Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

pdf free, enter link, this link, book download, enter link, download book, The Universe Next Door: A Basic Worldview Catalogue pdf free, download pdf, site 797272, download book,

as doze tribos de Israel
as doze tribos de Israel

                         As Doze Tribos

A divisão tradicional de Israel em 12 tribos: Rúben, Simeão (Levi), Judá, Issacar, Zabulon, Benjamin, Dan, Naftali, Gade, Aser, Efraim e Manassés. A tradição bíblica afirma que as 12 tribos de Israel são descendentes dos filhos e netos de Jacó (Gênesis 29; 30; 35: 16-18; 48: 5-6). As tribos são chamados coletivamente de Israel por causa de sua origem no patriarca Jacó-Israel. Jacob e sua família foi para o Egito como "setenta almas" ( ÊXODO 1: 1-5 ). No Egito, "... os filhos de Israel frutificaram e aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente ..." ( ÊXODO 1: 7 ), e lá eles se tornaram os "povo de Israel" ( ÊXODO 1: 9 ). Um faraó, "que não conhecera a José" ( ÊXODO 1: 8 ), oprimiram pelo trabalho pesado. No entanto, Deus "se lembrou da sua aliança com Abraão, com Isaque e com Jacó" ( EXODUS 02:24 ), e fez conhecido a Moisés (Êxodo 3), e resgatou os israelitas do Egito. Por esta altura a nação contados "... de seiscentos mil a pé, somente de homens, sem contar as crianças" , que aparentemente significa que as mulheres, bem como as crianças ( ÊXODO 00:37 ). No Sinai, a nação recebeu suas leis e regulamentos, pactuando-se a Deus ( EXODUS 19:24 ). Depois de vagar por 40 anos no deserto, sob a liderança de Moisés, as 12 tribos de Israel penetraram na terra de Canaã com Josué no comando. A força unida das 12 tribos foi suficiente para conquistar a terra, que foi então distribuído entre eles. Durante este período de liquidação, eo período posterior dos juízes, não houve um padrão predeterminado de liderança entre as tribos, com exceção de Libertador-juízes enviados a eles por Deus em tempos de necessidade (ver também o livro de Juízes). Tais crises forçado as tribos em ação cooperativa contra os inimigos, sob a liderança do "libertador". Shiloh serviu como um centro sacral para todas as tribos, que abriga a Arca da Aliança, sob a família sacerdotal de Eli ( 1 SAMUEL 1: 3, 4: 4). Sob o impacto das pressões militares, os israelitas se sentiu compelido a recorrer a Samuel com o requestthat ele estabelecer uma monarquia, e Saul foi coroado de governar sobre todas as tribos de Israel ( 1 SAMUEL 11:15 ). Após a sua morte, Isbosete, filho de Saul, foi aceito por todas as tribos de Judá e Salvar Simeon que preferiu David. A luta de David com a casa de Saul terminou em vitória para ele, e todos os anciãos virou-se para David para a liderança real. Ele governou de Jerusalém, sobre todas as tribos de Israel ( 2 SAMUEL 5: 3 ), e foi sucedido por seu filho. Após a morte de Salomão, as tribos mais uma vez divididos ao longo de linhas territoriais e políticos, com Judá e Benjamin, no sul leal à casa de Davi, e o resto das tribos no norte governado por uma sucessão de dinastias.

A erudição moderna geralmente não aceitam a noção bíblica de que as 12 tribos são simplesmente divisões de uma unidade maior que desenvolveu naturalmente a partir de raízes patriarcais. Este esquema simplista, considera-se, na verdade, decorre de especulações genealógicas posteriores que tentaram explicar a história das tribos em termos de relações familiares. A aliança das 12 tribos se acredita ter crescido a partir da organização de tribos independentes, ou grupos de tribos, forçados a ficar juntos por razões históricas. Os estudiosos divergem quanto ao quando esta união de 12 teve lugar, e quando as tribos de Israel se tornou uma nação. Uma escola de pensamento sustenta que a confederação teve lugar no interior do país em direção ao fim do período dos juízes e os primórdios da monarquia. Todas as tradições que ver as 12 tribos como uma nação tão cedo quanto a escravidão no Egito ou as andanças no deserto são considerados como não tendo nenhuma base na realidade. Esta escola reconhece nos nomes de algumas das tribos, os nomes dos locais antigos em Canaã, como as montanhas de Naftali, Efraim e Judá, o deserto de Judá, e Gilead. Com o passar do tempo, os que moravam nessas áreas assumiu os nomes das localidades. M. Noth sente que as tribos Lia: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Zebulom, Issacar, existia numa fase anterior como uma confederação de seis tribos cujos limites em Canaã eram contíguas. Só numa fase posterior se outras tribos penetrar na área, eventualmente, expandir a confederação a 12. A segunda bolsas de estudo que a união de 12 existiram durante o período de peregrinação no deserto, mas que Canaã não foi conquistada por uma aliança desses em qualquer momento. Em vez disso, houve incursões individuais para a terra em períodos muito distantes. No entanto, a aliança entre as 12 tribos e sua consciência de unidade nacional que flui de parentesco étnico e história comum, fé e práticas sacrais tiveram sua origem no período anterior à conquista da terra.

O número 12 não é nem fictício nem o resultado de um desenvolvimento genealógica real na história patriarcal. É uma figura institucionalizada e conventionalized que é encontrado entre outras tribos, assim, como os filhos de Ismael (GÊNESIS 25: 13-16 ), os filhos de Nahor ( GÊNESIS 22: 20-24 ), de Joktan ( GÊNESIS 10: 26-30 ), e Esaú (GÊNESIS 36: 10-13 ). Padrões organizacionais similares construídos sobre grupos de 12, ou até mesmo seis, tribos, são conhecidos da Ásia Menor para a Grécia e Itália. Na Grécia tais agrupamentos foram chamados anfictionia, que significa "habitar sobre", ou seja, cerca de um santuário central. Cada tribo foi atribuído um rumo previamente combinado na prestação e manutenção do santuário. Os membros Anfictiônico faria peregrinações ao centro religioso comum em ocasiões festivas. A medida exata de correspondência entre o anfictionia do mundo helênico ea estrutura duodecimal das tribos de Israel pode ser objecto de controvérsia acadêmica, mas não pode haver dúvida de que esse padrão de 12 atribuída às tribos hebraicas é muito real e historicamente enraizada. Assim, se uma tribo foram para retirar da união ou para ser absorvido em outra, o número 12 seria preservado, seja dividindo uma das tribos remanescentes em dois ou aceitando uma nova tribo na união. Quando, por exemplo, a tribo de Levi é considerada entre as 12 tribos, as tribos José são contados como um (Ver GÊNESIS 35: 22-26 ; 46: 8-25; 49: 1-27). No entanto, quando Levi não é mencionado, as tribos José são contadas separadamente como a Efraim e Manassés, mesmo depois ( NÚMEROS 26: 4-51 ). Pelas mesmas considerações duodecimais, Simeon é contado como uma tribo, mesmo depois de ter beenabsorbed em Judá (JOSUÉ 19: 1 ) e Manassés, mesmo depois de ter dividido em dois, é considerado como um só. Entre as seis tribos Leah, Gad, embora o filho de Zilpa, é contado como um deles quando Levi está faltando ( NÚMEROS DE 1: 19-44 ; 26: 4-51).

A confederação das 12 tribos foi principalmente religiosa, baseada na crença em um "Deus de Israel", com quem as tribos fez um pacto e quem adoravam em um centro sacral comum como as "pessoas do Senhor" ( JUÍZES 5: 11 ; 20: 2). A Tenda do Encontro e da Arca da Aliança, foram os objetos de culto mais sagrados da união tribal. A tradição bíblica mostra que muitos lugares serviram como centros religiosos em vários períodos. Durante as andanças do deserto, "o monte de Deus" , isto é, Sinai, conhecido como Horeb, serviu como um lugar ( ÊXODO 3: 1 ; 18:; 5 cf. DEUTERONÔMIO 5: 1-3 ), assim como a grande oásis em Cades-Barnea, onde as tribos permaneceram por algum tempo ( DEUTERONÔMIO 01:46). A partir daí as tribos israelitas tentaram uma conquista da terra ( NÚMEROS 13: 3,26 ). Muitos sites em Canaan são mencionados como tendo associações sagrados ou como centros de peregrinação. Algumas delas, como a Penuel, onde Jacob, o progenitor nominal das tribos, recebeu o nome de Israel ( GÊNESIS 32: 24-32 ), Betel ( GÊNESIS 28: 10-22 ; 35: 1-15), onde a arca do Senhor repousou ( JUÍZES 20: 26-28 ), e Beer-Seba ( GENESIS 21:33 ; 46: 1-4; AMOS 5: 5; 8:14) voltar aos tempos patriarcais. Jacob construiu um altar em Siquém ( GÊNESIS 33: 18-20 ) e as tribos se reuniram ali "perante o Senhor" e fez um pacto com Ele na época de Josué (Josué 24) .Shiloh gostei especial importância como um local de culto central para as tribos . Lá, eles se reuniram sob Josué para dividir a terra por sorteio, e foi lá que eles colocaram na tenda da congregação e da Arca da Aliança ( JOSUÉ 18: 1-8 ). A família de Eli, a qual descendia de Arão, o sumo sacerdote, servido em Shiloh ( 1 SAMUEL 02:27 ), e foi a Siló que os israelitas se virou para festivais e sacrifícios ( JUÍZES 21:19 ; 1 SAMUEL 1: 3 ; cf. JEREMIAS 07:14 ; 26: 9). A multiplicidade de lugares de culto levanta a questão de saber se todas as 12 tribos eram, de fato, centrado sobre um site de Anfictiônico. Pode ser que, como conexões de uma tribo com o anfictionia foram enfraquecidos por várias razões, a tribo começou a adorar a um ou outro dos sites. Possivelmente, diferentes locais servidos os vários subgrupos entre as tribos. Beer-Seba e Hebron, por exemplo, serviu os grupos do sul de tribos ( GENESIS 13:18 ; JOSHUA 21: 10-11 ; 2 SAMUEL 2: 1-4 ; 5: 1-3; 15: 7-10).Siquém, Shiloh, e Gilgal ( JOSUÉ 5: 9-10 ; 1 SAMUEL 11: 14-15 ; 13: 4-15; AMOS 5: 5 ) eram reverenciados pelas tribos no centro do país, e do santuário de Dan servido as tribos do norte ( JUÍZES 18: 30-31 ). A probabilidade de uma multiplicidade de santuários é reforçada pelo fato de que grupos de assentamentos cananeus separou as tribos do sul e centro (das montanhas de Efraim), e dividiu as tribos centrais daqueles na Galiléia. É possível que vários santuários servido tribos diferentes simultaneamente, enquanto o santuário que realizou a Arca do Senhor era reverenciado como central para todos os 12.

As mudanças ocorridas na estrutura das 12 tribos e em seus pontos fortes, encontram expressão nas genealogias bíblicas.As tribos são descendentes de quatro matriarcas, oito deles de as esposas Lia e Raquel, e quatro das servas Bila e Zilpa (Gênesis 29-30). É uma visão generalizada de que a atribuição às duas mulheres é indicativo de um estágio inicial de organização tribal, as "tribos de Leah" e as "tribos de Rachel". A atribuição de quatro tribos de servas pode indicar um status reduzido ou entrada tardia na confederação. Na lista das 12 tribos, Reuben é proeminente como o primogênito (GENESIS 46: 8 ), seguido por Simeão, Levi, Judá e os filhos de Lia, que ocupam posições primárias. Reuben estava à frente de uma liga tribal e tinha uma posição de importância central entre os seus confederados antes da conquista da terra ( GÊNESIS 30:14 ; 35:22; 37:21; 42: 22,37; NÚMEROS 16: 1 ff.). Por outro lado, a mesma tribo é inactivo durante o período de juizes. Ele não forneceu qualquer um dos juízes, e durante a guerra de Deborah contra Sísera, Reuben "sentou-se entre os currais" e não prestou qualquer auxílio ( JUÍZES 5:16 ) .Possibly, porque esta tribo habitou nas franjas da terra ( 1 CHRONICLES 5: 9-10 ), as suas ligações com os outros estavam enfraquecidos, e continuou a sua existência como uma das tribos de Israel estava em perigo (cf. DEUTERONÔMIO 33: 6 ). Simeão foi absorvido por Judá. Levi se espalhou por todo Israel como resultado de suas funções sacrais. Judá foi cortado do resto das tribos por uma faixa de terra cananéia que separava as montanhas de Judá e Efraim. O lugar de Rúben como chefe das 12 tribos foi tomada pela casa de José, que desempenhou um papel decisivo e histórico durante os períodos de liquidação e os juízes.Joshua veio da tribo de Efraim ( NÚMEROS 13: 8 ); Siquém e Shiloh estava dentro das fronteiras da casa de José (cf.SALMO 78:60 ; SALMO 60: 6-7 ); Samuel veio da região montanhosa de Efraim ( 1 SAMUEL 1: 1 ). Efraim levou as tribos na guerra contra Benjamin sobre o incidente da concubina em Gibeá (Juízes 19-21). No início da Monarquia, a liderança passou a Judá (cf. GÊNESIS 49: 8 e ss). A passagem em 1 CRÔNICAS 5: 1-2 ilustra bem como a posição dominante entre as tribos passaram de Reuben a Efraim e de Efraim para Judá.

Cada uma das 12 tribos desfrutado de uma boa dose de autonomia, ordenando os seus próprios assuntos, segundo o padrão patriarcal-tribal. Sem dúvida, havia instituições administrativas comuns a todas as tribos, situado ao lado dos santuários centrais, embora as informações sobre eles é extremamente escassa. Durante as andanças do deserto, liderança do povo foi investido nos príncipes de cada uma das tribos e os anciãos que ajudaram Moisés. Eles se conheceram e legislado para todo o povo ( ÊXODO 19: 7 ; 24: 1,9, Números 1-2; 11: 16-24; 32: 2; 34: 16-29;DEUTERONÔMIO 27: 1 ; 31:28) . Há referências a reuniões de líderes tribais e os anciãos durante os períodos de liquidação e os juízes: "... os príncipes da congregação, os cabeças dos milhares de Israel ..." , juntamente com o sacerdote Finéias, negociações com o tribos da Transjordânia, em nome de toda a nação ( JOSHUA 22:30 ). Joshua convocado "... os anciãos de Israel, e os seus cabeças, os seus juízes, e os seus oficiais de Israel ..." para fazer uma aliança em Siquém (Josué 24). Os anciãos de Israel, falando para toda a nação, solicitou Samuel de nomear um rei ( 1 SAMUEL 8: 4 ). Os incidentes de concubina em Gibeá (Juízes 19-21) e batalha de Saul com Naás, o amonita (1 Samuel 11) são exemplos clássicos de ação conjunta feita pela liga de 12 tribos que atuam "... como um só homem, desde Dã até Berseba, com a terra de Gileade ... " ( JUÍZES 20: 1 ; 1 SAMUEL 11: 7 ). Em um caso, uma ação unificada foi tomada pelas tribos contra um de seus membros, Benjamin; para uma violação dos termos da aliança ( JUÍZES 20: 7 ). A guerra contra o Naás, o amonita prova que as tribos eram obrigados a vir em auxílio de qualquer um do campeonato que se encontrava em dificuldade. Por causa da natureza sagrada do campeonato, as guerras de tribos foram consideradas"guerras do Senhor" ( EXODUS 17:16 ; NÚMEROS 21:14 ). No entanto, as narrativas do livro de Juízes em relação às batalhas que Israel travou contra seus inimigos deixam claro que o campeonato deve ter sido bastante fraca naqueles dias. A consciência de unidade nacional e religiosa ainda não tinha levado a uma confederação político-militar sólida. A canção de Deborah dá uma expressão clara da falta de solidariedade entre as tribos, para alguns deles nem sequer vir em auxílio das tribos de Galileu. É impossível designar nem mesmo uma guerra contra os inimigos externos durante o período dos juízes, em que todas as tribos agiram em conjunto. Na verdade, há indícios de brigas e disputas inter-tribais (Juízes 7-8; Juízes 12). Neste contexto, há estudiosos que sustentam que os juízes-libertadores não eram pan-tribal, líderes nacionais, mas chefiados apenas tribos individuais ou grupos deles (ver juízes). Foi apenas no final do período dos juízes, quando a pressão filisteu nas tribos israelitas aumentou no oeste e que dos povos da Transjordânia, no leste, que a confederação tribal religio-nacional assumiu dimensões políticas e militares. As tribos israelitas, em seguida, consolidou-se como uma entidade nacional-territorial cristalizada no âmbito de um regime monárquico. David, Salomão, e depois os reis de Israel e Judá tendia a enfraquecer a consciência tribal em favor da organização territorial e monárquica. É evidente, no entanto, a partir da visão escatológica de Ezequiel (Ezequiel 47-48), que a consciência de Israel como um povo composto por 12 tribos não tinha, mesmo assim, tornar-se apagado. Veja também 'Dez Tribos Perdidas'. [BO]


No Aggadah . Na literatura agádica, a palavra shevatim ("tribos", canta. Shevet) aplica-se a ambos os 12 filhos de Jacó e as 12 tribos descendentes deles. Quando Jacob saiu de casa e teve seu sonho, ele levou 12 pedras como um apoio para a cabeça e declarou: "Deus decretou que há para ser doze tribos, já que eles não emitir a partir de Abraão, ou Isaac, se estes 12 pedras irá juntar-se em um I vai saber que estou destinado a gerar-los " ( GENESIS 68:11 ), e de fato os 12 pedras fundiram-se em um (Veja GENESIS 28:11 sendo contrastada com o versículo 18). Considerando que, Abraão e Isaac tanto gerou filhos perversos (Ismael e Esaú), todos os 12 filhos de Jacó eram leais a Deus (146a Shab; cf.. ÊXODO 1: 1 ). Eles foram todos nomeados em referência a redenção de Israel (Tanh Shemot. 5), e Deus declarou: "Seus nomes são mais preciosos para mim do que o óleo da unção com o qual sacerdotes e reis eram ungidos" (Eclesiastes R. 7: 1,2) .

Todos os ancestrais tribais nasceram fora da Terra de Israel, Benjamin salvar, e todos, com exceção de Benjamin, participou da venda de Joseph. Por isso, a tribo de Benjamin era o privilégio de ter a Shekhinah, ou seja, o Templo em sua porção (Sif. DEUTERONÔMIO 3: 5 , 352). Nenhuma das tribos mantiveram sua pureza família no Egito, e todos, exceto para Rúben, Simeão, Levi, envolvidos em idolatria lá (NÚMEROS R. 13: 8). Assim como os céus não podem suportar sem as doze constelações (EXODUS R. 15: 6), para que o mundo não pode suportar sem as 12 tribos, para que o mundo foi criado apenas por seu mérito ( PROVÉRBIOS 03:10 ). Os nomes das tribos nem sempre são enumerados na mesma ordem, de modo que não deve ser dito que os descendentes dos amantes (Rachel e Leah) teve prioridade sobre os descendentes de suas servas (Bila e Zilpa; EXODUS R. 1: 6).

A tribo de Zabulon envolvidos no comércio e apoiou a tribo de Issacar, que lhe permita dedicar-se ao estudo da Torá;portanto, em suas bênçãos, Moisés deu prioridade à tribo de Zabulon (Yal. GEN 129). Todas as tribos juízes produzidos e Reis, exceto Simeon, por conta do pecado cometido por Zinri (Mid Tadshe 8; ver. NÚMEROS 25: 1-2,14 ). Cada tribo produzido profetas; Judá e Benjamin produzido reis por orientação profética (Suk. 27b).

Considerando que as tribos de Judá e Benjamin foram exilados na Babilônia, os Dez Tribos foram exilados além do rio Sambatyon (GEN R. 73: 6). As dez tribos devem nem ser ressuscitado nem julgados; R. Simeon b. Yohai disse: "Eles nunca devem retornar do exílio", mas R. Akiva sustentou que eles voltariam (A RN 36: 4). Mas veja Dez Tribos Perdidas. O Messias davídico vai ser descendente de duas tribos, seu pai de Judá e sua mãe de Dan (Yal. GEN 160). [H.FR.]

Bibliografia: B. Lutero, em: ZAW, 21 (1901), p.37ff .; E. Meyer, Die und ihre Israeliten Nachbarstaemme (1906), p.498ff .; WF Albright, in: JPOS, 5 (1925), p.2-54; A. Alt, Die Landnahme der Israeliten em Palaestina (1925); . idem, in: PJB, 21 (1925), 100ff, idem, in: E. Sellin Festschrift (1927), p.13-24; Alt, Kl Schr, 2 (1953), p.1-65; M. Noth, Das Sistema der Zwoelf Staemme Israels (1930), p.85-108; W. Duffy, A Teoria Histórico Tribal sobre a origem dos hebreus (1944);Albright, Arch Rel. p.102-9; CV Wolf, in: JBL, 65 (1946), p.45-49; idem, in: JQR, 36 (1945-1946), p.287-95; Noth, Hist. Isr, p.53-137.; Bright, Hist, p.142-60; R. Smend, Guerra do Senhor e Confederação (1970), NA Aggadah: Ginzberg, Legends, 7 (1938), p.481 (index): sv Tribes, os Doze.

CAI.ORG