Translate this Page

Rating: 3.0/5 (887 votos)



ONLINE
11




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

Genealogia de Jesus (yechua) Messias
Genealogia de Jesus (yechua) Messias

                Genealogia de Jesus Cristo

 

  1. Introdução

 

  1. Os problemas envolvidos

 

  1. Natureza e importância da questão

 

  1. O Genealogias Separadamente

 

  1. Peculiaridades da genealogia de Mateus

 

  1. Explicação do exposto

 

  1. Peculiaridades da genealogia de Lucas

 

  1. Explicação do exposto

 

III. As genealogias Comparado

 

  1. divergências

 

  1. A correspondência

 

  1. As genealogias e o nascimento virginal

 

  1. Texto de Mateus 1:16 h

 

  1. Conclusões gerais

 

Literatura

 

  1. Introdução

 

  1. Os problemas envolvidos

 

A genealogia de Jesus como contida no primeiro e terceiro Evangelhos apresenta três problemas especiais que se encontram um pouco parte de questões gerais da crítica do Novo Testamento: (1) A construção ea finalidade de cada lista tomados isoladamente; (2) A relação das duas listas, nas suas coincidências e variações, um ao outro; (3) A relação entre as duas listas com o comunicado sobre o nascimento virgem de nosso Senhor com a qual eles estão diretamente ligados. Essas questões envolvem necessariamente a conclusão a ser chegou a relativa à confiabilidade da lista de nomes como a formação de uma ligação histórica real entre Jesus e seus antepassados ​​segundo a carne.

 

  1. Natureza e importância da questão

 

Antes destes problemas são tratados, seria bom considerar o tipo e grau de importância a atribuir à questão em debate. A nosso ver, o único ponto vital em jogo é o equilíbrio, sanidade e bom senso dos evangelistas.

 

(1) que Jesus tinha uma linha de ancestrais pelo Seu nascimento humano pode ser tomada como garantida. A tradição, universal desde os primeiros tempos entre os crentes e concedeu mesmo pelos adversários ferrenhos, que Ele estava conectado com a linhagem de Davi, também podem ser prontamente aceito. A linha exata através do qual essa conexão é traçada é, em princípios gerais, de importância secundária. O fato é que, embora a filiação natural de David por parte do Messias era de importância vital para muitos investigadores judeus, ele falhou de qualquer endosso muito entusiasmado por parte do próprio Jesus (ver a entrevista verdadeiramente notável registrado em Marcos 00:35 -37 ). As expressões de Paul, neste contexto, será referida mais tarde; Neste ponto, é suficiente para dizer que o parentesco físico para David não pode ser insistiu em que a única justificativa para suas palavras.

 

(2) Se, então, o propósito dos evangelistas em recorrer a estas listas vale a pena, a questão da sua exatidão não precisa sequer ser levantada. A menos que alguma questão vital está envolvido, a suposição de uma inspiração especial para ir atrás de listas atualmente aceito é gratuita. Nenhum tal problema parece ser apresentado aqui. O parentesco davídica de Jesus, em qualquer sentido essencial para Seu Messias, é independente das listas que são usados ​​para justificá-la. Este é preliminar à discussão real e não precisa de nos impedir de dar o devido crédito às listas que não poderiam ter sido descuidada compilados nem de leve usados.

 

  1. O Genealogias Separadamente

 

  1. Peculiaridades da genealogia de Mateus

 

(1) A construção e incorporação de árvore genealógica de Joseph é, à luz de todos os fatos, a principal consideração.

 

(2) A divisão artificial em três grupos de catorze gerações cada. A aparente defeito neste arranjo, uma vez que está realmente (o terceiro grupo carece de um membro) é provavelmente feita com base em um defeito da versão Septuaginta de 1 Crônicas 3:11 , que é reproduzida no evangelho grego (ver Zahn, Introdução ao Novo Testamento , tradução Inglês, 564, nota 4). Este arranjo em grupos é a mais impressionante porque faz 14 gerações do cativeiro para Joseph, onde Luke faz 20 ou 21, e porque o primeiro grupo de 14 é formada pela omissão de três nomes. É perfeitamente claro, portanto, que este agrupamento artificial é essencial para o propósito do evangelista.

 

(3) A inserção dos nomes dos irmãos, seguindo assim as listas históricas e ampliando a genealogia através da inclusão de linhas colaterais.

 

(4) A inserção dos nomes de mulheres - uma prática não só externa, mas abominável para uso comum. Esta particularidade é a mais acentuada quando percebemos que esses nomes introduzir o que seria considerado borrões graves na história da família da casa de Davi (ver Mateus 1: 5 , Matthew 1: 7 ).

 

(5) O princípio sobre o qual a divisão em períodos é construído: ( a ) desde Abraão até David, ( b ) a partir de David para o cativeiro, ( 100 ) do cativeiro para Jesus. Atenção tem sido repetidamente chamado para o fato de que este dá um definitivo histórico movimento para a genealogia. Ela envolve a origem, a ascensão ao poder, a decadência e queda da casa de Davi (ver Allen, ICC "Matthew", 2; comparar Zahn, NT , Tradução Inglês, I, 535).

 

  1. Explicação do exposto

 

Das muitas teorias que foram construídos para explicar os anteriores seis peculiaridades da genealogia de Mateus, por completo a mais satisfatória é a de Professor Zahn. Sua alegação é que a lista foi enquadrado não para provar a singular relação de Jesus com a casa de Davi - um fato que ninguém duvidava - mas para defender a um ponto vital em que o ataque tinha sido feito, ou seja, a legitimidade de conexão de Jesus com David. Ninguém parece ter questionado que Jesus nasceu de Maria e foi estreitamente relacionado com a casa real. A questão era se ele era de nascimento legítimo. Ele foi acusado - ea calúnia que foi muito cedo na origem e circunstancial de caráter obtido um porão extraordinária sobre a mente judaica hostil - que Jesus era o filho ilegítimo de Maria. O Evangelho de Mt atende a essa calúnia, dando uma visão panorâmica do movimento da história de Abraão até o Messias, na forma de uma genealogia de José, que, à luz de todos os fatos relativos à origem de Jesus casa-se com Maria e dá-lhe a proteção de seu nome inoxidável e linhagem real. A ousadia extraordinária e brilho deste método de desculpas não deve ser negligenciado. A acusação formal de que Jesus é o filho de Maria, não de José, é admitido - a calúnia envolvidos é refutada por trazer Joseph apresentou como testemunha para Maria. Nada poderia ter sido mais natural para um homem destemido na confiança da verdade; nada poderia ter sido mais impossível para um inseguro em seu domínio sobre os fatos. Medida em que a genealogia está em causa, apenas o momento em que perceber que o propósito não é para provar a filiação natural de Jesus a Davi, mas a resumir a história, toda hesitação e apreensão acerca da historicidade dos nomes sucessivos desaparecem. A continuidade da relação de sangue através dessas gerações sucessivas se torna sem importância essencial. A explicação de Zahn (o argumento em plena deve ser lido por cada aluno), simples em si, explica todos os fatos, como uma chave se encaixa um bloqueio complicado. Ele explica a escolha de uma árvore genealógica como um método de epitomizing história e genealogia que Joseph, o agrupamento artificial à custa de mudar as listas tradicionais, a inclusão dos nomes de irmãos e de mulheres.

 

  1. Peculiaridades da genealogia de Lucas

 

(1) A escolha de árvore genealógica de José por parte de alguém que é tão profundamente interessado em Maria.

 

(2) A inversão da ordem em voltar de José a seus antepassados. Godet sublinha o facto de que, na natureza do caso, uma árvore genealógica segue a ordem da sucessão, cada novo indivíduo a ser adicionada ao rolo de sua família. O método de Lucas indica que sua genealogia foi construído para um propósito especial.

 

(3) O transporte da linha de trás da história da aliança, que começa com Abraão, a Adam, que representa a raça em geral. Este facto, juntamente com outro, que a linha de Joseph é atribuída a David através de Natan, que não era o herdeiro de David, prova que Luke não estava preocupado com o que estabelece o pé davídica de Jesus.

 

(4) A colocação da genealogia, não no início do Evangelho, mas no início do ministério, entre o batismo ea tentação.

 

(5) A omissão do artigo antes do nome de Joseph.

 

  1. Explicação do exposto

 

(1) Em seu comentário sobre a quarta peculiaridade enumerados acima, ou seja, a colocação da genealogia no início do ministério, Godet ( Evangelho de São Lucas , edição americana, 126) tem que dizer isto: "Em cruzar o limiar desta nova era, o historiador sagrado lança um olhar geral sobre o período que atinge assim o seu próximo, e resume-se neste documento, que pode ser chamado de registo mortuária da humanidade mais cedo. " Em outras palavras, em conectar a genealogia diretamente com o ministério, Lucas apresenta o fato de que seu interesse por ela é histórica e não antiquário ou, por assim dizer, genealógica. Como Mateus resume a história do povo da aliança desde os dias de Abraão por meio do registro genealógico, modificado de modo a torná-lo gráfico por sua uniformidade, então Lucas escreveu a história da humanidade de Jesus, como o segundo Adão, veio a salvar, pelo registo de nomes que resumem seu curso inteiro no mundo.

 

Recentemente foi comentado que as listas genealógicas tais como os de Gênesis e do Novo Testamento não são raramente usados ​​para transmitir idéias não estritamente germano à matéria de descida ou a noção cognato da cronologia. Por exemplo, as declarações quanto à longevidade dos patriarcas são de interesse apenas histórico - eles não são e nunca poderia ter sido de valor para fins cronológicos (ver Warfield, "Antiguidade e Unidade da Raça Humana", Princeton Review , fevereiro de 1911 ).

 

(2) Ao comentar sobre a ordem que Luke adota, Godet (que lançou mais luz sobre esta porção do Evangelho do que ninguém), afirma: "A forma crescente de genealogia só pode ser a de um instrumento particular, elaborado a partir da documento público, com vista para o indivíduo particular, cujo nome serve como o ponto de partida de toda a lista "(127).

 

(3) A partir do fato de que o nome de Joseph é introduzido sem um artigo Godet chama a três conclusões: ( a ) que este nome pertence antes à frase introduzida por Lucas; ( B ) que o documento genealógica que ele consultou começou com o nome de Eli; ( 100 ) e, por conseguinte, que esta peça não era originalmente a genealogia de Jesus ou de José, mas de Heli (ibid., 128).

 

(4) ( a ) A importância destas considerações é duplo. Em primeiro lugar, indica que Lucas está reunindo dois documentos distintos, um dos quais continha uma declaração da Foster-paternidade de José, enquanto o outro continha a genealogia de Heli, entre quem e Joseph existia uma relação que fez Lucas desejosos de conectá-los. ( B ) Além disso, a ausência do artigo serve para chamar a atenção para algo excepcional na relação de Joseph para o resto desta linha ancestral que é posto em ligação com o seu nome. Para este ponto, deve reaparecer mais tarde. Nós temos uma explicação para todos os problemas sugeridos excepto uma, e que um, em certo sentido, a mais difícil de todo, ou seja, a escolha de uma árvore genealógica de Joseph.

 

III. As genealogias Comparado

 

  1. divergências

 

No fim, porém, para discutir esta questão de forma inteligente, devemos entrar na segunda fase da nossa investigação - sobre a relação entre as duas listas.

 

(1) O fato mais notável aqui é, claro, a amplitude da divergência juntamente com o facto contrastado e ininteligível de correspondência minuto. Entre Abraão e Davi as duas listas concordar. Entre Davi e José não há correspondência evidente em dois (veja Mateus 01:12 ; Lucas 03:27 ), e eventual correspondência em quatro nomes (ou seja, se Abiud ( Mateus 01:13 )) e Judá ( Lucas 03:30 ) são os mesmos). Essa dificuldade inicial e maior é de assistência material para nós, porque ele faz uma conclusão certa além peradventure. As duas listas não são tentativas divergentes para executar a mesma tarefa. Seja qual for dificuldades podem permanecer, esta dificuldade é eliminada no início. É impossível que entre um povo dado a genealogias duas listas que pretendem dar a ascendência de um homem na mesma linha poderia divergir tão amplamente. Há, portanto, uma diferença entre essas listas, que inclui a finalidade para a qual eles foram compilados e o significado que eles tinham a intenção de transmitir.

 

  1. A correspondência

 

(2) Dois dos pontos mais marcantes nas listas tal como estão podem ser levados para conexão e feita para explicar o outro. As duas listas coincidem nos nomes de Zorobabel e Salatiel - eles diferem quanto ao nome do pai de José, que é Jacob acordo com Mateus e Heli segundo Lucas. Quanto ao segundo destes dois itens importantes isso é muito claro. Ou essas duas listas estão em contradição violenta, ou então Joseph estava em algum filho sentido tanto de Jacó e Heli. Agora, em conexão com esta aparente impossibilidade, vire para o outro item. Os nomes de Salatiel e Zorobabel pertencem ao cativeiro. Sua sendo comum a ambas as listas é facilmente explicada pelo fato de que, durante esse período conturbado uma série de ramos familiares colaterais pode ser reduzida a um ou dois representantes comuns (ver Zahn, op. Cit., 535). Em genealogias do Novo Testamento Zorobabel é o filho de Salatiel - de acordo com 1 Crônicas 3:19 ele é o sobrinho de Salatiel e filho de Pedaías. Ele é, portanto, a um e ao mesmo tempo e herdeiro, legalmente, filho de dois homens e apareceria como tal em duas listas colaterais.

 

Salatiel próprio aparece em Mt ( Mateus 01:12 ) como o filho de Jeconias e em Lucas ( Lucas 03:27 ) como o filho de Neri. Em 1 Crônicas 3:17 , ele aparece como filho de Jeconias. O nome de Neri é peculiar a Lc, de modo que não podemos verificar o seu uso dela e descobrir a ascendência real de Salatiel. Sua aparição em duas listas com uma dupla de referência de parentesco não é surpreendente em vista do que já vimos. Além disso, uma explicação razoável parece ao mesmo tempo. Em Jeremias 36:30 é afirmado que Joaquim deve ter "quem se assente sobre o trono de Davi", e de seu filho (Joaquim, Jeconias, Conias) diz-se ( Jeremias 22:30 ), "Write ye este homem sem filhos ", etc. foi justamente salientou (veja HDB , II 557) que isto significa simplesmente proscrição legal, não esterilidade real. Ele sugere, no entanto, que poderia pensar-se necessário prever na genealogia um herdeiro não de seu sangue para os dois membros em desgraça e proscritos da casa real, Em vista destes fatos as referências contraditórias quanto à paternidade de José não apresentem dificuldades.

 

Joseph pode facilmente ter sido e, sem dúvida, era, legalmente, filho e herdeiro de ambos Jacó e Heli. A objeção de Godet a esta se baseia na suposição de que Heli e Jacob eram irmãos, o que deixa a divergência além destes dois nomes inexplicáveis. É evidente, no entanto, que o parentesco entre Jacob e Heli pode ter sido mais distante do que esta suposição solicita.

 

(3) Quando passamos a explicar como aconteceu que José estava conectado com ambas estas linhas e que Matthew escolheu uma lista e Luke o outro estamos necessariamente calar a conjectura. Há uma suposição, no entanto, que é digno de consideração muito cuidadosa porque resolve tantos e tão difíceis problemas. As autoridades foram divididos quanto a se a genealogia de Lucas é de José, como parece, ou Mary. Godet faz uma exibição forte para o último, e, depois de tudo que foi dito em contrapartida, algumas de suas representações permanecem inalterados (compare Godet e Plummer sub loc.). A maioria das dificuldades são removidas de um só golpe, e os fatos conhecidos harmonizado, pela suposição simples que Lucas nos deu o ponto de encontro da linhagem tanto de José e Maria, que são semelhantes. Isso explica a aparente escolha de lista de José; a posição peculiar do seu nome nessa lista; a inversão da ordem; as coincidências e discrepâncias com referência a Mateus; o início da tradição de origem davídica de Maria; a estranha referência no Talmud ( Ḥăghı̄ghā ) 77 4) a Maria como a filha de Heli; a visita de Maria com José a Belém no momento do registo; a discrepância tradicional de idades entre José e Maria, de tal modo que (aparentemente) Joseph desaparece da cena antes de Jesus atinge a maturidade. Contra esse nada do peso real pode ser instados (o parentesco com Elisabeth não é de molde: ver Edersheim, LTJM , I, 149), exceto que ele é muito simples e muito feliz. Sua simplicidade e ajuste feliz a toda a complexa situação é precisamente a sua recomendação. E lá nós pode deixar o assunto.

 

  1. As genealogias e o nascimento virginal

 

Temos agora que lidar com a relação das genealogias a declaração virgem-parto que constitui o centro vital das narrativas da infância e à questão geral da origem davídica de Jesus. VejoVIRGEM DE NASCIMENTO .

 

  1. Texto de Mateus 1:16

 

A primeira parte desta questão pode ser mais diretamente abordado por uma breve consideração do texto de Mateus 1:16 . O texto sobre o qual a Versão Revisada (britânico e americano) é baseada lê: "E Jacob gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama Cristo." Ao lado disso, há duas leituras, um contido no chamado grupo Ferrar de manuscritos, e outro no Sinai que, diferindo entre si, unem-se em atribuir a paternidade de Jesus a José. Isto tem sido aproveitada por críticas negativas (ver, por lista e discussão Machen, Princeton Review , janeiro de 1906, 63; comparar Bacon, HDB , o artigo "Genealogia de Jesus Cristo," Am Jour Theol.. , De janeiro de 1911, que. há muito tempo deu em sua defesa à suposição de que os evangelistas poderia facilmente conciliar o nascimento sobrenatural com a paternidade real de Joseph) para apoiar a ideia de uma tradição cristã primitiva que José era o pai de Jesus. Desta contenção Zahn não deixa nada, e conclui seu argumento com esta afirmação: "A esperança de encontrar indicações em manuscritos antigos e versões que os autores perderam Evangelhos ou breves escritos que podem ter sido trabalhado ao longo do nosso Mt e Lc considerados Joseph como o pai físico de Jesus, deve, finalmente, ser rejeitado. um autor que soube fazer até mesmo o material seco de uma genealogia à sua menor detalhe contribuir para o propósito do seu pensamento a respeito do milagre caluniado do nascimento do Messias, não pode, ao mesmo tempo assumiram declarações a partir de uma genealogia de José ou Jesus usado por ele o que contrariou diretamente sua concepção deste fato. Qualquer texto de Mt que continha tais declarações seriam condenados de antemão como um alteradas contra o interesse do autor "(op. cit., 567). É interessante notar que Allen ( ICC , "Matthew", 8), a partir da posição extrema de que a forma do Sinai de declaração, de todos os textos existentes, mais representa quase o original, chega à mesma conclusão que Zahn, que o Evangelho de Mateus desde o início ensinou o nascimento virgem.

 

  1. Conclusões gerais

 

(1) É claro, portanto, a partir da tendência geral, bem como das declarações específicas de ambos os Evangelhos, que as genealogias e do nascimento-narrativas não foram tradições que acidentalmente tocado e se formou nos mid-stream flutuante, mas que eles foram destinados para soldar inseparavelmente as duas crenças que Jesus foi milagrosamente concebido e que Ele era o herdeiro de Davi. Isso pode ser feito apenas com base na genealogia de José, para o que a linhagem de Maria, José era o chefe da família, ea conexão davídica de Jesus só poderia ser estabelecida por reconhecimento de Deus como filho legal por Joseph. Sobre esta base repousa a crença comum da era apostólica (veja Zahn, ibid, 567, nota referências.), E de acordo com ele todas as declarações (como os de Paulo, Romanos 1: 3 ; 2 Timóteo 2: 8 ) deve ser interpretados.

 

(2) Por isso deve ser lembrado que, de volta do problema de conciliar o nascimento virginal ea origem davídica de Jesus, estava o problema muito mais profundo - para harmonizar a encarnação ea origem davídica. Este problema tinha sido apresentado na sombra e intimação pelo próprio Jesus na pergunta: "O próprio Davi lhe chama Senhor; como é ele seu filho?" É ainda de notar que na Anunciação ( Lucas 1:32 ) o Prometido é chamado ao mesmo tempo Filho de Deus e Filho de Davi, e que Ele é o Filho de Deus, em virtude da sua concepção pelo Espírito - deixando-o evidente que Ele é o Filho de Davi, em virtude de seu nascimento de Maria. Com este deve ser comparado a declaração de Paulo ( Romanos 1: 3 , Romanos 1: 1 ): Aquele que foi o Filho de Deus "nasceu da descendência de David segundo a carne, e declarou ser o Filho de Deus com poder, de acordo com o espírito de santidade, pela ressurreição dentre os mortos ". Esta é, pelo menos, mais sugestivo (ver Orr, Virgin Birth of Christ , 119, com a nota, p 121.), Pois indica que, como Paulo e Lucas estavam em muito perto simpatia quanto à pessoa do nosso Senhor, então eles estão em igualmente perto simpatia quanto ao mistério de sua origem. A unanimidade de convicção por parte da igreja primitiva quanto à origem davídica de Jesus está intimamente paralelo com a sua convicção igualmente firme quanto à Sua derivação sobrenatural. O ponto de encontro dessas duas crenças e a resolução do mistério da sua relação está nas genealogias em que duas linhas divergentes de ancestralidade humana, representando todo o processo da história, convergem no ponto onde a nova criação do céu é introduzido .

 

Literatura

 

A literatura sobre o assunto é muito abundante. As obras referidas no texto servirá para introduzir o leitor a investigações mais extensas. Toda a situação é bem resumida por Plummer ( ICC "Luke," sub loc.).

international standard bible encyclopedia

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net