Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


reforma protestante paises EScandinavios
reforma protestante paises EScandinavios

         Reforma Luterana nos reinos escandinavos

 

  No momento em que Lutero começou sua reforma, Christian II reinou sobre todos os países escandinavos - Dinamarca, Noruega, Islândia e Suécia. Ele era um tirano sem escrúpulos, que favoreceu a Reforma na Dinamarca, a fim de retirar os bispos de seu poder político, enquanto na Suécia ele executou os mais nobres homens sob a alegação de que eles estavam sob a proibição papal. Já em 1519 ele chamou Martin Reinhard de Wittenberg a Copenhague para a Faculdade de Teologia, e em 1521 ele publicou um decreto incentivando o casamento dos sacerdotes. Quando, em 1522, um delegado papal apareceu na Dinamarca, Christian tomou de volta o seu decreto sobre o casamento dos sacerdotes. Ele foi, no entanto, deposto em 1523, e entre os fundamentos da deposição de que as propriedades antecipadas era, que ele havia infectado a esposa com a heresia luterana, e introduziu promotores desta mesma heresia no reino católico da Dinamarca. ]Christian foi sucedido por seu tio Frederico I, duque de Holstein, que fortemente inclinado para a Reforma, mas que teve, no entanto, a promessa de os bens de Dinamarca para colocar para baixo, com a perseguição, a heresia que estava pressionando. No hereditária ducados de Schleswig e Holstein toda interferência violenta com a grande luta religiosa foi proibida em 1524, e conhecida simpatia do rei com a Reforma muito promoveu a mais rápida difusão de doutrinas e escritos de Lutero. Laço provincial da ordem carmelita, Paulus Elise, traduzido parte dos Salmos; O novo teste., traduzido por John Michelsen, um companheiro do rei expulso, Christian II, e impresso em Leipsic em 1524, encontrou um grande circulação, e, em 1525, a leitura da Bíblia foi declarada livre. A nobreza em uma assembléia em Viborg mostrou-se favorável; o rei declarou-se abertamente para ele, em 1526; Dieta de Odense, em 1527, privou os bispos de sua jurisdição eclesiástica, e concedeu a liberdade religiosa para todos, bem como o direito de casamento para o clero até a reunião de um conselho geral. Viborg, na Jutlândia, Maimij, na Scania, e Copenhagen tornaram-se centros importantes do movimento, que se espalhou com grande rapidez por todo o reino.

 Na Dieta de Copenhaga, em 1530, que foi tentar uma reunião das partes, os pregadores luteranos, com John Jansen (pregador em Copenhaga) em sua cabeça, apresentou uma confissão de fé em quarenta e três artigos. Embora o objeto para o qual a dieta tinha sido coinvokedt não foi atingido, a predominância dos luteranos foi agora totalmente decidido, eo rei abertamente variou-se a seu lado. Com a morte de Frederico I, os bispos usaram a ipower político que havia sido deixado para eles para uma última tentativa para acabar com a Reforma, mas foi em vão. 

O novo rei, Christian III, através de medidas enérgicas e violentas, logo destruído o último remanescente da antiga Igreja e completou a vitória da Reforma. Imediatamente depois de sua ascensão ao trono, ele confirmou a liberdade de religião. Em 20 de agosto de 1536, todos os bispos foram presos. Uma dieta realizada em Copenhague, decretou que os bispos devem, posteriormente, ser privado de todo o poder secular, e que a propriedade da Igreja devem ser confiscados e divididos entre o rei, a nobreza e as instituições eclesiásticas e de caridade. 

Quando os bispos presos declararam-se dispostos a renunciar a suas dignidades, eles foram restaurados para a liberdade; só Rønnov, bispo de Roeskilde, recusou-se, e morreu na prisão. A convite do rei, John Bugenhagen veio a Dinamarca, coroado (1537), o rei ea rainha, dois bispos evangélicos ou superintendentes, e tomou parte importante na elaboração de uma nova Constituição Igreja, que foi publicada em setembro 2, 1537, e sancionada pela Dieta de Odense em 1539 A partir desse momento tudo Dinamarca firmemente aderido à Igreja Luterana. Por muitos anos, nenhum outro culto foi permitido; e, mesmo após o estabelecimento da liberdade religiosa completa, em 1848, mais do que noventa e nove por cento. de toda a população continuar a ser classificado como luteranos. 

Sobre o andamento da Reforma na Noruega que são imperfeitamente informado. Um monge Anthony é mencionado que pregou o Evangelho em Bergen. A maioria dos bispos e do clero parecem ter sido adversário da Reforma, que era praticamente desconhecido até o reinado de Christian III; em seguida, o governo dinamarquês começou a introduzir a Reforma. Olaf Engelbrechtsen, arcebispo de Drontheim, logo abandonou sua oposição ao rei dinamarquês e fugiu (1537), com os seus tesouros para a Holanda, e resistência à nova constituição da igreja logo cessou. Muitos dos bispos e do clero, no entanto, deixaram seus cargos; houve uma escassez de pregadores, e as pessoas por um longo tempo mostrou uma preferência marcada para o catolicismo. Mas quando as pessoas tinham se adaptado a sua nova crença que ficou fortemente ligado à Igreja Luterana, com a qual agora totalmente noventa e nove por cento. da população está ligado. 

Islândia tornou-se uma parte da kingdomn dinamarquês pela União Calmar de 1397, eo decreto da Dieta Dinamarquesa de 1536, que declarou a Igreja Evangélica como a religião estatal da Dinamarca, tornou-se também válido para a Islândia. Durante vários anos, os dois bispos do país neutralizado com sucesso os esforços do governo dinamarquês. Em 1540 Gifur Einarsson, que tinha estudado em Wittenberg, tornou-se bispo de Skalholt, e começou a introdução da Reforma. Seu sucessor, Martin Einarsson, trabalhou na mesma direção, mas foi violentamente contestado por outro bispo, John Aresen, de Holar, que, inclusive, levaram preso, e teve os ossos de Gifur desenterrados e enterrados em um lugar consagrado. Mas, finalmente, bispo Aresen foi dominado, e em 1550 executado como um rebelde. Isto terminou toda a oposição à Reforma na Islândia. Toda a população, como na Dinamarca e na Noruega, desde então pertencia à Igreja Luterana. Na Suécia, a Reforma foi saudado como um aliado útil na luta para sacudir o jugo da Dinamarca e restabelecer a independência nacional. 

Os bispos e clérigos mais altos eram os defensores da regra dinamarquesa, e quando Gustavus Vasa conseguido a liberdade da Suécia e foi eleito rei (1523) pela Dieta de Strelngnas ele olhou upoh pelos bispos como um inimigo perigoso. O rei, que precisava de parte da imensa riqueza do clero para aliviar as pessoas dos seus impostos, num primeiro momento se esforçaram para ganhar a cooperação do Papa Adriano VI para uma reforma da Igreja. Quando isso se mostrou inútil, ele encomendou os irmãos Olaf Petersen e Lawrence, que tinha estudado em Wittenberg, para introduzir a Reforma Luterana. Os dois irmãos tinham retornado para a Suécia em 1519, ganhou um número de adeptos, a mais importante das quais era o arquidiácono Lawrence Andersen, e sermões de Olaf tinha feito uma grande sensação na Dieta de Strengniis. 

O rei nomeou Olaf pregador em Estocolmo, professor Lawrence Petersen de teologia em Upsala, e Lawrence Andersen seu chanceler. Em 1526, uma discussão pública teve lugar sob a proteção do rei em Upsala, e uma tradução do novo teste. para o sueco foi feito pelo chanceler Andersen. Os bispos, no entanto, cujo campeão proeminente era bispo Brask, de Linklping, fez uma resistência bem-sucedida para o progresso da Reforma; e as pessoas, embora irritada contra o poder ea riqueza do clero, que se manifesta ao mesmo tempo um anexo supersticioso à antiga Igreja. Para trazer assuntos a uma crise, o rei ofereceu (1527), na Dieta de Westeras a demitir-se; mas o Estates, colocado diante da alternativa de aceitá renúncia do rei ou de entregar a Igreja a seu critério, escolheu a segunda opção. Por conta da aversão muito franco das classes mais baixas da população para uma mudança de religião, o rei passou, no entanto, com grande cautela. De acordo com a chamada Portaria ocidental os bispos eram para dar pregadores eficientes para as congregações, caso contrário, o rei era ver a ele. Os bispos foram a entregar ao rei uma programação de suas receitas, para que pudesse determinar o quanto deve permanecer para as igrejas eo que era para cair para a coroa. Os sacerdotes, em assuntos seculares. deviam estar sob a jurisdição do rei; o Evangelho era para ser lido em todas as escolas; wvas excomunhão para ser pronunciada somente após uma investigação antes de uma corte real. Uma assembléia de clérigos em Orebro, em 1529, declarou a favor da Reforma da Igreja, mas manteve muitos usos da antiga Igreja, como a língua latina no serviço divino, a elevação da hóstia na eucaristia, a oração pelos mortos, eo constituição episcopal. 

Em 1531 tornou-se arcebispo Lawrence Petersen de Upsala, e em 1537 outra assembléia do clero em Orebro prevista uma purificação evangélica mais profunda do culto divino. A aversão contínua das pessoas para a nova ordem de coisas foi atribuída pelo rei para a falta de energia por parte dos bispos, e ele, portanto, nomeado George Normann, um nobre Pomerânia, tendent superiln de todos theiclergy do reino, com um número de guardas e conselheiros religiosos como bispos de determinadas províncias. 

Este arranjo foi recebida com desagrado geral, e levou a uma série de conspirações. Com a morte do rei (1560) a condição eclesiástica do reino era muito indeciso. O filho mais velho e sucessor de Gustavo, Eric XIV, removido alguns elementos mais católicos do novo constitntion da Igreja sueca, e deu um asilo hospitaleiro para os protestantes perseguidos de todos os credos; os luteranos ortodoxos suspeitava de uma inclinação para o calvinismo, que, no entanto. não ganhar qualquer terreno, na Suécia. Irmão e sucessor de Eric, João III, foi convencido por sua esposa católica, que era uma princesa polonesa, e pela esperança de sucessão ao trono polonês, para, tentar o re-estabelecimento de uma ligação mais estreita com a Igreja de Roma. O rei estava disposto a reconhecer a supremacia do papa, mas exigiu uma série de concessões para a Igreja Sueca. O arcebispo de Upsala foi adquirida para o plano, uma liturgia fortemente Romanizing foi introduzido, mas a ousadia dos jesuítas indignado clero e do povo contra a Contra-Reforma, eo rei finalmente ficou ofendido com a recusa do papa em aceitar sua proposta. A morte da rainha católica e segundo casamento do rei com uma princesa luterana pôr fim às negociações com Roma, embora o rei teimosamente agarrado à nova liturgia. Enquanto John estava oscilando entre catolicismo e protestantismo, seu irmão mais novo de Charles, que foi regente do Sul Ermeland, era um protetor resoluto da Reforma, e não hesitou em incorrer na ira de seu irmão real, por dar um lugar de resort ao Luterana clero que tinham sido expulsos dos domínios reais por seu caráter inflexível. Rei John foi sucedido (1592) por seu filho Sigismund, que já era rei da Polônia e tinha sido criado um católico.

 A opinião popular por esta altura tinha sofrido uma grande mudança, e exigiu, antes do reconhecimento de Sigismund, uma garantia da Igreja Luterana Estado. Um concílio eclesiástico em Upsala (1593), que foi convocado pelo duque Charles como regente, decretou, antes mesmo da chegada de Sigismund, a exclusão do catolicismo da Suécia, ea autoridade oficial da Confissão de Augsburg. Em 1595 a Dieta de Sinderkoping declarou a Igreja Luterana como a Igreja do Estado apenas tolerado. Em 1599 foi nomeado duque Charles administrador, e em 1604 ele foi eleito rei. O novo rei era um pouco inclinado ao calvinismo, mas ele confirmou as resoluções das dietas em favor dos direitos de exclusividade da Igreja Luterana Estado, que desde então manteve o controle total do reino.