Translate this Page

Rating: 3.0/5 (891 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Evangelismo a igreja espera colheita
Evangelismo a igreja espera colheita

                        A IGREJA PREPARADA PARA COLHEITA JO 4.32-38 

                                      

 

Verso 32

. 32 Eu tenho um alimento para comer que vós não conheceis. É maravilhoso que, quando ele está cansado e com fome, ele se recusa a comer; para se dizer que ele faz isso com a finalidade de instruir-nos, por seu exemplo, para suportar a fome, por que então ele não fazê-lo sempre? Mas ele tinha um outro objeto além de dizer que devemos simplesmente para recusar a comida; porque temos de atender a esta circunstância, que a sua ansiedade sobre o presente negócio exorta-o tão fortemente, e absorve toda a sua mente, para que ele não lhe dá mal-estar a desprezar alimentos. E, no entanto, ele não diz que ele está tão ansioso para obedecer aos mandamentos de seu pai , que ele não come nem bebe. Ele apenas aponta o que ele deve fazer em primeiro lugar, e que deve ser feito depois; e, assim, ele mostra, com o seu exemplo, que o reino de Deus deve ser preferido a todos os confortos do corpo. Deus permite que nós, de fato, para comer e beber, desde que não sejam retirados a partir do que é da maior importância; isto é, que todo homem atender a sua própria vocação.

 

Será, talvez, ser dito, que comer e beber não pode deixar de ser avocations que tenham retirado alguma parte do nosso tempo, que poderia ser mais bem empregado. Isso eu reconheço a ser verdade, mas como o Senhor gentilmente nos permite cuidar do nosso corpo, medida em necessidade requer, aquele que se esforça para nutrir seu corpo com sobriedade e moderação não deixa de dar essa preferência que ele deveria dar a obediência a Deus. Mas também temos de tomar cuidado para não aderir tão firmemente aos nossos horários fixos, como não estar preparado para nos privar de comida, quando Deus tem para nós qualquer oportunidade, e, por assim dizer, fixa a hora presente. Cristo, tendo agora em suas mãos uma oportunidade como essa que pode passar, abraça-o com os braços abertos, e prende-lo rápido. Quando o dever presente intimados sobre o Pai lhe pressiona-lo com tanta força que ele acha necessário pôr de lado qualquer outra coisa, ele não tem escrúpulos de adiar a adopção de alimentos; e, na verdade, teria sido razoável que, quando a mulher deixou o seu cântaro e correu para chamar o povo, Cristo deve exibir menos zelo. Em suma, se propomos-la como objeto para não perder as causas da vida por conta da própria vida, ela; não será difícil para preservar a forma adequada; pois aquele que deve colocá-lo diante dele como o fim da vida para servir ao Senhor, da qual não têm a liberdade de desviar até mesmo para o perigo imediato de morte, certamente acho que é de mais valor do que comer e beber. A metáfora de comer e beber é tanto mais graciosa, nesta ocasião, que foi desenhada sazonalmente do presente discurso.

 

Verso 34

. 34 . O meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou Ele significa não apenas que ele estima a muito, mas que não há nada em que ele tenha mais prazer, ou em que ele é mais alegre ou mais ansiosamente empregada; como David, a fim de ampliar a Lei de Deus, diz que não só ele valoriza muito o, mas que é mais doce que o mel , ( Salmos 19:10 ). Se, portanto, gostaríamos de seguir a Cristo, é bom não só que nos dedicamos com afinco para o serviço de Deus, mas que sejamos tão alegre no cumprimento das liminares que o trabalho não será em tudo opressivo ou desagradável.

 

. Que eu possa terminar o seu trabalho Ao acrescentar estas palavras, Cristo explica inteiramente o que é que a vontade do Pai, para a qual ele é consagrado; ou seja, para cumprir a missão que tinha sido dado a ele. Assim, cada homem deve considerar seu próprio chamado, que ele não pode considerar como feito a Deus o que ele precipitadamente realizada a sua própria sugestão. Qual foi o escritório de Cristo é bem conhecida. Era para fazer avançar o reino de Deus, para restaurar a vida almas perdidas, para espalhar a luz do Evangelho, e, em suma, para trazer a salvação ao mundo. A excelência destas coisas fez com que ele, se estiver cansado e com fome, para esquecer carne e bebida. No entanto, nós derivar dessa nenhum consolo ordinário, quando aprendemos que Cristo era tão preocupados com a salvação dos homens, que lhe deu o maior prazer em consegui-lo; pois não podemos duvidar de que ele agora está accionado por sentimentos semelhantes em relação a nós.

 

Verso 35

35. Você não disse? Ele segue a instrução anterior; para, tendo dito que nada era mais querido para ele do que para terminar a obra do Pai, ele agora mostra como maduro é para a execução; e ele faz isso por uma comparação com a colheita. Quando o milho está maduro, a colheita não pode suportar atraso, pois de outra forma o grão iria cair no chão e se perder; e, de igual modo, o milho ser espiritual agora maduro, ele declara que não deve haver demora, porque o atraso é prejudicial. Vemos com que propósito é empregada a comparação; é para explicar a razão pela qual ele se apressa para executar seu trabalho. (83) Por esta expressão, Você não disse? ele pretendia indiretamente para apontar como muito mais atenta as mentes dos homens são terrenas do que para as coisas celestiais; para eles queimam com um desejo tão intenso de colheita que eles cuidadosamente calcular os meses e dias, mas é espantoso como sonolento e indolente que eles estão em ajuntar o trigo celeste. E a experiência cotidiana prova que este mal não só é natural para nós, mas dificilmente pode ser arrancada de nossos corações; por enquanto todos prevêem a vida terrena a um período distante, como indolente estamos em pensar sobre as coisas celestiais? Assim, Cristo diz em outra ocasião, hipócritas, você discernir pela face do céu que tipo de dia de amanhã será, mas você não reconhece o tempo da minha visitação, ( Mateus 16: 3 ).

 

Verso 36

. 36 . E o que ceifa recebe a recompensa Como diligentemente devemos nos dedicar a obra de Deus, ele prova por outro argumento; ou seja, porque uma recompensa grande e mais excelente é reservado para o nosso trabalho; para ele promete que não haverá fruto, e fruto não corruptível ou desbotamento. O que acrescenta cerca de fruta pode ser explicado de duas maneiras; ou é um anúncio da recompensa, e na suposição de que ele diria a mesma coisa duas vezes em palavras diferentes; ou, ele aplaude os trabalhos daqueles que enriquecem o reino de Deus, como veremos mais tarde ele repetir,

 

Eu vos escolhi a vós, para que vos vades e deis fruto, eo vosso fruto permaneça, ( João 15:16 ).

 

E certamente os dois considerações deveria grandemente para incentivar os ministros da palavra, que eles nunca pode afundar sob a labuta, quando ouvem que uma coroa de glória está preparado para eles no céu, e saber que o fruto de sua colheita não será apenas precioso aos olhos de Deus, mas também será eterno. É com esta finalidade que a Escritura em todos os lugares menciona recompensa, e não com a finalidade de conduzir-nos a julgar que o mérito das obras; para que nós, se chegarmos a um acerto de contas, não será encontrado mais digno de ser punido por preguiça do que de ser recompensado por diligência? Para o melhor trabalhadores nada mais vai ser deixado de se aproximar de Deus com toda a humildade para implorar perdão. Mas o Senhor, que age em nossa direção com a bondade de um pai, a fim de corrigir a nossa preguiça, e incentivar-nos que de outra forma se assombrarão, e se digna a conceder-nos uma recompensa merecida.

 

Isto é tão longe de derrubar a justificação pela fé que antes a confirma. Pois, em primeiro lugar, como vem-se que Deus encontra em nós qualquer coisa para recompensar, mas porque Ele concedeu sobre nós pelo Seu Espírito? Agora sabemos que o Espírito é o penhor sério e de adoção, ( Efésios 1:14 .) Em segundo lugar, como vem-se que Deus confere tão grande honra em obras imperfeitas e pecadoras, mas porque, depois de ter pela graça livre nos reconciliou consigo mesmo, Ele aceita as nossas obras sem qualquer relação com o mérito, por não lhes imputando os pecados que cortam a eles? O valor desta passagem é, de que o trabalho que o Apostlesbestow sobre o ensino não deve ser contada por eles duro e desagradável, uma vez que eles sabem que é tão útil e tão vantajosa a Cristo e à Igreja.

 

Que aquele que semeia, e aquele que ceifa, ambos se regozijem. Com estas palavras de Cristo mostra que a fruta que os Apóstolos decorrerão os trabalhos dos outros não pode dar terra apenas de queixa a qualquer pessoa. E esta indicação adicional merece atenção; porque, se em todo o mundo os gemidos dos que se queixam de que o fruto do seu trabalho tem sido transportado para outro não dificultar o novo possuidor do alegremente colhendo o que o outro tem semeado, quanto mais alegre devem os ceifeiros a ser, quando há mútuo consentimento e alegria mútua e parabens?

 

Mas, a fim de que esta passagem pode ser bem entendida, é preciso compreender o contraste entre a semeadura e colher A semeadura foi a doutrina da Lei e os Profetas; por pelo tempo que a semente lançada no solo permaneceu, por assim dizer, em que a lâmina; mas a doutrina do Evangelho, o que leva os homens a maturidade adequada, é por essa razão justamente comparado ao da colheita. Porque a lei foi muito longe do que a perfeição que tem pelo comprimento foi exibido para nós em Cristo. Para a mesma finalidade é a conhecida comparação entre a infância ea idade adulta que Paulo emprega, quando ele diz, que

 

o herdeiro, desde que ele é uma criança, não difere de um servo, ainda que seja senhor de tudo, mas está sob tutores e curadores até o tempo determinado pelo pai,

( Gálatas 4: 1 ).

 

Em suma, desde a vinda de Cristo trouxe junto com ele a salvação presente, não precisamos de saber se o Evangelho, através da qual a porta do reino celestial é aberta, ser chamado a colheita da doutrina dos profetas. E, no entanto, não é de todo incompatível com esta declaração, que os Padres nos termos da Lei foram reunidas em celeiro de Deus; mas esta comparação deve ser encaminhado para a maneira de ensinar; pois, como a infância da Igreja durou até o fim da lei, mas, assim que o Evangelho tinha sido pregado, ele imediatamente chegou a masculinidade, então, nesse momento a salvação começou a amadurecer, de que a semeadura só tinha sido realizado pelos Profetas.

 

Mas, como Cristo entregou esse discurso em Samaria, ele parece se estender a semeadura mais amplamente do que com a Lei e os Profetas; e há alguns que interpretar estas palavras como aplicar-se tanto aos judeus e aos gentios. Reconheço, de fato, que alguns grãos de piedade sempre foram espalhados por todo o mundo, e não pode haver dúvida de que - se nós pode ser permitido a expressão - Deus semeou, pela mão de filósofos e escritores profanar, as excelentes sentimentos que encontram-se em seus escritos. Mas, como essa semente foi degenerado desde o root, e, como o milho, que poderia surgir a partir dele, embora não seja bom ou natural, foi sufocado por uma enorme massa de erros, não é razoável supor que essa corrupção destrutiva é comparado a semeadura Além disso, o que é dito aqui sobre unir na alegria não pode aplica a todos para filósofos ou quaisquer pessoas dessa classe.

 

Ainda assim, a dificuldade ainda não está resolvido, pois Cristo faz uma referência especial aos samaritanos. Eu respondo, se tudo entre eles foi infectado por corrupções, ainda havia alguma semente oculta de piedade. Pois de onde ele surge de que, assim que ouvir uma palavra a respeito de Cristo, eles estão tão ansiosos para procurá-lo, mas porque tinham aprendido, desde a Lei e os Profetas, que o Redentor viria? Judéia era de fato campo peculiar do Senhor, que ele havia cultivado pelos profetas, mas, como uma pequena porção de sementes foram realizadas em Samaria, não é sem razão que Cristo diz que há também atingiu a maturidade. Se se objetar que os apóstolos foram escolhidos para publicar o Evangelho por todo o mundo, a resposta é fácil, que Cristo falou de uma forma adequada para o momento, com essa exceção, que, por conta da expectativa do fruto, que já era quase maduro, ele elogia na samaritanos a semente da doutrina profética, embora misturado e misturado com muitas ervas daninhas ou corrupções. (84)

 

Verso 37

37. Pois este é o que diz é verdade. Este foi um provérbio comum, que ele mostrou que muitos homens freqüentemente recebem o fruto do trabalho dos outros, embora não houvesse essa diferença, que aquele que tem trabalhado está descontente por ver o fruto levado por outro, ao passo que os Apóstolos têm os Profetas para os companheiros de sua alegria. E, no entanto, não pode ser inferida a partir disso, que os próprios profetas são testemunhas, ou estejam cientes, de que agora está acontecendo na Igreja; para Cristo não significa nada mais do que isso os profetas, desde que eles viveram, ministrado sob a influência de tais sentimentos, que já se alegraram por causa da fruta que eles não tinham permissão para se reunir. A comparação que Peter emprega ( 1 Pedro 1:12 ) não é diferente; exceto que ele se dirige a sua exortação geral a todos os crentes, mas Cristo aqui fala aos discípulos sozinho, e, na sua pessoa, para os ministros do Evangelho. Com estas palavras, ele ordena-los para jogar seus trabalhos em um estoque comum, de modo que não pode haver nenhuma inveja ímpios entre eles; que aqueles que são enviados primeiro para o trabalho deveria ser tão atento ao presente cultivo como não invejar a maior bênção para aqueles que estão depois de segui-los; e que os que são enviados, por assim dizer, para recolher o fruto maduro, deveria ser empregues com igual alegria em seu escritório; para a comparação que aqui é feita entre os mestres da Lei e do Evangelho pode também ser aplicado a este último, quando visto em referência ao outro.

 

Verso 39

39. E muitos samaritanos fora daquela cidade creram. O evangelista aqui relata o que foi o sucesso do anúncio da mulher para seus cidadãos, a partir do qual é evidente que a expectativa eo desejo do Messias prometido e não pequena vigor entre eles. Agora, a palavra believe é usada aqui de forma imprecisa, e significa que eles foram induzidos por declaração da mulher a reconhecer a Cristo para ser um profeta. Trata-se, em alguns aspectos, um início de fé , quando as mentes estão preparadas para receber a doutrina. Tal entrada para a fé recebe aqui a denominação honrosa de fé , a fim de nos informar como altamente esteems Deus reverência pela sua palavra, quando ele confere tão grande honra sobre a docilidade dos que ainda não foram ensinados. Agora, sua fé se manifesta, a este respeito, que eles são apreendidos com um desejo de lucro, e, por essa razão, o desejo de que Cristo deve permanecer com eles

 

Verso 41

41. E muitos mais creram. Desde que se seguiu é evidente que o cumprimento de Cristo com o seu desejo era altamente adequada; pois vemos como muito fruto foi colhido a partir dos dois dias que ele concedidos a seu pedido. Por este exemplo, somos ensinados que nunca deveria abster-se de trabalhar, quando o temos em nosso poder para fazer avançar o reino de Deus; e se estamos com medo de que a nossa prontidão no cumprimento pode ser obrigado a relatórios desfavoráveis, ou muitas vezes pode revelar-se inútil, peçamos a partir de Cristo, o Espírito de conselho para nos orientar. A palavra acreditam agora é usado em um sentido diferente; pois significa não só que eles estavam preparados para a fé , mas que, na verdade, teve um bom fé

 

Verso 42

. 42 . Por conta da tua fala Apesar de eu ter seguido Erasmus em prestar esta palavra por oratio , ( discurso ), porque loquela , que o antigo intérprete usa, é um termo bárbaro; Ainda gostaria de avisar meus leitores que a palavra grega λαλία tem o mesmo significado com a palavra latina loquentia , ou seja, falar , ou loquacidade ; e os samaritanos parecem se gabar de que eles têm agora uma base mais forte do que a língua de uma mulher, que é, em sua maior parte, leve e trivial.

 

. Acreditamos Isso expressa melhor a natureza de sua fé, que foi estabelecida a partir da palavra de Deus em si, de modo que possam se orgulhar de ter o Filho de Deus como seu Mestre; como, aliás, é a sua autoridade sozinho que podemos confiar com segurança. É verdade, na verdade, ele não é agora visivelmente presente, de modo a nos falar boca a boca; mas, independentemente de quem nós acontecer para ouvi-lo, nossa fé não pode descansar em qualquer outro do que em si mesmo. E de nenhuma outra fonte avança que o conhecimento que é igualmente mencionado; para o discurso que vem da boca de um homem mortal pode de fato preencher e satisfazer os ouvidos, mas nunca irá confirmar a alma em calma confiança de salvação, de modo que aquele que tem ouvido pode ter direito a se gabar de que ele sabe Na fé , portanto, , a primeira coisa necessária é, sabe que é Cristo que fala pelos seus ministros; e no próximo é, para dar-lhe a honra que é devida; isto é, não duvido que ele é verdadeiro e fiel, para que, baseando-se tão inquestionável garantia, podemos confiar com segurança em sua doutrina.

 

 

Mais uma vez, quando afirmam que Jesus é o Cristo e o Salvador do mundo, que, sem dúvida, ter aprendido isso de ouvi-lo. Daí inferimos que, no prazo de dois dias, a soma do Evangelho foi mais claramente ensinada por Cristo do que tinha até então ensinou em Jerusalém. E Cristo testemunhou que a salvação, que ele havia trazido, era comum a todo o mundo, para que pudessem compreender mais plenamente que ele pertencia a eles também; para ele não chamá-los em razão da sua condição de herdeiros legais, como os judeus eram, (87) , mas ensinou que ele tinha vindo a admitir estranhos na família de Deus, e trazer paz aos que estavam longe , ( Efésios 2:17 .)]

 

fonte comentario biblico de Calvino, novo testamento

Postado por GOSPEL GOSPEL BRASIL