Translate this Page

Rating: 3.0/5 (915 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Panorama biblico carta aos Romanos
Panorama biblico carta aos Romanos

                                                           CARTA DE ROMANOS

 

Este é, naturalmente, primeira colocada entre as epístolas do Novo Teste., Tanto por conta do seu comprimento comparativa e sua importância. Alega nosso interesse mais do que as outras epístolas didáticas de Paul, porque é mais sistemático, e porque explica sobretudo àquela verdade que, posteriormente, tornou-se o princípio da Reforma, viz. justiça através da fé. Tem, no entanto, foi muito mal compreendido nos tempos modernos, como parece ter sido muito cedo ( 2 Pedro 3: 15-162 Pedro 3: 15-16 ).

 

  1. autoria . - A evidência interna é tão fortemente a favor da autenticidade da Epístola aos Romanos que nunca foi seriamente questionada. Mesmo a crítica abrangente da Baur não foi além condenando os dois últimos capítulos como espúrio. Mas, enquanto os ursos Epístola, em si mesmo as provas mais fortes de sua autoria paulina, o testemunho externo em seu favor não é desprezível. A referência aos Romanos 2: 4 em 2 Pedro 3:152 Pedro 3:15 é realmente mais do que duvidosa. Na Epístola de Tiago, novamente ( Tiago 2:14Tiago 2:14 ), há uma alusão ao perversões da linguagem e da doutrina de Paulo, que tem vários pontos de contato com a Epístola aos Romanos ; mas isso talvez possa ser explicado pela via oral, em vez de o ensino escrita do apóstolo, como as datas parecem exigir. Não é a prática dos pais apostólicos citar o novo teste. escritores pelo nome, mas passagens marcadas a partir dos romanos são encontrados embutida nas epístolas de Clemente e Policarpo ( Romanos 1: 29-32 . em Clem Coríntios 35 e Romanos 14:10 ; Romanos 14:12 ., em Polyc . Phil 6 ). Parece também ter sido directamente citada pelo ancião citado em Irineu (4, 27, 2, "ideo Paulum dixisse;". Comp Romanos 11:21 ; Romanos 11:17 ), e é aludido pelo escritor da Epístola a Diogneto; (c 9 comp.. Romanos 3:21 , e por Justino Mártir fol .; 5:20) ( Dial. c 23; comp.. Romanos 4: 10-11 , e em outras passagens). O título do tratado de Melito Na pregação da fé parece ser uma alusão a esta epístola (ver, contudo, Gálatas 3: 2-3Gálatas 3: 2-3 ). Ele tem um lugar, além disso, na Muratorian Canon e nas versões Siríaca e velho latim. Nem temos o testemunho de escritores ortodoxos sozinho. A carta foi comumente citado como uma autoridade pelos hereges de subapostolic idade: pela Ophites (Hippol Adv Hoer p 99; comp..... Romanos 1: 20-26 ), por Basilides ( ibid. P 238; comp. . Romanos 8:19 ​​; Romanos 8:22 ; Romanos 5: 13-14 ), por Valentino ( ibid. .. p 195; comp Romanos 8:11 ), pelo Valentinians Heracleon e Ptolemaeus (Westcott, na Canon , p . 335, 340), e talvez também por Taciano ( Orat. c 4;.. comp Romanos 1:20 ), além de ser incluído na Canon de Marcion. Na última parte do século 2d as evidências a seu favor é ainda mais completa. Ele é, obviamente, a que alude a carta das igrejas de Vienne e Lyons (Euseb. HE , 5, 1 comp. Romanos 8:18 , e por Atenágoras (p 13; comp).. Romanos 12: 1 .; P 37; . comp Romanos 1, 24) e Teófilo de Antioquia ( Ad Autol. p 79; comp.. Romanos 2: 6 .. fol .; p 126; comp Romanos 13: 7-8 ); e é citado com freqüência e por nome por Irineu, Tertuliano e Clemente de Alexandria (ver Kirchhofer, Quellen , p. 198, e, especialmente, Westcott, na Canon , passim).

 

  1. Integrity . - Isso não foi admitido de modo unânime como a genuinidade. Com exceção das autoridades de Marcião, de fato, que provavelmente adulterado os manuscritos das epístolas como ele fez com os dos evangelhos, e que considera os dois últimos capítulos desta epístola espúria, todos os manuscritos e versões contêm a epístola como temos : é nos tempos modernos que as dúvidas foram jogados sobre a autenticidade da parte final. Por Heumann a epístola foi considerado como tendo originalmente terminou com ch. 11; CH. 12-15 sendo uma produção distinta, embora igualmente dirigida ao Romans , e ch. 16 uma espécie de pós-escrito os dois. Semler (1762) limita as suas dúvidas para ch. 15 e 16, o primeiro dos quais ele considerava como uma encíclica privado para o uso dos irmãos que os portadores da carta maior deve atender a caminho de Roma, este último como um catálogo de pessoas para ser saudado na mesma viagem. Schulz (1829) supôs que ch. 16 foi dirigida aos Efésios de Roma, e Schott que é composta de fragmentos de uma pequena carta, escrita por Paulo quando em Corinto a uma Igreja asiática. Baur tem mais recentemente (1836), seguido do mesmo lado; mas, como de costume, por razões meramente internos, e em favor da sua teoria peculiar da relação das partes de Paulo e Pedro na era apostólica. Estas várias hipóteses têm passado por muito tempo no esquecimento; e por todos os críticos recentes de nota os dois últimos capítulos foram restaurados para o seu lugar como uma parte integrante da epístola.

 

Com uma maior aparência de razão tem a autenticidade da doxologia no final da epístola sido questionada. Schmidt e Reiche considerar-se não ser verdadeira. Neste doxologia o estilo anacolouthical e desconectadas provoca alguma surpresa, eo todo foi considerado fora do seu lugar ( Romanos 16: 26-27 ). Os argumentos contra a sua autenticidade no chão do estilo, avançou pela Reiche, sejam cumpridos e refutada por Fritzsche ( Romanos vol. 1, p. 35). Tais defeitos de estilo pode ser facilmente explicado da circunstância de que o apóstolo apressou-se a conclusão, mas seria bastante inexplicável em adições de um copista que teve tempo para apreciação calma. As mesmas palavras ocorrem em diferentes passagens da carta, e deve-se admitir que tal flutuação algumas vezes indica uma interpolação. No Codex I, na maioria dos códices Minusculi, bem como em Crisóstomo, as palavras ocorrem na conclusão do ch. 14. Nos códices B, C, D, E, e na tradução da Síria, esta doxologia ocorre na conclusão do cap. 16. Em Codex A que ocorre em ambos os lugares; enquanto no Codex D ** as palavras estão querendo inteiramente, e eles parecem não se encaixam em qualquer um dos dois lugares. Se a doxologia ser colocado na conclusão do cap. 14, Paulo parece prometer aos cristãos fracos na fé, de quem ele tinha falado, uma confirmação de sua crença. Mas parece imprópria neste contexto para chamar o Evangelho um mistério eterno, e a doxologia parece que veio para interromper a ligação entre ch. 14 e 15; e na conclusão do cap. 16 parece ser supérflua, uma vez que a bênção já havia sido pronunciada em Romanos 16:24. Nós, no entanto, dizer que esta última circunstância não precisa ter evitado o apóstolo de permitir que seus sentimentos animados para irrompeu em uma doxologia, especialmente na conclusão de uma epístola que tratou amplamente sobre o mistério da redenção. Nós encontramos uma instância análoga em Ef. 23:27 . Nós, no entanto, dizer que esta última circunstância não precisa ter evitado o apóstolo de permitir que seus sentimentos animados para irrompeu em uma doxologia, especialmente na conclusão de uma epístola que tratou amplamente sobre o mistério da redenção. Nós encontramos uma instância análoga em Ef. 23:27, onde uma doxologia ocorre após o mistério da salvação tinha sido mencionado. Assim, somos de opinião de que a doxologia é colocado justamente na conclusão do cap. 16, e que foi, em alguns códices erroneamente transposta para a celebração de ch. 14, porque o copista considerada a bênção em 16:24 para ser a verdadeira conclusão da epístola. Em confirmação desta observação, podemos observar que os mesmos códices em que a doxologia ocorre no cap. 16 omitir a bênção completamente ou colocá-lo depois da doxologia. (Veja § 4: 7. Abaixo)

 

. III Hora e Local da Escrita . - A data desta epístola é fixado com certeza mais absoluta e dentro de limites mais estreitos do que a de qualquer outro das epístolas de Paulo. As seguintes considerações determinar o momento da escrita. Primeiro. Certos nomes no ponto saudações a Corinto como o lugar a partir do qual a carta foi enviada.

 

(1.) Phoebe, uma diaconisa da Cencréia, uma das cidades portuárias de Corinto, é recomendado aos Romanos ( Romanos 16: 1-2 ).

 

(2.) Gaio, em cuja casa Paul foi apresentado no momento ( Romanos 16:23 ), é provavelmente a pessoa mencionada como um dos principais membros da igreja de Corinto em 1 Coríntios 1:141 Coríntios 1:14 , embora o nome era muito comum .

 

(3.) Erasto, aqui designada "o tesoureiro da cidade" ( οἰκονόμος , 1 Coríntios 1:231 Coríntios 1:23 , AV "Chamberlain"), está em outros lugares mencionados em conexão com Corinto ( 2 Timóteo 4:202 Timóteo 4:20 , ver também Atos 19:22Atos 19:22 ).

 

Em segundo lugar. Tendo assim determinado o lugar da escrita para ser Corinto, não temos nenhuma hesitação em que fixa em cima da visita registrado em Atos 20: 3Atos 20: 3 , durante o inverno e primavera seguinte longa permanência do apóstolo em Éfeso, como a ocasião em que a carta foi escrita. Para Paulo, quando escreveu a carta, estava a ponto de levar as contribuições da Macedônia e Acaia para Jerusalém (15: 25-27), e uma comparação com Atos 20:22Atos 20:22 ; Atos 24:17Atos 24:17 ; e também 1 Coríntios 16: 41 Coríntios 16: 4 ; 2 Coríntios 8: 1-22 Coríntios 8: 1-2 ; 2 Coríntios 9: 12 Coríntios 9: 1 . quadrados, mostra que ele estava tão envolvido neste período de sua vida. (Veja Paley, Horoe Paulinoe , CH2,. § 1.) Além disso, nesta epístola ele declara sua intenção de visitar os romanos depois que ele tem sido em Jerusalém ( 1 Coríntios 15: 23-251 Coríntios 15: 23-25 ​​), e que esse era o seu projeto neste momento em particular aparece a partir de um aviso casual em Atos 19:21Atos 19:21 .

 

A epístola, em seguida, foi escrita de Corinto durante a terceira viagem missionária de Paulo, por ocasião da segunda das duas visitas registradas nos Atos. Nesta ocasião, ele permaneceu três meses na Grécia ( Atos 20: 3Atos 20: 3 ). Quando ele saiu, o mar já era navegável, pois ele estava a ponto de vela para Jerusalém, quando ele foi obrigado a mudar seus planos. Por outro lado, não pode ter sido no final da primavera, porque, depois de passar pela Macedônia e visitar vários lugares na costa da Ásia Menor, ele ainda esperava chegar a Jerusalém pelo Pentecostes ( Atos 20:16Atos 20:16 ). Foi, portanto, no inverno ou início da primavera do ano que a Epístola aos Romanos foi escrito. De acordo com o sistema mais provável da cronologia, este seria o inverno de 54-55 AD.

 

A Epístola aos Romanos é, assim, colocadas em ligação cronológica com as epístolas aos Gálatas e Corinthians, que parecem ter sido escrito no prazo de doze meses anteriores. A Primeira Epístola aos Coríntios foi escrito antes de Paulo deixou Éfeso, o segundo da Macedônia, quando ele estava em seu caminho para Corinto, e a Epístola aos Gálatas, muito provavelmente, quer na Macedónia ou depois de sua chegada em Corinto, ou seja, após as epístolas aos Corinthians, embora a data da epístola aos gálatas não é absolutamente certo. (Veja Gálatas, EPÍSTOLA AO ). Vamos ter de perceber as relações existentes entre estas epístolas contemporâneos futuramente. Neste momento, será suficiente dizer que eles apresentam uma notável semelhança com o outro no estilo e matéria - uma semelhança muito maior do que pode ser atribuída a qualquer outra das epístolas de Paulo. Eles são ao mesmo tempo o mais intenso e mais variadas em sentimento e expressão - se assim podemos dizer, o mais Pauline das epístolas de Paulo tudo. Quando Baur excetua estes quatro epístolas sozinho de sua condenação arrebatadora da autenticidade de todas as letras com o nome de Paul (Paulus, der Apostel), esta é uma mera caricatura da crítica sóbria; mas subjacente a este exagero errônea é o fato de que as epístolas deste período - terceira viagem missionária de Paulo - tem um caráter e uma intensidade peculiar a sua própria, o que corresponde às circunstâncias do apóstolo do exterior e interior vida no momento em que foram escritos. Para as características especiais deste grupo de epístolas, consulte um artigo sobre a Epístola aos Gálatas no Journal of Class. e Sacr. Phil. 3, 289.

 

. IV Ocasião e Objeto da escrita . - Estes evidentemente cresceu a partir da posição e caráter das pessoas abordadas, e, portanto, envolvem uma consideração da Igreja em Roma e de propósitos do apóstolo com relação a ele.

 

  1. As opiniões sobre a concepção geral desta carta diferem de acordo com as várias suposições daqueles que pensam que o objeto da carta foi fornecido pela ocasião, ou a suposição de que o apóstolo escolheu seu assunto somente após uma oportunidade para a escrita foi oferecido . Em tempos anteriores a última opinião prevaleceu, como, por exemplo, nos escritos de Tomás de Aquino, Lutero, Melanchton, Calvin. Em tempos mais recentes a outra opinião geral tem sido defendida, como, por exemplo, por Hug, Eichhorn, e Flatt. Muitos escritores supor que os debates mencionado no cap. 14 e 15 suscitou esta carta. Abraço, portanto, é de opinião de que o objeto de toda a epístola foi estabelecido o seguinte proposição: . Judeus e gentios em igualdade de condições para o reino de Deus De acordo com Eichhorn, os judeus romanos, sendo exasperado contra os discípulos de Paulo, esforçado para demonstrar que o judaísmo era suficiente para a salvação da humanidade; consequentemente Eichhorn supõe que a polêmica de Paulo não foram dirigidos contra Judaizing convertidos ao cristianismo, como na Epístola aos Gálatas, mas sim contra o próprio judaísmo. Esta opinião também é mantida por De Wette ( Einleitung ins Neue Testament , 4ª ed. § 138). De acordo com Credner ( Einleitung , § 141), a intenção do apóstolo era o de tornar a congregação romana favorável antes de sua chegada nas principais metrópoles, e ele, portanto, se esforçado para mostrar que os relatórios do mal distribuídos dele se pelo zelo judaizantes cristãos estavam erradas . Esta opinião é quase relacionada com a da Baur, que supõe que o objeto real desta carta é mencionado apenas no cap. 9-11. De acordo com Baur, os fanáticos judaizantes estavam descontentes que pela instrumentalidade do Paul tais números de gentios entrou no reino de Deus que os judeus deixaram de aparecer como o povo messiânico. Baur supõe que esses judaizantes são mais especialmente refutada no cap. 9-11, depois de ter sido mostrado nos oito primeiros capítulos que era, em geral, errado considerar um povo melhor do que outro, e que todos tinham os mesmos direitos de ser justificados pela fé. Contra a opinião de que o apóstolo, por escrito a Epístola aos Romanos , tinha esse objetivo polêmico particular, foi justamente observado por Ruckert (no 2d ed. De sua Commentar), Olshausen, e De Wette que o próprio apóstolo afirma que sua epístola tinha um alcance geral. Paulo diz na introdução que ele há muito tempo entretido o desejo de visitar a metrópole, a fim de confirmar a fé da Igreja, e ser-se confortado por que a fé ( Romanos 1:12 ). Ele acrescenta ( Romanos 1:16 ) que foi impedido de pregar na principal cidade apenas por obstáculos externos. Ele diz que ele havia escrito para os cristãos romanos, em cumprimento de sua vocação como apóstolo dos gentios. A jornada de Phoebe a Roma parece ter sido a ocasião externa da epístola. Paulo fez uso desta oportunidade, enviando a soma ea substância da doutrina cristã, por escrito, tendo sido impedido de pregar em Roma. Paul tinha muitos amigos em Roma que se comunicavam com ele; consequentemente, ele era o mais induzidos a abordar os romanos , embora ele manifestou alguma hesitação em fazê-lo ( Romanos 15:15 ). Estas circunstâncias exercido alguma influência, bem como sobre a forma como no conteúdo da carta; de modo que, por exemplo, o seu conteúdo diferem consideravelmente a partir da Epístola aos Efésios, embora este também tem um alcance geral.

 

  1. As circunstâncias imediatas em que a carta foi escrita eram estes. Paul havia muito propus visitar Roma, e ainda manteve esta finalidade, desejando também estender sua viagem para a Espanha ( Romanos 1: 9-13 ; Romanos 15: 22-29 ). Para o momento, no entanto, ele foi impedido de realizar seu projeto, enquanto ele se dirigia para Jerusalém com a esmola dos cristãos gentios, e, entretanto, ele se dirigiu esta carta aos Romanos , para suprir a falta de seu ensino pessoal. Phoebe, uma diaconisa da Igreja vizinha de Cenchrese, estava no ponto de partida para Roma ( Romanos 16: 1-2 ), e, provavelmente, transmitiu a carta. O corpo da carta foi escrita pelo ditado do apóstolo por Tércio ( Romanos 16:22 ); mas talvez podemos inferir a partir do abrupto da doxologia final que foi adicionado pelo próprio apóstolo, mais especialmente à medida que se reúnem a partir de outras epístolas que era sua prática de concluir com algumas palavras marcantes em seu próprio punho, para atestar a autoria da carta, e frequentemente também para impressionar alguma verdade importante mais fortemente em seus leitores.

 

  1. A Origem da Igreja de Roma está envolvido na obscuridade (veja Mangold, Die Anfänge der römischen Gemeinde [Marb. 1866]). Se tivesse sido fundada por Peter, de acordo com uma tradição mais tarde, a ausência de qualquer alusão a ele, tanto nesta epístola e nas cartas escritas por Paul de Roma iria admitir de nenhuma explicação. É igualmente claro que nenhum outro apóstolo foi o fundador. Nesta mesma carta, e em estreita ligação com a menção de seu visita proposta a Roma, o apóstolo declara que era a sua regra não construir sobre alicerce de outro ( Romanos 15:20 ), e não podemos supor que ele violou-a neste caso. Mais uma vez, ele fala dos Romanos como especialmente queda de sua participação como o apóstolo dos gentios ( Romanos 01:13 ), com uma evidente referência à partição do campo de trabalho entre ele e Peter, mencionado em Gálatas 2: 7-9Gálatas 2: 7- 9 . Além disso, quando ele declara seu desejo de comunicar algum dom espiritual ( χάρισμα ) para eles ", que pode ser estabelecida" ( Romanos 1:11 ), isso implica que eles ainda não haviam sido visitado por um apóstolo, e que Paul contemplado fornecendo o defeito, como foi feito por Pedro e João no caso análogo das igrejas fundadas por Filipe em Samaria ( Atos 8: 14-17Atos 8: 14-17 ). (Veja PETER ) ( o Apóstolo ) .

 

A declaração nas Clementina (Horn. 1, § 6) que as primeiras notícias do Evangelho chegou a Roma durante a vida de nosso Senhor é, evidentemente, uma ficção para fins de o romance. Por outro lado, é claro que o alicerce desta Igreja datas de muito longe para trás. Paulo nesta epístola saúda certos crentes residentes em Roma - Andronicus e Junia (ou Junianus?) - Acrescentando que eles foram distinguidos entre os apóstolos, e que eles foram convertidos a Cristo diante de si ( Romanos 16: 7 ), para tal parece ser o significado da passagem, rendeu um tanto ambígua pela posição dos pronomes relativos. Pode ser que alguns desses romanos , "tanto judeus como prosélitos," presente no dia de Pentecostes 02:10 ), levado de volta as primeiras notícias da nova doutrina, ou o Evangelho pode ter primeiro chegou à cidade imperial através daqueles que foram dispersos para escapar da perseguição que se seguiu à morte de Estêvão ( Atos 8: 4 ; Atos 11 : 19 ). Em todo o caso, uma comunicação estreita e constante foi mantido entre os judeus residentes em Roma e seus compatriotas na Palestina pelas exigências de comércio, em que se tornaram cada vez mais absortos em suas esperanças nacionais diminuiu, e pelo costume de reparar regularmente para seus festivais sagrados em Jerusalém. Mais uma vez, os éditos imperiais alternadamente banir e recordando a judeus (comp. Por exemplo, no caso de Cláudio, Josephus, Ant. 19, 5, 3, com Suetônio, Claud. 25) deve ter mantido um constante fluxo e refluxo de migração entre Roma e no Oriente, e no caso de Áquila e Priscila ( Atos 18: 2 ; ver Paley, Hor Paul.. c 2,. § 2) provavelmente representa uma classe numerosa através de cuja significa as opiniões e doutrinas promulgadas na Palestina pode alcançar o metrópole. No primeiro, pode-se supor que o Evangelho foi pregado lá em uma forma confusa e imperfeita, pouco mais do que uma fase do judaísmo, como no caso de Apolo em Corinto ( Atos 18:25 ), ou os discípulos em Éfeso ( Atos 19: 1-3 ). Conforme o tempo avançou e professores mais instruídos chegou, as nuvens gradualmente clara de distância, até que finalmente o aparecimento do grande apóstolo-se em Roma disperso nas brumas do judaísmo, que ainda pairava sobre a Igreja Romana. Muito tempo depois de o cristianismo tinha tomado uma posição de antagonismo direto ao judaísmo em Roma, estadistas e escritores pagãos ainda persistia em confundir um com o outro (ver Merivale, Hist. De Roma , 6, 278, etc.). Atos 2:10Atos 8: 4Atos 11:19Atos 18: 2Atos 18:25Atos 19: 1-3

 

  1. A questão seguinte surge quanto à composição da Igreja Romana no momento em que Paulo escreveu. Será que o endereço apóstolo um judeu ou de uma comunidade Gentile, ou, se os dois elementos foram combinados, era um ou outro predominante de modo a dar um caráter a toda a Igreja? Ou extrema tem sido vigorosamente mantida, Baur, por exemplo, afirmando que Paulo estava escrevendo aos cristãos judeus, Olshausen argumentando que a igreja romana consistia quase exclusivamente de gentios. Somos naturalmente levados a procurar a verdade em alguma posição intermediária. Jowett encontra uma solução da dificuldade na suposição de que os membros da Igreja Romana, embora gentios, tinha passado por uma fase de proselitismo judeu. Isto irá explicar alguns dos fenômenos da carta, mas não todos. É mais provável que Paulo dirigiu a Igreja mista de judeus e gentios, o último talvez seja o mais numeroso.

 

Há certamente passagens que implicam a presença de um grande número de judeus convertidos ao cristianismo. O uso da segunda pessoa para enfrentar os judeus (cap. 2 e 3) claramente não é assumida apenas para fins de argumentação, mas se aplica a uma parte, pelo menos, daqueles em cujas mãos a carta cairia. Os constantes apelos à autoridade da "lei" pode, em muitos casos, ser explicada pela educação judaica dos crentes gentios (assim Jowett, 2, 22), mas às vezes eles parecem muito direto e positivo para admitir essa explicação ( Romanos 03:19 ; Romanos 7: 1 ). Polegada. 7 Paulo parece estar a resolver os judeus, como aqueles que, como ele, tinha sido uma vez sob o domínio da lei, mas tinham sido entregues a partir dele em Cristo (veja especialmente Romanos 7: 4 ; Romanos 7: 6 ). E quando em Romanos 11:13 ele diz: "Eu estou falando com você - os gentios", esta expressão muito limitante "gentios" implica que a carta foi dirigida a não poucos para quem o termo não seria aplicável. Mais uma vez, se analisarmos a lista de nomes na ch. 16, e assumir que esta lista representa aproximadamente a proporção de judeus e gentios na igreja romana (uma suposição, pelo menos, não improvável), chegamos ao mesmo resultado. É verdade que Maria, ou melhor, Mariam ( Romanos 16: 6 ), é o nome somente estritamente judaica. Mas este fato não vale a pena o esforço, aparentemente, colocado sobre ele pelo Sr. Jowett (2:27); para Áquila e Priscila ( Romanos 16: 3 ) eram judeus ( Atos 18: 2Atos 18: 2 ; Atos 18:26Atos 18:26 ), e da Igreja, que se reuniu em sua casa foi provavelmente da mesma nação. Andronicus e Junia (? Ou Júnias Atos 18: 7Atos 18: 7 ) são chamados de parentes de Paulo. O mesmo termo é aplicado para Herodion ( Atos 18:11Atos 18:11 ). Essas pessoas, então, deve ter sido judeus, quer "parentes" é tomada no mais largo ou o sentido mais restrito. O nome Apeles ( Atos 18:10Atos 18:10 ), embora um nome nações também, foi mais comumente suportados pelos judeus, como resulta do Horace ( Sat. 1, 5, 100). Se a Aristóbulo de Atos 18:10Atos 18:10 foi um dos príncipes da casa de Herodes, como parece provável, temos também na "casa de Aristóbulo" vários judeus convertidos. Ao todo, parece que uma grande fração dos crentes cristãos mencionados nestas saudações eram judeus, mesmo supondo que os outros, tendo nomes gregos e latinos, dos quais nada sabemos, eram pagãos.

 

Nem a existência de um grande elemento judeu na Igreja Romana apresenta qualquer dificuldade. Os cativos levados a Roma por Pompey formaram o núcleo da população judaica na metrópole. (Veja ROMA ). Desde esse tempo que tinham aumentado em grande parte. Durante o reinado de Augusto, ouvimos acima judeus 8000 residentes anexando-se a uma embaixada judaica, que recorreu a este imperador (Josephus, Ant. 17, 11, 1). O mesmo imperador deu-lhes um quarto para além do Tibre, e permitiu-lhes o livre exercício da sua religião (Philo, Perna. Ad Catium, p. 568 M.). Sobre o momento em que Paulo escreveu, Seneca, falando da influência do judaísmo, ecoa a famosa expressão de Horace (Ep 2, 1, 156). Respeitando os gregos - "Victi victoribus leges dederunt" (Seneca, em Agostinho, De Civ. Dei, 6, 11). A sátira amargo de Juvenal e queixas indignadas de Tácito da propagação da infecção através da sociedade romana são bem conhecidos (Tácito, Ann 15, 44;. Juvenal, Sat. 14, 96). Estes convertidos ao Judaísmo eram em sua maioria mulheres. Tais prosélitos formou-se naquele período, o ponto de aglutinação para a conversão dos gentios.

 

Entre os convertidos do judaísmo ao cristianismo existia nos dias de Paulo duas partes. Os apóstolos congregadas havia decretado, de acordo com Atos 15 que os convertidos do paganismo não eram obrigados a manter as leis rituais de Moisés. Houve, no entanto, muitos convertidos do judaísmo que estavam inclinados a renunciar a autoridade da lei mosaica, e apelou erroneamente à autoridade de James ( Gálatas 2: 9Gálatas 2: 9 .; Comp Atos 21:25Atos 21:25 ); eles reivindicaram também a autoridade de Pedro em seu favor. Tais convertidos do judaísmo, mencionados nas outras epístolas, que continuaram a observar as leis rituais de Moisés não foram predominantes em Roma. Baur, no entanto, supõe que esta tendência Ebionitic prevaleceu na época em todas as congregações cristãs, Roma não exceção. Ele acha que os convertidos do judaísmo foram, então, tão numerosos que todos foram obrigados a submeter-se às opiniões judaizantes da maioria (comp. Baur, Abhandlung uber Zweck und Veranlassung des Romerbriefs , na Tubinger Zeitschrift, 1836). No entanto, Neander também mostrou que a tendência Judaizing não prevaleceu na Igreja Romana (comp. Neander, Panzung der christlichen Kirche [3d ed.], P. 388). Esta opinião é confirmada pela circunstância de que, de acordo com ch. 16 Paul tinha muitos amigos em Roma. Baur remove essa objeção só declarando ch. 16 para ser espúria. Ele apela ao ch. xiv, a fim de provar que não eram cristãos Ebionitic em Roma: ao que parece, no entanto, que as pessoas referidas no cap. 14 não eram de forma estritamente Judaizing fanáticos, querendo anular a Igreja, mas, pelo contrário, alguns convertidos escrupulosos do judaísmo, sobre quem os outros olhou com desprezo. Havia, de fato, algumas divergências entre os cristãos em Roma. Isto é evidente a partir de Romanos 15: 6-9 e Romanos 11: 17-18 , estes debates, no entanto, não eram de tão obstinados uma espécie como entre os Gálatas; caso contrário, o apóstolo dificilmente poderia ter elogiou a congregação em Roma, como ele faz no cap. Romanos 1: 8 ; Romanos 1:12 e Romanos 15:14 . De ch. Romanos 16: 17-20 podemos inferir que os judaizantes tinham se esforçado para encontrar o ingresso, mas com pouco sucesso.

 

Por outro lado, situada na metrópole do grande império do paganismo, a Igreja Romana deve necessariamente ter sido em grande medida uma igreja Gentile; ea linguagem da epístola suporta a essa suposição. É declaradamente como o apóstolo dos gentios que Paulo escreve aos Romanos ( Romanos 1: 5 ). Ele espera conseguir algum fruto entre eles, como ele tinha entre os demais gentios ( Romanos 01:13 ). Mais tarde, na epístola ele fala dos judeus na terceira pessoa, como se referindo aos gentios: "Eu poderia desejar ser anátema, separado de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne, que são israelitas", etc. ( Romanos 9: 3-4 ). Mais uma vez: "O desejo do meu coração ea oração a Deus por eles é que eles podem ser salvos" ( Romanos 10: 1 ; a leitura correta é ὑπὲρ αὐτῶν , não ὑπὲρ τοῦ Ισραήλ , como no Texto Recebido). Comp. também Romanos 11:23 ; Romanos 11:25 , e, especialmente, Romanos 11:30 , "Porque, como vós nos tempos passados ​​não crer em Deus, ... assim como estes também (isto é, os judeus) agora não acredito", etc. Em todas estas passagens, Paulo dirige-se claramente aos leitores gentios.

 

Estes gentios convertidos, no entanto, não eram, em sua maioria, nativas romanos . Estranho como o paradoxo aparece, nada é mais certo do que a Igreja de Roma foi neste momento um grego, e não um Latina, Church. Ele está claramente estabelecido que as versões latinas início do novo teste. não foram feitas para o uso de Roma, mas para as províncias, especialmente na África (Westcott, Canon, p. 269). Toda a literatura da Igreja primitiva Roman foi escrito na língua grega. Os nomes dos bispos de Roma durante os primeiros dois séculos são, com poucas excepções, grego (ver Milman, cristianismo latino, 1, 27). De acordo com estes factos, descobrimos que uma proporção muito grande dos nomes nas saudações desta epístola são nomes gregos; enquanto das excepções, Priscilla, Aquila, e Junia (ou Junias), foram certamente os judeus; eo mesmo é verdade para Rufus, se, como não é improvável, ele é o mesmo mencionado em Marcos 15:21Marcos 15:21 . Julia foi provavelmente um dependente da família imperial, e derivou seu nome em conformidade. Os únicos nomes romanos restantes são Amplias (ie Amplíato) e Urbanus, dos quais nada se sabe, mas seus nomes são de crescimento tardio e, certamente, não apontam para um estoque de Roman velho. Foi, portanto, a partir da população grega de Roma, puro ou misto, que a parte Gentile da Igreja foi quase totalmente desenhado. Os gregos formaram uma fração considerável de todo o povo de Roma. Eles foram os mais ocupados e aventureiro, e também o mais inteligente das classes médias e baixas da sociedade. A influência que foram adquirindo por seus números e versatilidade é um tema constante de reprovação na filósofo romano e satírico (Juvenal, 3, 60-80; 6, 184;. Tácito, De Orat 29). Eles se queixam de que o caráter nacional é prejudicada, que toda a cidade tornou-se grega, falando a língua de relações internacionais, e trazida por seus hábitos inquietas em contato com religiões estrangeiras, os gregos teve oportunidades maiores do que outros de familiarizar-se com as verdades da o Evangelho; enquanto, ao mesmo tempo, segurando mais frouxamente para as crenças tradicionais, e com as mentes naturalmente mais indagar, eles seriam mais pronta para acolher essas verdades quando eles vieram em seu caminho. Em todo o caso, por qualquer motivo, o Gentile converte em Roma eram gregos, nem romanos ; e foi uma conjectura lamentável por parte do transcritor do siríaco Peshito que esta carta foi escrita "em língua latina" ( רומאית ). Cada linha na epístola evidencia um original.

 

Quando investigar a classificação provável e estação dos crentes romanos, uma análise dos nomes na lista de saudações novamente dá uma resposta aproximada. Esses nomes pertencem, na maior parte das classes média e baixa da sociedade. Muitos deles são encontrados nos columbários dos libertos e escravos dos primeiros imperadores romanos (ver Journal of Class. E Sacr. Phil. 4, 57). Seria demasiado para supor que eles eram as mesmas pessoas; mas, em qualquer caso, a identidade dos nomes aponta para a mesma dignidade social. Entre os comerciantes menos ricos e comerciantes, entre os suboficiais do Exército, entre os escravos e libertos do palácio imperial, quer judeus, quer gregos, o Evangelho que primeiro encontrar um fundamento firme. Para esta última alusão classe é feito em Filipenses 4:22Filipenses 4:22 , "os que são da casa de César." Destes seria trabalhar gradualmente para cima e para baixo; mas podemos ter certeza de que no que respeita a posição da Igreja de Roma não foi excepção à regra geral, que "não são muitos os sábios, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que" foram chamados ( 1 Coríntios 1:261 Coríntios 1:26 ).

 

Parece provável, a partir do que foi dito acima, que a Igreja Romana neste momento era composta de judeus e gentios em porções quase iguais. Este facto encontra expressão na conta, verdadeira ou falsa, o que representa Pedro e Paulo como presidente, ao mesmo tempo sobre a Igreja em Roma (Dionys Cor ap Euseb HE 2, 25;.... Irineu, 3, 3). Possivelmente, também, as discrepâncias nas listas dos primeiros bispos de Roma pode encontrar uma solução (Pearson, Minor Theol Works, 2, 449;. Bunsen, Hipólito, 1, 44) no episcopado conjunta de Linus e Cletus - aquele governando sobre a judaica, a outra sobre a Gentile, congregação da metrópole. Se esta conjectura ser aceite, é um testemunho importante para a visão aqui mantida, embora não podemos supor que na época de Paulo os dois elementos da Igreja Romana tinha organizações distintas.

 

  1. A composição heterogênea desta Igreja explica o caráter geral da Epístola aos Romanos . Em um conjunto tão diferentes, devemos esperar para encontrar não o predomínio exclusivo de uma única forma de erro, mas a coincidência de formas diferentes e opostas. O Evangelho teve aqui para enfrentar não especialmente com o Judaísmo, nem especialmente com o paganismo, mas com os dois juntos. Foi, portanto, o negócio do professor Christian conciliar as dificuldades opostas e segurar um ponto de encontro no Evangelho. Este é exatamente o que Paulo faz na Epístola aos Romanos , e que, a partir das circunstâncias do caso, ele foi bem habilitado a fazer. Ele estava se dirigindo a uma comunidade grande e variado que não tinha sido fundada por ele mesmo, e com a qual ele não tinha tido nenhuma relação sexual direta. Mais uma vez, não parece que a carta foi escrita especialmente para responder a quaisquer dúvidas ou resolver quaisquer controvérsias, em seguida, rife na Igreja Romana. Houve, pois, não há influências perturbadoras, como surgem das relações pessoais, ou circunstâncias peculiares, para perturbar uma exposição geral e sistemática da natureza e do trabalho do Evangelho. Ao mesmo tempo, a grande importância da Igreja metropolitana, que não poderia ter sido negligenciado até mesmo por um professor sem inspiração, naturalmente, apontou para o apóstolo como o corpo mais apto a quem a abordar tal exposição. Assim, a Epístola aos Romanos é mais do que um tratado que de uma carta. Se removermos as alusões pessoais nos versos de abertura, e as saudações no final, parece não mais particularmente dirigida à Igreja de Roma que a qualquer outra igreja da cristandade. A este respeito, difere consoante as Epístolas aos Coríntios e Gálatas, com o qual, como sendo escrito sobre o mesmo tempo, pode de forma mais justa ser comparado, e que estão cheios de alusões pessoais e diretos. Em um exemplo sozinho parece que estamos a traçar uma referência especial para a Igreja da metrópole. A liminar da obediência aos governantes temporais ( Romanos 13: 1 ) seria mais apropriadamente ser dirigida a um rosto congregação trouxe a cara com o governo imperial, e tanto mais que Roma tinha sido recentemente palco de distúrbios freqüentes, por parte de qualquer um judeus ou cristãos, decorrentes de antecipação febril e inquieto da vinda do Messias (Sueton. Claud. 25). Outras exceções aparentes admitem uma explicação diferente.

 

  1. Esta explicação é, de fato, deve ser procurada na sua relação com as epístolas contemporâneas. A carta aos Romanos fecha o grupo de epístolas escritas durante a segunda viagem missionária. Este grupo contém, além disso, como já mencionado, as cartas aos Coríntios e Gálatas, escrita provavelmente dentro de poucos meses anteriores. Em Corinto, a capital da Acaia ea fortaleza do paganismo, o Evangelho iria encontrar sua luta mais severa com vícios e preconceitos gentios. Na Galácia, que, quer a partir de simpatia natural ou do contato próximo, parece ter sido mais expostas à influência judaica do que qualquer outra igreja dentro da esfera do trabalho de Paulo, que tinha uma competição afiada com o judaísmo. Nas epístolas a estas duas igrejas estudamos a atitude do Evangelho para o gentio e mundo judaico, respectivamente. Estas cartas são diretos e especial. Eles são evocados por situações de emergência presentes, são dirigidos contra males reais, estão cheios de aplicações pessoais. A Epístola aos Romanos é o resumo do que ele havia escrito antes, o resultado de seu trato com as duas formas antagônicas de erro, a reunião do ensino fragmentária no Corinthian e letras da Galácia. O que existe imediata, irregular, e de aplicação parcial é aqui dispostos e concluída e lançada uma forma geral. Assim, por um lado, o seu tratamento da lei mosaica aponta para as dificuldades que ele encontrou para lidar com a Igreja da Galácia; enquanto, por outro, os adverte contra excessos antinomianas ( Romanos 6:15 , etc.), e os Seus preceitos contra ofender em matéria de carnes e a observância de dias (cap. 14), nos fazem lembrar dos erros que ele teve que corrigir em seus convertidos coríntios (comp. 1 Coríntios 6:121 Coríntios 6:12 sq .; 1 Coríntios 8: 11 Coríntios 8: 1 sq.). Essas liminares, em seguida, que parecem à primeira vista especial, parecem não estar dirigido contra eventuais deficiências reais conhecidos na igreja romana, mas a ser sugerido pela possibilidade de essas irregularidades ocorridas em Roma, que ele já tinha encontrado em outros lugares.

 

  1. Vendo esta carta, então, sim, à luz de um tratado que de uma carta, somos capazes de explicar certos fenômenos no texto acima aludido ( § 2). No texto recebeu uma doxologia fica no fim da epístola ( Romanos 16: 25-27 ). A preponderância de evidência é a favor desta posição, mas não há autoridade respeitável para colocá-lo no final do cap. 14. Em alguns textos, mais uma vez, encontra-se em ambos os locais, enquanto outros omiti-lo totalmente. Os fenômenos do MSS. parecem melhor explicado pela suposição de que a carta foi distribuída em uma data próxima (seja durante a vida do apóstolo é ou não é ocioso para indagar) em duas formas, com e sem os dois últimos capítulos. Na forma mais curta que foi alienada, na medida do possível, o seu carácter epistolar abstraindo o assunto pessoal dirigida especialmente aos Romanos , a doxologia sendo retidos no encerramento. Ainda uma outra tentativa de retirar esta epístola de quaisquer referências especiais é encontrado em MS. G, que omite ἐν Ρώμῃ ( Romanos 1: 7 ) e τοῖς ἐν Ρώμῃ ( Romanos 16:15 ), pois é para ser observado, ao mesmo tempo, que este MS. omite a doxologia inteiramente, e deixa um espaço após ch. 14. Este ponto de vista é um pouco confirmado pelo caso paralelo da abertura da Epístola aos Efésios, na qual não é muito alta autoridade para a omissão das palavras ἐν Εφέσῳ , e que tem fortes marcas de ter sido destinado a uma carta circular.

 

  1. Âmbito , Conteúdo , e Características . - O argumento elaborado e ordem lógica observada nesta epístola dar-lhe um caráter muito sistemática. No entanto, o rumo de muitas das suas partes tem muitas vezes sido muito obscurecidas ou mal compreendida, especialmente sob a influência do viés polêmico. Nesta conta, bem como por causa do grande interesse sempre ligado às doutrinas fundamentais de modo formalmente tratados nela, damos um esboço invulgarmente cheia de seu conteúdo, mesmo correndo o risco de algumas repetições.

 

  1. Ao descrever o significado geral desta epístola podemos começar a partir das próprias palavras de Paulo, que, de pé no início da parte doutrinária, pode ser tomado como dando um resumo do conteúdo: "O Evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego, pois nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé "( Romanos 1: 16-17 ). Consequentemente, a epístola tem sido descrito como compreendendo "a filosofia religiosa da história do mundo." O mundo em seu aspecto religioso é dividido em judeus e gentios. As diferentes posições dos dois, no que respeita à sua relação com o passado eo presente de Deus e as suas perspectivas futuras, são explicados. A expiação de Cristo é o centro da história religiosa. A doutrina da justificação pela fé é a chave que destrava os mistérios ocultos da dispensação divina.

 

Ele pertence ao tipo característico do ensinamento de Paulo para expor o Evangelho em sua relação histórica para a raça humana. Na Epístola aos Romanos , também, encontramos que o caráter peculiar do ensinamento de Paulo que induziu Schelling para chamar a doutrina de Paulo uma filosofia da história do homem. O propósito real da raça humana é de uma forma sublime indicado por Paulo em seu discurso em Atos 17: 26-27Atos 17: 26-27 ; e ele mostra, ao mesmo tempo como Deus tinha, por vários meios históricos, promoveu a realização de seu propósito. Paul exibe o Teste velho. dispensação sob a forma de uma instituição para a educação de toda a raça humana, que deve permitir que os homens para terminar sua minoria espiritual e tornar-se verdadeiramente de idade ( Gálatas 3:24Gálatas 3:24 ; Gálatas 4: 1-4Gálatas 4: 1-4 ). Na Epístola aos Romanos , também, o apóstolo começa com a descrição das duas grandes divisões da raça humana, viz. aqueles que se submeteram a educação espiritual de preparação dos judeus. e aqueles que não foram submetidos a uma educação preparatória. Nós encontramos uma divisão semelhante indicado pelo próprio Cristo ( João 10:16João 10:16 ), onde ele fala de um só rebanho separados por obstáculos. O principal objetivo de todas as nações, de acordo com Paul, deve ser a justiça perante a face de Deus, ou realização absoluta da lei moral. De acordo com Paul nações também têm o seu νόμος , lei , bem religiosa como revelação interna moral ( Romanos 1:19 ; Romanos 1:32 ; Romanos 2:15 ). Os pagãos têm, no entanto, não cumpriu essa lei que eles sabiam, e são, neste contexto, como os judeus, que também desconsiderados sua própria lei (cap. 2). Ambos os judeus e gentios são transgressores, ou, pela lei, separado da graça e filiação de Deus ( Romanos 2:12 ; Romanos 3:20 ); Por conseguinte, se bem-aventurança só pode ser obtido mediante o cumprimento das exigências de Deus, nenhum homem poderia ser abençoado. Deus, no entanto, gratuitamente dada a justiça e bem-aventurança a todos os que crêem em Cristo ( Romanos 2: 21-29 ). O Teste Velha. também reconhece o valor da fé religiosa (cap. 4). Assim que alcançarmos livremente para a paz ea filiação de Deus hoje, e temos diante de nós ainda maiores coisas, viz. o desenvolvimento futuro do reino de Deus ( Romanos 5: 1-11 ). A raça humana tem vindo a ganhar em Cristo muito mais do que perdeu em Adão ( Romanos 5:12 ; Romanos 5:21 ). Esta doutrina não significa incentiva o pecado (cap. 6); pelo contrário, os homens que estão conscientes da graça divina cumprir a lei muito mais energicamente do que eram capazes de fazer antes de ter atingido a esse conhecimento, porque a lei por si só é mesmo apto para aguçar o apetite para o pecado e leva finalmente ao desespero (ch . 7); mas agora nós cumprir a lei por meio desse novo espírito que é dado a nós, e o pleno desenvolvimento da nossa salvação ainda está diante de nós ( Romanos 8: 1-27 ). Os sofrimentos do tempo presente não podem impedir esse desenvolvimento, e deve sim trabalhar para o bem daqueles a quem Deus desde a eternidade tem visto como crentes fiéis; e nada pode separar esses crentes do amor eterno de Deus ( Romanos 8: 28-39 ). Ela provoca dor para contemplar os israelitas se fecham para fora da salvação; mas eles mesmos são a causa desse isolamento, porque queriam alcançar a salvação por seus próprios recursos e esforços, por sua descendência de Abraão, e pelo seu cumprimento da lei. Assim, no entanto, os judeus não têm obtido salvação que Deus tem oferecido gratuitamente sob a única condição de fé em Cristo (cap. 9); os judeus não entraram no caminho da fé, portanto, os gentios foram preferidos, que foi predito pelos profetas. No entanto, a raça judaica, como tal, não tem sido rejeitada; alguns deles obter a salvação por uma seleção feita não de acordo com as suas obras, mas de acordo com a graça de Deus. Se alguns dos judeus são deixados à sua própria obstinação, até mesmo a sua queda temporária serve os planos de Deus, viz. a vocação dos gentios. Após a massa dos gentios entraram no, o povo de Israel, também, na sua capacidade coletiva, deve ser recebido na Igreja (cap. 11).

(NOTAS Cyclopedia of Biblical,Theological and Ecclesiastical Literature 1917.).

fonte www.avivamentonosul.com