixidade e um deslizamento ocasional em gramática, indistinguível de seus últimos trabalhos, e eles mostram uma inventividade pueril digno da obra de Mozart com a mesma idade. Tais obras corais iniciais, como o Dixit Dominus (1707), mostram o poder mal regulada de sua escrita coral antes que ele assimilou influências italianas. Suas dificuldades práticas, são pelo menos tão extravagante como Bach, enquanto eles não são contabilizados por qualquer originalidade ea necessidade da idéia correspondente; mas a grandiosidade do esquema e nobreza de pensamento já é aquele para o qual Handel tantas vezes nos últimos anos encontrou os meios mais simples e fáceis adequadas de expressão que a música jamais alcançados. Seu gênio eminentemente prático logo formou seu estilo vocal, e muito antes do período de suas grandes oratórios, obras como a ode de aniversário para a rainha Anne (1713) e do Utrecht Te Deum não mostrar um traço de extravagância alemão.

 A única desvantagem para seu gênio prático foi que o levou a enterrar talvez a metade de suas melhores melodias, e quase todas as características seculares de interesse em seu tratamento dos instrumentos e das formas Aria, nesse limbo deplorável da vaidade, po 18o ópera italiana do século. Não é verdade, como foi alegado contra ele, que suas óperas são de modo algum superiores aos de seus contemporâneos; mas também não é verdade que ele se mexeu um dedo para melhorar a condição da arte musical dramático. Ele não era um escravo de cantores, como é amplamente testemunhado por muitas anedotas. Nem ele foi amarrado pelas convenções de ópera da época. EmTeseo ele não só escreveu uma ópera em cinco atos, quando costume prescrito três, mas também quebrou uma regra muito mais plausível na organização de que cada personagem deve ter duas árias em sucessão. Ele também mostrou um sentimento de expressão e estilo que o levou a escrever árias de tipos que os cantores não pode esperar.

 Mas ele nunca fez qualquer inovação que teve a menor influência sobre a fase de ofício da ópera, pois ele nunca se preocupou com qualquer questão artística para além do assunto em questão; eo assunto em questão não era fazer música dramática, ou para tornar a história interessante e inteligível, mas simplesmente para proporcionar um show de entre cerca de vinte e trinta árias e duetos italianos, onde os cantores poderiam mostrar suas habilidades e espectadores encontrar distração da monotonia de uma tão grande dose de forma ária (que era então a única possibilidade para a música vocal solo) no deslumbramento dos vestidos e cenários. 

Quando surgiu a questão como um entretenimento musical deste tipo poderia ser gerido de Quaresma, sem protestos do bispo de Londres, oratório Handelian surgiu como uma questão de disciplina. Mas, apesar de Handel foi um oportunista que não era superficial. Seu senso artístico apoderou-se as possibilidades naturais que surgiram logo que a música foi transferida do palco para a plataforma de concerto; e seu primeiro oratório Inglês, Esther (1720), bem mostra a transição.

 O assunto é tão quase secular quanto qualquer outra que pode ser extraído da Bíblia, eo tratamento foi baseado no de RacineEsther, que foi muito discutido na época. Oratório de Handel foi reproduzida em uma versão ampliada em 1732 no teatro do rei: o Royal Princess desejou cenário e ação, mas o bispo de Londres protestou. E os coros, de que na primeira versão já existem nada menos do que dez, são por um lado operístico e unecclesiastical na expressão, até o último, onde o trabalho polifônico em grande escala aparece em primeiro lugar; mas, por outro lado, eles são todos muito tempo para ser cantada por coração, como é necessário em óperas. Na verdade, o ponto de viragem no desenvolvimento de Handel é a emancipação do coro das limitações teatrais. . Este teve como grande efeito sobre seus poucos mas importantes Inglês secular funciona como sobre seus outros oratórios Acis and Galatea, Semele e Hercules, são de fato oratórios seculares; a música coral em si não é eclesiástica, mas é grande, independente e polifônico. 

Devemos lembrar, então, que esquema do oratório de Handel é operística na sua origem e não tem ligação histórica com princípios como poderia ter sido generalizada da prática da música alemã da época Paixão; e é suficientemente surpreendente que o coro deve ter tão prontamente assumiu seu lugar em um esquema que o público certamente considerado como uma espécie de ópera quaresmal bíblica. E, embora o coro deve a sua liberdade de desenvolvimento para o desaparecimento das necessidades teatrais, torna-se não menos poderoso como um meio de expressão dramática (em oposição à ação dramática) do que como um recurso puramente musical. Já em Athalia o coro "Aleluia" no final do primeiro ato é uma maravilha da verdade dramática. É cantado por israelitas quase em desespero sob usurpando tirania; e, portanto, é uma fuga dupla grave em tom menor, expressivo de coragem devoto em um momento de depressão. Por razões puramente musicais não é menos poderoso em jogar no maior alívio possível a solenidade extática do salmo com que o segundo ato é aberto. 

Agora este triste "Hallelujah" coro é uma ilustração muito conveniente da originalidade de Handel, eo ponto em que o seu poder criativo realmente se encontra. Não foi originalmente escrito para a sua situação em Athalia, mas foi escolhido para ele. Ele era originalmente o último refrão da segunda versão do hino, como calças de Hart, do autógrafo de que está faltando porque Handel cortar as últimas páginas, a fim de inseri-los no manuscrito de Athalia. A inspiração em Athalia assim não está na criação do próprio coro, mas em que a escolha de. 

Na música coral Handel fez mais inovação do que ele fez em arias. Seu senso de fitness em expressão era de pouca utilidade para ele na ópera, ópera, porque não pode se tornar dramática até formar musical tornou-se capaz de desenvolver e misturar emoções em todos os graus de clímax de uma forma que pode ser descrito como pictórica e não meramente decorativo ( ver Música; Sonataforms e Instrumentação).Mas no oratório não havia a menor necessidade de reformar quaisquer formas de arte. Os recursos corais comuns da época tinham perfeitas possibilidades expressivas onde não havia atores para manter espera, e onde há vestidos e cenário precisa distrair a atenção do ouvinte. Quando, finalmente, o decoro comum ditada uma atitude de reverente atenção para o assunto do oratório, em seguida, o homem de gênio .could encontrar um espaço para o seu verdadeiro sentido de aptidão dramática como faria sua obra imortal. 

Ao estimar a grandeza de Handel devemos pensar longe todos os preconceitos musicais e progressistas ortodoxos, e aprender a aplicar as lições críticos de arquitetura e alguns críticos da literatura parecem saber por natureza. Originalidade, na música como em outras artes, está no todo, e em certo sentido do verdadeiro significado de cada parte. Quando Handel escreveu uma fuga dupla normal em um tom menor sobre a palavra "Hallelujah" ele mostrou que em todos os eventos sabia que coisa vigorosa e digna de uma fuga dupla do século 18 poderia ser. Em colocá-lo no final de um salmo melancolia ele mostrou o seu sentido do valor do modo menor. 

Quando ele colocou em sua situação na Athalia ele mostrou tão perfeito senso de aptidão dramática e musical, como poderia muito bem ser encontradas no art. Agora, é óbvio que em obras como oratórios (que são esquemas dramáticos vigorosamente, mas frouxamente organizados pela junção de alguns vinte ou trinta peças completas de música) própria concepção de originalidade será muito diferente da que anima o compositor lírico moderno , música lírica ou sinfônica. Ao somarmos a isso as características de um método como Handel, na qual a técnica musical tornou-se um automatismo magistral, torna-se evidente que a nossa concepção de originalidade deve ser pelo menos tão grande como o que nós seria aplicável na crítica de arquitetura. As desvantagens da falta de uma tal concepção tem sido agravada pela falta de conhecimento geral da estrutura da arte musical; um conhecimento que mostra que o paralelo que sugerimos entre música e arquitetura, no que diz respeito à natureza da originalidade, não é mera figura de linguagem. 

Em todas as artes, há uma antítese entre forma e matéria, o que se torna reconciliada somente quando a obra de arte é perfeito na sua execução. E, qualquer que seja essa perfeição, a antítese deve permanecer sempre na mente do artista e crítico a esta medida, que alguma parte do material parece ser o tema específico de regra técnica, em vez de outra. Nos plásticas e literárias artes um tipo de antítese este é mais ou menos permanentemente mantido na relação entre sujeito e tratamento. O simples facto de estas artes se expressar através da representação de coisas que têm alguma existência independente anterior, ajuda-nos a olhar para a originalidade sim nas coisas que fazem a perfeição de tratamento do que na novidade do assunto. Mas na música não temos meios permanentes de decidir qual dos muitos aspectos: vamos chamar o assunto e qual o tratamento. 

No século 16, a forma a priori existia principalmente na prática de basear quase todos os detalhes melódica da obra em frases do canto gregoriano ou música popular, tratado em sua maior parte em termos de design polifônico definitivamente regulamentado, e em princípios harmônicos regulamentada em quase todos os detalhes da relação entre os aspectos melódicos dos modos da igreja e da necessidade de eventuais alterações do modo estrito para assegurar finalidade no final. Na música moderna tal relação entre forma e matéria, prescrevendo como faz para todos os aspectos, a cada momento, tanto da forma e da textura da música, que exclui o elemento de invenção completamente. Em i música do século 6-lo de nenhuma maneira tinha esse efeito. Um compositor inventivo do século 16 é tão claramente distinguível de um fosco como um bom arquiteto de um mau. A originalidade do compositor reside ,. na música do século 16, como em toda a arte, em toda a sua obra;mas, naturalmente, a sua concepção da propriedade e as idéias não se estenderá. para temas ou passagens isoladas. Que o homem tem direito a uma idéia que pode mostrar o que significa, ou que pode torná-lo dizer o que ele gosta. 

Deixe-o vestir o manto do gigante se ele se encaixa nele. E isso é apenas um desvio local de ponto de vista que nos faz pensar que não há propriedade em temas e nenhuma propriedade em formulários. Hoje em dia nós acontecer a considerar a forma de uma composição de toda a sua forma, e seu tema como sua matéria. E, como organização artística torna-se mais complexa e heterogênea, a necessidade de uma maior e mais violenta possível esboço de projeto é mais premente sentida; de modo que no que nós escolhemos chamar forma estamos dispostos a sacrificar toda a concepção de originalidade em prol da inteligibilidade geral, enquanto insistirmos em originalidade completa nesses detalhes temáticos que temos o prazer de chamar de matéria. Mas, se isso explica, isso não é desculpa para nossa criação de um critério de originalidade musical que pode ser aceito por nenhum críticos inteligentes de outras artes, e que é completamente chateado com o estudo de qualquer música mais cedo do que no início do século 19.

A dificuldade que muitos escritores têm encontrado para explicar o tema "plágios" de Handel não é totalmente explicada por mera falta destas considerações; mas a confusão grosseira de idéias sobre a diferença entre os casos em ponto prevalece até hoje, e muitas discussões que foram levantadas em relação ao aspecto ético da questão são francamente absurdas '. Argumentou-se, por exemplo, que grande injustiça foi feito para Buononcini sobre o lamentável caso com o prêmio madrigal, enquanto seu grande rival era permitido o crédito de Israel no Egito, que contém um número considerável de coros inteiros (além hostes de temas ) por escritores italianos e alemães anteriores. Mas a própria idéia de oratório Handelian é de cerca de três horas de música, religiosa ou secular, arranjado, como ópera, sob a forma de um entretenimento colossal, e com interesse dramático e emocional alta transmitidos a ele, se não, por se contar uma história, em todos os eventos pela natureza e desenvolvimento do tema. 

Parece, aliás, a ser totalmente esquecido que a idade era uma época de pasticcios. Nada era mais comum do que a organização de algum tipo de entretenimento solene o agrupamento hábil de peças favoritas. Handel mesmo nunca reviveu um de seus oratórios sem inserir nele peças favoritas de suas outras obras, bem como vários novos números; ea história é bem sabido que o ponto de viragem na carreira de Gluck foi a sua percepção das verdadeiras possibilidades de música dramática a partir da falha de um pasticcio na qual ele teve repor alguma música em vez definitivamente expressivo de situações para as quais não foi originalmente concebido. O sucesso de um oratório foi devido à adequação de seus contrastes, juntamente, claro, com o domínio de seu detalhe, se esse detalhe fosse novo ou velho; e há muitas gradações entre um rechauffe de uma das primeiras obras como The Triumph of Time e Verdade, ou umpasticcio com alguns números originais, como o Oratório ocasional, e obras como Sansão, que era totalmente novo, exceto que o "Dead March" primeiro escrito por ele foi imediatamente substituído pelo mais famoso importado de Saul. 

Que a idéia da pasticcio era extremamente familiar para a idade é mostrado pela prática de anunciar um oratório como "nova e original", um termo que seria, obviamente, sentido se fosse tanto uma questão de disciplina, pois é nos dias de hoje, e que, se usado em tudo, deve, obviamente, de modo aplicam-se a todo o trabalho sem proibir o compositor gratificante o público com a reprodução de uma ou duas favorito arias. Mas é claro que a questão da originalidade torna-se mais grave quando os números não são importados do compositor própria. E aqui é muito perceptível que Handel derivada sem crédito, quer com o seu público ou com a gente, de movimentos inteiros que não são de sua própria concepção.

 Em Israel no Egito, os coros "O Egito alegrou-se quando eles saíram", "E eu o exaltarei", "Tu enviaste o teu furor" e "A terra engoliu", são, sem exceção, as peças mais incolores e pouco atraentes de grave contraponto a ser encontrado entre as obras de Handel; e é muito difícil de entender o motivo de copiá-las a partir de pedaços obscuros por Erba e Kaspar Kerl, a não ser que ele queria treinar seu público para uma melhor compreensão de um estilo polifônico. Ele certamente sentiu que as maiores possibilidades de música estava na polifonia vocal superior, e assim em Israel no Egito , ele projetou um trabalho que consiste quase que inteiramente de coros, e pode ter desejado nesses casos para os movimentos de contraponto graves que ele não tinha tempo para escrever , apesar de que poderia ter feito muito melhor se eles. Seja como for, estes refrões certamente nada acrescentou "A questão" moral "foi levantada novamente em comentários de volume de admirável do Sr. Sedley Taylor de ilustrações analisadas ( O Endividamento de Handel a obras de outros compositores, Cambridge, 1906).O último argumento é que Handel mostra obliquidade moral do endividamento "lamentavelmente" a partir de fontes ninguém poderia saber no momento. 

Esse raciocínio torna misteriosa que um homem de tal obliquidade moral jamais deveria ter escrito uma nota de sua própria música na Inglaterra, quando ele poderia ter roubado as obras corais completas de Bach e mais de cem óperas de Alessandro Scarlatti com a certeza de que as fontes não seria impresso por um século depois de sua morte, mesmo que o seu próprio nome não depois verificar curiosidade entre antiquários. Claro plágios de Handel teria danificado sua reputação se contemporâneos tinha conhecido deles. Sua bolsa polifônica foi mais "antiquado" no século 18 do que no Loth. 

para a popularidade de uma obra de que o público desde o início reclamou que não havia música solo o suficiente; e qual o efeito que eles têm é apenas para jogar próprio estilo de Handel em relevo. Para tirar qualquer paralelo entre o roubo de tais detalhes não atraentes no esquema grande e intensamente Handelian de Israel no Egito e de Buononcini suposto roubo de um prêmio madrigal é simplesmente ridículo. Handel si mesmo, se ele tinha alguma suspeita de que os contemporâneos não demorou vista de um arquiteto sane da originalidade de grandes esquemas musicais, "provavelmente deu-se há mais problemas com seus escrúpulos sobre este assunto do que sobre outras formas de banalização musical. 

História da Música por Burney, o crítico musical mais inteligente e mais refinado da idade, mostra mesmo no frescor da sua erudição musical como completamente não erudita eram as idéias musicais da época. Burney era incapaz de encarar a música coral como diferente de um exercício acadêmico altamente melhorar em que ele próprio era proficiente; e para ele Handel é a grande ópera-escritor cuja música coral vai premiar o estudo dos curiosos. Se Handel tinha tentado explicar seus métodos para os músicos de sua idade, ele provavelmente teria se viu sozinho em suas opiniões quanto à propriedade das idéias musicais. Ele não se deu ao trabalho de explicar, mas ele não fez nenhuma ocultação de suas fontes.

 Ele deixou toda a sua biblioteca musical para o seu copista, e foi a partir disso que as fontes de sua obra foram descobertos. E quando toda a série de plágios é estudado, a própria forças fato em nós que nada, exceto temas e formas que são propriedade comum em toda a música do século 18, ainda não foi descoberto como fonte de qualquer obra de Handel, que não é sentida como parte de um projeto maior.Árias de ópera nunca foram sentidos como partes de um todo. A ópera foi um concerto no palco, e ele ficou ou caiu, não por uma propriedade dramática que notoriamente negligenciado a considerar em tudo, mas pela popularidade de sua arias. Não há aria nas óperas de Handel, que é feita com base em um outro compositor. Mesmo nos oratórios não existe um número solo em que mais do que os temas são furtados, nos oratórios do trabalho solo ainda apelou para o critério popular de novidade e atratividade individual. E quando deixamos a questão da cópia de movimentos inteiros e chegar a esse ponto da adaptação de passagens, e ainda mais dos temas, Handel mostra-se simplesmente em uma linha com Mozart. Jahn compara a abertura de Mozart Requiem com a do primeiro refrão em Handel Anthem Funeral. Mozart recria, pelo menos, tanto do quadro já perfeita de Handel como Handel já idealizado a partir dos fragmentos inorgânicos dos primeiros escritores. 

O contraponto duplo do Kyrie em Mozart Requiem éainda mais indiscutivelmente idêntico ao do último refrão de Handel José, e se os temas são de propriedade comum a combinação não é certamente. Mas o verdadeiro plagiador é o homem que não sabe o significado das idéias que ele copia, eo verdadeiro criador é ele, em cujas mãos permanecem ou se tornam verdadeiras idéias. O tema "conduziu-os como ovelhas" no refrão "Mas, como para o seu povo" é uma das mais belas de obras de Handel, e simplesmente a declaração de que se trata de uma serenata por Stradella parece à primeira vista um pouco chocante. Mas, para qualquer um que conhecia o tratamento de Stradella do primeiro, Handel viria como uma revelação na verdade maior do que se ele nunca tinha ouvido falar do tema antes.

 Stradella faz nada mais do mesmo, e, portanto, presumivelmente, não vê nada de mais nele do que uma melodia agradável e essencialmente frívolo que se presta a finalidade dramática história em quadrinhos por uma repetição cansativa todo oito páginas de aria desigual e ritornello instrumental a um ritmo cada vez maior. O que Handel vê nele é o que ele faz dela, uma das coisas mais solenes e poéticas na música. Mais uma vez, pode ser muito chocante descobrir que a famosa abertura do "Granizo refrão" vem da abertura irregular e jocoso a esta mesma serenata, com o qual é idêntico para todos os dez barras no acorde tônico (que representa, de acordo com Stradella , alguém batendo na porta). E é, sem dúvida, ainda mais chocante que o refrão "Ele falou a palavra, e Muita luz seria jogado sobre o assunto se alguém suficientemente ignorante da arquitetura fosse fazer pesquisas sobre endividamento de Sir Christopher Wren para arquitetos italianos! 

vieram todos os tipos de moscas "não contém nenhuma idéia de Handel próprio, exceto os que pululam violino passagens realistas, a estrutura geral, ea coloração vocal e que as figuras rítmicas e melódicas das partes de voz vêm de um igualmente irregular concertata sinfonia na obra de Stradella não. O real interesse dessas coisas deve ser negada pela distorção que os materiais adaptados são mera propriedade comum, nem pela calúnia que Handel foi uninventive. 

Os efeitos da inspiração original de Handel sobre materiais estranhos são realmente a melhor indicação da faixa de seu estilo. O sentido cômico do ritmo quebrado de abertura de Stradella torna-se de fato a inspiração de Handel à luz do tom-imagem gigantesca do "coro Granizo." No tema "conduziu-os como ovelhas" já citamos um caso particular em que Handel percebido grande solenidade com um tema originalmente destinado a ser frívola. O processo inverso é igualmente instrutivo. Nos refrões curtos Carrilhão em Saul onde as mulheres israelitas acolhem David após sua vitória sobre Goliath, Handel usa uma música instrumental deliciosa que está no início de um Te Deum por Urio, a partir do qual ele emprestou uma enorme quantidade de material em Saul, L 'Allegro, o Dettingen Te Deum e outras obras.

A idéia de Urio é o primeiro a fazer um barulho eufórica e melodiosa do registo inferior das cordas, e, em seguida, trazer para fora um gesto de altas trombetas como um contraste. Ele não tem nenhum outro uso para a sua bela melodia, que na verdade não iria suportar o tratamento mais elaborado do que ele lhe dá.O ritornello cai em declaração e contra resolução, e contra resolução assegura uma repetição da música, de ter que não mais se ouviu falar dele. Ele não tem nenhuma da solenidade de música da igreja, e seu valor como um contraste com o florescer de trombetas depende, não em si, mas sobre a sua posição na orquestra. 

Handel não ver nele uma abertura bem para uma grande obra eclesiástica, mas ele viu nela uma expressão admirável de júbilo popular, e ele entendeu como trazer o seu personagem com o sentido mais vivo do clímax e interesse dramático por tê-la em sua próprio valor como uma canção popular. Então, ele usa-o como um interlúdio instrumental acompanhado com um jingle de carrilhões, enquanto as filhas de Israel cantar uma melodia de corte quadrado esses louvores de David, que despertou o ciúme de Saul.Mas agora se voltam para a abertura do Dettingen Te Deum e ver o que uso esplêndida é feito do outro lado da idéia de Urio, o contraste entre um ruído eufórica na parte mais baixa da escala e do incêndio de trombetas a uma altura extrema. Na quarta bar do Dettingen Te Deum , encontramos as mesmas figuras trompete florido como encontramos no quinto bar de Urio do, mas no primeiro momento eles estão no oboés. 

Os quatro primeiros compassos bater uma tatuagem no tônica e dominante, com toda a orquestra, incluindo trompetes e tambores, na posição mais baixa possível e em um ritmo mexendo com uma ousadia e simplicidade característica apenas de um golpe de génio. Em seguida, os oboés aparecem com floreios de trompete do Urio; o contraste momentânea é pelo menos tão brilhante como Urio de; e como os oboés, são imediatamente seguidos pelos mesmos números sobre os próprios ganhos contraste incalculavelmente em sutileza e clímax trombetas. Além disso, esses floreios são mais melodiosa do que a abertura ampla e massiva, em vez de ser, como no esquema de Urio, incomparavelmente menos. Por último, a abertura primitivo figuras rítmicas de Handel inevitavelmente sustentam cada parte interna posterior e graves que ocorre a cada meia estreita e cheia perto durante todo o movimento, especialmente quando são usadas as trombetas. E, assim, todos os detalhes de seu plano é processado vida com um significado rítmica que a natureza fundamental do tema impede de nunca se tornar intrusivos. 

Nenhum outro grande compositor já tão assoberbados sua vida com o trabalho ocasional e mecânica como Handel, e em nenhum outro artista são as qualidades que fazem a diferença entre as páginas inspirados e sem inspiração mais difíceis de analisar. O libretos de seus oratórios estão cheios de absurdos, exceto quando eles são derivados em todos os detalhes a partir das Escrituras, como noMessias e Egito, ou a partir dos clássicos da literatura Inglês, como em Sansão e L'Allegro. 

Estes absurdos, eo óbvio fato de que em cada oratório de Handel escreve muitos mais números do que são desejáveis ​​para uma performance, e que ele estava constantemente em performances posteriores acrescentando, transferência e cortar os números individuais e muitas vezes coros bem - tudo isso pode parecer à primeira vista, militam contra a sério a visão de que a originalidade e grandeza de Handel consiste em sua compreensão das obras como totalidades, mas, na realidade fortalece essa visão. Essas coisas militam contra a perfeição do todo, mas teria sido absolutamente fatal para uma obra de que o todo não é (como em toda arte verdadeira) maior que a soma de suas partes. Que elas são sentidas como absurdos e defeitos já mostra que Handel criado em Inglês oratório uma verdadeira forma de arte na maior escala possível. 

Nunca houve um momento em que Handel foi exagerado, exceto na medida em que outros compositores têm sido negligenciados. Mas nenhum compositor sofreu tanto de má interpretação piedosa ea admiração popular de aparências enganosas. Não é o lugar aqui para dilatar após o enterro da arte de Handel sob as "gigantescas" performances dos festivais de Handel no Palácio de Cristal; nem podemos dar mais do que uma referência de passagem para os efeitos de "acompanhamentos adicionais" no estilo de uma época completamente depois, começou mais infelizmente por Mozart (cuja participação no trabalho tem sido muito mal interpretado e corrompido) e continuou no meio do século 19 por músicos de todos os graus de inteligência e refinamento, até que todo o sentido de unidade de estilo se perdeu e não parece susceptível de ser recuperado como um elemento geral na apreciação popular de Handel por algum tempo para vir.Mas, apesar disso, Handel nunca deixará de ser reverenciado e amado como um dos maiores compositores, se valorizamos os critérios de poder arquitetônico, uma sensação perfeita de estilo, eo poder subir para a altura mais sublime de musical clímax pelos meios mais simples. 

Importantes obras de Handel têm sido mencionados acima, com as respectivas datas, e uma lista detalhada separado não parece necessário. Ele era um trabalhador extremamente rápida, e seus trabalhos posteriores são datados quase de dia para dia à medida que avançam. 

A partir disso, saber que o Messias foi esboçado e marcou dentro de 21 dias, e que mesmo Jephtha, com uma interrupção de quase quatro meses, além de vários outros atrasos causados ​​pela visão falhando, de Handel, foi iniciado e concluído dentro de sete meses, o que representa quase cinco semanas escrita. Obras existentes de Handel pode ser grosseiramente resumida a partir da edição da Handelgesellschaft como 41 óperas italianas, 2 oratórios italianos, duas paixões alemãs, 18 oratórios ingleses, quatro ingleses oratórios seculares, 4 Inglês cantatas seculares e alguns outros trabalhos pequenos, Inglês e Italiano , do tipo de oratório ou música incidental dramática; 3 configurações latinos do Te Deum; do (inglês) Dettingen Te Deum e Utrecht Te Deum e Jubilate; quatro hinos de coroação; 3 volumes de hinos ingleses ( Chandos Anthems); i volume de música da igreja Latina; 3 volumes de italiano vocal de música de câmara; volume de t de obras Clavier; 37 duetos instrumentais e trios (sonatas), e 4 volumes de música orquestral e concertos de órgão (cerca de 40 obras). Números precisos são impossíveis, pois não há meios de desenhar a linha entre pasticcios e obras originais. As peças instrumentais especialmente são utilizados novamente como aberturas de óperas e oratórios e hinos. 

A edição completa do alemão Handelgesellschaft sofre de ser o trabalho de um homem que não iria reconhecer que sua tarefa estava além do poder de qualquer homem solteiro. Os melhores arranjos das partituras vocais são, sem dúvida, os publicados por Novello que não se baseiam em "acompanhamentos adicionais." Nenhum é absolutamente digno de confiança, e as do editor da revista alemãHandelgesellschaft são tristes provas da inutilidade de especialista libraryscholarship sem formação musical sólida. No entanto, os serviços da Chrysander na restauração de Handel são além do elogio.Precisamos apenas mencionar a descoberta de partes de trombone autênticos em Israel no Egito como uma entre muitas de suas contribuições inestimáveis ​​à história musical e estética.

FONTE BIBLIOGRAFIA ENCICLOPÉDIA BRITANICA 1911