Translate this Page

Rating: 3.0/5 (891 votos)



ONLINE
7




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


(A.T) Genesis Exodo Levitico Numeros Deutoronio
(A.T) Genesis Exodo Levitico Numeros Deutoronio

 

        GENESIS EXODO LEVITICO  NUMEROS DEUTORONOMIO

 

GENESIS      INTRODUÇÃO 

Título 

Cada livro do Pentateuco (os cinco primeiros livros do Antigo Testamento, chamada a Torá [instrução] pelos judeus) recebeu originalmente o título na Bíblia hebraica desde a primeira palavra ou palavras no livro. Há três divisões da Bíblia Hebraica: A Lei (Torá), os Profetas e os Escritos. A Torá era originalmente um livro, mas a Septuaginta dividiu em cinco livros que temos. Os judeus consideravam as histórias da Torá como instrução divina para eles, assim como os mandamentos e sermões, já que eles também ensinar teologia e ética.

A palavra hebraica traduzida por "no princípio" é transliterado beresit. O título Inglês "Gênesis", no entanto, chegou até nós a partir da tradução latina da Vulgata de Jerônimo (Liber Genesis). O título latino veio da tradução Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento feita cerca de 300 anos antes de Cristo). "Genesis" é uma transliteração da palavra grega geneseos, a palavra grega que traduz o toledot hebraico. Esta palavra hebraica é a palavra-chave para identificar a estrutura do Gênesis, e os tradutores geralmente tornava "conta" ou "gerações" (2, 4, 5: 1, 6: 9, 10: 1; 11:10, 27 ; 25:12, 19; 36: 1, 9, 37: 2).

 

Data

Os eventos data gravada de volta para a criação do mundo.

Muitos cristãos acreditam que a Terra tem milhões de anos de idade. Baseiam esta opinião sobre as declarações de cientistas e compreender a Escritura à luz destas declarações. Da mesma forma, muitos cristãos acreditam que a raça humana começou a centenas de milhares de anos atrás, pela mesma razão.

Muitos evangélicos acreditam que a Terra não é muito mais velho do que 10 mil anos. Baseiam esta nas genealogias na Bíblia (Gn 5, 10, 11;. Et al), que eles entendem ser "aberto" (ou seja, não preencha). Os evangélicos costumam realizar para uma data mais recente para a criação do homem, também pelo mesmo motivo. Um pequeno grupo de evangélicos acredita que essas genealogias são ou "fechada" (ie, completa), ou muito perto de ser concluído. Isto leva-nos até à data da criação do mundo e do homem cerca de 6.000 anos atrás. Vou discutir a questão de como devemos interpretar as genealogias na exposição dos capítulos onde ocorrem.

Muitos intérpretes têm colocado a data da composição do Gênesis muito mais tarde do que o tempo de vida de Moisés. Alguns deles fazem isso porque Gênesis contém alguns nomes que se tornaram denominações comuns de pessoas e lugares após o tempo de Moisés (por exemplo, os filisteus, Dan, et al.). Discutirei essas anomalias como chegamos a eles. Veja também a seção a seguir: ". Escritor" Se alguém aceita a autoria mosaica, como a maioria dos evangélicos conservadores fazem, a data da composição do Gênesis deve estar dentro de Moisés vida (ca. 1525-1405 aC). Este livro foi, talvez, originalmente destinado a incentivar os israelitas a confiar em seus fiéis, Deus onipotente, pois antecipa a entrada na Terra Prometida de Cades Barnea ou das planícies de Moab. [1] Moisés pode ter escrito isso antes de prepará-los para o Exodus, [2] mas isso parece menos provável.

 

ESCRITOR

A autoria do Pentateuco (Gr. Penta, "cinco", e teuchos, "um caso para o transporte de rolos de papiro" e, em uso mais tarde, os "pergaminhos" próprios) tem sido objeto de grande controvérsia entre os cristãos professos desde Spinoza introduzidas "alta crítica" da Bíblia, no século XVII. A "hipótese documentária", que se desenvolveu a partir de sua obra, é que Moisés não escreveu o Pentateuco, como a maioria dos estudiosos do judaísmo e da igreja até o dia acreditou. Em vez disso, era o produto de vários escritores que viveram mais tarde do que Moisés. Um redator (editor) ou redatores combinou estes vários documentos para a forma que temos agora. Estes documentos (J, E, D, P e outros) representam uma tradição Yahwistic, uma tradição Elohistic, uma tradição deuteronomista, uma tradição sacerdotal, etc O tema do Testamento Introdução Old lida com estas questões. Um escritor resumiu o estado atual desta controvérsia da seguinte forma.

 

". . . a hipótese documentária é instável no melhor e em pouco tempo pode ter que ser abandonado totalmente pelo mundo acadêmico ". [3]

 

A evidência de que Moisés escreveu o Pentateuco parece concludente se se acredita que Jesus Cristo falou a verdade quando Ele atribuiu a autoria de Moisés (Mateus 19: 8., Marcos 07:10, Lucas 16: 29-31; 20:37; 24:27 ; João 7:19, 22; cf. Act 15, 1). Os escritores do Novo Testamento cotados ou alusão a Gênesis mais de 60 vezes em 17 livros. Jesus Cristo não diz especificamente que Moisés escreveu Gênesis, mas em dia de nosso Senhor os judeus consideravam o Pentateuco (Torah) como uma unidade inteira. Eles reconheceram Moisés como o autor de todos os cinco livros. Conseqüentemente, eles teriam entendido o que Jesus disse sobre qualquer um dos cinco livros de Moisés como um endosso da autoria do Mosaico de todos eles.

 

AMBITO

Os eventos registrados em Gênesis esticar historicamente desde a criação até a morte de Joseph, um período de pelo menos 2500 anos. A primeira parte do livro (ch. 1-11) não é tão fácil de datar com precisão como a segunda parte (ch. 12-50). A história dos patriarcas registrados nesta segunda principal divisão do texto abrange um período de cerca de 300 anos.

O escopo do livro de forma progressiva e consistente estreita. A seleção dos conteúdos incluídos em Gênesis aponta para o propósito do autor divino.: Para revelar a história do e princípios básicos envolvidos na relação de Deus com as pessoas

 

FINALIDADE

Gênesis fornece a base histórica para o resto da Bíblia e do Pentateuco, em particular a aliança abraâmica. Os capítulos 1-11 dar pano de fundo histórico essencial para a compreensão desse pacto, e os capítulos 12-50 registro do pacto e seu desenrolar inicial. O Pacto de Abraão continua a ser o arranjo básico pelo qual Deus opera em lidar com a humanidade em todo o Pentateuco e do resto da Bíblia.

"O verdadeiro tema do Pentateuco é a seleção de Israel dentre as nações e sua consagração ao serviço de Deus e Suas Leis em uma terra por Deus. O evento central no desenvolvimento deste tema é a aliança divina com Abraão e sua. . . prometem fazer a sua descendência para o povo de Deus e dar-lhes a terra de Canaã como herança eterna

Genesis oferece prólogo indispensável para o drama que se desenrola em Êxodo e no resto do Pentateuco. Os primeiros 11 capítulos constituem um prólogo do prólogo.

 

"Dois progressões opostos aparecem neste prólogo [cap. 1-11].: (A) Criação ordenada de Deus com o seu clímax na Sua bênção do homem, e (b) o trabalho totalmente desintegração do pecado com as suas duas maiores maldições sendo o Dilúvio ea dispersão em Babel [7] A primeira progressão demonstra o plano de Deus para trazer ordem perfeita, desde o início, apesar do que o leitor pode saber da experiência do homem. A segunda progressão demonstra a grande necessidade da intervenção de Deus para fornecer a solução para a raça humana corrupta ".

 

TEOLOGIA

 

O herói do Gênesis é o Senhor Deus, e suas histórias tratam da origem e da vida da comunidade crente sob a Sua soberania.

"O assunto da teologia em Gênesis é, certamente, a obra de Deus na criação de Israel como meio de abençoar as famílias da terra. Este livro constitui a introdução ao tema principal do Pentateuco da fundação da teocracia, isto é, a regra de Deus sobre toda a Criação. Apresenta as origens por trás da fundação da teocracia: a benção prometeu que os descendentes de Abraão seria na terra.

"Êxodo apresenta a redenção da semente da escravidão ea concessão de uma aliança com eles. Levítico é o manual de portarias que permitem o santo Deus habitar no meio de Seu povo, tornando-santo. Números registra o acordo militar e recenseamento das tribos do deserto, e mostra como Deus preserva Suas bênçãos prometidas contra ameaças internas e externas. Deuteronômio apresenta a renovação da aliança.

"No desenrolar deste grande programa de Deus, Gênesis apresenta ao leitor a natureza de Deus como o Senhor soberano sobre o universo que vai mover céus e terra para estabelecer a Sua vontade. Ele busca abençoar a humanidade, mas não tolera desobediência e incredulidade. Ao longo desta revelação, o leitor aprende que "sem fé é impossível agradar a Deus" (Hebreus 11: 6). ". 

 

ESBOÇO

 

A estrutura do Gênesis é muito clara. A frase "as gerações de" (toledot em hebraico, de yalad que significa "suportar, para gerar") ocorre dez vezes (realmente onze vezes desde 36: 9 repete 36: 1) e, em cada caso, que introduz uma nova seção do o livro. [10] a primeira parte do Gênesis é introdutório e estabelece o cenário para o que se segue. Um esboço do Genesis com base nesta estrutura é como se segue.

 

1.Introdução 1: 1-2: 3

2.Os gerações do céu e da terra 2: 4-4: 26

3.Os gerações de Adão 5: 1-6: 8

4.O gerações de Noé 6: 9-9: 29

5.Os gerações dos filhos de Noé, 10: 1-11: 9

6.Os gerações de Shem 11: 10-26

7.Os gerações de Tera 11: 27-25: 11

8.O gerações de Ismael 25: 12-18

9.O gerações de Isaque 25: 19-35: 29

10.Os gerações de Esaú, 36: 1-43

11.Os gerações de Jacó 37: 1-50: 26

Um esboço expositivo completo projetado para destacar a ênfase relativa do livro segue. Vou seguir este esquema nestas notas como eu busco para descompactar a mensagem do livro.

 

I. eventos Primevas 1: 1-11: 26

A. A história da criação 1: 1-2: 3

1 Uma declaração inicial de criação 1: 1

2. As condições no momento da criação do 1: 2

3. Os seis dias da criação 1: 3-31

4 O sétimo dia 2: 1-3

B. O que aconteceu com a criação 2: 4-4: 26

1 O Jardim do Éden 2: 4-3: 24

2 O assassinato de Abel 4: 1-16

3. A propagação da civilização e do pecado 4: 17-26

C. O que aconteceu com Adam 5: 1-6: 8

1 Os efeitos da maldição sobre a humanidade ch. 5

 

2. tristeza de Deus sobre a maldade do homem 6: 1-8

D. O que aconteceu com Noé 6: 9-9: 29

1. The Flood 6: 9-8: 22

2 A aliança de Noé 9: 1-17

 

3 A maldição sobre Canaã 9: 18-29

E. O que aconteceu com os filhos de Noé 10: 1-11: 9

1 A tabela das nações ch. 10

2 A dispersão em Babel 11: 1-9

F. O que aconteceu com Shem 11: 10-26

II. Narrativas patriarcais 11: 27-50: 26

A. O que aconteceu com Tera 11: 27-25: 11

1 Tera e Abraão de obediência 11: 27-12: 9

2 Abrão no Egito 12: 10-20

3. separação de Abrão de Lot ch. 13

4 ch vitória militar de Abrão. 14

5. O ch convênio de Abraão. 15

6. O nascimento de Ismael ch. 16

7 O sinal da circuncisão ch. 17

8 visita do Senhor a Abraão 18: 1-15

Intercessão 9 de Abraão para o lote 18: 16-33

10 A destruição de Sodoma ch. 19

Permanência de 11 Abraão em Gerar ch. 20

12 O nascimento de Isaac 21: 1-21

Tratado de 13 Abimeleque com Abraham 21: 22-34

14 O sacrifício de Isaac 22: 1-19

15. Os descendentes de Naor 22: 20-24

16 A compra do túmulo ch de Sarah. 23

17 A escolha de uma esposa para Isaac ch. 24

A morte de 18 Abraham 25: 1-11

B. O que aconteceu com Ismael 25: 12-18

 

C. O que aconteceu com Isaac 25: 19-35: 29

1. filhos gêmeos de Isaque 25: 19-26

2 A venda da primogenitura 25: 27-34

3. Isaac e Abimeleque 26: 1-11

4. poços de Isaque 26: 12-33

5. engano de Jacó pela bênção de Isaac 26: 34-28: 9

6. visão de Jacó em Betel 28: 10-22

7 decepção de casamentos Jacó e Labão 29: 1-30

Maltrato 8 de Jacob das bênçãos de Deus 29: 31-30: 24

Novo contrato 9 de Jacó com Labão 30: 25-43

O vôo de 10 Jacó de Harã ch. 31

A tentativa de 11. Jacob para apaziguar Esaú 32: 1-21

12 Jacó no Jaboque 32: 22-32

O encontro de 13 Jacó com Esaú e seu retorno para Canaã ch. 33

14 O estupro de Diná ea vingança de Simeão e Levi ch. 34

Retorno de 15 Jacó a Betel ch. 35

D. O que aconteceu com Esaú 36: 1-37: 1

E. O que aconteceu com Jacob 37: 2-50: 26

1. escolha de Deus de José 37: 2-11

2 A venda de José para o Egito 37: 12-36

3 Judá e Tamar ch. 38

4 Joseph na casa de Potifar ch. 39

5. sonhos dos presos e interpretações de José ch. 40

6. sonhos do Faraó e interpretação de José ch. 41

Primeira viagem para o Egito ch 7. irmãos de José '. 42

Segunda viagem para o Egito ch 8. irmãos de José '. 43

Último teste 9 de José e seus resultados ch. 44

Reconciliação de José com seus 10 irmãos 45: 1-15

Movimento 11 de Israel para o Egito 45: 16-46: 30

12. liderança de José sábio 46: 31-47: 27

Adoração 13 de Jacó no Egito 47: 28-48: 22

A bênção de Jacó 14 de seus filhos 49: 1-28

 

15. Mortes e uma promessa ainda não foi cumprida 49: 29-50: 26 [11]

 

 Êxodo

 

introdução

 

Título

 

O título hebraico deste livro (shemot we'elleh) originou-se da antiga prática de nomear um livro da Bíblia após a sua primeira palavra ou palavras. "Ora, estes são os nomes dos" é a tradução das duas primeiras palavras em hebraico. "O título hebraico do Livro do Êxodo, portanto, era para nos lembrar que Êxodo é a continuação de Gênesis e que um dos seus objetivos é continuar a história do povo de Deus, bem como aprofundar a análise dos grandes temas tão nobremente introduzidas no Genesis ".

 

Êxodo não pode ficar sozinho no sentido de que não faria muito sentido sem Genesis. A primeira palavra do livro, traduzido como "agora" é uma conjunção que significa "e".

O Inglês título de "Exodus" é uma transliteração da palavra grega exodos da tradução Septuaginta significa "saída", "saída" ou "partida." Os tradutores da Septuaginta deu o livro este título por causa do grande evento na mesma, ou seja, , saída dos israelitas do Egito.

"O êxodo é o evento histórico e teológico mais importante do Antigo Testamento. . "

 

Data e escritor

Moisés, que viveu cerca de 1525-1405 aC, escreveu Êxodo. Ele poderia ter escrito sob a inspiração do Espírito Santo, a qualquer momento após os eventos registrados (depois de cerca de 1444 aC). Ele pode ter escrito durante o ano, os israelitas acamparam na base do Monte Sinai. Ele pode ter feito isso durante o período de 38 anos de peregrinação no deserto após o fracasso dos israelitas de entrar na terra de Cades Barnea (13-14 cf. Num;. Ca. 1443-1405 aC). Por outro lado, ele pode tê-la escrito nas planícies de Moab, pouco antes de sua morte (cf. 16:35) [3].; ou John D. Ana, "Exodus", em Comentário do Conhecimento Bíblico: Antigo Testamento, pp 104-5.. No autoria mosaica de Êxodo, ver a minha nota sobre o escritor de Gênesis e as fontes referidas lá, nas minhas anotações sobre o Gênesis. Kenneth Kitchen, "O Velho Testamento em seu contexto: 2 Do Egito à Jordânia," Fellowship Boletim de Estudantes Teológicos (1971): 4-8, também tem útil informação de fundo sobre a autoria mosaica de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio , como faz Gleason L. Archer, "História do Antigo Testamento e Arqueologia recentes de Moisés a David," Bibliotheca Sacra 127: 506 (Abril-Junho 1970): 99-106.

 

AMBITO

Êxodo abrange cerca de 431 anos de história, desde a chegada de Jacob e sua família no Egito (cerca de 1876 aC) para a construção do tabernáculo no deserto do Sinai (ca. 1445 aC). Contudo 1: 1-7 é uma revisão da família de Jacob. Se eliminarmos esta seção, a narrativa retoma a história dos israelitas onde Gênesis termina, após a morte de Joseph. Cerca de 364 anos entre a morte de José ea construção do tabernáculo. A maior parte do livro (capítulos 3-40). Lida com apenas dois desses anos, um ano antes e um ano após o Êxodo do Egito. O evento Êxodo é claramente o foco deste livro.

Os israelitas viveram no Egito 430 anos (0:40). Gênesis 15:13 tem o número redondo 400 anos como o tempo de opressão de Israel no Egito.

 

FINALIDADE

 

"O propósito do livro do Êxodo é celebrar a libertação graciosa de Deus de Seu povo escolhido de Israel da escravidão do Egito para a liberdade da relação de aliança e comunhão com Ele".

 

GENERO

Como Gênesis, Êxodo contém uma mistura de gêneros literários, incluindo narrativa, poesia, legal e cultual. [6]

 

IMPORTANCIA

"Não há outras superfícies livro bíblico em outras partes do OT com tanta freqüência como no Livro do Êxodo faz; no NT apenas os livros de Salmos e Isaías são citados mais, e que, pelos motivos bastante óbvios de liturgia e messianismo "."A libertação de Israel do Egito por Javé no Antigo Testamento é paralela em importância para a ressurreição de Cristo no Novo Testamento. A historicidade desses eventos é um fundamento essencial para uma compreensão adequada do resto da Bíblia ".

 

ESBOÇO

I. A libertação de Israel 1: 1-15: 21

Preparação de A. Deus de Israel e Moisés caps. 1-4

1 O crescimento da família de Jacó 1: 1-7

2. escravidão dos israelitas no Egito 1: 8-22

3. nascimento de Moisés e educação 2: 1-10

Vôo 4. Moisés do Egito para Midiã 2: 11-15

5. vida de Moisés em Midiã 2: 16-25

6. chamada de Moisés 3: 1-4: 18

7. retorno de Moisés ao Egito 4: 19-31

Demonstrações de B. Deus de seus caps soberania. 5-11

1. resposta do Faraó para de Moisés e Arão pedido inicial 5: 1 a 6: 1

2. Moisés e equipamentos de Aaron como mensageiros de Deus 6: 2-7: 7

3 O atestado de de Moisés e Arão missão divina 7: 8-13

4. As primeiras três pragas 7: 14-8: 19

5. A quarta, quinta e sexta pragas 8: 20-9: 12

6 O sétimo, oito, nono e pragas 9: 13-10: 29

7 A proclamação da décima praga ch. 11

Redenção de C. Deus do seu povo 12: 1-13: 16

1 A consagração de Israel como a nação da aliança 12: 1-28

2 A morte do primogênito ea libertação de Israel 12: 29-36

3 O êxodo de Israel do Egito 12: 37-42

4. regulamentos relativos à Páscoa 12: 43-51

5. A santificação do primogênito 13: 1-16

Conclusão de D. Deus da libertação de Israel 13: 17-15: 21

1 A viagem de Sucot a Etã 13: 17-22

2. passagem de Israel através do Mar Vermelho ch. 14

3. canção de Israel da libertação de 15: 1-21

II. A adoção de Israel 15: 22-40: 38

Instrução preparatória de A. Deus de Israel 15: 22-18: 27

1. Eventos no deserto de Sur 15: 22-27

2. codornizes e maná, no deserto de Sin ch. 16

3 A falta de água em Refidim 17: 1-7

4 A hostilidade dos amalequitas 17: 8-16

5. A simpatia do Jethro o ch midianitas. 18

B. O estabelecimento do Pacto Mosaico 19: 1-24: 11

1 Preparação para o ch Aliança. 19

2. Os Dez Mandamentos 20: 1-17

3 A resposta dos israelitas 20: 18-21

4 As estipulações do Livro da Aliança 20: 22-23: 33

5. A ratificação do Pacto 24: 1-11

C. instruções sobre habitação de Deus no meio do Seu povo 24: 12-31:18

1 A revelação dessas direções 24: 12-18

2. Contribuições para a construção do santuário 25: 1-9

3. O mobiliário do tabernáculo 25: 10-41

4 A estrutura do tabernáculo ch. 26

5. O pátio tabernáculo 27: 1-19

6 A posse dos padres 27: 20-28: 43

7 A consagração dos sacerdotes 29: 1-37

8 O serviço dos sacerdotes 29: 38-30: 38

9 Os construtores do tabernáculo 31: 1-11

10 O sinal do sábado 31: 12-18

D. A ruptura e renovação dos caps da aliança. 32-34

1 O fracasso de Israel ch. 32

2 O restabelecimento da comunhão ch. 33

 

3 A renovação do ch aliança. 34

E. A construção ea dedicação dos objetos utilizados no CHS adoração de Israel. 35-40

1. Preparativos para construção 35: 1-36: 7

2 Execução da obra 36: 8-39: 43

3 A construção e consagração do ch tabernáculo. 40

Em um gráfico interessante e original do Êxodo, Ted Grove sugeriu o seguinte esboço estrutural do Êxodo

 

CHS libertação de I. Israel. 1-18

Aflição de A. Israel (Israel é a posse do Egito) 1: 1-2: 14

B. Deliverance 2: 15-18: 27

Ted viu a seguinte estrutura chiastic nesta seção.

Comissão de Moisés 2:: A. Midian 15-4: 28

B. inimigo: o Egito derrotou 4: 29-15: 21

C. Água: amargo em doce e 12 molas 15: 22-27

D. Alimentos: o maná e as codornizes ch. 16

C '. Água: fora da rocha 17: 1-7

B '. Inimigo: Amaleque derrotado 17: 8-16

A '. Midian: Moisés aceita sabedoria ch. 18

II. CHS adoção de Israel. 19-40

A. Pacto entregues 19: 1-24: 11

B. Santuário planeada 24: 12-31: 18

C. Pacto quebrado ch. 32

D. Pacto caps renovada. 33-34

Construção do Santuário E. 35: 1-40: 33

F. aliança selada (Israel é a posse de Deus) 40: 34-38

Ted também viu uma chiasm nesta parte do livro.

A. Pacto entregues 19: 1-24: 11

B. Tabernáculo planejado 24: 12-27: 21

C. sacerdotais instruções caps. 28-30

Direção de D. Artesãos 31: 1-11

Instruções E. sábado 31: 12-18

F. Pacto quebrado ch. 32

F '. Pacto caps renovada. 33-34

E '. Sabbath lembrou 35: 1-3

D '. Artesãos e construção 35: 4-38: 31

C '. Sacerdotes preparado ch. 39

B '. Tabernáculo completou 40: 1-33

A '. Aliança selada 40: 34-38

O centro do primeiro quiasma é o maná. O centro da segunda chiasm é as tábuas da lei. Estes foram os dois itens Deus instruiu Moisés a preservar na arca da aliança.

Ted viu o versículo chave do livro como 34: 9.

 

Levítico

 

introdução

 

Título

 

Os hebreus derivado do título deste livro desde a primeira palavra nele, Wayyiqra ", traduzido como" E Ele [o Senhor] chamado "(1, 1). "E" ou "depois" é uma conjunção que mostra que o que se segue em Levítico é uma continuação da narrativa do Êxodo. Não há quebra no fluxo de pensamento. Este é o terceiro livro da Torá (Lei).

O título Inglês vem da Vulgata (versão latina), que chamou este livro Liber Levítico. O título Vulgata veio da Septuaginta (versão grega), que teve como título Leuitikon, que significa "relativo aos levitas." Este título é adequado desde que o livro contém os requisitos da aliança mosaica que se relacionam com os levitas, ou mais especificamente, os sacerdotes.

"Seria um erro, no entanto, para descrever Levítico simplesmente como um manual para os sacerdotes. É igualmente, se não mais, preocupado com a parte dos leigos devem desempenhar na adoração. Muitos dos regulamentos explicar o que o leigo deve sacrificar. Dizem-lhe quando ir ao santuário, o que levar eo que ele pode esperar o sacerdote que fazer quando ele chegar. A maioria das leis se aplicam a todo o Israel: somente algumas seções especificamente dizem respeito aos sacerdotes sozinho, por exemplo, caps. 21-22. A orientação leiga da legislação é particularmente visível no cap. 23, onde toda a ênfase recai sobre os dias que devem ser observados como dias de descanso sabático ". [1]

 

Data e escritor

 

Quase todos os estudiosos judeus e cristãos considerado Moisés como o autor de todos os cinco livros da Lei, até cerca de 150 anos atrás [2] Deus evidentemente revelado o material Moisés registrado em Levítico, depois que Ele renovou a aliança com Israel (1: 1.; Cf. Êxodo 34:. 1-28). Levítico é o único que é em grande parte um registro de instruções de Deus a Moisés."Não há nenhum livro em toda a extensão desse volume inspirado que o Espírito Santo nos deu, que contém mais das próprias palavras de Deus que Levítico. É Deus que é o alto-falante direto em quase todas as páginas; Suas graciosas palavras são registradas na forma em que foram proferidas ".

Como se observa, Levítico contém a revelação de que era particularmente apropriado para os sacerdotes. Enquanto as questões rituais e legais predominam, Moisés teceu-los nas narrativas históricas assim, como se lê Êxodo, Levítico, Números e em ordem, há um movimento para a frente cronológica. Como veremos, a legislação aparece na narrativa em lugares significativos e razoáveis​​. O conteúdo dos suplementos Levítico e conclui que de Êxodo nas esferas e religiosas e sociais particularmente os aspectos religiosos e rituais da aliança como fez, quebrado e renovado na verdade no Sinai; isso seria refletido pelas bênçãos e maldições terminais de Levítico 26 ".

 

"Levítico amplia sobre assuntos que envolvem a ordenação de adoração no santuário divino que são mencionados apenas brevemente em Êxodo. Considerando que o último descreveu as especificações e construção do tabernáculo, Levítico narra a maneira pela qual os sacerdotes são para cuidar de quarto do santuário e trono do Grande Rei. A obra é um tratado legal de fundamental importância, pois contém os regulamentos a que a vida religiosa e civil da nação hebraica devia ser governado uma vez a terra de Canaã foi ocupada ".

Historicamente, o livro se encaixa dentro de um mês entre a ocupação de Deus do tabernáculo (Êxodo 40:17, 34-38.) Ea tomada do censo no Sinai (Nm 1:. 1-3). No entanto, porque contém muito material legal, devemos considerá-lo junto com o resto da lei mosaica que Deus começou a revelar em Êxodo."Ele carrega para a sua conclusão a promulgação da lei no Sinai, que se iniciou em Ex. 25, e pelo qual a constituição aliança foi firmemente estabelecida ".

 

FINALIDADE

"Embora o arranjo pacto até este ponto especificado claramente a necessidade de Israel, o vassalo, a comparecer perante o seu Senhor em ocasiões declarados e apontados primeiro Moisés e depois o sacerdócio como mediadores neste encontro, há ainda permaneceu a necessidade de descrever a natureza do tributo a ser apresentado, o significado preciso e função do sacerdócio, a definição de santidade e impiedade, e um esclarecimento mais rigoroso dos locais e horários de peregrinação para a morada do grande Rei. Este é o propósito do livro de Levítico.  

 

O tema central do livro é a santidade. O livro pretende mostrar como Israel foi para cumprir a sua responsabilidade convênio de ser "um reino de sacerdotes e uma nação santa" (Ex 19, 6; Lev 26: 5 ."Como manter o relacionamento de aliança vital entre os israelitas e seu Deus é a preocupação do livro de Levítico."

"Teologia do Novo Testamento faz pleno uso da idéia de santidade. Todos os cristãos são santos, 'santos' na maioria das traduções para o inglês. Ou seja, eles foram chamados por Deus para ser seu povo, assim como o antigo Israel tinha sido (Col. 1: 2; 1 Pedro 1:. 2, 2: 9-10; cf. Êx 19, 5-6).. Mas este estado de santidade deve encontrar expressão na vida santa (Col. 1:22;. 1 Pedro 1:15). Santificação é expressa através da obediência ao padrão de ensino (Romanos 6: 17-19.), Assim como em Levítico pela obediência à lei. Pedro exorta os seus leitores a fazer o lema de Levítico sua própria: "Sede santos, porque eu sou santo" (1 Pe 1:16.). A imitação de Deus é um tema que une a ética do Antigo e Novo Testamento (cf. Mateus 5:48, 1 Coríntios 11:. 1.)

". . . os princípios subjacentes à OT são válidas e autoridade para o cristão, mas as aplicações específicas encontradas na OT pode não ser. Os princípios morais são os mesmos de hoje, mas na medida em que a nossa situação, muitas vezes diferente da configuração OT, a aplicação dos princípios de nossa sociedade pode muito bem ser diferente agora ".

". . . os rituais levíticos ainda são de grande relevância. Foi em termos de estes sacrifícios que ele ea igreja primitiva Jesus entendia sua morte expiatória. Levítico desde os modelos teológicos para a sua compreensão. Se queremos caminhar em passos de nosso Senhor e pensar seus pensamentos, depois dele, devemos tentar compreender o sistema sacrificial de Levítico. Foi criado pelo mesmo Deus que enviou seu Filho para morrer por nós; e na redescoberta dos princípios da OT culto escrito lá, podemos aprender algo da maneira devemos nos aproximar de um Deus santo ".

 

Gênero

 

Levítico é essencialmente um documento narrativo que relata os eventos que ocorreram na vida dos israelitas, enquanto a nação acampados na base do Monte Sinai. No entanto a maior parte do material do livro é legal em gênero. As seções legais preparar o leitor para entender as seções narrativas não só em Levítico, mas também nos números e no resto da Bíblia. Há duas seções narrativa clara (caps 8-10, 24: 10-23.). No entanto, o capítulo dobradiça no livro, capítulo 16, lê-se como narrativa, embora seja o material legislativo (legal).

 

CHS Legal. 1-7

CHS B narrativa. 8-10

CHS Legal. 11-15

C Legal escrito como narrativa ch. 16

A Legal 17: 1-24: 9

B Narrativa 24: 10-23

CHS Legal. 25-27

 

IMPOTANCIA

". . . não é exagero afirmar que o Livro de Levítico teve mais impacto sobre o judaísmo do que qualquer outro livro do Antigo Testamento. Tradicionalmente, foi o primeiro livro ensinada às crianças judias, e mais da metade o comentário do Talmud está preocupado com a compreensão de seu conteúdo "."Sem um conhecimento básico de Levítico, Hebreus continuará a ser um livro fechado para o cristão

 

ESBOÇO

"À primeira vista, o livro de Levítico pode parecer um arranjo aleatório, mesmo repetitivo de decretos que envolvem a vida futura em Canaã do povo israelita. Um exame mais detalhado irá revelar, no entanto, que para além da divisão do trabalho em dois temas básicos, muitos dos capítulos têm a sua própria estrutura literária. Exemplos disso podem ser vistos em materiais padronizados após a moda de um tablet da Mesopotâmia, com o seu título, o conteúdo textual e colophon, como em Levítico 1: 3-7: 38. [Uma cólofon é uma inscrição, geralmente no final de um livro antigo, dando factos sobre a sua produção. Outros capítulos apresentam uma forma de construção diferente, que será sem dúvida extremamente valioso para fins de memorizar os conteúdos. Exemplos disso encontram-se no padrão triádico dos regulamentos hanseníase introduzidas pela frase "O Senhor disse a Moisés (Lv 13: 1, 14:. 1, 33), ou a disposição concêntrica das proposições (palistrophe) em Levítico 24: 16-22. A forma literária particularmente atraente é o (chiastic) passagem introvertido ocorrendo em Levítico 15:. 2-30, sugerindo considerável habilidade artística por parte do escritor "[15]

 

ESBOÇO

I. O culto público dos israelitas caps. 1-16

A. As leis da CHS sacrifício. 1-7

1 O holocausto ch. 1

2 A oferta de cereais ch. 2

3. O ch ofertas pacíficas. 3

4. As ofertas pelo pecado 4: 1-5: 13

5. As ofertas pela culpa 5: 14-6: 7

6. Instruções para os sacerdotes, acerca das ofertas 6: 8-7: 38

B. A instituição dos caps Sacerdócio Aarônico. 8-10

1 A consagração dos sacerdotes e do ch santuário. 8

2 A entrada de Arão e seus filhos em sua ch escritório. 9

3. A santificação do ch sacerdócio. 10

C. Leis relativas a CHS limpeza rituais. 11-15

1. impureza devido ao contato com certos animais ch. 11

2. impureza devido ao parto ch. 12

3. impureza devido a pele e cobrindo anormalidades caps. 13-14

Impureza 4 devido às descargas corporais associadas à reprodução ch. 15

D. O Dia da Expiação ch. 16

1. Informações introdutórias 16: 1-10

2. Instruções relativas ao ritual 16: 11-28

3. Instruções relativas ao dever das pessoas 16: 29-34

II. O culto privado dos caps israelitas. 17-27

A. Santidade de conduta por parte caps dos israelitas. 17-20

1. Santidade de ch alimentos. 17

2. Santidade do relacionamento conjugal ch. 18

3. Santidade de comportamento em relação a Deus e ao homem ch. 19

4. Punições para ch crimes graves. 20

B. A santidade dos sacerdotes, presentes e sacrifícios caps. 21-22

1 A primeira lista de regras para sacerdotes 21: 1-15

2 A segunda lista de regras para sacerdotes 21: 16-24

3 A terceira lista de regulamentos para os sacerdotes ch. 22

C. A santificação do sábado e as festas de Javé ch. 23

1 O Sábado 23: 1-3

2 A Páscoa ea Festa dos Pães Ázimos 23: 4-8

3. A Festa das Primícias 23: 9-14

4 A Festa de Pentecostes 23: 15-22

5. A Festa das Trombetas 23: 23-25

6 O Dia da Expiação 23: 26-32

7 A Festa dos Tabernáculos 23: 33-44

D. A preparação das lâmpadas sagrados e pães da proposição 24: 1-9

E. O castigo de um blasfemo 24: 10-23

F. Santificação da posse da terra pelo ano sabático e jubileu anos ch. 25

1 O ano sabático 25: 1-7

2 O ano do jubileu 25: 8-55

G. promessas e advertências ch. 26

1 Introdução às condições finais do convênio 26: 1-2

2 A bênção para a fidelidade à lei 26: 3-13

 

3. A advertência por desrespeito da lei 26: 14-33

4 O objetivo dos juízos de Deus em relação à terra e nação de Israel 26: 34-46

H. Directions referentes votos ch. 27

1. Votos relativos a pessoas 27: 1-8

2. Votos relativas aos animais 27: 9-13

3. Votos relativos a outras propriedades 27: 14-29

4 O resgate dos dízimos 27: 30-34

 

 

Números

 

 

introdução

 

Título

 

O título judeus utilizados na sua Antigo Testamento hebraico para este livro vem do quinto palavra no livro no texto hebraico, Bemidbar: "no deserto." Este é, naturalmente, adequada, já que os israelitas passaram a maior parte do tempo coberto na narrativa de Números, no deserto.

O título Inglês "Números" é uma tradução do título grego Arithmoi. Os tradutores da Septuaginta escolheu este título por causa dos dois recenseamentos dos israelitas que Moisés registrado no início (caps 1-4.) E no final (26 cap.) Do livro. Estas numerações das pessoas teve lugar no início e no final de peregrinação no deserto e enquadrar o conteúdo de Números.

 

Data e escritor

 

Moisés escreveu Números (cf. Nm 1: 1.; 33: 2; Mateus 8:. 4, 19:. 7, Lucas 24:44; João 1:45; et al). Ele, evidentemente, fê-lo no final de sua vida nas planícies de Moab. [1] Moisés, evidentemente, morreu perto de 1406 aC desde o Êxodo aconteceu cerca de 1446 aC (1 Reis 6: 1), os israelitas estavam no deserto por 40 anos (Nm 32:13)., E ele morreu pouco antes de entrar na Terra Prometida (Deuteronômio 34:. 5).

 

Âmbito e objectivo

 

Quando o livro abre os israelitas estavam no segundo mês do segundo ano depois que partiu do Egito (1: 1). Nos capítulos 7-10, lemos coisas que aconteceram no país antes disso. Essas coisas aconteceram quando Moisés terminou de configurar o tabernáculo, o que ocorreu no primeiro dia do primeiro mês do segundo ano (7: 1; cf. Êx 40:17).. Quando os números fecha os israelitas estavam no décimo mês do quadragésimo ano (cf. Deut. 1: 3). Assim, o tempo Números cobre é de cerca de 39 anos.

Números recordes que os israelitas viajaram de Mt. Sinai até as planícies de Moabe, que ficava a leste de Jericó e do rio Jordão. No entanto a viagem não foi de todo direto. Eles procederam do Sinai a Cades Barnea na fronteira sul de Canaã, mas não conseguiu ir para a Terra Prometida de lá por causa da incredulidade. Sua incapacidade de confiar em Deus e obedecer-Lhe resultou em um período de 38 anos de peregrinação no deserto. Deus finalmente trouxe de volta a Cades e os levou de lá para as planícies de Moab, que estavam na fronteira oriental da Canaã.

Mesmo que a peregrinação no deserto consumiu a maior parte dos anos que os registros de números, Moisés passou sobre os acontecimentos desse período da história de Israel com bastante rapidez. Ninguém sabe ao certo quanto tempo os israelitas gasto em trânsito durante os 38 anos entre os primeiros e últimos visitas a Cades Barnea. A ênfase de Deus neste livro é em Sua preparação dos israelitas de entrar na terra de Cades (caps. 1-14), ea sua preparação para entrar a partir das planícies de Moab (caps. 20-36). Isto indica que o propósito do livro foi principalmente para mostrar como Deus lidou com os israelitas como eles anteciparam a entrada na Terra Prometida. Não era para registrar todos os eventos, ou mesmo a maioria dos eventos, que ocorreram na história de Israel. Esta seleção de conteúdos para ensinar lições espirituais está em harmonia com os outros livros do Pentateuco. Sua preocupação também era mais teológico do que histórico.

 

 

 

"O material em Números não pode ser entendida para além do que o precede em Êxodo e Levítico. Os livros de meados do Pentateuco jeito em conjunto, com Genesis formando um prólogo e Deuteronômio epílogo para a coleção ".

O conteúdo enfatiza eventos que levaram à destruição da velha geração de israelitas no deserto e na preparação da nova geração para a entrada na terra. O censo, no início do livro (capítulos 1-4.) Ea outra no final (ch. 26) fornecer, ". . . a estrutura literária e teológica abrangente do livro de Números ". "Nós também pode se aventurar a propósito do livro da seguinte maneira: Para obrigar a obediência ao Senhor por membros da nova comunidade, lembrando-os da ira de Deus sobre os seus pais por causa de sua violação do pacto; para incentivá-los a confiar nas promessas curso de seu Senhor, pois segui-o até a sua herança na terra de Canaã; e para os incitar à adoração de Deus e ao gozo da sua salvação.

"O Livro dos Números parece ser um manual de instruções para pós-Sinai Israel. As ofertas de "manuais", com três áreas: (a) como a nação foi ordenar-se em suas jornadas, (b) como os sacerdotes e levitas, para funcionar na condição de mobilidade, que estava à frente, e (c) a forma como eles foram preparar-se para a conquista de Canaã e suas vidas se estabeleceram lá. As seções narrativas, dos quais há muitos, demonstrar os sucessos e fracassos do povo do Senhor como eles conformados e não se conformava com os requisitos das peças legislativas, de culto e de prescrição do livro ".

 

GENERO

Como a citação anterior deixa claro, o gênero principal de Números é a narrativa, embora haja seções legais e genealógicas também.

 

TEMA

 

Eu acredito que o tema do livro é a obediência.

 

"O grande tema teológico dos Números é recíproco na natureza: Deus trouxe um povo para Si mesmo pela graça aliança, mas Ele espera deles uma devoção sincera. Depois de aceitar os termos da Aliança do Sinai, Israel tinha se colocado sob a obrigação de obedecê-las, um processo que era para começar de uma vez e não em algum lugar distante e tempo (Êxodo 19: 8., 24: 3)

 

ESBOÇO

 

I. Experiências da geração mais velha nos caps deserto. 1-25

A. Os preparativos para entrar na Terra Prometida dos caps sul. 1-10

1 O primeiro censo ea organização dos caps pessoas. 1-4

2. Comandos e rituais para observar, em preparação para a entrada dos chs terra. 5-9

3. A partida do Sinai ch. 10

B. A rebelião e julgamento dos caps geração incrédula. 11-25

1 O ciclo de chs rebelião, expiação e morte. 11-20

2 O clímax da revolta, esperança, e no final do CHS morrendo. 21-25

II. Perspectivas da geração mais jovem nos caps terra. 26-36

A. Os preparativos para entrar na Terra Prometida dos caps leste. 26-32

1 A segunda ch censo. 26

2. Provisões e comandos para observar, em preparação para a entrada dos chs terra. 27-30

3. Represália contra Midiã e liquidação das transjordaniano tribos caps. 31-32

B. Advertência e encorajamento dos caps mais jovens geração. 33-36

1 Revisão da jornada do Egito 33: 1-49

2. Antecipação da Terra Prometida 33: 50-36: 13

 

 

Deuteronômio

 

 

introdução

 

Título

 

O título deste livro na Bíblia hebraica era suas duas primeiras palavras: "elleh haddebarim, que se traduz em Inglês como" estas são as palavras "(1, 1). Antigo Oriente Próximo tratados de suserania começou da mesma forma. [1] Assim, o título judaica dá um forte indício do caráter literário de Deuteronômio.

O título Inglês vem do (grego) tradução Septuaginta. "Deuteronômio" significa "segunda lei", em grego. Poderíamos supor que este título surgiu a partir da idéia de que Deuteronômio registra a lei que Moisés repetiu para a nova geração de israelitas que estavam se preparando para entrar na terra, mas isso não é o caso. Ela veio de um erro de tradução de uma frase em 17:18. Há Deus ordenou os reis de Israel para preparar "uma cópia desta lei" para si mesmos. Os tradutores da Septuaginta erroneamente proferida esta frase "esta segunda lei [repetidas]." O (Latin) tradução da Vulgata, influenciado pela Septuaginta, traduziu a frase "segunda lei", como Deuteronomium de que Deuteronômio é uma transliteração. Deuteronômio é, em certa medida, no entanto, uma repetição para a nova geração da Lei que Deus deu no Monte Sinai. Assim, Deus anulou erro dos tradutores e nos deu um título para o livro em Inglês que é adequado tendo em conta o conteúdo do livro.

 

Data e escritor

 

Moisés, evidentemente, escrevi este livro nas planícies de Moab, pouco antes de sua morte, que ocorreu cerca de 1406 aC

O Mosaico autoria deste livro é muito fácil de estabelecer. O livro afirma ser as palavras de Moisés (1: 5, 9, 5: 1; 27: 1, 8, 29: 2, 31: 1, 30; 33: 1, 30) e sua escrita (31: 9, 22, 24). Outros livros do Antigo Testamento também afirmar a autoria mosaica de Deuteronômio (1 Reis 2: 3; 08:53, 2 ​​Reis 14: 6; 18: 6, 12). Jesus Cristo acreditava Moisés escreveu Deuteronômio (Mt 19, 7-8; Marcos 10: 3-5.; 00:19; João 5: 46-47) como fez o apóstolo Pedro (Atos 3:22), Estevão (Atos 7: 37-38), Paulo (Rm 10:19; 1 Cor 9. 9.), eo autor da Epístola aos Hebreus (Hb 10:28).

"A autoria de nenhum outro livro no Antigo Testamento é tão enfatizado explicitamente".A forma em que Moisés escreveu Deuteronômio é muito semelhante ao do antigo Oriente Médio tratados de suserania-vassalos que datam antes e durante a era mosaica. Essa evidência estrutural confirma uma data próxima da composição. [4]

 

A maioria dos comentaristas conservadores preferem considerar o registro da morte de Moisés e alguns comentários editoriais como o trabalho de um escritor ou escritores mais tarde. É claro que Moisés poderia ter escrito esses versos também, mas isso seria bastante incomum.

Apesar dessa evidência conclusiva alguns estudiosos preferem uma data posterior Deuteronômio. Os críticos a favor de uma pós-Mosaic, mas data pré-sétimo século, a data do século VII, na época do Rei Josias, ou uma data pós-exílica.

 

AMBITO

Deuteronômio é semelhante a Levítico em que ambos os livros contêm um registro de instruções e discursos quase que exclusivamente. Deuteronômio não é tanto um livro de história, como Gênesis, Êxodo, e os números são, pois é um livro de direito. Em contraste com o Levítico, no entanto, Deuteronômio é lei pregado ao invés de lei ensinou.

 

O escopo da história coberta de Deuteronômio é muito breve. Todos os eventos registrados ocorreram nas planícies de Moab, provavelmente dentro de algumas semanas, pouco antes da entrada do Israel em Canaã. De acordo com o Índice de locorum de Nestle Novum Testamentum Graece Deuteronômio é citado ou não citado pelo menos 95 vezes no Novo Testamento (em comparação com 103 para Genesis, 113 para Êxodo, 35 de Levítico, e 20 para os números), e é um dos os livros do Antigo Testamento favoritos de Jesus e dos apóstolos ". [6]

 

PERSONAGEM

 

"O livro de Deuteronômio é o documento preparado por Moisés como testemunha da aliança dinástica que o Senhor deu a Israel nas planícies de Moab (cf. 31:26)

 

TEOLOGIA

"De acordo com a correspondência geral da forma de uma coisa para a sua função, é seguro dizer que não se pode compreender a teologia do Deuteronómio, sem referência à sua forma e estrutura de aliança. . . Não é nenhum exagero afirmar que o conceito de aliança está no próprio coração do livro e pode ser dito para ser o centro de sua teologia.

"Pacto por suas próprias exigências de definição de pelo menos três elementos-As duas Partes Contratantes eo documento que descreve e define os objectivos, a natureza e os requisitos da relação. Assim, os três principais rubricas da teologia do Deuteronómio são (1) o Senhor, o Grande Rei e iniciador aliança; (2) Israel, o vassalo e convênio destinatário; e (3) o próprio livro, o órgão aliança, com os fundamentos de documentos tratados padrão. Isso significa que, além disso, que toda a revelação do livro deve ser visto pelo prisma da aliança e não abstratamente removida do contexto histórico e ideológico peculiar em que se originou.

"Os valores teológicos de Deuteronômio dificilmente pode ser exagerada. Ergue-se como a fonte da revelação histórica bíblica. É uma fonte privilegiada tanto para OT e NT teologia. Se a aliança, a santidade de Deus, ou o conceito de povo de Deus é o fator unificador da teologia OT, cada um encontra ênfase e definição notável em Deuteronômio ".  

 

Gênero

 

Como os outros livros do Pentateuco, Deuteronômio é essencialmente um documento narrativo. Há uma alternância geral entre narrativas (incisos I, III, V e VII) e didáticos (seções II, IV e VI) Material em Deuteronômio. [10] No entanto, há uma mistura de narrativa e material didático nas seções V e VII. Deuteronômio é, essencialmente, uma história em que Moisés incluiu vários de seus sermões para a nova geração de israelitas. Pode-se também dividir a revelação neste livro de acordo com o regime geral da forma típica de um tratadosuserano-vassalo que era comum no antigo Oriente Médio.  

 

I. Preâmbulo: Pacto mediador 1: 1-5

II. Prólogo histórico: história Pacto 1: 6-4: 49

III. Estipulações: Pacto caps vida. 5-26

CHS A. O grande mandamento. 5-11

B. Auxiliar mandamentos caps. 12-26

 

IV. Sanções: caps de ratificação do convênio. 27-30

 

V. disposição dinástico: caps continuidade Aliança. 31-34

 

ESBOÇO

 

I. Introdução: 1-5: a definição 1 pacto

II. Primeiro discurso de Moisés importante: uma revisão da fidelidade de Deus 1: 6-4: 40

Trato de A. Deus no passado com Israel 1: 6-3: 29

1. orientação de Deus do Sinai a Cades 1: 6-46

2 A marcha de Cades até a fronteira dos amorreus 2: 1-23

3 A conquista do reino de Siom, 2: 24-37

4. A conquista do reino de Og 3: 1-11

5 Uma revisão da distribuição da terra conquistada 3: 12-20

Antecipação 6. Moisés de bênçãos futuras 3: 21-29

B. Uma exortação para observar a lei fielmente 4: 1-40

1 O apelo a escutar e obedecer 4: 1-8

2. aparência de Deus no Monte Horeb 4: 9-14

3 A proibição da idolatria 4: 15-24

4. As conseqüências da idolatria 4: 25-31

5. A singularidade de Yahweh e Israel 4: 32-40

III. Interlúdio histórico: preparação para o texto pacto 4: 41-49

A. A nomeação de cidades de refúgio na Transjordânia 4: 41-43

B. Introdução ao segundo endereço 4: 44-49

IV. Segundo grande discurso de Moisés: uma exposição dos caps da lei. 5-26

A. A essência da lei e seus caps de atendimento. 5-11

1. exposição do Decálogo e sua ch promulgação. 5

2. Exortação a amar o Senhor ch. 6

3. Exemplos da aplicação dos princípios chs. 7-11

B. Uma exposição de selecionados leis aliança caps. 12-25

 

1. Leis decorrentes do primeiro mandamento 12: 1-31

2. Leis decorrentes do segundo mandamento 12: 32-13: 18

3. As leis decorrentes do terceiro mandamento 14: 1-21

4. Leis decorrentes do quarto mandamento 14: 22-16: 17

5. Leis decorrentes do quinto mandamento 16: 18-18: 22

6. Leis decorrentes do sexto mandamento 19: 1-22: 8

7. Leis decorrentes do sétimo mandamento 22: 9-23: 18

8. Leis decorrentes do oitavo mandamento 23: 19-24: 7

9. Leis decorrentes do nono mandamento 24: 8-25: 4

10. Leis decorrentes do décimo mandamento 25: 5-19

Celebração C. Covenant, confirmação e conclusão ch. 26

1. Leis da celebração aliança e confirmação 26: 1-15

2 Resumo exortação 26: 16-19

V. Os preparativos para a renovação do convênio 27: 1-29: 1

A. A cerimônia em Siquém 27: 1-13

B. As maldições que acompanham a desobediência a determinações específicas 27: 14-26

C. As bênçãos que seguem a obediência 28: 1-14

D. As maldições que acompanham a desobediência a determinações gerais 28: 15-68

E. Narrativa interlúdio 29: 1

VI. Terceiro grande discurso de Moisés: uma exortação à obediência 29: 2-30: 20

A. Um apelo pela fidelidade 29: 2-29

1 Revisão histórica 29: 2-8

2 O objetivo da montagem 29: 9-15

3. As conseqüências da desobediência 29: 16-29

B. A chamada à decisão ch. 30

1 A possibilidade de restauração 30: 1-10

2 A importância da obediência 30: 11-20

VII. Últimos atos caps Moisés. 31-34

 

A. Os deveres de futuros líderes de Israel 31: 1-29

1 A apresentação de Josué 31: 1-8

2 A cerimônia de renovação da aliança sétimo ano 31: 9-13

3 O comissionamento de Josué 31: 14-23

4 A preservação das palavras de Deus 31: 24-29

B. O Cântico de Moisés 31: 30-32: 44

1 A introdução para a música 31:30

2 A música em si 32: 1-43

3 A conclusão a música 32:44

C. Narrativa interlúdio 32: 45-52

1. exortação de Moisés à obediência 32: 45-47

2 O anúncio de Moisés "morte 32: 48-52

Bênção D. Moisés da ch tribos. 33

Morte e sepultamento E. Moisés: narrativa epílogo ch. 34

 

NOTAS BIBLIA LUMINIA