Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

Jesus unico mediador e salvador
Jesus unico mediador e salvador

                                    JESUS  O ÚNICO MEDIADOR E SALVADOR

1. Os Termos:

(1) Mediação:

"Mediação", em seu sentido mais amplo pode ser definida como o ato de intermediário entre as partes em desacordo com o propósito de reconciliar-los, ou entre as partes não necessariamente hostis com o objetivo de levá-los em um acordo ou convênio. Teologicamente, tem referência ao método pelo qual Deus eo homem são reconciliados por intermédio de alguns intervenientes do processo, ato ou pessoa, e especialmente através da obra expiatória de Jesus Cristo. O termo em si não ocorre na literatura bíblica.

(2) Mediador:

O termo "mediador" (= intermediário, agente de mediação) é encontrado em nenhum lugar do Velho Testamento ou Apocrypha (versões em inglês dos Bíblia ), mas a palavra grega correspondente μεσίτης , Mesites , Ocorre uma vez em Septuaginta ( Jó 09:33 a King James Version ", nem há entre nós árbitro", onde "jornaleiro" significa em hebraico mōkhı̄aḥ "Árbitro", a versão revista American Standard, a margem Versão Revisada Inglês "árbitro" (veja Jornaleiro); Septuaginta tem ὁ μεσίτης ἡμῶν ,ho Mesites Hemon , "Nosso mediador", como uma paráfrase para hebraico bēnēnū, "Entre nós"). Mesmo no Novo Testamento,Mesites"Mediador", ocorre apenas 6 vezes, ou seja, Gálatas 3:19 , Gálatas 3:20 (de Moisés), e 1 Timóteo 2: 5 ; Hebreus 8: 6 ; Hebreus 9:15 ; Hebreus 00:24 (de Cristo ).

2. O princípio da Mediação:

Embora os termos reais são, portanto, muito raro, o princípio da mediação é de grande importância na teologia bíblica, bem como na filosofia judaico-alexandrina. Corresponde a um instinto humano profundo ou necessidade que se exprime de uma forma ou outra na maioria das religiões. É uma tentativa de resolver o problema levantado pelo (1) a idéia da distância infinita que separa Deus do homem e do universo, e (2) a falta sentida de trazê-los para uma relação harmoniosa. A concepção da mediação será diferente, pois, consoante a distância a ser superada é entendida de forma ética ou metafisicamente. Se ele ser pensado em uma ética ou religiosa sentido, isto é, se a ênfase ser colocado sobre o fato do pecado humano como parado no caminho da comunhão do homem com Deus, então a mediação será o modo pelo qual se estabelecem as relações pacíficas entre homem pecador eo Deus absolutamente justo. Mas se a antítese de Deus e do mundo ser concebida metafisicamente , ou seja, basear-se na natureza última de Deus e do mundo concebido como essencialmente opostos um ao outro, em seguida, a mediação será o modo pelo qual o Deus transcendente, sem que ele próprio vem em contato direto com o mundo, é capaz de produzir efeitos em TI por meio de um agente intermediário (ou agentes). A última concepção (em grande parte o resultado de um dualismo platônico exagerado) exerceram uma influência importante no pensamento judaico depois, e até mesmo sobre a teologia cristã, e virá brevemente sob nossa consideração. Mas no principal que deve estar preocupado com a primeira visão, como mais em harmonia com o desenvolvimento da teologia bíblica, que culmina com a doutrina do Novo Testamento da expiação. A mediação entre Deus eo homem, tal como apresentado nas Escrituras tem 3 aspectos principais, representadas, respectivamente, pelas funções do profeta, sacerdote e rei teocrático. Aqui e ali, no Antigo Testamento, estes tendem a reunir-se, como em Melquisedeque, o sacerdote-rei, e, o Servo Sofredor de Deutero-Isaías, que une a função sacerdotal de sacrifício com a função profética de revelar a vontade Divina. Mas, no geral, esses aspectos da mediação no Antigo Testamento ser executado ao longo das linhas que não têm ponto de encontro em uma pessoa adequada para todas as demandas. No Novo Testamento, eles se cruzam na pessoa e obra de Jesus Cristo, que percebe em si mesmo o sentido pleno dos ideais profética, sacerdotal, e real.

II. Mediação no Antigo Testamento.

1. Ensino negativa no Antigo Testamento:

Nós não encontramos no Antigo Testamento uma doutrina fixa e final da mediação universalmente aceito como um axioma do pensamento religioso, mas apenas um movimento gradual em direção a uma tal doutrina, sob o crescente sentimento de exaltação de Deus e de fragilidade e pecaminosidade do homem. Tal passagem como 1 Samuel 02:25 parece definitivamente contradizer a idéia de mediação. Ainda mais impressionante são as palavras de Job acima referidos, "Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos", ou seja, para fazer valer a sua decisão ( Jó 09:33 ), onde a Septuaginta parafraseia, "Oxalá havia um mediador e um reprovador e um ouvinte entre nós dois ". A nota de desespero que caracteriza esta passagem mostra que Job não tem esperança de que tal um árbitro entre ele e Deus está próxima. No entanto, as palavras dão enunciado patético ao grito inarticulado profunda da humanidade por um mediador. Neste contexto, devemos notar que os protestos dos profetas e salmistas contra uma visão anti-ético da mediação por sacrifícios de animais ( Miquéias 6: 6-8 ; Salmo 40: 6-8 , etc.), e seus apelos diretos frequentes a Deus por misericórdia, sem referência a qualquer mediação ( Salmo 25: 7 ; Salmo 32: 5 ; Salmo 103: 8 ff, etc.).

2. O Ensino Positivo: período inicial:

(1) Sacrificio mediador.

Na era patriarcal, diante do sacerdote oficial tinha sido diferenciado do resto da comunidade, a função de oferecer sacrifício foi dispensado pelo chefe da família ou clã em nome de seu povo, como por Noé ( Gênesis 8:20 ), Abraão ( Gênesis 12: 7 , Gênesis 12: 8 ; Gênesis 15: 9-11 ), Isaac ( Gênesis 26:24 f), Jacob ( Gênesis 31:54 ; Gênesis 33:20 ). Então Jó, concebido pelo escritor como vivendo na antiguidade patriarcal, disse ter oferecido sacrifícios vicariamente por seus filhos ( Jó 1: 5 ). Melquisedeque, o sacerdote-rei de Salém ( Gênesis 14: 18-20 ), é uma figura de considerável interesse teológico, na medida em que ele foi levado pelo autor do Salmo 110: 1-7 como o precursor do rei ideal teocrático que era também sacerdote, e pelo autor de Ele como protótipo do sacerdócio de Cristo.

(2) A oração de intercessão.

A intercessão é em todas as fases da pensou um elemento essencial na mediação. Temos exemplos marcantes do que em Gênesis 18: 22-33 ; Jó 42: 8-10 .

(3) O Pacto Mosaico.

Em Moisés, temos pela primeira vez um representante nacional reconhecido que atuou tanto como porta-voz de Deus para o povo, e porta-voz do povo diante de Deus. Só Ele foi autorizado a "chegarão a Yahweh", e com ele o Senhor falou "face a face, como qualquer fala com o seu amigo" ( Êxodo 33:11 ). Ele subiu a Deus e "relatou as palavras do povo" para ele, como a um Estado soberano, que não pode ser abordado a defesa do seu ministro devidamente credenciado ( Êxodo 19: 8 ). Temos um exemplo marcante de sua mediação de intercessão no episódio do bezerro de ouro, quando ele se declarou de forma eficaz com Deus para se converterem da Sua ira ( Êxodo 32: 12-14 ), e até mesmo para "fazer expiação por" (salmão, Literalmente, "cover") o seu pecado, confessando seu pecado diante de Deus, e estar disposto a ser riscados do livro de Deus, de modo que as pessoas possam ser poupado ( Êxodo 32: 30-32 ). Aqui nós temos já os germes da idéia de sofrimento vicário pelo pecado.

(4) A mediação de intercessão.

Samuel é por Jeremias classificados com Moisés como o principal representante da mediação de intercessão ( Jeremias 15: 1 ). Ele é relatado como mediação pela oração entre Israel e Deus, e ter sucesso em afastar a punição de seus pecados ( 1 Samuel 7: 5-12 ). Em tais ocasiões, a oração estava acostumado a ser acompanhada por confissões de pecados, e por uma oferta ao Senhor.

3. A mediação profética:

Samuel representa a transição do antigo vidente ou adivinho para o profético ordem . O profeta foi considerado como o órgão da revelação divina, para consultar quem era equivalente a "inquirir de Deus" ( 1 Samuel 9: 9 ) - um comissário enviado por Deus ( Isaías 6: 8 f) para proclamar a Sua vontade através da palavra e ação . Nessa qualidade, foi representante do Senhor entre os homens, e assim poderia falar em um tom de autoridade. A revelação profética é essencial para a religião do Antigo Testamento (compare Hebreus 1: 1 ), que por ela se distingue de uma mera filosofia ou religião natural. Deus não é meramente um objeto passivo da descoberta humana, mas alguém que ativamente e graciosamente se revela a Seu povo escolhido por meio dos expoentes autorizados de Sua mente e vontade. Assim, o principal, o profeta representa o princípio da mediação em seu aspecto homem-ala. Mas o aspecto Deus-ward não está ausente, pois encontramos o profeta mediação com Deus em favor dos homens, fazendo intercessão por eles ( Jeremias 14: 19-22 ; Amos 7: 2 f, 5 f).

4. Mediação:

A mediação é em um sentido peculiar a função de sacerdote . No principal, ele representa o princípio no seu Deus-ward aspecto. No entanto, no início do período foi o aspecto homem-ala que foi mais evidente; ou seja, o padre estava em primeiro lugar considerado como o meio através do qual o Senhor entregou Seus oráculos aos homens, o porta-voz humana da revelação sobrenatural, dando conselhos em emergências difíceis, lançando o monte sagrado. Antes da época dos primeiros profetas literários, a associação dos sacerdotes com a estola sacerdotal e do lote havia recuado para segundo plano (embora o sumo sacerdote, teoricamente, manteve o dom de interpretar a vontade divina por meio do Urim e Tumim, Êxodo 28:30 ; Levítico 8: 8 ); mas o poder que perderam com o oráculo eles ganharam no altar. Primeiro, eles adquiriram um estatuto preferencial nos santuários locais; então, na legislação Deuteronomic, onde o sacrifício é limitado para o santuário de Jerusalém, presume-se que apenas sacerdotes levitas pode oficiar. Finalmente, no sistema levítico, conforme estabelecido no Código Sacerdotal (que regulamentou culto judaico nos tempos do pós-exílio), os sacerdotes Aarônico, agora claramente distinguida da levitas, têm o único privilégio de acesso imediato a Deus no seu santuário ( Números 04:19 , Números 04:20 ; Números 16: 3-5 ). Transcendência e santidade de Deus são agora tão ressaltou que entre ele e as pessoas manchadas de pecado há quase um abismo infinito. Assim, as pessoas só podem desfrutar de seu direito ideal de aproximando-Deus e oferecer sacrifício a Ele através da mediação do sacerdócio oficial. A mediação de sacerdotes deriva sua autoridade, não a partir de sua pureza moral ou valor pessoal, mas a partir da pureza cerimonial, que acompanha a seu escritório. Todos os sacerdotes não estão no mesmo nível. Um processo de santidade se formou se reduz o seu número como a abordagem é feita para o Santo dos Santos, que simboliza a câmara presença do Senhor. (1) Fora da nação sagrada, como um todo, a tribo sacerdotal de Levi é eleito e investido com uma santidade especial para praticar todos os atos subordinados ao serviço do tabernáculo ( Números 08:19 ; Números 18: 6 ). (2) No âmbito desta tribo sagrada, os membros da casa de Arão são separados e investiu com uma santidade ainda maior; só eles oficiar no altar no Lugar Santo e expiar a culpa das pessoas por meio de sacrifícios e oração, representando, assim, o povo perante Deus. No entanto, mesmo que eles são apenas admitidos na proximidade imediata do lugar santo. (3) A gradação da hierarquia é completada pelo reconhecimento de um single, chefe supremo do sacerdócio - o sumo sacerdote. Só Ele pode entrar no Santo dos Santos, e que só uma vez por ano, no Dia da Expiação, quando ele faz propiciação não só para si mesmo e do sacerdócio, mas para toda a congregação. O ritual do Dia da Expiação é o maior exercício de mediação sacerdotal. Nesse dia, toda a comunidade tem acesso ao Senhor através do seu representante, o sumo sacerdote, e por meio dele oferecer expiação pelos seus pecados. Além disso, o papel do sumo sacerdote como mediador é simbolizado por seu vestindo o peitoral com os nomes dos filhos de Israel, sempre que ele entra no Santo Lugar ( Êxodo 28:29 ).

Algo deve ser dito do sistema sacrificial, através do qual só o sacerdote exerce suas funções a mediatórios. Por sua mediação não dependia de sua influência direta pessoal com Deus, exerceu, por exemplo, através da oração intercessora (intercessão não é mencionada pelo Código Sacerdotal (P) como um dever do sacerdote, embora referido pelos profetas, Joel 2 : 17 ; Malaquias 1: 9 ). Dependia sim em um elaborado sistema de sacrifício, de que o padre era, mas um agente oficial. Foi ele que deriva sua autoridade a partir do sistema, em vez de o sistema dele. Os aspectos mais característicos do ritual de P são a oferta pelo pecado (ḥattā'th, Lev 4; 5; Levítico 6: 24-30 ) e da oferta pela culpa ('Asham, Lev 5 a 7; 14; 19), o que parece peculiar ao P. Estas são destinadas a restabelecer a relação normal das pessoas ou das pessoas a Deus, uma relação que o pecado tem perturbado. Assim, estes sacrifícios, quando devidamente administrada pelo padre, são distintamente mediadora ou de reconciliação no caráter, ou seja, fazer expiação por ou "cover" (salmão) O pecado da comunidade culpado ou indivíduos. Este parece ser o caso, também, embora em muito menor grau, mesmo com as queimadas, paz e ofertas de cereais, que, embora "não oferecidos expressamente , como as ofertas de pecado e culpa, para o perdão dos pecados, no entanto, foram consideradas .. . como 'cobertura' ou neutralização, indignidade do ofertante para comparecer diante de Deus, e por isso, embora em um grau muito menor do que o pecado ou a culpa oferta, como efetuar propiciação "(Driver em Hastings, Dicionário da Bíblia , IV, 132 ). Devemos tomar cuidado, no entanto, de ler a doutrina do Novo Testamento cheio de pecado e de propiciação para a lei sacrificial. Dois importantes pontos de diferença podem ser observados: (1) A lei não prevê expiação de todos os pecados, mas apenas para os pecados de ignorância ou inadvertência, cometidos dentro da aliança. Pecados deliberados estão fora do âmbito da mediação sacerdotal. (2) Embora o pecado inclui moral impureza, deve-se admitir que a ênfase principal recai sobre cerimonial impureza, porque é só violação de física santidade que podem ser totalmente reparados por portaria ritual. A lei foi essencialmente um código civil, e não foi adequada para lidar com pecados interiores. Assim, o sistema de sacrifício em si é apenas uma pálida adumbration da doutrina do Novo Testamento do trabalho sacerdotal de Cristo, que tem referência ao pecado no seu sentido mais amplo e mais profundo. No entanto, apesar dessas limitações, o ritual sacerdotal era, tanto quanto foi, uma realização organizada do pecado-consciência, e por isso preparou o caminho para a vinda de um Mediador perfeito.

5. Messias:

Em outro plano do que o do sacerdote é a mediação do rei teocrático . Javé era idealmente o único rei de Israel. Mas Governou o povo mediatamente intermédio de seu vigário rei teocrático, o agente de Sua vontade. O rei foi considerado como "ungido do Senhor" ( 1 Samuel 16: 6 , etc.), e de sua pessoa como invioláveis. Ele era o "representante visível do invisível Divine King" (Riehm). O ideal do rei teocrático foi mais quase representada por Davi, o homem segundo o coração do Senhor (compare 1 Samuel 13:14 ). Este fato levou a aliança-promessa de Javé que a casa de David deve constituir uma dinastia permanente, eo seu trono será estabelecido para sempre ( 2 Samuel 7: 5-17 ; compare Salmo 89: 19-37). A indestrutibilidade da dinastia davídica era a convicção basal em que a esperança de um Messias foi construído. Ele levou a atenção que está sendo mais concentrada em um rei preeminente na linhagem de Davi, que deve ser o representante Divinely credenciada de Yahweh, e reina em Seu nome. Como um herói humano divinamente dotados, o Messias irá possuir atributos que irá qualificá-lo para mediar entre Deus e Seu povo na vida nacional e dos assuntos, e assim inaugurar a idade ideal de paz e justiça. Ele é retratado especialmente porque o Real Salvador de Israel, por meio do qual a salvação das pessoas é mediada e justiça administrada (por exemplo, Isaías 11: 1-10 ; Isaías 61: 1-3 ; Salmo 72: 4 , Salmo 72:13 ; Jeremias 23: 5 , Jeremias 23: 6 ; Jeremias 33:15 , Jeremias 33:16 ).

6. O Servo Sofredor:

Na figura maravilhosa da profecia exílico, o Servo sofredor de Javé , o princípio da mediação é exemplificado tanto em seus aspectos homem-ala e Deus-ala. No seu homem-ward aspecto, a sua missão é a de ser um profético mensageiro ungido de Deus para os homens, o Seu testemunho diante do mundo ( Isaías 42: 6 , Isaías 42:19 ; Isaías 43:10 ; Isaías 49: 2 ; Isaías 50: 4 , Isaías 50: 5 ; Isaías 61: 1-3 ). Mas a profunda originalidade da concepção do Servo reside principalmente no significado Deus-divisão de seu sofrimento ( Isaías 53: 1-12 ). O Servo sofreu vicariamente como expiação pelos pecados do povo. Sua morte é ainda dito ser uma "oferta pela culpa" ('Asham, Isaías 53:10 ), e ele é representado como fazer "intercedeu pelos transgressores" ( Isaías 53:12 ). Aqui é a expressão mais profunda no Antigo Testamento do princípio da mediação.

A substituição de voluntária, deliberada, o sacrifício humano para que de bestas relutantes eleva a idéia de sacrifício para um novo plano ético, e traz-lo em relação muito mais vital e orgânica para a vida humana. A base da mediação do Servo parece ser o princípio da solidariedade ou unidade orgânica das pessoas, envolvendo a unidade ideal do Servo e as pessoas que ele representa. Nos anteriores servos-passagens do Servo é idêntica à toda a nação ( Isaías 41: 8 ; Isaías 44: 1 f, e muitas vezes), ea unidade é, portanto, real, e não meramente ideal. Em outras passagens, no entanto, eles são claramente a ser distinguido, por enquanto o povo como um todo é infiel à sua missão, o Servo permanece fiel e sofre por isso. Se em Isaías 53: 1-12 o Servo é o remanescente piedoso das pessoas ou é concebido como um indivíduo que não precisamos considerar aqui. Em ambos os casos, o empate entre o Servo e toda a nação nunca é completamente quebrado; a idéia de sua união mística ainda é a base do pensamento do profeta. Em virtude desta relação ideal, o Servo é o representante da nação diante de Deus, não em um mero senso oficial (como no caso do padre), mas no terreno de mérito pessoal, como o verdadeiro Israel, a personificação da o ideal nacional. Por esta razão Deus pode aceitar o seu sofrimento, em vez da pena merecida de todo o povo. Temos aqui um adumbration maravilhosa da doutrina do Novo Testamento da expiação por um só Mediador, o Filho do Homem, o representante da raça. Ver Servo de Jeová .

7. Agentes sobre-humanos de Mediação:

No judaísmo depois, o crescente sentimento de transcendência de Deus favoreceu a tendência de introduzir intermediários sobrenaturais entre Deus eo mundo.

(1) Mediação Angélico.

Não até os tempos do pós-exílio fez anjos vir a ter significado teológico. Anteriormente, quando Deus estava ..... concebido como aparecendo periodicamente na terra em forma visível, a necessidade de mediação angélica não foi sentida. O "anjo" na narrativa cedo (por exemplo, Gênesis 16: 7-11 ) não possuía cumpridores personalidade distinta de Deus, mas foi o próprio Deus que se manifesta temporariamente em forma humana. Mas, quanto mais Deus veio a ser concebido como "o Alto, o Sublime, que habita a eternidade," quanto maior era a necessidade de mediação entre Deus e do mundo, e até mesmo entre Deus e Seu servo, o profeta. Em escritores do pós-exílio há uma disposição crescente para preencher a lacuna entre Deus eo profeta com seres sobre-humanos. Assim Zacarias recebe todas as instruções Divino através dos anjos; e da mesma forma Daniel recebe explicações de seus sonhos. Nós não no ouvir Antigo Testamento dos anjos intercedendo com Deus (mediação Deus-ala), mas apenas como intermediários da revelação e da vontade divina (mediação homem-ward). Estudiosos judeus modernos negam que Judaistic angelology implícito que Deus era transcendente, no sentido de ser remoto e fora de contato com o mundo. Assim, por exemplo, Montefiore ( Hibbert Palestras , 423-31), mas ele mesmo admite que a "aversão natural para trazer a Divindade para baixo, para as condições humanas", e que "para conversas sobrenaturais anjos formaram um substituto conveniente para Deus" (p. 430 ). A doutrina dos anjos não teve influência sobre a doutrina do Novo Testamento da mediação, que se move no plano da ética, em vez de na base do transcendenee meramente físico de Deus.

(2) Sabedoria Divina.

De mais importância como uma preparação para a teologia do Novo Testamento é a doutrina da Sabedoria, na qual os judeus encontrado "um meio termo entre a religião de Israel e da filosofia da Grécia." Em Provérbios 8: 22-31 A sabedoria é descrita como uma energia individual, eleito o Filho de Deus, o seu companheiro e mestre-artesão ( Provérbios 08:30 ) na criação, mas cujo deleite maior é com os filhos dos homens. Embora a personificação é aqui puramente ideal e poético, e o interesse ético predomina sobre a metafísica, ainda temos em tal passagem uma prova clara de contacto com o pensamento grego (especialmente platonismo e estoicismo), e da necessidade sentida de um mediador entre Deus eo mundo visível. Este modo de pensamento, ligado à concepção hebraica do Verbo Divino como a expressão eficiente do pensamento de Deus e do meio de Sua atividade ( Isaías 55:11 ; Sl 33: 6 ; Salmo 107: 20 ), deixou a sua marca em Philo Logos-doutrina e na cristologia do Novo Testamento.

III. Na literatura judaica Semi-E Não Canonical.

Nos apócrifos, a idéia de mediação é, na maior parte ausente. Nós temos uma ou duas referências a intercessão dos anjos ( Tobias 12: 12,15 ), uma função não atribuída aos anjos no Antigo Testamento, mas de destaque na literatura apocalíptica mais tarde (por exemplo, Enoch Provérbios 9:10 ; Provérbios 15: 2 ; 40: 6). A tradição da agência de anjos na promulgação da lei é encontrado pela primeira vez na Septuaginta de Deuteronômio 33: 2 (não no original hebraico), mas foi muito ampliado na literatura rabínica (Josephus, Ant. , XV, v, 3 ). Em The Wisdom of Solomon um avanço ousado é feita em direção à concepção de sabedoria como um pessoal mediador da criação (especialmente 7: 22-27). No judaísmo, mais tarde, a ideia de que a Palavra é mais desenvolvida. Os Targuns referem constantemente a atividade Divina para o mēmerā ' ou "Palavra" de Deus, onde o Antigo Testamento se refere a Deus diretamente, e fala dele como intercessor do Israel diante de Deus e como Redentor. Este uso parece surgir de uma certa relutância em trazer Deus para contato imediato com o mundo; Assim, a auto-manifestação de Deus é representado como mediada através de um agente quase pessoal. A tendência encontra o seu pleno desenvolvimento, no entanto, não entre os judeus de Jerusalém, mas entre os judeus de Alexandria, especialmente na doutrina do Logos de Philo. Profundamente influenciado pelo dualismo platônico, Philo pensou em Deus como Espírito puro, incapaz de contato com a matéria, de modo que, sem a mediação Deus não poderia agir sobre o mundo. Para preencher a grande lacuna que ele concebeu dos seres intermediários que representou ao mesmo tempo as idéias de Platão, os Poderes ativos dos estóicos, e os anjos do Antigo Testamento. A maior delas foi a DivinaLogos, O mediador entre o, Ser transcendente inacessível e do universo material. Por um lado, em relação com o mundo, oLogos é o Mediador da criação e da revelação; por outro lado, em sua atividade Deus convosco, ele é o representante do mundo diante de Deus, o seu Sumo Sacerdote, Intercessor, e Paráclito. No entanto, Philo deLogos foi, provavelmente, nada mais do que uma abstração filosófica alta vividamente fotografada na mente. Apesar da influência de Philo sobre a teologia cristã, e até mesmo, talvez, em alguns escritores do Novo Testamento, sua doutrina da mediação passa bem diferentes linhas da doutrina do Novo Testamento central, que se preocupa acima de tudo com a reconciliação de Deus e do homem por conta de pecado, e não com a conciliação metafísica do absoluto e do mundo finito. O mediador de Philo é uma abstração do pensamento especulativo; o Mediador do Novo Testamento é uma pessoa histórica concreta conhecida a experiência.

IV. Mediação e mediador no Novo Testamento.

As linhas relativamente independentes de desenvolvimento, que a concepção de mediação até então tomadas agora reunir e unir-se em Jesus Cristo.

1. Os Evangelhos Sinópticos:

A divisão tradicional de obra mediadora de Cristo para a de profeta, sacerdote e rei (muito comum desde Calvin, mas agora muitas vezes descartados) oferece um método conveniente de tratar o assunto, porém devemos evitar fazer o absoluto, como se a obra de Cristo desmoronou em três funções separadas e independentes. A unidade da obra da salvação é preservado pelo fato de que "ninguém dos escritórios enche-se de um momento de tempo sozinho, mas os outros são sempre cooperativa", embora "obra mediadora de Cristo coloca agora este, agora que lado em primeiro plano . " "A divisão tripla é de valor especial, porque ele define de uma forma vívida a continuidade entre a teocracia do Antigo Testamento e do Cristianismo" (Dorner, System of Christian Doctrine , Tradução Inglês, III, 385 e ss). Estes três aspectos da mediação de Cristo podem ser distinguidos nos Sinópticos, embora a distinção formal é o trabalho de análise posterior.

(1) Cristo como profeta.

Foi no caráter de profeta que Ele impressionou principalmente a mente comum, que foi transferida para perguntar "Donde lhe vem esta sabedoria?" e por Sua resposta: "Não há profeta sem honra", etc., Ele praticamente admite que título ( Mateus 13:54 , Mateus 13:57 ). Como Profeta, Cristo é o mediador da revelação; por meio dele só os homens podem chegar a conhecer Deus como Pai ( Mateus 11:27 ) e "os mistérios do reino dos céus" ( Mateus 13:11 ). Em todos os seus ensinamentos, sentimos que Ele fala dentro do centro da verdade, e, portanto, pode ensinar com autoridade e não como os escribas ( Mateus 07:29 ), que se aproximam da verdade de fora. Seu ensino é parte de Sua obra redentora, e não é algo estranho para ele, para o pecado do qual Ele redime inclui ignorância e erro.

(2) Cristo como Rei.

O nome oficial "Cristo" (= Messias, o Rei ungido) refere-se principalmente a Sua realeza. A esperança messiânica tinha ensinado os homens a olhar para a frente a regra de Deus na Terra, instituído e administrado através de seu representante. Cristo foi o cumprimento dessa esperança. Embora Ele segurou uma atitude de reserva na matéria, não pode haver dúvida de que ele concebeu a si próprio como o Messias ( Marcos 8: 27-30 ; Marcos 14:16 f; comparar Sua entrada em Jerusalém como um rei triunfante, Mark 11 : 1 ff; a inscrição na cruz, Mark 15:26 ). Mas também é claro que Ele fundamentalmente modificou a idéia messiânica, ( a ) por inundando-o com o pensamento de sofrimento vicário, e ( b ), dando-lhe uma dimensão ética e espiritual, em vez de uma importância nacional e oficial. A nota de Seu reinado foi o de autoridade ( Marcos 1:27 ; Marcos 2:10 ; Mateus 07:29 ; Mateus 28:18 ) exercida no reino de verdade e de consciência. Sua realeza inclui o futuro, bem como o presente; Ele é o árbitro do destino humano ( Mateus 25:31 ).

(3) Cristo Sacerdote (Redentor).

Os synoptists não sugerem a analogia sacerdotal. Nosso Senhor muitas vezes falou do perdão sem mencionar a Si mesmo como aquele através de quem ele foi mediada, como se ele corria diretamente do coração misericordioso do Pai (compare as parábolas de Lucas 15 ). Mas há outras passagens que enfatizam a estreita ligação da sua pessoa com a redenção dos homens. Atitude dos homens a Ele decide absolutamente sua relação com Deus ( Mateus 10:32 , Mateus 10:40 ). Resto da alma é mediada para os oprimidos por meio dele ( Mateus 11: 28-30 ). Ele afirma sobre a terra autoridade para perdoar pecados ( Marcos 2:10 ). Nós não temos nenhuma evidência de que Ele falou definitivamente da sua morte até que após a confissão de Pedro em Cesaréia ( Marcos 8:31 , " começou a ensinar ", etc.), embora parece que temos vagas alusões mais cedo (por exemplo, a alegoria do noivo, Mark 02:19 , Mark 02:20 ). Isso pode ser em parte devido à reserva consciente, de acordo com o verdadeiro método pedagógico pelo qual Ele adaptou Seu ensino à receptividade progressiva de seus seguidores. Mas na medida em que temos de pensar nele como sujeito às leis ordinárias da psicologia humana, a idéia de sua morte deve ter sido para ele um crescimento, amadurecido em parte por eventos externos e, em parte, pelo desenvolvimento de sua consciência interior como o Messias sofredor . Em seu ministério mais tarde, Ele sempre dizia que Ele deve sofrer e morrer ( Mark 09:12 , Mark 09:31 ; Marcos 10:32 f; Marcos 12: 8 ; Marcos 14: 8 e passagens paralelas; comparar Marcos 10:38 ; Lucas 0:49 f). Há duas passagens importantes que ligam expressamente Sua morte com a Sua obra mediadora. O primeiro é Marcos 10:45 (paralela Mateus 20:28 ), "O Filho do Homem não veio para ser ministrado a mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos." O contexto mostra que era ao mesmo tempo o pensamento de sua morte se aproxima cheio Sua mente que o nosso Senhor proferiu estas palavras (compare Marcos 10:33 , Marcos 10:38 f). Quanto ao significado exato de resgate ( λύτρον ,Lutron), Existem dois círculos de idéias com as quais podem estar associados. ( a ) Pode significar um sacrifício, representando hebraicokopher (Literalmente, "cobertura", "dom propiciatório"), que se traduz várias vezes na Septuaginta (por exemplo, Êxodo 30:12 ). Assim, Ritschl a define como "uma oferta que, por causa do seu valor específico para Deus, é uma proteção ou cobiçando contra o pecado" ( Rechtfertigung und Versöhnung , II, 68-88). ( b ) Pode significar preço do resgate, o dinheiro pago pela aquisição da emancipação de um escravo. Na Septuaginta,Lutron na maioria dos casos, significa uma forma das raízes gā'al "Entregar" pādhāh"Redimir" (por exemplo, Levítico 25:51 ; Números 03:51 ). Assim, Wendt explica o "resgate", como o preço pelo qual Jesus redimiu Seus discípulos de sua escravidão ao sofrimento e à morte ( Ensino de Jesus , II, 226 e ss). Esta analogia certamente se adequa ao contexto melhor do que tirar do ritual levítico, pois traz o contraste entre o libertador obra de Cristo e da escravização trabalho daqueles que "dominar" sobre os homens. Nós não deve pressionar a analogia em detalhe aqui ou procurar uma resposta para a pergunta: quem era o destinatário do preço do resgate (por exemplo, se o diabo, como muitos pais, nomeadamente Orígenes e Gregório de Nissa; Deus, como Anselm e teólogos posteriores; a "lei eterna da justiça", como Dale). A finalidade da passagem é essencialmente prático, não especulativo. É, certamente, pressionando a linguagem figurada de Jesus muito zoom para insistir em que o preço do resgate é o equivalente quantitativo exato das vidas liberado, ou da pena que tinha merecido considerado uma dívida. Isso é muito prosaica e literalista uma interpretação de uma passagem que tem a sua definição na ética, em vez de na esfera comercial, e que respira um espírito muito próxima à de Isaías 53: 1-12 , onde o sofrimento e serviço machado, como aqui , combinado.

A outra passagem em que Cristo definitivamente conecta Sua mediação com a Sua morte é o que relata suas palavras na Última Ceia ( Marcos 14: 22-24 ; Mateus 26: 26-28 ; Lucas 22:19 f; compare 1 Coríntios 11:24 f). As palavras relatadas não são idênticas nas diversas narrativas. Mas, mesmo em sua forma mais simples (em Marcos), há, evidentemente, uma alusão tríplice, para o cordeiro pascal, para o sacrifício oferecido por Moisés na ratificação da aliança no Sinai ( Êxodo 24: 8 ), e com a profecia de um de Jeremias nova aliança ( Jeremias 31:31 ). Não pode haver dúvida de que a festa pascal, embora não se conforma em detalhes a qualquer dos sacrifícios levíticos, foi considerado como um sacrifício , como é indicado pelo cerimonial de sangue ( Êxodo 12: 21-27 ). O sangue da aliança, também, é sacrificial; e, como vimos, é provável que todos os sacrifícios de sangue, e não as dos pecado e culpa apenas ofertas, foram associados com poder propiciatório. Wendt nega que haja aqui qualquer referência ao pecado e seu perdão ( Ensinamentos de Jesus , II, 241 f). Deve-se admitir que as palavras de Mateus "para remissão dos pecados", que não têm contrapartida em outros relatórios, são, provavelmente, uma expansão explicativo das palavras realmente pronunciadas. Mas eles são uma verdadeira interpretação de seus significados, como é atestada pelo fato de que a nova aliança da profecia de Jeremias foi um dos perdão e justificação ( Jeremias 31:34 ), e que Cristo fala de Seu sangue derramado, como para os outros. E, como a Páscoa significava libertação da escravidão a um poder terreno (Egito), de modo a Ceia significa o perdão e libertação de um poder espiritual (pecado). Claramente Cristo aqui representa a si mesmo como o Mediador da nova aliança, por meio do qual os homens são de encontrar aceitação com Deus, embora o exato modus operandi do Seu sacrifício não é indicada.

Os Sinópticos dar destaque especial a esses eventos históricos que estão mais intimamente associados com a mediação de Cristo - não só a agonia no jardim e da crucificação, mas também a ressurreição e ascensão (que possibilitam Sua mediação de intercessão no céu).

2. Primitivos ensinos apostólicos:

(1) Os discursos iniciais em Atos.

Os primeiros discursos em Atos revelam um estágio primitivo da reflexão teológica. No entanto, eles são essencialmente cristocêntrica. ( a ) É a realeza messiânica de Cristo, que é enfatizado principalmente. A tese principal é que Jesus é o Messias (o "ungido", compare Atos 04:27 ; Atos 10:38 ), e que Ele era o Messias foi realizado na crucificação e atestada pela ressurreição. Uma característica importante é o uso do "Servo" título para Cristo ( Atos 3:13 , Atos 03:16 ; Atos 4:27 , Atos 04:30 ; comparar Atos 8: 30-35 ), em referência evidente ao sofrimento Servo de Deutero-Isaías. Na frase, "o teu santo Servo ... quem tu ungir ", que vem imediatamente após a citação messiânico", contra o Senhor e contra o seu Ungido "( Atos 4:26 f), temos um exemplo conciso do que coalescente da idéia do Messias com a do Servo Sofredor, que deu a idéia messiânica um significado inteiramente novo. Como Messias, Jesus era o único mediador da salvação ( Atos 4:12 ). ( b ) Outro tipo Antigo Testamento que encontra o seu cumprimento em Jesus é a do " profeta semelhante a "Moisés ( Atos 03:22 ; Atos 07:37 ; compare Deuteronômio 18:15 , Deuteronômio 18:18 ). ( c ) Mas os sacerdotais funções de Cristo não são explicitamente mencionadas. As perguntas não são confrontados, Qual é o significado de Deus-ward de sua morte? Como é que é eficaz para a salvação do homem? É, antes, o significado homem-ala que é explicitada, ou seja, Jesus como Messias medeia salvação aos homens do seu lugar de exaltação à destra de Deus. No entanto, os germes de uma mediação Deus são encontradas na identificação do Messias com o Servo Sofredor.

(2) Carta de Tiago e Judas.

Nestes epístolas a doutrina da mediação de Cristo não ocupa um lugar de destaque. Para James, o cristianismo é o culminar de judaísmo. Funções mediatórios de Cristo são apresentados mais a título de pressuposto que por declaração explícita, e todo o peso é colocado sobre os escritórios régias e proféticas. A messianidade de Jesus é assumido a tal ponto que o título "Cristo" tornou-se parte do nome próprio, e Sua Senhoria está também implícita ( Tiago 1: 1 ; Tiago 2: 1 ). Nada definitivo é dito sobre sua função na salvação; é o próprio Deus que se regenera, mas o médio de regeneração é "a palavra da verdade", "a palavra implantada" ( Tiago 1:18 , Tiago 1:21 ), que _ deve referir-se a palavra que Jesus havia pregado. Isto implica que Jesus professor como profético é o mediador da salvação. Nada é dito sobre a morte na cruz ou o seu significado salvífico. A Epístola de Judas assume o Senhorio de Cristo, pelo qual Saviourhood de Deus funciona, e cuja misericórdia resultados na vida eterna ( Juízes 1: 4 , Juízes 1:21 , Juízes 1:25 ).

(3) 1 Pedro.

Em 1 Pedro, temos o ensino apostólico cedo tocou com Paulino, O fato de que a salvação é mediada através dos sofrimentos e morte de Cristo é agora explicitamente indicado. Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos ( 1 Pedro 3:18 ). O sofrimento tem um significado tanto Deus-homem-ala e ala. Relativamente a Deus é um sacrifício que abre um caminho de acesso a Ele; Ele sofreu "que ele poderia levar-nos a Deus" ( 1 Pedro 3:18 ), e que através do Seu sacerdócio representante do "santo sacerdócio" ideal de todas as pessoas de Deus pode ser realizado, pois é "através de Jesus Cristo" que os homens de " sacrifícios espirituais "tornar-se" agradável a Deus "( 1 Pedro 2: 5 ). Assim, os eleitos são polvilhadas com o sangue de Cristo, isto é, em comunhão com Deus pelo Seu sacrifício ( 1 Pedro 1: 2 ). Relativamente ao homem, é um meio de resgatar ou libertar o homem da escravidão comparar pecado. "Sabendo que fostes resgatados ( ἐλυτρώθητε ,elutrṓthēte , Literalmente, "resgatados", a partir de Lutron"Resgate", um eco de Marcos 10:45 ) ... pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula "( 1 Pedro 1:18 , 1 Pedro 1:19 ). A linguagem é simples e sacrificial subdesenvolvido, e não está claro se a figura do "cordeiro" implica uma referência ao cordeiro pascal ou para Isaías 53: 7 .., ou a ambos o efeito sobre o homem é, no entanto, claro Cristo "os nossos pecados em seu corpo em cima da árvore, que nós, mortos aos pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas fostes curados "( 1 Pedro 2:24 ; ver toda a passagem, 1 Pedro 2: 21-24 , que lembra a figura do Servo Sofredor de Isaías, Isaías 53: 1-12 ).

3. Cartas de Paulo:

Mediato de Cristo está no centro do evangelho de Paulo; isso apesar do fato de que apenas uma vez que ele se aplica o termo "mediador" a Cristo ( 1 Timóteo 2: 5 ), e que na outra única passagem em que ele usa a palavra, ele aplica a Moisés, em um sentido que pode parecer incompatível com a idéia de mediação de Cristo, ou seja, onde se discute a relação do direito de prometer. A lei foi "ordenada por meio de anjos, pela mão de um mediador Ora, o mediador não é ... de um;. Mas Deus é um só" ( Gálatas 3:19 , Gálatas 3:20 ).

Esta passagem tem teve que passar por cerca de 300 interpretações diferentes. A visão de que o "mediador" Cristo está aqui (Orígenes, Agostinho e a maioria dos Padres, Calvin, etc.) é claramente insustentável. Exegetas modernos concordam que a referência é a Moisés (compare Levítico 26:46 , onde a Septuaginta tem "pela mão de Moisés"; Philo chama Moisés "mediador e reconciliador," De Vit . Moys ., iii 19), que, de acordo com a uma tradição rabínica, recebeu a Lei através da intermediação de ângulos (compare Atos 07:53 ; Hebreus 2: 2 ). Também não é provável que Paulo quis dizer ao leitor a perceber a glória da lei e da solenidade de sua ordenação (Meyer). O ponto é que, em vez da inferioridade da lei, para a promessa evangélica a Abraão. A mediação implica pelo menos duas partes, entre as quais se exercidas. A lei foi dada por um mediatorship casal, a dos anjos e que de Moisés, e era, portanto, dois remove de sua origem divina. Mas em relação à promessa que Deus estava sozinho, ou seja, agiu livremente, de forma incondicional, de forma independente, e para Si próprio. A promessa é um acordo entre dois, comprar o dom gratuito de Deus único (para Schleiermacher, Lightfoot, etc.). Isto é, não significa uma negação da origem divina da lei (Ritschl), para a mediação de anjos e de Moisés foi divinamente autorizado; mas isso não parece fazer o método de mediação inferior ao do direto de comunicação de vontade graciosa de Deus para o homem. Paulo não está, no entanto, o tratamento do princípio da mediação em abstrato, mas apenas que a forma dele o que implica um contrato entre duas partes. Cristo não é Mediador no mesmo sentido em que Moisés, para o caráter livre e incondicionado da anistia graça que Cristo faz a mediação não é de forma diminuída pelo fato de Sua mediação.

O que, então, é o ensinamento positivo de Paulo sobre mediação de Cristo?

(1) A necessidade de um Mediador:

A necessidade de um Mediador surge de o fato do pecado . Sin interrompe a relação harmoniosa entre Deus eo homem. Isso resulta em um estado de alienação mútua. Por um lado, o homem está em um estado de inimizade com Deus ( Romanos 5:10 ; Romanos 8: 7 ; Colossenses 1:21 ). Por outro lado, Deus é movido a justa ira em relação ao pecador ( Romanos 1:18 ; Romanos 5: 9 ; Efésios 5: 6 ; Colossenses 3: 6 ). Daí, a necessidade de uma mudança de atitude mútua, a remoção do desagrado de Deus contra o pecador, bem como de hostilidade do pecador para Deus. Deus não poderia restaurar o homem para favorecer por um mero fiat, sem alguma exposição pública da justiça Divina, e vindicação de Sua personagem como não é indiferente para o pecado (compare Romanos 3:25 , Romanos 3:26 ). Tal exposição exigiu um mediador.

(2) as qualificações:

A qualificação de Cristo para ser o Mediador depende de sua íntima relação com ambas as partes em desacordo.

(A) relação de Cristo com homem:

Em primeiro lugar, Ele próprio é um homem , isto é, não apenas "homem" genericamente, mas um indivíduo homem. A "um só Mediador entre Deus e os homens" é "o próprio homem, Jesus Cristo" ( 1 Timóteo 2: 5 ), "nascido de mulher" ( Gálatas 4: 4 ), "em semelhança da carne do pecado" ( Romanos 8: 3 , onde a palavra "semelhança" não faz "carne" irreal, mas qualifica-se "pecado"), ou seja, furo para o olho o aspecto de um homem comum; em segundo lugar, Ele levou uma especial relação a uma parte da humanidade, os judeus ( Romanos 1: 3 ; Romanos 9: 5 ); em terceiro lugar, Ele levou um universal relação à humanidade em geral. Ele era mais do que um indivíduo entre muitos, como um elo de uma cadeia. Ele foi o segundo Adão, o arquétipo do homem, universal, representante, cujas ações, portanto, tinha um significado além de si mesmo e foram idealmente as ações da humanidade, assim como o ato de Adão tinha, num plano inferior, um significado para toda a raça ( Romanos 5: 12-21 ; 1 Coríntios 15:22 , 1 Coríntios 15:45 ).

(B) sua relação com Deus:

Paul muito freqüentemente fala de Cristo como o "Filho de Deus", e que, em um sentido único. Além disso, Ele era a "imagem de Deus" ( 2 Coríntios 4: 4 ; Colossenses 1:15 ), e subsistiu originalmente "na forma de Deus" ( Filipenses 2: 6 ). Ele situa-se junto com Deus, defronte ídolos ( 1 Coríntios 8: 5 , 1 Coríntios 8: 6 ), e é coordenado com Deus na bênção ( 2 Coríntios 13:14 ). Claramente Paulo define-Lo na esfera divina sobre a contra tudo o que não é Deus. No entanto, ele atribui a Ele uma certa subordinação, e até mesmo afirma que Sua realeza mediatorial vai chegar a um fim, para que Deus seja tudo em todos ( 1 Coríntios 15:24 , 1 Coríntios 15:28 ). Mas esta cessação da sua função como mediador da salvação, quando a sua extremidade deve ter sido atingido, pode não afetar sua dignidade divina, "uma vez que a soberania mediatorial que agora está a cessar não era a sua causa, mas sua conseqüência" (B. Weiss, II, 396).

(3) Os meios, a morte de Cristo:

Os meios de efetuar a reconciliação foi principalmente a morte na cruz . Paulo enfatiza o valor de mediação da morte tanto no seu (Deus-ward) lado objetivo e sobre o seu subjetiva (homem-ward) lado. Em primeiro lugar , é o fundamento objectivo de perdão e graça diante de Deus. Com base no que Cristo fez, Deus deixa de contar para os homens de seus pecados ( 2 Coríntios 5:19 ). Visão de Paulo sobre a morte pode ser visto por considerar algumas de suas expressões mais característicos. ( a ) É um ato de reconciliação . Trata-se de uma mudança de atitude, não só no homem, mas em Deus, um abandono da ira divina, sem o qual não pode haver restauração de relações pacíficas (embora este é disputado por muitos, por exemplo, Ritschl, Lightfoot, Westcott, Beyschlag), mas não uma mudança de natureza ou de uma intenção, para a ira divina, mas é um modo do amor eterno, e além disso é o próprio Pai que fornece os meios de reconciliação e compromete-se a realizá-lo ( 2 Coríntios 5:19 ; comparar Colossenses 1:20 , Colossenses 1:21 ; Efésios 2:16 ). (B) É um ato de propiciação ( Romanos 3:25 , ἱλαστήριον ,hilasterion, A partir de ἱλάσκεσθαι ,hiláskesthai, "Para tornar favorável" ou "propício"). Aqui há uma clara referência embora tácito para uma mudança de atitude por parte de Deus. Aquele que não era anteriormente propício para o homem foi apaziguado pela morte de Cristo. No entanto, os meios propiciatórios são fornecidos pelo próprio Deus, que toma a iniciativa na matéria ("a quem Deus estabelecido ", etc.). ( c ) É um resgate . O Mediador "deu a si mesmo em resgate por todos" ( 1 Timóteo 2: 6 ). A idéia de pagamento de um preço do resgate é claramente implicado na palavra "redenção" ( Romanos 3:24 ; 1 Coríntios 1:30 ; Efésios 1: 7 ; Colossenses 1:14 , ἀπολύτρωσις ,apolutrosis , A partir de Lutron"Resgate"). Não é só o fato de libertação (Westcott, Ritschl), mas também o custo de libertação que é referido. Por isso, os cristãos estão a ser dito "resgatados", "comprados por preço" ( Gálatas 3:13 ;

Fonte Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

VEJAM MAIS WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM