Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


escatologia (A.T) bible profecy
escatologia (A.T) bible profecy

                                A escatologia do Antigo Testamento OPÇÃO N.2 

                                 (com apócrifos e escritos apocalípticos)

 A) Âmbito do artigo

 

Por "escatologia", ou doutrina das últimas coisas, se entende as idéias entretidos em qualquer período da vida futura, o fim do mundo (ressurreição, juízo, no Novo Testamento, o Parousia), E os destinos eternos da humanidade. Neste artigo tenta-se apresentar as crenças sobre essas questões contidas no Antigo Testamento, com aqueles nos escritos apócrifos e apocalípticos que enchem o intervalo entre o Antigo Testamento eo Novo Testamento.

 

B) O trabalho do Dr. Charles

 

O assunto aqui tratado foi tratado por muitos autores (ver "Literatura" abaixo); por ninguém mais learnedly ou habilmente do que pelo Dr. RH Charles em sua obra sobre o hebraico, escatologia judaica e cristã ( Uma História Crítica da Doutrina de uma vida futura, em Israel , no Judaísmo , no Cristianismo e ). O presente escritor é, no entanto, incapaz de seguir Dr. Charles em muitas de suas posições críticas muito radicais, que afetam muito a sério o entendimento da evidência literária, e do desenvolvimento da religião de Israel; é incapaz, portanto, a segui-lo em sua interpretação da própria religião. O assunto, portanto, é discutido nestas páginas a partir de um ponto de vista diferente do seu.

 

C) Religião Individual em Israel

 

Um ponto especial em que o escritor é incapaz de seguir Dr. Charles em seu tratamento, o que pode ser notado no início, está na sua idéia - agora tão geralmente favorecido - que até perto da hora da religião Exile não foi indivíduo - que Yahweh foi pensado como preocupados com o bem-estar do povo como um todo, e não com a de seus membros individuais. "O indivíduo não era a unidade religiosa, mas a família ou tribo" (op. Cit., 58). Como é que alguém pode entreter essa idéia em face das indicações claras de o próprio Antigo Testamento para o contrário é o presente escritor um mistério. Há, de fato, em todo o Antigo Testamento, a solidariedade do indivíduo com sua família e tribo, mas não a qualquer período de exclusão de uma relação pessoal com o Senhor, ou de responsabilidade moral e religiosa individual. As imagens de piedade no Livro de Gênesis são quase todos individuais, e as narrativas que os contenham são, mesmo na visão crítica, mais velho que o século 9. Adão, Noé, Abraão, Jacó, José, são todos eles, para os escritores da história, os indivíduos; Moisés, Josué, Caleb, são indivíduos; as ações dos indivíduos são contados com eles para a justiça; os pecados dos outros matá-los. Se houvesse dez justos em Sodoma, ela teria sido poupado ( Gênesis 18:32 ). Era como um indivíduo que Davi pecou; como indivíduo, ele se arrependeu e foi perdoado. Reis são julgados ou condenados de acordo com seu caráter individual. É necessário insistir sobre isso no início; caso contrário, toda a série de concepções do Antigo Testamento está distorcido.

 

I. Idéias Fundamentais

 

A escatologia do Antigo Testamento, como o Dr. Charles também reconhece, é dependente, e moldado por, certas idéias fundamentais em relação a Deus, o homem, a alma eo estado após a morte, no qual reside a peculiaridade da religião de Israel. Apenas, essas idéias são diferentemente apreendido aqui do que eles estão no trabalho aprendi deste escritor.

 

1. idéia de Deus

 

Na opinião do Dr. Charles, Yahweh (Jeová), que sob Moisés tornou-se o Deus das tribos hebraicas, foi, até que o tempo dos profetas, simplesmente um Deus nacional, ligadas à terra e com esse único povo; portanto, "possuindo nem interesse nem competência na vida do indivíduo além do túmulo .... Por isso, desde o início de Yahwism possuía nenhuma escatologia própria, o indivíduo israelita foi deixado às suas crenças pagãs hereditárias. Essas crenças que encontramos foram elementos Antepassado de Adoração "(op cit, 52;.. comparar 35). A posição assumida aqui, pelo contrário, é que não existe um período conhecido do Antigo Testamento em que o Senhor - se o nome era mais velho que Moisés ou não, não precisa de ser discutido - não foi reconhecido como o Deus de toda a terra, o Criador do mundo e do homem, e Juiz de todos, nações. Ele é, em ambos os Gen 1 e 2, o Criador do primeiro par de quem o corridas inteiras molas; Ele julgou o mundo inteiro no Dilúvio; Ele escolheu Abraão para ser uma bênção para as famílias da terra ( Gênesis 12: 3 ); Sua regra universal é reconhecido ( Gênesis 18:25 ); na infinita graça, mostrando o Seu poder sobre o Egito, Ele escolheu Israel para ser um povo para si mesmo ( Êxodo 19: 3-6 ). O fundamento para negar a jurisdição sobre o mundo dos mortos cai assim. A palavra de Jesus aos saduceus se aplica aqui: "Não tendes lido ... Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac eo Deus de Jacó, Deus não é Deus de mortos, mas de? vivos "( Mateus 22:31 , Mateus 22:32 ). Os casos do Velho Testamento sobre a ressurreição em resposta ao ponto de oração na mesma direção ( 1 Reis 17:21 ; 2 Reis 4:34 ; compare Salmo 16:10 ; Salmo 49:15 , etc .; ver mais abaixo).

 

2. Idea of ​​Man

 

De acordo com o Dr. Charles, o Antigo Testamento tem duas representações contraditórias da constituição do homem, e os efeitos da morte. A visão antiga ou pré-profética distingue entre a alma eo corpo do homem (pp. 37 e ss, 45ff), e se refere à alma como sobreviver à morte (o que não é facilmente conciliável com a outra proposição (p. 37) que a "alma ou nephesh é idêntica à do sangue "), e como manter uma certa auto-consciência, eo poder de expressão e de movimento no Seol (pp. 39ff). Este ponto de vista é, em muitos aspectos, idêntica à do culto aos ancestrais, o que é considerado (. p 41). a crença primitiva em Israel O outro e mais tarde visão, que é pensado para decorrer logicamente a conta em Gênesis 2: 7 , supõe a alma a perecer com a morte (pp 41ff). Lemos ali que ". Senhor Deus formou o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; eo homem foi feito alma vivente. "O" sopro de vida "(nishmath Ḥayyim ) É identificado com o "espírito da vida" (Ruah Ḥayyim) De Gênesis 6:17 , e entende-se que a alma não tem existência independente, mas é "realmente uma função do corpo material, quando vivificado pelo impessoal) espírito (" (p. 42). "De acordo com este ponto de vista a aniquilação da alma segue inevitavelmente a morte, isto é, quando o espírito é retirado" (p. 43). Este ponto de vista é considerado o pai do Sadduceeism, e é, na verdade, afirmou ser a visão de Paulo - o apóstolo que repudiavam Sadduceeism neste mesmo artigo ((pp 43-44, 409.) Atos 23: 6-9 ).

 

Corpo, Alma e Espírito

 

A visão acima da natureza do homem é rejeitado aqui, bem como a coerência da doutrina do Velho Testamento afirmou. O ponto de vista bíblico não tem nada a ver com o culto dos antepassados ​​(compare Orr do escritor, O Problema do Velho Testamento , 135-36). Em Gênesis 1:26 , Gênesis 1:27 o homem é criado à imagem de Deus, e na narrativa mais antropomórfica de Gênesis 2: 7 , ele se torna "uma alma vivente" por meio de um ato único de inspirando Divino. A alma ( nephesh) No homem tem origem numa inspiração divina (compare Jó 32: 8 ; Jó 33: 4 ; Isaías 42: 5 ), e é ao mesmo tempo o princípio animador do corpo (o sangue sendo o seu veículo, Levítico 17:11 ), com seus apetites e desejos, bem como a sede da personalidade auto-consciente, e fonte de atividades racionais e espirituais. São essas atividades mais elevadas da alma que, no Antigo Testamento, são especialmente chamados de "espírito" (Ruah). Dr. Charles expressa isso corretamente no que ele diz sobre a suposta visão anterior ("oRuah tornou-se a sede das mais elevadas funções espirituais no homem,; "p 46 veja mais completa do escritor. Imagem de Deus no Homem aniquilação "de, 47ff) Não há fundamento para deduzir." Gênesis 2: 7 Todos Em Gen homem. considerado como formado para a comunhão viva com Deus e capaz de conhecer, adorando e servindo. VejaSOUL; ESPÍRITO .

 

3. pecado e da morte

 

Resulta do relato acima que o homem é considerado no Antigo Testamento como um ser composto, uma união de corpo e alma (espírito abraçando), ambos os elementos, sendo em sua única personalidade. Seu destino não era a morte, mas à vida - não a vida, no entanto, a separação da alma do corpo (existência desencarnada), mas continuou encarnado vida, com, talvez, como sua sequela, mudança e tradução para maior existência (assim Enoque, Elias, os santos noParousia). Esta é a verdadeira idéia original da imortalidade para o homem (verIMORTALIDADE). A morte, portanto, não é, como aparece no Dr. Charles, um evento natural, mas um acontecimento anormal - uma mutilação, a separação dos dois lados do ser humano nunca pretendeu ser separados - devido, como diz a Escritura representa, para o entrada do pecado ( Gênesis 2:17 ; Gênesis 3:19 , Gênesis 3:22 ; Romanos 5:12 ; 1 Coríntios 15:21 , 1 Coríntios 15:22 ). É objetado que nada mais é dito no Antigo Testamento de uma "queda", e uma submissão do homem à morte como resultado do pecado. Na verdade, porém, toda a imagem da humanidade no Antigo Testamento, como no Novo Testamento, é a de um mundo virado de lado de Deus e sob a Sua desagrado, e morte e todos os males naturais estão sempre a ser considerado em relação ao esse fato (compare Dillmann, Alttest Theol. , 368, 376ff;. imagem de Deus no homem , 198ff, 249ff). Isso por si só explica a luz em que a morte é considerada pelos homens santos; seu desejo de libertação dele (veja abaixo); a esperança da ressurreição; o lugar que a ressurreição - "a redenção do nosso corpo" ( Romanos 8:23 ) - segundo o padrão da ressurreição de Cristo ( Filipenses 3:21 ), tem na concepção cristã da imortalidade.

 

II. Concepções da vida futura- S heol

 

Se Israel tivesse nenhuma crença em uma vida futura?

 

É comum encontrá-lo sustentou que os israelitas, em contraste com outros povos, não tinha a concepção de uma vida futura, até perto da hora do Exílio; que, em seguida, através do ensinamento dos profetas e da disciplina de experiências, ideias de imortalidade individual e do juízo vindouro surgiu pela primeira vez. Há, entretanto, uma boa dose de ambiguidade da linguagem, se não confusão de pensamento, em tais declarações. É verdade que é o desenvolvimento do ensino em uma vida futura; verdade também que no Antigo Testamento "vida" e "imortalidade" são palavras de significado grávida, para que da mera sobrevivência da alma, e da existência sombria no Seol, não se aplicam. Mas no sentido comum da expressão "vida futura", é certo que os israelitas não eram mais sem essa noção do que qualquer de seus vizinhos, ou do que a maioria dos povos e raças do mundo para quem a crença é creditada.

 

1. Reserve sobre este assunto: as esperanças e promessas Em grande parte Temporal

 

Israel, certamente, não tinha uma mitologia desenvolvida da vida futura, como foi encontrado no Egito. Não, a vida no outro mundo quase ofuscado a vida que agora é; Em contraste com isso, talvez por causa dela, Israel foi treinado para uma reserva mais severa em relação ao futuro, e as esperanças e promessas para a nação - os frutos de justiça e multas de transgressão - eram principalmente temporal. O senso de responsabilidade individual, como foi mostrado no início, não era certamente - uma relação individual com Deus. Mas o sentimento de existência corporativa - o senso de conexão entre o indivíduo e seus descendentes - foi forte, e as esperanças realizadas aos fiéis tinha respeito, em vez de multiplicação de sementes, a prosperidade exterior, e um estado de existência feliz (nunca sem piedade como base) na terra, do que uma vida para além da morte. A razão desta e das qualificações que precisam ser feitas para a declaração irá depois aparecer; mas que os fatos gerais são como indicado a todos os leitores do Antigo Testamento vai perceber por si mesmo. Abraham é prometido que sua semente será multiplicada como as estrelas do céu, e que a terra de Canaã será dado a habitar em ( Gênesis 12: 1-3 , 15); Israel é incentivado por promessas abundantes de bênção temporal ( Deuteronômio 11: 8 ; Deuteronômio 28: 1-14 ), e advertiu pelos temporais mais terríveis maldições ( Deuteronômio 28:15 ); David prometeu-lhe a sucessão certeza de sua casa como a recompensa de obediência ( 2 Samuel 07:11 ). Assim, no Livro de Jó, a fidelidade do patriarca é recompensado com o retorno de sua prosperidade (capítulo 42). Promessas temporais abundam nos Profetas ( Oséias 2:14 ; Oséias 14: 1-9 ; Isaías 01:19 , Isaías 01:26 ; Isaías 35: 1-10 , etc); o Livro de Provérbios da mesma forma está cheio de promessas ( Jó 03:13 , etc).

 

2. AF Estado uture Não Portanto negado

 

Tudo isso, no entanto, não implica que os israelitas não tinham concepções ou crenças em um estado de ser para além da morte, ou acreditava que a morte do corpo a ser a extinção da existência. Isso foi muito longe de ser o caso. A esperança de uma vida futura seria errado chamá-lo; pois não havia nada para sugerir a esperança, a alegria ou a vida no bom sentido, nas idéias que eles entretidos de morte ou vida após a morte. Nisso eles se assemelhava a maioria dos povos cujas idéias ainda são primitivas, mas para quem não é habitual para negar a crença em um futuro Estado. Eles defendem ainda, embora com diferenças a ser apontado depois para fora, sobre o nível geral dos povos semitas em suas concepções do que o estado futuro era. Esta é também a opinião feita pelo Dr. Charles. Ele reconhece que o pensamento israelita precoce atribuído um "relativamente grande medida da vida, movimento, conhecimento e também poder (?) Para o partido no inferno" (op. Cit., 41). A gente que faz isso é quase destituído de todas as noções de um futuro Estado. Esta questão de Sheol agora exige uma análise mais cuidadosa. Aqui, novamente, as nossas diferenças de Dr. Charles se revelarão.

 

Crença não-mitológico

 

Seria, de fato, têm sido surpreendentes tinha os israelitas, que habitavam tanto tempo no Egito, onde tudo fez lembrar de uma vida futura, foi totalmente destituído de idéias sobre o assunto. O que está claro é que, como já foi observado, eles não adotou nenhuma das noções egípcias em sua religião. A simplicidade de sua crença no Deus de seus pais manteve-os em seguida, e sempre a partir da importação de elementos mitológicos em sua fé. O Amenti egípcio pode-se dizer, na verdade, para responder de forma ampla para o hebraico Sheol; mas não há nada no pensamento israelita para corresponder a Osiris e seus assessores, o julgamento na sala de julgamento, e as aventuras e perigos da alma depois. O que, então, era a idéia hebraica de Sheol, e como ele ficar relacionada a crenças em outro lugar?

 

3. Survival of Soul, ou parte consciente

 

Que a alma, ou alguma parte consciente do homem para que o nome pode ser deixada em repouso, não perece com a morte, mas passa para um outro estado de existência, comumente concebido como sombrio e inerte, é uma crença presente, não só entre o menor, os chamados povos natureza-, mas em todas as religiões antigas, até mesmo o mais altamente desenvolvida. A crença egípcia em Amenti, ou morada dos mortos, governado por Osíris, é mencionado acima; babilônico Arallu (alguns acham a palavra "Sualu" =Seol), A terra da morte, a partir do qual não há retorno; o Hades grego, morada sombria das sombras dos mortos, são testemunhas excepcionais para esta concepção (as várias idéias pode ser visto, entre outras obras, de Salmond, Christian Doctrine of Immortality , I (idéias de raças inferiores, babilônico egípcio indiana , persa e crenças gregas), em Sayce, Hibbert Lectures, Religião de Antigos babilônios , e Gifford Lectures, religiões do Antigo Egito e da Babilônia ; Dr. Charles, Escatologia , Capítulo III, sobre as concepções gregas). A concepção hebraica de Seol, o lugar de reunião dos mortos, não é, em essência, diferentes. "A semelhança," diz o Dr. Salmond, "entre o hebraico Sheol, o homérico Hades, e babilônico Arallu é inconfundível" (op. Cit., 3 ª edição, 173). Quanto à sua origem, Dr. Charles derivaria a crença de culto aos antepassados. Ele supõe que "com toda a probabilidade Sheol foi originalmente concebido como uma combinação das sepulturas do clã ou nação, e como assim a sua morada final" (op. Cit., 33). Está longe de ser provado, no entanto, que o culto dos antepassados ​​tiveram o papel que ele atribui a ele na religião precoce; e, em qualquer caso, inverte a explicação de causa e efeito. A sobrevivência da alma ou na sombra já é assumido antes que possa haver culto dos antepassados. Muito mais simples é a explicação que o homem é consciente desde o primeiro de um pensamento, princípio ativo dentro dele que desaparece quando a morte se segue, e ele, naturalmente, pensa nisso como sobreviver em outro lugar, mesmo que apenas em uma condição como um fantasma e enfraquecido (compare Max Müller, Antropologia Religião , 195, 281, 337-38). Seja qual for a explicação, é o caso de que, por um instinto seguro, os povos de baixa e alta cultura iguais todos, mas universalmente pensar a parte consciente de seus mortos como sobreviver. Por razões naturais, os hebreus fizeram o mesmo. Só que, no ponto de vista bíblico, esta forma de sobrevivência é pobre demais para ser digna com o alto nome de "imortalidade".

 

4 A palavra hebraica Sheol

 

Não é necessário fazer mais do que esboçar as principais características do hebraico Seol (Ver Seol). A palavra, a etimologia do que é duvidoso (as derivações mais comuns são a partir de raízes que significam "pedir" ou "ser oco"shā'al), É com freqüência, mas erroneamente, traduzido na Versão Revisada (britânico e americano) "grave" ou "inferno". Isso denota, na verdade, como já disse, o lugar ou a morada dos mortos, e é concebida como situado nas profundezas da terra ( Salmo 63: 9 ; Salmo 86:13 ; Ezequiel 26:20 ; Ezequiel 31:14 ; Ezequiel 32:18 , Ezequiel 32:24 ; comparar Números 16:30 ; Deuteronômio 32:22 ). Ali estão os mortos se reuniram em empresas; Assim, a expressão freqüentemente recorrentes ", recolheu ao seu povo" ( Gênesis 25: 8 ; Gênesis 35:29 ; Gênesis 49:33 ; Números 20:24 , etc), a frase que denota, como mostra o contexto, algo bem distinto de sepultamento. Jacó, por exemplo, foi "recolhido a seu povo"; depois seu corpo foi embalsamado, e, muito mais tarde, sepultado ( Gênesis 50: 2 ). Descrições poéticas do Seol não se destinam a ser tomado com literalidade; portanto, é um erro, com o Dr. Charles, para pressionar detalhes como "barras" e "portas" ( Jó 17:16 ; Jó 38:17 ; Salmo 09:14 ; Isaías 38:10 , etc). Na concepção geral, Sheol é um lugar de trevas ( Jó 10:21 , Jó 10:22 ; Salmo 143: 3 ), de silêncio ( Salmo 94:17 ; Salmo 115: 17 ), do esquecimento ( Salmo 88:12 ; Eclesiastes 9: 5 , Eclesiastes 9: 6 , Eclesiastes 9:10 ). É sem memória ou louvor a Deus ( Salmo 6: 5 ), ou o conhecimento do que ocorre na terra ( Jó 14:21 ). Mesmo essa linguagem não deve ser pressionado muito literalmente. Parte do problema é a expressão de um deprimido ou desesperado (compare Isaías 38:10 ) ou temporariamente cético (assim em Eclesiastes; comparar Eclesiastes 12: 7 , Eclesiastes 12:13 , Eclesiastes 0:14 ) humor; tudo isso é relativo, enfatizando o contraste com o brilho, a alegria ea atividade da vida terrena (compare Jó 10:22 ", onde a luz é como a meia-noite" - comparativa). Em outra parte que se reconhece que a consciência se mantém; em Isaías 14: 9 tons ( rephā'ı̄m) De uma vez poderosos reis são agitados até encontrar o rei descendente de Babilônia (compare Ezequiel 32:21 ). Se Sheol às vezes é descrito como "destruição" ( Jó 26: 6 margem; Jó 28:22 ; Provérbios 15:11 margem) e "a cova" ( Salmo 30: 9 ; Salmo 55:23 ), em outros momentos, em contraste com o cansaço e os problemas da vida, é figurado e saudosos como um local de "descanso" e "sono" ( Jó 03:17 ; Job 14:12 , Jó 14:13 ). Sempre, no entanto, como com outros povos, a existência no Sheol é representado como fraco, inerte, sombrio, desprovido de interesses e objetivos de vida, um verdadeiro estado do morto (em babilônico egípcio e analogias gregas, comparar Salmond, op. cit., 54-55, 73-74, 99FF, 173-74). A idéia do Dr. Charles, já comentadas, que Sheol está fora da jurisdição do Senhor, é contrariada por muitas passagens ( Deuteronômio 32:22 ; Jó 26: 6 ; Provérbios 15:11 ; Salmo 139: 8 ; Amós 9: 2 , etc .; comparar acima).

 

III. A esperança religiosa- L ife e Ressurreição

 

A) Natureza e Graça - M Distinções orais

 

Tal é Sheol, considerada do ponto de vista da natureza; um aspecto um pouco diferente é apresentada quando é olhado do ponto de vista da graça. Até agora nenhum traço é discernível entre o justo eo ímpio no Seol; o elemento de retribuição parece ausente. Recompensa e punição estão neste mundo; não no estado além. No entanto, deve-se tomar cuidado de tirar conclusões demasiado radicais, mesmo aqui. O Estado, na verdade, da consciência enfraquecida e inação slumbrous de Sheol não admite muita distinção, eo pensamento de trocar as alegrias da vida para a existência drear nesse submundo sombrio pode ter chocado os corações stoutest, e provocou complainings doloridos e amargos . Mesmo o cristão pode lamentar uma vida trazida a um fim súbito e prematuro. Mas, mesmo por motivos naturais, é pouco crível que o pensamento israelita piedoso do estado dos piedosos se reuniram em paz ao seu povo como exatamente o mesmo que aqueles que pereceram sob a proibição da ira de Deus, e desceu à sepultura tendo sua iniqüidade. Há uma gravidez não deve ser esquecido em expressões como: "Os ímpios serão voltaram para Sheol" ( Salmo 09:17 ), um "Seol" até que a ira de Deus queima ( Deuteronômio 32:22 ), "confins do poço "( Isaías 14:15 ; Ezequiel 32:23 ), ao qual o orgulhoso e arrogante nesta vida são expedidos. Dr. Charles vai tão longe para encontrar um "caráter penal do Seol" em Salmos 49 e 73 (op. Cit., 74). Consolação respira em tais declarações como "Nota o homem íntegro, e considera o reto, porque há um final feliz para o homem de paz" ( Salmo 37:37 ), ou (com referência ao que está sendo retirado do mal para vir ), "Ele entra em paz; descansam nas suas camas todos os que anda na sua integridade" ( Isaías 57: 2 ; comparar Isaías 57:21 : "Não há paz, diz o meu Deus, para os ímpios"). Mesmo fervoroso desejo de Balaão, "Que eu morra a morte dos justos, e seja o meu fim como o seu" ( Números 23:10 ), parece enfraquecida quando interpretados apenas do desejo de uma velhice verde e abençoado. É possível ler muito para expressões do Antigo Testamento; a tendência no momento parece ser a ler muito pouco (P. Fairbairn, Tipologia da Escritura , I, 173ff, 422ff, podem ser proveitosamente consultados).

 

B) A esperança religiosa da Imortalidade

 

Para chegar à verdadeira origem e natureza da esperança de imortalidade no Antigo Testamento, no entanto, é necessário ir muito mais longe do que a idéia de qualquer condição feliz no Seol. Esta região é triste nunca lá vinculado às idéias de "vida" ou "imortalidade" de qualquer forma. Escritores que supõem que as esperanças que encontram expressão nas passagens dos Salmos e dos Profetas tem qualquer ligação com a existência no Seol estão em uma pista completamente errado. Não é a expectativa de uma condição mais feliz no inferno, mas a esperança de libertação do inferno, e da vida restaurada e comunhão com Deus, que ocupa a mente. O quanto isso implica merece uma análise cuidadosa.

 

1. Sheol, como a morte, Conectado com Sin

 

Já foi visto que, no Antigo Testamento, Sheol, como a morte, não é o destino natural do homem. A conexão com o pecado eo julgamento está implícito nele. Seja qual for o Sheol pode ser para o popular mente, sem pensar, para refletir o espírito, que realmente compreenderam as idéias fundamentais da religião de Javé, era um estado totalmente contrário ao verdadeiro destino do homem. Tratava-se, como visto, a dignidade do homem em distinção do animal, que não foi criado sob a lei da morte. Existência desencarnada, que é de necessidade debilitado, parciais existência imperfeita, não era parte do plano divino para o homem. Sua imortalidade era para ser no corpo, não fora dele. A separação da alma e do corpo, uma pós-existência da alma no Seol, pertencem ao castigo do pecado. Dr. Salmond reconhece plenamente este em sua discussão sobre o assunto. . "O sentido penal de cores morte tudo o que o Antigo Testamento diz sobre o fim do homem está em seu pensamento, onde ele não está em suas palavras" (op cit, 159;.. Ver toda a passagem; comparar também Oehler, Teologia da Antigo Testamento , I, 242ff, tradução Inglês; AB Davidson, Teologia do Antigo Testamento , 432ff, 439ff). O verdadeiro tipo de imortalidade é, portanto, de ser visto em casos como os de Enoque ( Gênesis 5:24 ; comparar Hebreus 11: 5 ) e Elias ( 2 Reis 2:11 ); de um nu "imortalidade da alma", a Escritura tem nada a dizer.

 

É em todas as mãos admitiu que, tanto quanto a esperança da imortalidade, em qualquer sentido completo ou real, é encontrado no Antigo Testamento, ele está conectado com a fé religiosa e de esperança. Não tem uma natural, mas um religioso, de raiz. Ela brota a confiança do crente e confiança no Deus vivo; de sua convicção de que Deus - seu Deus - que, amarrando-o a Si mesmo nos laços de uma aliança imutável, cujos braços eternos estão embaixo dele ( Deuteronômio 33:27 ; comparar o Salmo 90: 1 ), não vai abandoná-lo, mesmo no inferno - estarei com ele lá, e lhe dará a vitória sobre seus terrores (compare AB Davidson, Commentary on Job , 293-95; Salmond, op cit, 175..).

 

2. Raiz Religiosa da Esperança da Imortalidade

 

A vida não é simples existência; ela consiste em favor de Deus e da comunhão ( Salmo 16:11 ; Salmo 30: 5 ; Salmo 63: 3 ). As passagens relevantes em Salmos e Profetas será considerada após. Só que é defendido pela escola mais recente, esta esperança de imortalidade pertence a uma fase tardia da religião de Israel - a um período em que, por meio do desenvolvimento da idéia monoteísta, o crescimento do senso de individualidade, o sentimento agudo das contradições da vida, este grande "risco" de fé se tornou a primeira possível. Uma pergunta, no entanto, foi assim? Foi esta esperança tão inteiramente uma questão de "empreendimentos intuitous, e as previsões de almas devotas em momentos de profunda experiência ou conflito mais agudo", como esta maneira de considerar o assunto representa?

 

Não necessariamente Tarde

 

Que a esperança da imortalidade só poderia existir uma forte fé é auto-evidente. Mas tinha uma forte fé vir a existir apenas nos dias dos profetas ou o exílio? Exceção já foi levado para a suposição de que o monoteísmo foi um crescimento tardio, e que a fé em Deus indivíduo não foi encontrado nos primeiros tempos. Não é para ser concedido sem escrúpulo que, como agora comumente alegado, os Salmos eo Livro de Jó, que expressam essa esperança, são produtos pós-exílio. Se, no entanto, a fé em um Deus que guarda o concerto é de data anterior - se ele estiver presente no dia patriarcais e mosaico - a questão não é, por que não deveria dar lugar a esperanças semelhantes? mas sim, como deveria ser impedido de fazê-lo? Se um patriarca como Abraão realmente andou com Deus, e recebeu as promessas, poderia ele, mais do que os santos mais tarde, ser totalmente desconfiado do poder de Deus para manter e entregá-lo no e do inferno? É difícil acreditar nele. É respondeu, não há nenhuma evidência de tal esperança. Certamente estes santos antigos não escrever salmos ou falar as línguas dos profetas. Mas não há nada em sua caminhada tranquila e confiante, em suas mortes tranquilas, em seu sentido de promessas não concluídas, em sua confiança em Deus que penetra em todas as vicissitudes da vida, para sugerir que eles também foram capazes de empenhar-se na mãos de Deus na morte, e confiar nele para ver que era, ou acabaria por ser, bem com eles no futuro? Assim, pelo menos, Jesus entendeu ( Mateus 22:32 ); assim, os escritores do Novo Testamento acreditavam ( Hebreus 11:13 , Hebreus 11:14 ). A fé pode vacilar, mas, em princípio, essa esperança deve ter sido ligada a fé desde o início.

 

3. esperança da ressurreição

 

Isto levanta agora a questão crucial, que forma tinha essa esperança de imortalidade assumir? Não era, como já vimos, uma imortalidade apreciado no Sheol; só poderia então ser uma esperança relacionada com a libertação do poder do Seol - em essência, seja precisamente formulado ou não, a esperança da ressurreição. É, acreditamos, porque este tem sido negligenciado, que escritores sobre o assunto ter ido tantas vezes desviaram em suas discussões sobre a imortalidade no Antigo Testamento. Eles têm pensado em uma bem-aventurança na vida futura da alma (assim Charles, op cit, 76-77.).; ao passo que o resgate a Bíblia fala invariavelmente envolve toda a personalidade do homem, corpo e alma juntos. Jesus, pode ser lembrado, assim interpreta as palavras: "Eu sou o Deus de Abraão", etc ( Mateus 22:32 ), como uma garantia não apenas de existência, mas da ressurreição. Isso está de acordo com o que foi visto da ligação da morte com o pecado e sua anormalidade, no caso do homem. O homem imortalidade teria gostado, se não tivesse pecado, teria sido uma imortalidade de toda a sua pessoa. Ele será visto imediatamente que esta é confirmada por todas as passagens em que a esperança da imortalidade se expressa no Antigo Testamento. Estes nunca contemplar uma mera imortalidade da alma, mas sempre implica ressurreição.

 

(1) Não é uma doutrina tardia ou Exterior.

 

Se o acima está correto, segue-se que é um erro colocar a crença na ressurreição tão tarde como muitas vezes é feito, ainda mais fazê-lo derivar zoroastrismo (assim, Cheyne, Origem do Saltério , palestra viii) ou de outras fontes externas. Foi um verdadeiro corolário das crenças israelitas fundamentais sobre Deus, o homem, a alma, o pecado, a morte ea redenção. Professor Gunkel enfatiza "a importância imensurável" desta doutrina, e se refere a ela como "uma das maiores coisas encontradas em qualquer lugar na história da religião", mas acha que "não pode ser derivada de dentro do judaísmo em si, mas deve ter sua origem a partir de uma crença no poder no Oriente da tarde "( Zum religionsgeschichtlichen Verständniss des Novo Testamento , 32-33; alvo de críticas de posições de Gunkel ver do escritor Ressurreição de Jesus , 255ff). Para fazer boa sua teoria, no entanto, ele tem que descontar todas as evidências para a crença fornecido pelos primeiros escritos do Antigo Testamento, e isso, acredita-se, não pode ser feito com sucesso. Foi antes de notar que os casos de ressurreição aparecem nos livros históricos ( 1 Reis 17:21 ; 2 Reis 4:34 ). Não é impossível que o cuidado reverente dos patriarcas para seus mortos era, como com os egípcios, inspirada por alguma esperança deste tipo (Gn 23; Gênesis 50: 5 , Gênesis 50:25 ; Êxodo 13:19 ; comparar Hebreus 11 : 22 ). Em qualquer caso, uma pesquisa imparcial da evidência prova que o pensamento de cores de ressurreição todas as expressões posteriores da esperança de imortalidade (verIMORTALIDADE; compare também apêndice do escritor sobre o assunto em Christian visão de Deus , 2OO ff).

 

(2) Os Salmos

 

As passagens nos Salmos em que a fé nasce a esperança da imortalidade são, principalmente, o Salmo 16: 8-11 ; Salmo 17:15 ; Salmo 49:14 , Salmo 49:15 ; Salmo 73:24 . Existem alguns outros, mas estes são os chefes, e até onde eles estão autorizados a expressar a esperança de imortalidade em tudo, fazem-no de uma forma que implica ressurreição. Dr. Cheyne, acreditando que eles sejam influenciados por zoroastrismo, anteriormente concedido este ( Origem das Saltério , palestra viii); agora ele lê as passagens de forma diferente. Não há nenhuma boa razão para colocar esses salmos em tempos pós-exílio, e, tomado em seu sentido mais natural, o seu testemunho parece explícito. Salmo 16: 8-11 (citado em Atos 2: 24-31 como uma profecia da ressurreição de Cristo) lê "também a minha carne habitará em segurança (ou confiança, margem) Pois não deixarás a minha alma no Seol,.. nem quando te sofrer teu santo veja a corrupção (ou cova, margem) Tu mostrar me o caminho da vida ", etc No Salmo 17:15 , o salmista, depois de descrever a aparente prosperidade dos ímpios, diz: "Quanto a mim, eu verei o teu rosto no rightousness; ficarei satisfeito quando acordar , com contemplar tua forma "(King James Version, a versão em Inglês revista," com a tua semelhança "). Cheyne (op. Cit., 406) refere-se este para a ressurreição (compare Delitzsch, Perowne, etc). Ainda mais explícito é o Salmo 49:14 , Salmo 49:15 : "Eles (os ímpios) são apontados como um bando de Sheol ... e os retos terão domínio sobre eles na manhã .... Mas Deus remirá a minha alma do poder (mão, margem) do Sheol, pois me receberá ". A última cláusula, literalmente ,. "Ele vai me levar", tem como Perowne, Delitzsch, Cheyne (anteriormente), mesmo Duhm, permita, alusão a casos como os de Enoque e Elias. Não pode, no entanto, contemplar tradução real corporal; deve, portanto, referem-se a ressurreição. Similar em tensão é o Salmo 73:24 : "Tu me guias com o teu conselho, e depois me receberás em glória." Dr. Charles garante que, em Salmos 49 e 73, "Deus leva os justos para Si" no céu (pp. 76-77), mas não consegue se conectar isso com a doutrina da ressurreição que se encontra a aparecer menos na mesma época (p . 78).

 

(3) O Livro de Jó

 

Antes de olhar para os profetas, um olhar deve ser tomada no Livro de Jó, que, independentemente da data (que é bastante injustificadamente fez pós-exílio), reflete as condições patriarcais. Ch 14 levanta a questão: "Se um homem morrer, viverá de novo?" ( Jó 14:14 ), e é de notar que a forma em que ele faz isso, é a possibilidade de avivamento corporal. As aparições hostis a vida do homem novo são enumerados ( Jó 14: 7-12 ), então a fé, reafirmar-se, atira-se de Deus para realizar o aparentemente impossível: "Oh que queres me esconder no Seol, que queres me manter em segredo , até que a tua ira tenha passado; que queres me nomear um tempo definido e se lembra de mim .... queres chamar e eu gostaria de te responder: queres ter um desejo para a obra das tuas mãos "( Jó 14: 13-15 ; margem lê "chamada tu tu", etc). Dr. AB Davidson diz: "Para ele trata-se de um completo retorno à vida de todo o homem" (Cambridge Commentary on Job , no lugar citado.). Com isso deve ser levado a explosão esplêndido em Jó 19, 25-27 : "Eu sei que o meu Redentor vive", etc, que, qualquer que seja dúvidas podem anexar à prestação preciso de determinadas cláusulas, sem dúvida, expressa a esperança não inferior em força para que, no versículo que acabamos de citar.

 

(4) Os Profetas

 

A presença da idéia de ressurreição nos Profetas não é posta em dúvida, mas as passagens são colocadas ao exílio ou preexilic vezes, e são explicadas de "espiritual" ou "nacional", não do indivíduo, ressurreição (compare Charles, op cit. ., 128-29). Parece claro, no entanto, que, diante da figura da ressurreição poderia ser aplicada à nação, a idéia de ressurreição deve ter sido lá; e é absolutamente claro que, em alguns dos trechos da ressurreição de indivíduos não está incluída. Cheyne concedido este respeito as passagens em Isaías ( Isaías 25: 6-8 ; Isaías 26:19 ): "Esta perspectiva preocupações não apenas a nação igreja, mas todos os seus membros crentes, e na verdade todos, quer judeus ou não, que submeter-se o verdadeiro rei, o Senhor "(op. cit., 402). Não há chamada para colocar as passagens marcantes no Hos - "Depois de dois dias ele vai nos ressuscitará: ao terceiro dia ele nos levantará, e viveremos diante dele" ( Jó 6: 2 ); "Eu vou resgatá-los do poder do Sheol: Eu os resgatarei da morte: Ó morte, onde estão as tuas pragas?OSheol, onde está a tua destruição "(? Jó 13:14 ) - mais tarde do que o tempo de que profeta Neles, a idéia de ressurreição já está totalmente presente, tão verdadeiramente como na imagem em. Ezequiel 37: 1-10 of the valley . dos ossos secos O clímax é, no entanto, alcançado em Isaías 25: 6-8 ; 26:19 , acima referida, a partir do qual o elemento individual não pode ser excluída (compare Salmond, op cit, 211-12: ".. O tema desta grande passagem, Isaías 26:19 , portanto, é um, não uma ressurreição incorporado pessoal ").

 

(5) Daniel - R esurrection de mau.

 

Finalmente, no Antigo Testamento, temos a declaração surpreendente em Daniel 12: 2 : "E muitos dos que dormem no pó ... ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno E os que são. sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento ", etc A peculiaridade desta passagem é que, nela, pela primeira vez, é anunciada a ressurreição dos ímpios, bem como dos justos (compare no Novo Testamento, João 5 : 28 , João 5:29 ; Atos 24:15 ; Apocalipse 20:12 ). A palavra "muitos" não deve ser entendida em contraste com "todos", embora provavelmente só Israel está em vista. O evento está conectado com um "tempo de angústia" ( Daniel 12: 1 ) em seguida à derrubada de Antíoco, aqui representante do Anticristo. O problema realmente difícil é, Como essa concepção da ressurreição dos ímpios aconteceu? A ressurreição dos justos, ele foi visto, é um corolário do pacto fidelidade do Senhor. Mas isso não se aplica para os ímpios. Donde, pois, vem a idéia? Ela é dada como uma revelação, mas nem mesmo a revelação conecta-se com idéias e experiências existentes. A ressurreição dos ímpios, certamente, não se coloca, como a dos justos, a partir da consciência de uma união indissolúvel com Deus, mas pode muito bem surgir da convicção oposta do julgamento de Deus. Como o senso de individualidade cresceu forte - e é certo que o ensinamento dos profetas fez muito para fortalecer essa sensação - ea certeza da retribuição moral desenvolvido, era inevitável que este deve reagir sobre a concepção do futuro, tornando-se como certo que os maus devem ser punidos, pois que o bem deve ser recompensado, no mundo por vir. Naturalmente, também, como a contrapartida da outra crença, esta forma-se na forma de uma ressurreição de julgamento. Assim somos trazidos, como último passo, a considerar a idéia de julgamento e os seus efeitos como se encontra no ensino profético.

 

IV. A idéia do Juízo- T ele Dia do Senhor

 

Juízo a realidade atual

 

Verificou-se que, sob Mosaism, as promessas e ameaças de Deus foram confinados principalmente à vida presente, e que a noção das diferenças no Sheol, embora não ausente, era vaga e vacilante. Através dispensações temporais homens foram treinados para a fé na realidade da retribuição moral. De acordo com os profetas, enquanto os juízos de Deus sobre as nações e os indivíduos ainda eram vistas principalmente como pertencentes a esta vida, há gradualmente forma-se uma nova idéia - a de uma consumação que se aproxima da história, ou o Dia do Senhor, quando os inimigos de Deus seria completamente derrubado, Sua justiça plenamente justificado e Seu reino estabelecido em triunfo por toda a terra. Os desdobramentos dessa idéia pode agora ser exibido brevemente. Nessa relação, basta referir que o escritor não segue a desconfiguração extraordinária dos textos proféticos por certos críticos, aceites, embora com algum receio, por Dr. Charles.

 

1 Dia do Senhor

 

O "Dia do Senhor", nos escritos proféticos, é concebido, às vezes de forma mais geral, como denotando qualquer grande manifestação do poder de Deus em juízo ou a salvação (por exemplo, os gafanhotos em Joel 2), às vezes mais escatológica, da crise final em a história do reino de Deus, envolvendo a derrubada de toda a oposição, eo triunfo completo da justiça (por exemplo, Isaías 2: 2-5 ; Joel 3, Amós 9:11 ; Zec 14, etc). As duas coisas não estão desconectados; um é o prelúdio, ou fase antecipatória, por outro. Essa característica da visão profética, por vezes mencionado como a ausência de perspectiva é muito visível no fato de que a cronologia é largamente ignorado, eo "Dia do Senhor" é visto se aproximando-se como pano de fundo imediato de cada grande crise em que o país pode, por o tempo de se envolver (invasões assírias; cativeiro babilônico; perseguição dos Macabeus). A única coisa que sempre certo que a mente do profeta é que o "Dia" com certeza virá - é o único grande, temor, mas para o povo de Deus alegre, evento do futuro - mas os passos pelos quais o objetivo seja alcançado são apenas gradualmente revelados na marcha real da providência de Deus.

 

(1) Relação com Israel

 

O "Dia" é no seu aspecto principal de um dia do juízo ( Isaías 02:12 ); No entanto, não deve ser pensado como um dia de vingança apenas nos adversários de Israel ( Amós 5:18 ). Se Israel seria o primeiro a sentir os golpes do castigo divino: "Você só tem que conhecer de todas as famílias da terra; pelo que eu visitarei sobre vós todas as vossas iniqüidades" ( Amós 3: 2 ). Julgamento de Deus sobre Israel, enquanto retributiva, também foram purificação e peneiramento; um "remanescente" permaneceria, que seria a semente de uma comunidade mais santo ( Isaías 06:13 ; Amós 9: 9 ; Sofonias 3:13 , Sofonias 3:10 , etc). O Livro do Hos lindamente exibe este aspecto das relações divinas.

 

(2) Para as Nações

 

De maior alcance é a relação do "Dia" para o mundo gentio. As nações são utilizados como instrumentos de julgamento de Deus sobre Israel (assírios, caldeus, persas), mas, também, por sua vez, ser julgado pelo Senhor (compare as profecias contra as nações em Isaías, Jeremias, Ezequiel, Naum, Habacuque, etc). A final seria, embora este não parece totalmente em todos os profetas, de que um remanescente dos gentios também se voltaria para o Senhor, e ser resgatado do juízo ( Zacarias 14:16 ). De modo mais geral, uma extensão do Reino de Deus teria lugar até a terra se encheu de glória de Deus (por exemplo, Isaías 2: 2-5 , com Miquéias 4: 1-5 ; Isaías 42: 4 , 60, Isaías 66: 3 6 ; Jeremias 12: 14-16 ; Jeremias 16: 19-21 ; Ezequiel 16:53 , Ezequiel 16:55 , Ezequiel 16:61 , Deus vai virar o cativeiro de Sodoma e suas filhas; Amós 9:11 ; Habacuque 2: 14 ; comparar o Salmo 22: 27-31 ; Salmo 65: 2 , Salmo 65: 5 ; Salmo 86: 9 ; Salmo 87: 1-7 ). Estes acontecimentos, em discurso profético, pertencem aos "últimos dias" ( Isaías 2: 2 ; Jeremias 48:47 ; Ezequiel 38:16 ; Oséias 3: 5 ; Miquéias 4: 1 ). Na grande profecia de Daniel dos quatro reinos, estes são representados como quebrado em pedaços pelo reino dos céus, simbolizado por uma pedra cortada da montanha, sem mãos ( Daniel 2:44 , Daniel 2:45 , compare Daniel 7:27 ) . O reino é dado pelo Ancião dos Dias para um "semelhante a um filho do homem" ( Daniel 7:13 ). Ageu e Zacarias, os profetas pós-exílio, a participação nessas esperanças brilhantes ( Ageu 2: 6 , Ageu 2: 7 ; Zacarias 02:10 ; Zacarias 8: 20-23 ; Zacarias 14:16 ). Em Malaquias é encontrado um dos mais nobres de todas as palavras proféticas: "Desde o nascer do sol até o pôr-do-mesmo o meu nome é grande entre as nações", etc ( Malaquias 1:11 ); ea profecia se encerra com o anúncio dele, mensageiro do Senhor, por quem este "grande e terrível dia do Senhor" é para ser levado em ( Malaquias 4: 1-6 ).

 

2 Julgamento além da morte

 

A competência, no que é dito do "Dia do Senhor", é, assim, visto limitar-se a terra, embora as referências à ressurreição, e as passagens do encerramento da Isa ( Isaías 65:17 ; Isaías 66:22 ) sobre "novos céus e uma nova terra" implica uma nova vista. A esperança de imortalidade - da vida de ressurreição - no caso dos justos já foi considerado. Mas o que de julgamento após a morte, no caso dos ímpios? Somente premonições sombrios de retribuição, ele foi visto, são encontrados na doutrina anterior do Seol. Há freqüentes referências à "sentença" nos Salmos, por vezes, no mundo (por exemplo, Salmo 96:13 ; Salmo 98: 9 ; comparar 50), às vezes em indivíduos (por exemplo, Salmo 1: 5 ), mas é duvidoso que qualquer um dos los olhar além da Terra. No entanto, muitas coisas combinadas para forçar este problema com a atenção.

 

(1) A incompletude da Administração Moral

 

Havia a nitidez do sentido da responsabilidade individual na era profético ( Jeremias 31:29 , Jeremias 31:30 ; Ezequiel 18: 2 ), e do fato óbvio da incompletude da administração moral divina na vida presente, como aspectos do indivíduo. O funcionamento das leis morais poderia ser discernido, mas este ficou muito aquém das exato retribuição individual. A vida era cheia de anomalias morais e perplexidades (compareJOB , LIVRO DE ).

 

(2) A prosperidade do mau

 

Havia a dificuldade especial que os ímpios nem sempre parecem encontrar-se com o castigo devido a seus erros em tempo. Pelo contrário, muitas vezes parecia prosperar, ter sucesso em seus esquemas, para triunfar sobre os piedosos, que estavam aflitos e oprimidos. Este foi o enigma que tão dolorosamente exercido as mentes dos salmistas (Sal 10; Salmo 17: 1-15 ; 37; 49, 73, etc). A solução que encontrei foi que a prosperidade dos ímpios não suportou. Ele veio a um fim súbito ( Salmo 37:35 , Salmo 37:36 ; Salmo 73: 18-20 ), enquanto os justos teve uma compensação certeza no futuro ( Salmo 17:15 ; Salmo 49:15 ; Salmo 73:24 , etc). Não foi, no entanto, sempre o caso que os ímpios foram, assim, visivelmente cortada. Além disso, um fim súbito mal parecia um castigo adequado para uma longa carreira de iniquidade triunfante, e, se os justos foram recompensados ​​futuramente, o pensamento ficava perto que o ímpio pode ser, e deve ser, também.

 

(3) O sofrimento do justo com mau

 

Não foi o fato de parentes que, nas calamidades que vieram sobre os ímpios, os justos eram muitas vezes os partícipes involuntários. Os ímpios não sofreu por eles mesmos; os piedosos estavam envolvidos na tempestade do juízo (guerra, cativeiro, pragas) que quebrou em cima deles. Aqui era outra coisa pedindo reparação nas mãos de um Deus de justiça.

 

3. Retribution para além da morte

 

A partir dessas causas o pensamento quase que necessariamente se apresentou da extensão do castigo para os ímpios para o estado para além da morte. Assim, como antes visto, Sheol veio na idade mais avançada para assumir algo de caráter penal pelos injustos. Houve uma ira de Deus que queimou ao Seol ( Deuteronômio 32:22 ;.. comparar Charles, op cit, 74). Mas esta morada das sombras não foi, para o mal mais do que para o bem, a esfera apropriada para recompensa moral. Se, para a recompensa completa dos justos, um estado de ressurreição era necessário, não o mesmo acontecerá com os ímpios? Questiona-se se os anúncios muito definidas de um julgamento individual em Eclesiastes 11: 9 ; Eclesiastes 0:14 referem-se ao estado além da morte - é provável que eles (compare Salmond, op cit, 216-17..). A primeira indicação clara de uma ressurreição dos ímpios, no entanto, encontra-se, como já disse, em Daniel 12: 2 , o que também implica em julgamento. Talvez uma dica da mesma idéia é dada em Isaías 66:24 : "Eles sairão (o profeta está falando dos tempos dos novos céus e da nova terra, Isaías 66:22 ), e olhar para os corpos de os homens que transgrediram contra mim; porque o seu verme nunca morrerá, nem o seu fogo se apagará; e eles serão um horror para toda a carne ". Dr. Charles conecta isso com a idéia de inferno como "um lugar de castigo para os judeus rebeldes e apóstatas", o que ele pensa também estar implicado em Isaías 50:11 (op. cit., 158). É a mesma palavra "abominação" ( dērā'ōn), Encontrado na passagem acima, que é processado em Daniel 12: 2 "desacato", ea punição "é concebida como eterna" (pp 158-59)..

 

É quase impossível para levar o assunto adiante, dentro dos limites do Antigo Testamento. Outros desenvolvimentos pertencem ao judaísmo depois.

 

V. Concepções Posteriormente judeus - Um pocryphal, Apocalyptic, Rabínico

 

1. Fontes

 

As fontes de nosso conhecimento das concepções escatológicas entre os judeus no período imediatamente pré-cristã são:

 

(1) Apócrifos

 

 

Os livros do Antigo Testamento Apocrypha (ver Apocrypha), Assumiu, com a exceção de 2 Esdras, a partir da Septuaginta. 2 Esdras, mais conhecido como 4 Esdras, é mais apropriadamente classificadas com os escritos apocalípticos. O trabalho original é composto apenas de capítulos 3 a 14, com uma passagem no capítulo 7 não encontrado na versão normal. O livro é pós-cristã (80-96 ad circa).

FONTE Internacional Standard Bible Encyclopedia 1870     Mauricio berwald