Translate this Page

Rating: 3.0/5 (891 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


CAFARNAUM דמשק دمشق
CAFARNAUM דמשק دمشق

                                             CAFARNAUM דמשק دمشق

 

O ai dito pelo Mestre contra esta grande cidade tem sido cumprida até ao fim (Mateus 11:23, Lucas 10:15). Tão completamente se ele morreu que o próprio site é uma questão de disputa de hoje. Nas Escrituras Cafarnaum não é mencionado fora dos Evangelhos. Quando Jesus finalmente partiu de Nazaré, Ele habitar em Cafarnaum (Mateus 4:13) e fez dele o principal centro de sua atividade durante uma grande parte do seu ministério público. Perto Ele chamou os pescadores para segui-Lo (Mc 1:16), e do publicano a partir do recebimento do costume (Mateus 9:9, etc.) Foi a cena de muitos "grandes obras" (Mateus 11:23, Marcos 01:34). Aqui Jesus curou o filho do centurião (Mateus 8:05, etc), o filho do nobre (João 4:46), de Simão Pedro mãe-de-lei (Marcos 1:31, etc), e do paralítico (Mateus 9: 1, etc); expulsar o espírito imundo (Marcos 1:23, etc); e aqui também, provavelmente, Ele ressuscitou a filha de Jairo à vida (Marcos 5:22, etc.) Em Cafarnaum, a pequena criança foi usado para ensinar a humildade discípulos, enquanto na sinagoga Jesus entregou Seu discurso sempre memorável sobre o pão da vida (João 6). A partir dos avisos nos Evangelhos nos reunimos que Cafarnaum era uma cidade de importância considerável. Alguns pensam que as palavras "serás exaltada", etc (Mateus 11:23, Lucas 10:15), quer dizer que ele estava em um local elevado. Talvez mais, naturalmente, eles referem-se ao orgulho excessivo dos habitantes de sua cidade. Era um posto de alfândega, ea residência de um alto oficial do rei (Mateus 9:9, João 4:46, etc.) Foi ocupada por um destacamento de soldados romanos, cujo comandante pensou que a boa vontade das pessoas que vale a pena garantir à custa de construir para eles uma sinagoga (Mateus 08:05, Lucas 07:05). Ele estava junto ao mar (Mateus 4:13) e de João 6:17 (compare Mateus 14:34, Marcos 6:53), vemos que ele foi dentro ou perto da planície de Genesaré.

Josephus menciona duas vezes Cafarnaum. Ele jogou nenhum grande parte da história de seu tempo, e parece ter diminuído em importância, como ele se refere a ela como uma "aldeia". Na batalha em el-BaTeichah seu cavalo caiu em um atoleiro, e ele sofreu um prejuízo que ele desativado para novos combates.Seus soldados o levaram para a aldeia de Cafarnaum (esta referência é, contudo, duvidoso, o nome actual é Kepharnomon que Niese corrige a Kepharnokon), de onde foi removido para Tariquéia (Vita, 72). Novamente ele elogia a planície de Genesaré por suas maravilhosas frutas, e diz que é regado por uma fonte mais fértil que o povo do país chamam Cafarnaum.Na água desta fonte do Coracinus é encontrado (BJ, III, X, 8).Portanto Josefo corrobora os dados bíblicos, e adiciona as informações quanto à fonte e os peixes Coracinus. O peixe, porém, é encontrada em outras fontes próximas ao lago, e é, portanto, nenhuma ajuda para a identificação.

Os dois principais rivais para a honra de representar Cafarnaum estão Diga Chum, um local em ruínas na margem do lago, cerca de 2 1/2 milhas a oeste da foz do Jordão; e Khan Minyeh totalmente 2 1/2 milhas mais a oeste, na esquina nordeste da planície de Genesaré. Dr. Tristram sugeriu `Ain El-Madowwerah, uma grande primavera cercada por um muro circular, na borda ocidental da planície. Mas ela representa cerca de um quilômetro do mar; não existem ruínas para indicar que qualquer aldeia considerável já estive aqui; ea água está disponível apenas para uma pequena parte da planície.

Em favor de Chum dizem é Eusébio, Onomasticon, que coloca Corazim duas milhas de Cafarnaum. Se Kerazeh é Corazim, esta ternos Diga Chum melhor do que Khan Minyeh. Para isso pode ser adicionado o testemunho de Teodósio (cerca de 530), Antonino Mártir (600), e João de Wurtzburg (1100). A tradição judaica fala de Tankhum, em que estão os túmulos de Naum e Rabi Tankhum. Identificar Kerr Nahum com Tankhum e derivando Diga Chum de Tankhum, alguns têm procurado justificar as reivindicações deste site. Mas todos os elos dessa cadeia de argumento é extremamente precária. A estrada atravessava Chum Diga ao longo do qual passou as caravanas de e para o Oriente; mas o lugar não estava em contato com o grande tráfego norte-e-sul.

Também não há nenhuma fonte perto Diga Chum respondendo a descrição de Josefo. Dos defensores recentes Diga Chum, é suficiente para citar Schurer (HJP, IV, 71) e Buhl (GAP, 224 f).Neste sentido, pode ser interessante notar que o presente escritor, ao visitar o local recentemente (1911), chamou a atenção de seu barqueiro para um pouco de parede arruinada elevando-se acima do Ocidente vegetação da lagoa, e perguntou o que era chamado. Kaniset el Kufry, foi a resposta, que pode ser traduzido livremente, "igreja dos infiéis". Este é apenas o equivalente árabe do judeu "igreja do minim".

Para Khan Minyeh pode-se notar que Genesaré corresponde a el-Ghuweir, a planície deitado na costa noroeste, e que Khan Minyeh fica na extremidade nordeste da planície; respondendo, assim, como Tell Chum não pode fazer, a descrição dos Evangelhos. As fontes abundantes de ET-Tabigha, meia milha para o Oriente, forneceu água que foi realizado em volta da face da rocha em direção a Khan Minyeh a uma altura que permitiu à água uma grande parte da planície. Se for dito que Josefo deve ter sido feita para Contar Chum como sendo mais próximo da cena do acidente - ver, no entanto, o comentário acima - ele não siga a todos os que ele foi levado para o local mais próximo. Arculf (1670) descreveu Cafarnaum como em um "pedaço estreito de terra entre a montanha eo lago." Isto não se aplica a Diga Chum; mas se encaixa com precisão Khan Minyeh. Isaac Chelo (1334) diz que Cafarnaum, então em ruínas, havia sido habitada por Minim, ou seja, judeus convertidos ao cristianismo. O nome Minyeh podem ter sido derivados deles. Quaresimus (1620-1626) observa uma Khan chamado Menieh que estava junto ao local de Cafarnaum. Entre o Khan arruinado eo mar há vestígios de construções antigas.Aqui, a estrada do leste uniram com o que desceu do Norte por meio de Khan Jubb Yusif, de modo que este deve ter sido um centro importante, tanto do ponto de vista militar, e para as alfândegas. Este é o local preferido por, entre outros, GA Smith (HGHL, 456; EB, sob a palavra) e Conder. Sanday argumentou em favor de Khan Minyeh em seu livro, Os locais sagrados do Evangelho, mas, mais tarde, devido ao que o presente escritor acha que uma visão equivocada da relação entre Chum contar e fonte de ET-Tabigha, mudou de idéia (Expositivo vezes, XV, 100). Não há exemplo de uma fonte de duas milhas distante de ser chamado pelo nome de uma cidade. Diga Chum, de pé na beira do mar, era independente desta fonte, cuja força também foi gasto em uma direção para o oeste, longe de Chum contar.

O balanço das evidências foi, portanto, muito a favor de Khan Minyeh até Professor RAS Macalister publicou os resultados de suas pesquisas. Ele parece estar errado em rejeitar o nome Diga Chum em favor de Talchum; e ele cai em um erro curioso em relação ao uso da palavra dizer. Ninguém que fala árabe, diz ele, "nunca iria pensar em aplicar a palavra Diga: 'monte', para esta ruína generalizada plana." Em árabe egípcio, no entanto, dizer significa "ruína"; e Asad Mansur, um homem de educação, cuja língua materna é o árabe, escreve:

 

"Eu não entendo o que os opositores querem dizer com a palavra 'dizer'. Em árabe `dizer 'é usado para qualquer montão de ruínas, ou monte. Assim que as ruínas de Tell Chum si são hoje um' dizer '" (Expos, de abril de 1907, 370). Professor Macalister está em terreno mais seguro em discutir a cerâmica encontrada nos sites rivais. No Khan Minyeh não encontrou nada mais velho do que o período árabe, enquanto em Tell cerâmica Chum do período romano abunda - "exatamente o período da glória de Cafarnaum" (FIPs, abril e julho de 1907).Se este ser confirmado por um exame mais aprofundado, ele descarta a alegação de Khan Minyeh. Vestígios romanos importantes já foram encontradas entre a Khan arruinado eo mar. Não é mais aberto a duvidar de que este era o local de uma grande cidade romana. O período romano no entanto abranger um vasto espaço. Os edifícios em Chum contam são por muitos atribuídos aos dias dos Antoninos. É possível a partir de restos de cerâmica para ter certeza de que a cidade floresceu na época dos Herodes? Se a cidade em Tell Chum ainda não havia surgido, nos dias de Cristo, os que disputam sua pretensão de ser Cafarnaum está sob nenhuma obrigação de mostrar que a cidade das ruínas representam. Eles não são os únicos extensas ruínas no país de cuja história estamos na ignorância.(notas Internacional Encylopedia Padrão (1913

 

 

 

 

                            DAMASCO

O nome em Inglês é o mesmo que o Damaskos grego. O nome hebraico é Dammeseq, mas a forma aramaica Darmeseq, ocorre em 1 Crônicas 18:05; 2 Crônicas 28:5. O nome aparece em inscrições egípcias como Ti-mas-ku (século 16 aC), e Sa-ra-mas-ki (século 13 aC), que WM Muller, Asien u. Europa, 227, considera como representando Ti-ra-mas-ki, concluindo a partir do "ra" nessa forma que Damasco tinha por esse tempo passou sob influência aramaico. No Tell el-Amarna Letters as formas ocorrer Ti-ma-como-gi e Di-mas-ka. O nome árabe é Dimashk esh-Sham ("Damasco da Síria") normalmente contrastada com Esh-Sham simplesmente. O significado do nome de Damasco é desconhecida.Esh-Sham (Síria) significa "a esquerda", em contraste com o Iêmen (Arábia) = "o direito".

. 2 Situação e Recursos Naturais:

Damasco está situado (33 graus 30 'de latitude norte, 36 graus 18' de longitude leste), no canto noroeste do Ghuta, uma planície fértil cerca de 2.300 metros acima do nível do mar, a oeste da Monte.Hermon. A parte do Ghuta Leste da cidade é chamado el-Merj, a "nuvem-terra" de Damasco. O rio Barada (ver ASANA) flui através de Damasco e as águas da planície, através do qual o Nahr el-Awaj (ver Pharpar) também flui, a poucos quilômetros do Sul da cidade.

Cercado em três lados por colinas nuas, e limitado no Leste, o seu lado aberto, pelo deserto, o seu bem regada e fértil Ghuta, com seus rios e fontes, seus campos e pomares, faz uma impressão vívida no árabe do deserto. Literatura árabe é rica em louvores de Damasco, que é descrito como um paraíso terrestre. O viajante europeu ou americano é capaz de sentir que esses elogios são exagerados, e é, talvez, apenas no início do verão que a beleza das árvores inúmeras frutas - damascos, romãs, nozes e muitos outros - justifica entusiasmo. Para ver como a Damasco árabe vê-lo, devemos abordá-lo, como ele faz, a partir do deserto. A Barada (Abana) é o sangue da vida de Damasco. Confinado em um estreito desfiladeiro até próximo da cidade, onde se espalha em muitos canais sobre a planície, só para perder-se a poucos quilômetros nos pântanos que ladeiam o deserto, toda a sua força é gasta em fazer uma pequena área entre o colinas e do deserto realmente fértil. É por isso que uma cidade neste local é inevitável e permanente.Damasco, quase sem defesa de um ponto de vista militar, é o mart natural e fábrica da Síria para o interior. No decorrer da sua longa história tem mais de uma vez apreciado e perdeu a supremacia política, mas em todas as vicissitudes da fortuna político manteve-se o porto natural do deserto sírio.

. 3 da cidade em si:

Damasco fica ao longo da principal corrente do Barada, quase inteiramente em sua margem sul. A cidade é de cerca de um quilômetro de comprimento (leste a oeste) e cerca de meia milha larga (Norte a Sul). No lado sul um longo subúrbio, composta em sua maior parte de uma única rua, chamado de Meidan, se estende por um quilômetro além da linha da muralha da cidade, terminando na Bawwabet Allah, o "Portão de Deus", a partida- ponto de o Haj, a peregrinação anual a Meca. A cidade tem, assim, aproximadamente a forma de uma colher de cabeça larga, dos quais o Meidan é o identificador. No período grego, uma rua longa, com colunas correu pela cidade, sem dúvida, a "rua chamada Direita" (Atos 9:11). Esta rua, ao longo do curso do qual restos de colunas foram descobertos, corre para o oeste do Babesh-Sherki, o "East Gate."

Parte dele ainda é chamado Derb el-Mustakim ("Straight Street"), mas não é certo que ele tem suportado o nome por todos os séculos que se seguiram. Corre-se entre os bairros judeus e cristãos (à esquerda e à direita, respectivamente, indo para o oeste), e termina no Suk el-Midhatiyeh, um bazar construído por Midhat Pasha, no norte do que é o principal bairro muçulmano, no qual estão a cidadela ea Grande Mesquita. As casas são de teto plano, e são geralmente construídas em volta de um pátio, no qual há uma fonte. As ruas, com exceção da Rua Direita, são na sua maioria estreito e tortuoso, mas no lado oeste da cidade existem alguns bons bazares cobertos. Damasco não é rica em antiguidades.

A mesquita Omíada, ou Grande Mesquita, substituiu uma igreja cristã, que por sua vez tinha tomado o lugar de um templo pagão.O local foi, sem dúvida, ocupada desde tempos imemoriais pelo edifício religioso principal da cidade. Uma pequena parte da antiga igreja cristã ainda existe. Parte da muralha da cidade foi preservada, com uma fundação que remonta aos tempos romanos, encimados por trabalho árabe. O local tradicional da fuga de Paulo (Atos 9:25, 2 Coríntios 11:33) e da Casa de Naamã (2 Reis 5) são apontados para o viajante, mas as tradições são sem valor.

O charme de Damasco está na vida dos bazares, na variedade de tipos que podem ser vistas lá - o drusos, o curdo, o beduínos e muitos outros - e em suas associações históricas. Ela sempre foi uma cidade de fabricação. Nossa palavra "damasco" testemunha a fama de sua indústria têxtil, e as "lâminas de Damasco" do período Crusading foram igualmente famoso; e apesar de Timur (Tamerlão) destruiu o comércio de armas em 1399, através da realização afastado os armeiros a Samarcand, Damasco ainda é uma cidade de artesãos ocupados em tecido e madeira. Sua antiguidade lança um feitiço de romance em cima dele. Depois de uma história rastreável de trinta e cinco séculos, ainda é uma cidade populosa e próspera, e, apesar de o advento da estrada de ferro e até mesmo o carro elétrico da rua, ainda preserva o sabor do Oriente.

. 4 Sua História:

(1) o período inicial (para cerca de 950 aC).

A origem de Damasco é desconhecida. Menção já foi feita (seção 1) das referências para a cidade em inscrições egípcias e no Tell el-Amarna Letters. Parece uma vez - possivelmente duas vezes - na história de Abraão. Em Gênesis 14:15 lemos que Abraão perseguiu os quatro reis, tanto quanto Hobá ", que é na mão esquerda (ou seja, ao norte) de Damasco." Mas esta é simplesmente uma nota geográfica que mostra que apenas Damasco foi bem conhecida na altura em que foi escrita Génesis 14. Maior interesse atribui a Gênesis 15:02, onde Abraão se queixa de que ele não tem filhos e que seu herdeiro é "Dammesek Eliezer" (Versão Inglês revista), para os quais a versão Siríaca lê "o Eliezer Damaschul". A cláusula, no entanto, está irremediavelmente obscuro, e é duvidoso que ele contém qualquer referência a Damasco em tudo. No tempo de David Damasco era uma cidade aramaica, que ajudou os estados arameus vizinhos em suas guerras mal sucedidas contra Davi (2 Samuel 08:05). Estas campanhas resultou indiretamente na criação de um poderoso reino sírio em Damasco. Rezon, filho de Eliada, um oficial do exército de Hadadezer, rei de Zobá, escapou na hora da derrota, e tornou-se um capitão de bandidos. Mais tarde, ele estabeleceu-se em Damasco, e tornou-se seu rei (1 Reis 11:23).Ele adorava a animosidade não antinatural contra Israel eo surgimento de um reino poderoso e hostil na fronteira israelita era uma fonte constante de ansiedade para Salomão (1 Reis 11:25).

(2) O Aramean Unido (cerca de 950-732 aC).

Se Rezon era ele mesmo o fundador de uma dinastia não é clara.Ele foi identificado com Heziom, pai de Tab-Rimon, e avô de Ben-Hadade (1 Reis 15:18), mas a identificação, embora uma catástrofe natural, é inseguro. Ben-Hadade (Biridri) é o primeiro rei de Damasco, depois de Rezon, de quem temos qualquer conhecimento detalhado. A interrupção do reino hebraico proporcionada os sírios a oportunidade de jogar fora os estados hebraicas rivais uns contra os outros, e de conceder seus favores agora em um, e agora, do outro. Ben-Hadade foi induzida por Asa de Judá para aceitar um grande suborno, ou tributo, a partir dos tesouros do Templo, e aliviar Asa atacando o Reino do Norte (1 Reis 15:18). Alguns anos mais tarde (por volta de 880 aC), Ben-Hadade (ou seu sucessor?) Venceu Omri de Israel, anexa várias cidades israelitas, e garantiu o direito de ter "ruas" da Síria (isto é, provavelmente, um bazar para os comerciantes sírios), em Samaria (1 Reis 20:34). Ben-Hadade II (de acordo com Winckler os dois Ben-hadads são realmente idênticas, mas este ponto de vista, embora apenas possível em ordem cronológica, os conflitos com 1 Reis 20:34) foi o grande antagonista de Acabe. Suas campanhas contra Israel são narradas em 1 Reis 20:22. No início de sucesso, ele foi posteriormente derrotado duas vezes por Acabe, e depois da derrota em Afeque estava à mercê do conquistador, que o tratou com generosa clemência, alegando que só a restauração das cidades israelitas perdidos, eo direito de estabelecer um israelita Bazar em Damasco.

Sobre a renovação das hostilidades três anos mais tarde Acabe caiu antes Ramote-Gileade, e sua morte aliviado Ben-Hadade da única monarca vizinho que poderia desafiar a superioridade de Damasco.Mais luz é lançada sobre a história de Damasco neste momento pelas inscrições assírias. Em 854 aC, os assírios derrotaram uma coalizão de Estados da Síria e da Palestina (incluindo Israel) sob a liderança de Ben-Hadade em Karqar. Em 849 e 846 aC novos ataques foram feitos em cima de Damasco pelos assírios, os quais, no entanto, não efetuar qualquer conquista considerável. A partir desta data até a queda da cidade em 732 aC, o poder do reino arameu dependia da atividade ou quietude da Assíria. Hazael, que assassinou Ben-Hadade e usurpou o trono por volta de 844 aC, foi atacado em 842 e 839, mas durante os próximos trinta anos Assíria fez nenhum avanço para o oeste. Hazael foi capaz de dedicar todas as suas energias para os seus vizinhos ocidentais e Israel sofreu severamente em suas mãos. Em 803 Mari 'de Damasco, que é provavelmente idêntico ao Ben-Hadade de 2 Reis 13:03, o filho de Hazael, foi feita afluente Ramman-nirari III da Assíria. Este golpe enfraquecido Aram, e oferecida Jeroboão II de Israel uma oportunidade de vingar as derrotas infligidas seu país por Hazael.Em 773 Assíria novamente invadiram o território de Damasco.

Tiglate-Pileser III (745-727 aC) empurrou vigorosamente para o oeste, e em 738 Rezim de Damasco fez uma homenagem. Um ou dois anos depois, ele se revoltou, e tentou em conjunto com Peca, de Israel, para coagir Judá a se juntar a uma liga anti-assíria (2 Reis 15:37, 16:5, Isaías 7). Sua punição foi rápida e decisiva. Em 734 os assírios avançaram e cercaram Damasco, que caiu em 732. Rezin foi executado, seu reino foi derrubado, ea cidade sofreu o destino que alguns anos mais tarde se abateu sobre Samaria.

(3) o período médio (cerca de 732 aC-650 dC).

Damasco já tinha perdido sua importância política, e por mais de dois séculos, temos apenas uma ou duas referências desprezível para ele. Ele é mencionado em uma inscrição de Sargão (722-705 aC) como tendo participado de uma insurreição mal sucedida junto com Hamate e de Arpad. Há referências incidentais a ele em Jeremias 49:23 e Ezequiel 27:18; 47:16. No período persa Damasco, se não politicamente de grande importância, era uma cidade próspera. A derrubada do império persa por Alexandre foi logo seguido (301 aC) pelo estabelecimento do reino selêucida da Síria, com Antioquia como sua capital, e Damasco perdeu sua posição como a principal cidade da Síria. O centro de gravidade foi transferido para o mar, eo comércio marítimo do Levante tornou-se mais importante do que o comércio de Damasco com o interior.Em 111 aC, o reino foi dividido sírio, e Antíoco Cyzicenus se tornou rei de Coele-Síria, com Damasco como sua capital. Seus sucessores, Demetrius Eucaerus e Antíoco Dionísio, havia perturbado carreiras, estar envolvido em conflitos domésticos e em guerras com os partos, com Alexandre Janeu da Judéia, e com Aretas o Nabatean, que obteve a posse de Damasco, em 85 aC.Tigranes, sendo da Armênia, Síria realizada por alguns anos após essa data, mas foi derrotado pelos romanos, em 64 aC, Pompeu finalmente anexou o país.

A posição de Damasco durante o primeiro século e meio de domínio romano na Síria é obscura. Por um tempo, estava nas mãos dos romanos, e de 31 aC-33 dC suas moedas levam os nomes de Augusto ou Tibério. Posteriormente foi novamente nas mãos dos nabateus, e foi governado por um ethnarch, ou governador, nomeado pelo Aretas, o rei Nabatean. Este ethnarch adotou uma atitude hostil para com Paulo (2 Coríntios 11:32). Mais tarde, na época de Nero, ele voltou a ser uma cidade romana. No início da história do cristianismo Damasco, em comparação com Antioquia, desempenhou um papel muito menor. Mas é memorável na história cristã por causa de sua associação com a conversão de Paulo, e como a cena de sua mais antiga pregação cristã (Atos 9:1-25).Todas as referências do Novo Testamento para a cidade se relacionam com este evento (Atos 9:01:25; 22:5-11; 26:12,20; 2 Coríntios 11:32, Gálatas 1:17). Mais tarde, sob o imperador bizantino cedo, Damasco, embora importante como um posto avançado da civilização à beira do deserto, continuou a ser o segundo a Antioquia política e eclesiasticamente. Não foi até a conquista árabe (634 dC, quando passou das mãos cristãs, e revertido para o deserto, que mais uma vez se tornou um verdadeiro capital.)

(4) De acordo com o Islã.

Damasco já foi uma cidade muçulmana, ou melhor, uma cidade sob o domínio muçulmano, por quase treze séculos. Por cerca de um século depois de 650 dC, foi a sede dos califas Omayyad, e desfruta de uma posição de preeminência no mundo muçulmano. Mais tarde, foi suplantado por Bagdad, e no século 10 ficou sob o domínio da Fatimites do Egito. Perto do fim do século 11 os turcos seljúcidas entrou Síria e capturou Damasco. No período das Cruzadas da cidade, embora nunca de importância decisiva, desempenhou um papel considerável, e foi por algum tempo o quartel-general de Saladino. Em 1300 foi saqueada pelos Tártaros, e em 1399 Timur exigiu um enorme resgate a partir dele, e levou seus armeiros famosos, roubando-o, assim, de um dos seus setores mais importantes. Finalmente, em 1516 dC, os turcos Osmanli sob Sultan Selim conquistou a Síria, Damasco e tornou-se, e ainda é, a capital de uma província do Império Otomano.NOTAS Internacional Encylopedia Padrão (1913)

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net