Translate this Page

Rating: 3.0/5 (907 votos)



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


reforma protestante na ESCÓCIA
reforma protestante na ESCÓCIA

                          REFORMA NO NORTE DA ESCÓCIA 1560                             

E por "A Reforma" Vou entender toda a transformação da vida humana, que teve lugar na Escócia nos anos após 1560. Eu quero pensar em três aspectos. Houve a reforma eclesiástica do catolicismo ao protestantismo e presbiterianismo: a mudança na aparência exterior da Igreja. Em seguida, houve a reforma espiritual da escuridão e da ignorância para a fé em Cristo. A Reforma foi uma grande obra de reavivamento. Em seguida, em terceiro lugar, houve a reforma da sociedade que tenha sido o resultado da reforma espiritual: uma nova atitude em relação à moralidade, à educação, à vida. Onde há um povo Reforma tornar honesto, trabalhador, vontade de aprender, e de espírito independente. Há um fim de suborno, por exemplo. Cada homem está julgando o certo eo errado para si mesmo pela Palavra de Deus.

 Essas coisas aconteceram de forma mais lenta do que no Norte do que no Sul. O período da Reforma no Sul foi completa com a reforma das universidades na década de 1570 ea criação de Presbyteries depois de 1581. Mas, no Norte da mudança levou muito mais tempo. Espiritualmente, a maior parte da grande mudança não ocorreu até o século XVIII e até os séculos XIX início. E, a rigor, a tradução da Bíblia gaélico (NT 1767; OT 1801) era uma parte da Reforma. Mas temos de nos limitar, e eu vou desenhar a linha em cerca de 1690: a Revolução eo fim da dinastia Stewart.

 1. A Reforma Eclesiástica 

O primeiro ponto geral que gostaria de fazer é que o Romanismo desabou na Escócia, em 1560. Não que todo católico romano se tornou protestante, ou que cada sacerdote romano desapareceu, mas o culto público católico romano nas paróquias cessado em todos os lugares, e que parece ter acontecido bastante rapidamente. Isso era verdade, e não apenas nas Lowlands mas nas Highlands. Depois de 1560 não havia mais uma Igreja Católica Romana organizado na Escócia. Muitos dos Bispos conformados com o protestantismo, e muitos dos sacerdotes fizeram o mesmo. Alguns nobres continuou como católicos romanos, mas mesmo a maioria daqueles que fizeram foram felizes para jogar junto com o protestantismo, ea grande maioria se tornou protestante, pelo menos no nome. Mesmo o retorno de Mary em 1561 não levantar muita esperança para romanistas de re-estabelecer o que eles tinham perdido. Ele se foi.

 

Houve várias tramas políticas, mas quando Roma começou a tentar uma recuperação religiosa na década de 1580 foi através de missionários jesuítas, ou sacerdotes abrigadas por fazendeiros católicos locais. Foi muito mais uma 'situação missionária "com a maior parte das pessoas terem abandonado catolicismo. Na década de 1620, quando "missionários" católicos romanos re-apareceu nas Hébridas, eles falaram de 'convertidos' e 'hereges' reconciliados. Não há nenhuma parte da Escócia que pode afirmar ter sido Católica Romana desde a Reforma. Foi noticiado de Barra, por exemplo, (à Assembléia Geral 1766) que "em Charles I tempo todos os habitantes eram protestantes, mas depois da Restauração (de 1660) sacerdotes papistas ficou no meio deles e perverteu-los, e, em seguida, seu protestante ministro era um homem desatento ao seu caráter e ao dever ". (Da mesma forma, Lochaber, que não tinha estabelecido ministro da Reforma até 1658, foi afirmado por um jesuíta em 1648 para ser "habitada por homens não suscetíveis de piedade", e foi relatado em 1698 para conter apenas 30 católicos romanos. O retorno à catolicismo aconteceu após 1721, em que fase havia apenas três famílias católicas romanas na área;. ver Donald MacLean, Contra-Reforma na Escócia, pp.154-6)

 No lugar do catolicismo veio protestantismo, de uma espécie. Não necessariamente verdadeiro, o protestantismo espiritual, mas a adoção de alguns, pelo menos, das características do protestantismo. As primeiras coisas que foi a colonização das Highlands com ministros e leitores (que iria "ler" um serviço se não havia nenhum ministro disponível). Há um artigo interessante sobre este assunto pelo professor James Kirk de Glasgow (que aparece em mais de uma forma), onde ele detalha o acerto de ministros e leitores nos diversos Highland Dioceses-Dunblane, Dunkeld, Moray, Ross, Caithness, Argyll, e as Ilhas-depois da Reforma. O que é surpreendente é a rapidez com que isso aconteceu. A Igreja Reformada teve uma grande escassez de ministros, depois da Reforma, mas as Highlands não é pior do que foram fornecidos os Lowlands. Por 1574, por exemplo, havia 223 ministros e leitores para as 215 paróquias das Dioceses de Dunblane, Dunkeld, Moray, Ross e Caithness (os números para as dioceses de Argyll e as Ilhas não estão disponíveis). Este foi melhor do que para o Lowlands, mas, é claro, tem de se ter em mente que muitas das paróquias das montanhas eram vastos e que a viagem foi tão difícil. Mas havia uma estrutura no local e não houve o início da obra do evangelho. Em Inverness, por exemplo, havia um ministro de 1560 (o sacerdote conformado) e presbíteros e diáconos foram nomeados em outubro de 1562. O mesmo aconteceu em Harris. Então, houve um ministro ficticiamente protestante que foi preparado para realizar um culto protestante.

 Que tipo de serviço é que estes homens tomam? Por necessidade, era um serviço muito simples e limitado. Haveria oração, é claro, ea leitura da Bíblia (que teria que ser de improviso traduzido em gaélico), e não haveria pregação ou exortação. Não poderia haver cantar gaélico porque não havia salmos métricos gaélico. Em um lugar como bilíngüe Inverness haveria inglês salmos métricos para os serviços ingleses, e talvez estes eram cantadas nos serviços gaélico também. Mais da metade do país estava gaélico de língua na Reforma. Aliás Alastair Crotach (d.1547), enterrado em Rodel, disse ter traduzido vários salmos em gaélico, que foram publicados "pelo Sr. Morrison de Ness", mas os especialistas gaélico pode lançar nenhuma luz sobre essa afirmação.

 Uma das coisas que tanto ajudaram a Reforma no Planalto era que, dos bispos das montanhas, três (eu acho) dos sete tornou-se protestante. Eles não tinham mais autoridade eclesiástica, mas eles tinham dinheiro e influência secular que poderia ser usada para o bem ou para o mal. Uma das grandes dificuldades que a Igreja Reformada era a falta de dinheiro ea dificuldade de conseguir o que era para ser Igreja de dinheiro das mãos de nobres, bispos, abades, etc Então, estes homens e outros fazendeiros influentes no Highlands, foram úteis na resolução de ministro e medidas para que a ser pago e para igrejas e mansões para ser mantida. Por outro lado, um revés para a Reforma no Planalto foi a restauração parcial dos Bispos na Convenção de Leith, em 1572. A ideia era que esses bispos faria figuras poderosas e dinâmicas, mas a realidade é que eles tendem a ser não residente, e ocioso, e gastar as receitas em si mesmos.

 O mais notável destes bispos, e um homem melhor do que a maioria, era John Carswell (d.1572). Logo depois da Reforma, foi nomeado Superintendente de Argyll e as Ilhas. (Esses superintendentes foram um expediente temporário introduzido por causa da escassez de ministros.) Carswell era ativo em viajar nas Highlands. Por exemplo, maio 1564, enviou um pedido de desculpas de ausência à Assembléia Geral, explicando que ele pensou que poderia fazer mais bem para a Kirk, viajando, e salientando que só foi possível viajar nos meses de verão. Depreende-se um "instrumento" que ele assinou que estava em Lewis em 1566. Para o desgosto da Assembleia Geral, em 1565 Carswell aceitou o bispado das ilhas de Queen Mary. Ele parece ter-se movido na direção Reformar menos mais tarde na vida, embora ele negou isso em sua carta único sobrevivente.

 Carswell tem a distinção de publicar o primeiro livro impresso em gaélico, o Livro da Ordem Comum (um Diretório do Culto Público) em 1567, dos quais três cópias sobreviver [encontrado em Daviot?]. O original em Inglês (com base no tipo de serviço utilizado, em Genebra) tinha sido formalmente publicado em Edimburgo, no início de 1565. Carswell diz em seu prefácio que ele tinha esperado para ver se alguém mais poderia traduzi-lo, mas com relutância que tinha que fazer ele mesmo. Era uma peça erudita de trabalho, e mostrou uma notável visão. Assim, ele, pelo menos, estava fazendo algo.

 Um pouco mais tarde Bispo foi Andrew Knox de Ranfurly (1559-1633). Ele tinha sido um estudante de Andrew Melville na Universidade de Glasgow, mas não foi tão íntegro um presbiteriano como seu professor e em 1605 tornou-se Bispo das Ilhas. Ele era um homem corajoso e há algumas histórias de sua vida aventureira. Em 1608 ele foi como capelão com uma pequena frota para Mull, onde uma reunião tinha sido nomeado com vários dos principais chefes das montanhas, como Rory MacLeod de Harris (Rory Mor), Macdonald de Sleat, Clanranald Macdonald, e outros. Quando alguns deles mostrou uma certa relutância em apoiar o trabalho da Igreja Reformada, que eram, em conselho de Knox, convidou para iate do Rei para o jantar, e de ouvir um sermão que ele estava a pregar. Após o jantar, eo sermão eles foram informados de que eles foram presos e foram transportados até Ayr e depois para a prisão em Stirling. O único esperto demais para ir a bordo do navio foi Rory Mor. Eles não foram liberados até que eles haviam concordado em participar de uma reunião em Iona em que subscreveu uma obrigação de apoiar a Igreja Reformada. Como resultado de Knox "crédito" no Planalto foi bastante baixo, e em 1611 ele foi nomeado Bispo de Raphoe na Irlanda. No caso, talvez seu crédito melhorou, porque ele não demitir o Bispado das Ilhas até 1618. Possivelmente ele foi influenciado nesta decisão pelos artigos infames de Perth, adotadas naquele ano.

 A coisa interessante sobre Knox, porém, é que ele re-aparece como um homem velho na vida de John Livingstone. Livingstone teve que se retirar para a Irlanda em 1630 (logo após o renascimento de Shotts Kirk) para evitar a perseguição, na Escócia. Nessa fase, ele ainda era um estagiário, na necessidade de ordenação, se ele foi encontrar uma carga na Irlanda. Como um presbiteriano, ele não queria ordenação episcopal, e foi sugerido que ele deveria ver o antigo bispo de Raphoe, que era mais de setenta anos por esta altura. Ele registra que Knox 'me disse que ele sabia que meu recado que eu tive com ele, porque eu não tinha escrúpulos contra episcopado e cerimônias, de acordo como o Sr. Josias Welsh e alguns outros antes dele; e que ele pensou que sua idade avançada foi prolongado por pouco outra finalidade a não ser fazer esses escritórios ... "Ele arranjou para Livingstone a ser ordenado por três ministros presbiterianos, embora ele mesmo tinha que estar presente, e ele entregou Livingstone o serviço de ordenação marcar fora tudo o que era censurável. Livingstone, no entanto, disse: "Eu achei tão marcada por alguns outros antes de que eu não precisava marcar qualquer coisa". Knox era um homem que estava preparado para ir tão longe em uma situação de degeneração, mas no último recuou com repulsa.

 Então, eclesiasticamente, a Reforma foi uma mudança brusca de Romanismo ao protestantismo, de um presbiteriano mista / variedade Episcopal.

 2. A Reforma Espiritual 

Não obstante a mudança eclesiástica, há pouca evidência de uma mudança espiritual no Planalto antes de 1600. Tudo o que havia era local, afetando apenas algumas pessoas ou famílias. Sabemos os nomes de vários ministros início das montanhas, e talvez alguns ou mesmo muitos deles homens fiéis, mas nós simplesmente não têm conhecimento do seu estado espiritual. Além de livro de Carswell da Ordem Comum (o que é bastante informativo), não sei o que eles estavam ensinando, ou se havia alguma semente evangélica que está sendo semeada. Eles não deixaram nada por escrito, e nem temos sobreviver registros da igreja. Em Inverness, por exemplo, os registros de Burgh voltar para a Reforma, mas os registros mais antigos datam de sessão sobrevivente 1661, os primeiros registros de presbíteros (além de alguns fragmentos) para 1670, e os primeiros registros do Sínodo para 1623.

 Em 1597, James Melville e outros foram enviados pelo rei e da Assembléia Geral sobre a Visitação do Norte. Eles visitaram os sínodos de Aberdeen, Moray, e Ross, depondo alguns ministros, advertindo alguns, e encorajar os outros. Eles se conheceram os nobres e chefes barões, e discutiu a manutenção de igrejas. Em Inverness eles encontraram o Chefe do Clã Mackintosh que tinha um plano para todas as igrejas em seus limites e que prometeu mantê-los e para garantir a segurança dos ministros da área. O comentário de Melville em sua turnê foi 'eu já uma vez lamentou o estado de nossas montanhas, e tenho certeza de que, se Cristo foi pregado entre eles, envergonharia muitos professores da planície ". Da mesma forma, em sermões de Robert Bruce, que datam a partir deste momento, as Highlands são sempre retratado como um lugar selvagem sem o evangelho.

 Um lugar para que o evangelho veio logo depois, no entanto, foi Tain. O ministro lá de 1599 foi John Monro, sobrinho de Robert Munro de Fowlis que havia apoiado a Reforma no primeiro Parlamento Reformada de 1560. John Monro participou na Assembleia Aberdeen de 1605, recusou-se a declará-la ilegal, e foi preso no Castelo de Doune ( perto de Dunblane). Ele foi sentenciado a ser banido para o Mull of Kintyre, mas depois fugiu e voltou para o ministério em Tain. Ele, pelo menos, era um homem de Deus. Mas os lugares para que ministros presbiterianos foram banidos depois da Assembleia Aberdeen (Caithness, Orkney, Shetland, Lewis, Arran, Bute, Kintyre) dão uma indicação do estado religioso geral das Highlands. Claramente sentiu-se que eles não poderiam fazer algum mal nesses lugares.

 Tradicionalmente, o que trouxe o evangelho para as Highlands foi o banimento de Robert Bruce para Inverness em agosto 1605 pelo rei por sua oposição à Prelazia. Provavelmente foi nesta ocasião (ou, eventualmente, a sua segunda expulsão) que ele fez uma pausa em transe por um tempo antes de montar seu cavalo. Ao ser perguntado o que ele estava fazendo, ele respondeu: 'Eu estava recebendo minha comissão e cobrar do meu mestre para ir para Inverness, e ele deu-me a si mesmo antes de eu colocar o pé no estribo; e para lá eu vou para semear uma semente em Inverness que não deve ser erradicado por muitas eras. "

 Wodrow diz que "ele continuou em Inverness cerca de quatro anos, onde teve grande sucesso em seu trabalho ministerial. Muitos foram convertidos e multidões edificado. Ele pregou manhã dia de cada Senhor, e toda quarta-feira, e ler e exortou as orações todas as noites, enquanto ele estava lá. " Esta conta é confirmada por várias outras fontes (por exemplo, Robert Fleming). A primeira referência a seu sucesso é de um jesuíta, em 1648, que escreveu ao general de sua sociedade que, enquanto a região ao redor das fontes da Ness tinha um clima "quente", "é assim o temperamento dos habitantes, que são calvinistas ardentes, tendo-se tornado obstinadamente imbuídos estes sentimentos por um pregador que foi enviado para lá para banimento pelo rei James Sexta. Ao mesmo tempo que este sucesso, no entanto, Bruce teve de suportar grande oposição do ministro, James Bishop, que era "o homem do rei 'a, e também as dificuldades dos magistrados. Em uma ocasião, ele foi alvejado, e escapou com vida apenas porque ele havia feito uma pausa para examinar o ninho de um pega que ele pensou foi curiosamente feito.

 Há duas referências a ele nos registros publicados de Inverness. O primeiro, datado de 25 th jul 1606, é de cerca de Andrew Innes que tinha 'incomodado Sr. Robert Bruce ao lado da água sob o silêncio ea nuvem de noite ". Andrew Innes havia resistido à prisão e parece ter sido um idiota. Ele foi condenado a ser açoitado e ter sua orelha pregado ao trono. A outra, datada de 9 th fevereiro 1607, é de cerca de Alexander comerciante que tinha sido privado da sua liberdade e da posição de Burgess em novembro 1606 por causa de seu comportamento insolente para o Provost e Baillie. O registro diz que "agora, por instigação e sincero pedido de um homem honrado, Sr. Robert Bruce de Kinnaird, e Deus, pelo seu Espírito Santo ter movido o coração de Alexander Merchant disse, reconhecendo e confessando seu desprezo feito para Deus e para eles abertamente em julgamento e conselho, e eles por outro tendo considerado a sua humildade, e ter compaixão para com ele, já que lhe foi concedida a sua liberdade, a liberdade ea posição como cidadão de novo '. A impressão é certamente do Evangelho tendo um impacto nesse caso.

 Bruce estava em Inverness até 1613, além de alguns meses em Aberdeen em 1611 e em Forres em 1613. Ele foi então banido para Inverness uma segunda vez 1622-1624. Ele parece ter tido ainda mais dificuldades durante este segundo período, mas também mais sucesso com o evangelho. Por um tempo ele teve que viver em Fortrose porque Inverness estava tão desconfortável. Enquanto em Inverness, multidões vieram de Ross e Sutherland para ouvi-lo, e as balsas no sábado estavam lotadas de pessoas que queriam ouvi-lo. [Pregado em gaélico?]

 Um dos seus convertidos era Alexander Munro (c.1605-1653), que era um professor em Strathnaver com os pais em Inverness. Depois de sua conversão, Munro várias vezes ouviu uma voz, ou recebeu uma forte impressão, que ele deveria entrar no ministério, na freguesia de Durness. Ele foi para a universidade de Aberdeen e foi induzido a Durness em 1634, onde ele também teve um sucesso considerável. Ele traduziu grande parte da Escritura em versos métricos gaélico e 'versos de Sandy Munro' foram aprendidas por muitas crianças e foram por muito tempo falado. Apenas dois deles sobreviver, infelizmente, no Fernaig MS. O mesmo manuscrito tem um poema de Duncan Macrae (seu compilador, b.1640 em Inverinate) que vale a pena citar como ilustração da doutrina evangélica então vigente em Wester Ross:

 Estou esta noite em desgraça Corrupt estou em minha carne Meu coração está ferido com dor doente até a morte por causa do pecado.

O homem, que sofreu em agonia em cima da árvore Na amarga angústia através de falso julgamento Proteja-me tu, tu que és Filho de Deus Empreender tu poderosamente em minha causa  

Este poema é distintamente protestante em sua confissão de pecado interior. 

Depois de Robert Bruce, o evangelho continuou em Inverness e arredores. Em 1638 Andrew Cant veio até Inverness com Conde de Sutherland e Lord Lovat, coletando assinaturas para o Pacto Nacional. Sua exortação sobrevive, e depois toda a cidade subscreveu o Pacto ', exceto ou o Ministro, o Sr. William Clogie, e alguns poucos outros. Uma carta de um dos soldados de Cromwell em Dundee em 1651 fala do contato entre soldados ingleses e 'um povo muito preciosas que procura o rosto de Deus em Sutherland e diversas outras partes além Inverness'. Em tempos convênio temos Thomas Hog, Fraser de Brea, e John M'Killican, e em Sutherland, George Squair de Warwickshire, na Inglaterra, que atuou como assistente de Alexander Munro e que realizou uma comunhão convênio em Rhicoinich perto Kinlochbervie. Em 1687, o ministro da primeira carga em Inverness, Angus Macbean, decidiu que ele não poderia mais ser um episcopal. Ele pregou um sermão em 23 de rd outubro em Jó 34: 31-32 "Se fiz alguma maldade, eu vou fazê-lo não mais ', demitting seu cargo. Alguns dos ouvintes de Robert Bruce ainda estivesse vivo para testemunhar esta ocasião. Para isso, Macbean foi preso em Edimburgo há mais de um ano, morrendo logo após a sua libertação.

 Assim, o evangelho foi firmemente estabelecida desde o tempo de Robert Bruce em diante.

 3. A reforma da sociedade 

Quero agora olhar para o terceiro aspecto da Reforma, e quero concentrar-se no Sínodo de Argyll. Uma razão para isso é que o contraste é mais claramente visto na Costa Oeste, e outra é que o seu trabalho merece ser altamente honrado.

 Década de 1620 viu esforços renovados no Planalto dos romanistas, provavelmente encorajado pelas deserções na Igreja da Escócia, que tinha começado uma missão franciscana ao Hebrides em 1619. Talvez tenha sido em resposta a este que a edição de Gaelic Catecismo de Calvino era publicado sobre 1631. Este foi o segundo livro publicado após gaélico Livro da Ordem Comum do Carswell, mas sobrevive num único exemplar, e nada se sabe sobre sua origem. Em 1638 a Assembléia Geral estabeleceu o novo Sínodo de Argyll, que realizou sua primeira reunião em 24 th abril 1639. Ele compreendia a antiga diocese de Argyll e as ilhas e os seus limites se estendia desde o Mull of Kintyre para as Hébridas. Seu assento estava em Inverary.

 Deixe-me mencionar algumas das dificuldades que o Sínodo de Argyll enfrentados: paróquias eram geralmente grande demais para um homem só, e alguns deles estavam vagos; havia uma escassez de ministros de língua gaélico; alguns dos ministros estavam fora como capelães durante as guerras civis; viagem foi cansativa e perigosa, especialmente no inverno; estipêndios muitas vezes não foram pagas a tempo; mansões e igrejas não foram mantidas pelos herdeiros, embora eles foram obrigados por lei a fazê-lo; estabelecimentos de ensino eram muito limitados em toda a área; não foram efectuadas livros gaélicos disponíveis (embora BCO de Carswell eo NT irlandesa de 1602 estavam sendo usados ​​no Sínodo); houve problemas com a lei ea ordem (em última análise, eles eram dependentes do Marquês de Argyle por impor isso); houve alguns papistas proeminentes e episcopais, entre os chefes das montanhas; havia uma superstição arraigada entre as pessoas, por exemplo, a adoração do sol; era difícil de obter ministros para participar do Sínodo, especialmente os do Presbitério de Skye; e houve várias guerras civis, incluindo terrível campanha Inverary de Montrose de 1644-5 culminando na batalha de Inverlochy em que Montrose derrotou o Marquês de Argyle.

 O que o Sínodo tentar fazer: A acta da Sinodais provenientes 1639-1661 sobreviver e foram publicadas em 1943-4 através dos esforços de Duncan Mactavish, o County Clerk de Argyll, e um evangélico, que tinha re-descobri-los. Os minutos sobreviver através da prudência e da indústria de um dos ministros, Robert Duncanson, que decidiu em 1661 que era melhor levar uma cópia da ata, no caso os Episcopais os destruiu, que é exatamente o que aconteceu. Estes minutos registrar os esforços do Sínodo. 

Eles tinham um esquema para aumentar o número de paróquias, que tem um longo caminho bastante, mas que acabou por fracassar; eles pressurizado os herdeiros para pagar salários e para reparar as igrejas e mansões; eles montaram nove escolas paroquiais para os quais receberam financiamento do Parlamento e da Assembléia Geral, e eles montaram bolsas para quarenta crianças sejam educadas em Glasgow; eles procuraram exercer igreja disciplina, com inúmeros casos de casamento envolvendo divórcio e imundícia, e com tentativas de suprimir a idolatria (adoração do sol) e raciocinar com papistas e episcopais. Eles não tinham medo de enfrentar o maior: eles escreveram maio 1643 a MacNeil de Barra pedindo-lhe a mão sobre a dele e criança Madonna para a destruição, e que instruiu o ministro Bracadale para conversar com a viúva de Rory Mor que era um "papista professada". Eles levaram o Pacto Nacional até Skye em 1642 e obteve assinaturas para que em Eynort e Bracadale. Ao mesmo tempo, eles realizaram uma visitação em Skye. Em uma paróquia os anciãos reclamaram que foram "tratados como cifras, porque o ministro fez tudo sozinho, sem a necessidade de qualquer seus conselhos ou assistência". Não tinha havido nenhuma reunião da sessão, e toda a disciplina foi conduzido reservadamente. Em outros lugares, houve dificuldade sobre a formação de uma sessão porque os fazendeiros locais se recusaram a cooperar com a disciplina eclesiástica. Enquanto isso, os ministros de Skye, que estavam relutantes em participar do Sínodo, queixou-se que os ministros Harris e Lewis não iria mesmo participar do Presbitério.

 Para suprir o défice de literatura gaélica do Sínodo dos Argyll iniciou um projeto de tradução. O Breve Catecismo foi publicado em gaélico em 1653 (versão em Inglês); os primeiros 50 salmos métricos em gaélico estavam prontos em 1659; o Saltério inteiro estava pronto logo em seguida, mas teve que esperar até 1694 para publicação; e eles também tiveram uma tradução do Antigo Testamento em MS que infelizmente foi perdida. Cada um desses projetos foi repleta de dificuldades (recebendo a tradução completa, recebendo financiamento, distribuição de livros, recebendo catequistas) e necessário grande persistência. Os nomes de Dugald Campbell de Knapdale e Ewan Cameron de Dunoon, que fez a maior parte da tradução, merecem ser lembrados com honra.

 Houve uma notável amplitude de visão em seu trabalho. Mesmo mantendo-se reuniões regulares do Sínodo e manter o registo foi um esforço considerável. Sua disposição de tentar o aparentemente impossível foi louvável; como foi a sua persistência após reveses; e seu esforço para ser coerente com a disciplina da igreja e no governo da igreja. O fruto do seu trabalho não foi visto imediatamente, mas ele aparece na história subsequente do evangelho na costa oeste da Escócia.

  Enquanto Robert Bruce trouxe o glorioso evangelho através da pregação, o trabalho do Sínodo dos Argyll foi quase igualmente importante. M'Cheyne tem um sermão sobre o 'Gabinete do presbítero regente ", em que ele diz:" Quando entrei pela primeira vez sobre o ministério entre vós, tive visões muito inadequadas do dever de governar bem a casa de Deus. Eu pensei que o meu grande e quase único trabalho foi orar e pregar ... Quando os casos de disciplina foram trazidos diante de mim, eu para eles com algo parecido com aversão ... Mas aprouve a Deus para abençoar alguns desses casos de disciplina .. .e vi que se a pregação ser uma ordenança de Cristo, assim também é a disciplina da igreja ". Ele passa a falar sobre as duas chaves da doutrina e da disciplina que Cristo comprometidos com a sua Igreja. Portanto, esta foi a forma como a Reforma veio para o Norte da Escócia: através da pregação do evangelho, abençoado pelo Espírito Santo, e pela "perseverança em fazer o bem" dos tribunais da Igreja.

www.reformation-scotland.org

FONTE www.avivamentonosul.blogspot.com.br