Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Versões da biblia Siriaco (historia)
Versões da biblia Siriaco (historia)

                                                 Versões da biblia Siriaco

                                                     Versões siríaco

 

A Peshito ou Peshitta é a versão padrão da Bíblia no idioma siríaco (ܠܫܢܐ ܣܘܪܝܝܐ - "L'shana Suryaya"). O nome é derivado do siríaco mappaqtâ pshîṭtâ; (ܡܦܩܬܐܦܫܝܛܬܐ), significando literalmente "a versão simples". Entretanto, é também possível traduzir o nome pshîṭtâ como "terra comum" (isto é, para todos os povos) ou "correcto", traduzido usualmente como "simples". siríaco ("sy") é um dialecto (ou grupo de dialectos) do aramaico oriental que se escreve utilizando o alfabeto siríaco e é transliterado para o alfabeto latino de diferentes maneiras: Peshitta, Peshittâ, Pshitta, Pšittâ, Pshitto, Fshitto. Todas estas são aceitáveis, mas os termos "Peshitta" ou "Peshito" são as traduções mais convenientes em português.

Versões siríaco A seguinte conta das traduções das Escrituras Sagradas na antiga língua siríaca é suficientemente abundante sobre o tema geral. I. O Antigo Testamento. - Há duas traduções siríaco desta parte da Bíblia, um feito directamente a partir do original, ea outra de uma versão grega antiga.

 

  1. A partir do hebraico. –

Em siríaco o nome “Peshitta” aplicava-se primeiramente ao padrão bíblico, comum na Síria do século IX, quando foi chamada assim por Moshe bar Kepha. Entretanto, está claro que a Peshitta teve uma história longa e complexa antes de receber seu nome. No fato o velho Testamento e o Novo Testamento da Peshitta são dois trabalhos de tradução completamente distintos.

O Velho Testamento da Peshitta é a parte a mais antiga da literatura siríaca de todos os tempos, com a provável origem no século II. A maioria das igrejas primitivas confiava na Septuaginta grega, ou em traduções dela, para o Velho Testamento, quanto a Igreja Siríaca teve seu texto traduzido diretamente do Hebraico. O texto Hebraico que serviu como uma cópia mestra para a tradução deve ter sido relativamente similar ao Texto Massorético das Bíblias Hebraicas medievais e modernas.

Embora os estudos precedentes sugerissem que esta tivesse sido traduzida do Targum Aramaico, esta sugestão é agora rejeitada. Entretanto, algumas influências targúmicas isoladas podem ser vistas no texto (especialmente no Pentateuco e nos livros das Crônicas), com a adição de pequenas partes interpretativas. O estilo e a qualidade da tradução no Velho Testamento da Peshitta variam completa e extensamente. Algumas cópias podem ter sido traduzidas por judeus que falavam siríaco antes de ser feito pesquisas pela igreja, quanto a outras cópias podem ter sido trabalhadas por judeus convertidos ao Cristianismo.

Visto que siríaco é a língua de Edessa, é provável que a tradução ocorresse nessa região. Entretanto, Irbil e Adiabena, com sua população judaica do século II grande e de forte influência, sugeriram-se que este também pudesse ser o lugar de origem.

Alguns acadêmicos apontaram para algumas supostas características aramaicas no texto, que podem sugerir que a tradução original ocorreu na Palestina ou Síria. Entretanto, a interpretação destas características é extremamente difícil. A origem da Peshitta é complicada pela existência de outras duas traduções do evangelho Siríaco: o Diatessarão e o antigo siríaco.

Os quatro evangelhos do Novo Testamento separados, transformaram-se no Evangelho oficial siríaco. Entretanto, a Igreja Siríaca foi levada a seguir a prática de outras igrejas e usar os quatro evangelhos separados. Teodoreto de Cirro, no Eufrates, na Síria Superior em 423, pesquisou e encontrou mais de duzentas cópias do Diatessarão, dos quatro evangelhos. As versões modernas das Escrituras Siríacas com os quatro evangelhos, excluem o Diatessarão, que são chamadas de antiga versão siríaca ("Vetus Syria"). Ainda existem dois manuscritos do século V dos antigos evangelhos em siríaco.

Estas são traduções comparativamente livre do texto grego. Os antigos evangelhos siríacos foram produzidos provavelmente no século III. O antigo idioma siríaco é usado no Antigo Testamento da Peshitta para referências (e é assim a testemunha a mais antiga de sua existência) nos evangelhos, nos textos onde as citações são completamente diferentes em grego.

Ao contrário do cânon grego, a Peshitta não tinha a Segunda Epístola de Pedro, a Segunda Epístola de João, a Terceira Epístola de João, a Epístola de Judas e o Apocalipse de São João. Entretanto, exames dos manuscritos mais antigos da Peshitta mostram alguma variação. As modernas Bíblias siríacas adicionam traduções do século VI ou século VII destes cinco livros a um texto revisado da Peshitta.

No século VII, uma Bíblia completa em siríaco baseado no grego padrão foi produzida. O "Syro-Hexapla" é uma versão do Velho Testamento baseado na quinta coluna da Hexapla. (a qual é agora a testemunha as mais importantes). A "Versão de Harklean", sob a supervisão de Thomas de Harkel, é uma tradução razoavelmente mais próxima de siríaco do Novo Testamento grego, mas contém algumas características do antigo siríaco. Apesar da existência destas traduções, a Peshitta permaneceu como a Bíblia comum das igrejas siríacas, e estas traduções técnicas foram confinadas na maior parte às escolas de teologia da Síria.

                           Índice e estilo da Peshitta

As Bem-aventuranças de Mateus 5:8 na Tradução da Peshitta siríaca.

Ṭûḇayhôn l'aylên daḏkên b-lebbhôn: d-henôn neḥzôn l'alāhâ.

. ['Benditos os puros de coração, pois verão a Deus.'

A versão da Peshitta do Antigo Testamento é uma tradução independente, baseada na maior parte em um texto Hebraico similar ao texto massorético. Mostra um número de similaridades linguísticas e exegéticas ao aramaico Targum, mas atualmente acredita-se que não se origina dele.

Em algumas passagens os tradutores usaram claramente a Septuaginta grega. A influência da Septuaginta é particularmente forte em Isaías e nos Salmos, provavelmente devido ao seu uso na liturgia. A maioria dos textos Apócrifos é traduzida da Septuaginta, a não ser Tobias, que não existia em versões antigas da Peshitta. Combina com estes algumas das leituras bizantinas mais complexas do século .

Desenvolvimentos modernos

[BÍBLIA. N.T. Apocalípse. Poliglota.] Gelyānā ude-Yoḥanan qaddīsha, id est, Apocalypsis Sancti Iohannis. -- Lugduni Batavorum : Ex Typ. Elzeviriana, 1627.

A Peshitta, levemente revisada e com os livros faltantes adicionados, é a Bíblia padrão em siríaco para as igrejas na tradição litúrgica siríaca: a Igreja Ortodoxa Síria, a Igreja Católica Siro-Malancar, a Igreja Católica Siríaca, a Igreja Assíria do Oriente, a Igreja Ortodoxa Indiana, a Igreja Síria Mar Thoma, a Igreja Católica Caldeia e a Igreja Maronita.

Na cristandade siríaca a língua árabe está se tornando mais comum, se não para leituras litúrgicas, para sermões e o estudo pessoal da Bíblia entre cristãos siríacos do Oriente Médio. Quase todos os acadêmicos da Síria, concordam que os evangelhos da Peshitta são traduções dos originais gregos. Em 1901, P.E. Pusey e G.H. Gwilliam publicaram um texto crítico da Peshitta com uma tradução Latina. Então, em 1905, a Sociedade Britânica e Estrangeira da Bíblia produziu uma versão livre, não critica dos evangelhos da Peshitta. Em 1920, esta versão foi expandida ao Novo Testamento completo. Em 1961, o instituto de Peshitta de Leiden publicou uma edição crítica mais detalhada da Peshitta com uma série dos fascículos . Em 1933 uma tradução da Peshitta no inglês, editada por George M. Lamsa, tornou-se conhecida como a Bíblia de Lamsa.

Em 1996, surgiu a primeira edição, da edição comparativa de George Anton Kiraz dos evangelhos em siríaco: "Alinhando as antigas versões siríacas sinaíticas, de Curetonianus, de Peshitta e de Harklean (abbr. CESG; o texto de Harklean foi preparado por Andréas Juckel) foi publicado por Brill. As segundas (2002) e terceiras (2004) edições subseqüentes foram impressas pelo LLC de Gorgias Pressionar."

Muitos manuscritos da Peshitta, ainda podem ser encontrados, o mais valioso deles sendo um códice século VI ou VII, na Biblioteca Ambrosiana em Milão, Itália.

 

  1. Nome. - Nos primeiros tempos do cristianismo sírio não foi executada uma versão do teste Velha. do original hebraico, cuja utilização deve ter sido tão amplamente estendido como era a profissão cristã entre aquele povo. Efrém da Síria, na segunda metade do século 4, dá provas abundantes da sua utilização, em geral, pelos seus compatriotas. Quando ele chama de "nossa versão," não parece estar em oposição a qualquer outro siríaco tradução (para nenhum outro pode ser provado ter então existia), mas em contraste com o texto original hebraico, ou com aqueles em outros idiomas (Ephrem, Opera Syr. 1, 380, em 1 Samuel 24: 4 ). Em um período posterior esta tradução siríaca foi designado Peshito, um termo em siríaco que significa simples ou única, e que é pensado por alguns de ter sido aplicada a esta versão para marcar a sua liberdade de glosas e modos de interpretação alegórica (Hävernick, hinleit. I, 2, 90). É provável que este nome foi aplicado à versão após o outro tinha sido formada a partir do texto Hexaplar grego. (Veja abaixo.) Na tradução feita a partir de revisão do setembro de Orígenes, as marcas críticas introduzidas por ele foram retidos, e, assim, cada página e cada parte foi marcada com asteriscos e obeli, a partir do qual a tradução do hebraico estava livre. Pode, portanto, ser natural, mas para um texto nua a ser assim designada, em contraste com as marcas e as citações dos diferentes tradutores gregos encontrados na versão do Hexaplar grego.

 

  1. Data. - Esta tradução do hebraico tem sido sempre a versão eclesiástica dos sírios; e quando é lembrado como nas dissensões século 5o e divisões foram introduzidos nas igrejas sírias, e como a partir desse momento o Monophysites e essas Nestorianos denominado ter sido em um estado de oposição não curada, ele mostra não só a antiguidade desta versão, mas também o domínio profundo e permanente que deve ter na mente das pessoas, que esta versão foi firmemente segurado por ambas as partes opostas, bem como por aqueles que aderem à Igreja grego, e pela maronitas. Sua existência e usar antes de suas divisões está suficientemente provado por, sozinho Ephrem. Mas quanto mais velho é que isso diácono de Edessa não temos nenhuma evidência. De Bar-Hebraeus (no século 13), aprendemos que houve três opiniões quanto à sua idade; alguns dizendo que a versão foi feita nos reinados de Salomão e Hiram; alguns que foi traduzido por Asa, o sacerdote, que foi enviado pelo rei da Assíria a Samaria; e alguns que a versão foi feita nos dias de Addai o apóstolo e de Abgarus, rei de Osrhoene (altura em que, acrescenta, a simples versão do Novo Teste. Também foi feita) (Wiseman,

 

Harae Syriacae, p. 90). A primeira dessas opiniões, é claro, implica que os livros escritos antes desse tempo foram então traduzidas; Com efeito, uma limitação de um pouco do mesmo tipo que se aplicam ao segundo. O chão do primeiro parecer parece ter sido a crença de que o rei de Tiro era um convertido à profissão da verdadeira fé e revelou realizada pelos israelitas; e que a posse da Sagrada Escritura em língua siríaca (que eles identificaram com a sua própria) foi uma conseqüência necessária dessa adoção da crença verdadeira. Este parecer é mencionado como tendo sido realizada por alguns dos sírios no século 9. O segundo parecer (o que não parece ter sido citado a partir de qualquer escritor sírio antes Bar- Hebraeus) parece ter alguma ligação com a formação do Samaritano versão do Pentateuco. Como essa versão está em um dialeto aramaico, qualquer um que supõe que ela foi feita imediatamente após a missão do sacerdote da Assíria pode dizer que foi, em seguida, pela primeira vez que uma tradução Aramsean foi executado; e isso pode depois, em uma espécie de maneira indefinida, foram conectados com o que os próprios sírios usado. James de Edessa (na segunda metade do século 7) ocupava o terceiro dos pareceres mencionados pelo Bar-Hebraeus, que o cita em seu apoio, e concorda com ele.

 

É altamente improvável que qualquer parte da versão siríaco é mais velho que o advento de nosso Senhor, aqueles que colocou sob Abgarus, rei de Edessa, parecem ter argumentado na teoria de que o povo sírio, em seguida, recebeu o Cristianismo, e, portanto, eles supunham que uma versão das Escrituras foi um acompanhamento necessário de tal conversão. Tudo o que a conta mostra claramente é, então, que se acreditava pertencer ao período mais antigo da fé cristã entre eles; uma opinião com a qual tudo o que sabemos sobre o assunto bem de acordo. Assim Ephirem, no século 4 não só mostra que foi então vigente, mas também dá a impressão de que este tinha, mesmo assim, há muito o caso. Porque em seus comentários que ele dá explicações de termos que eram mesmo então obscura. Isso pode ter sido de idade em caso afirmativo, a versão foi feita comparativamente muito antes de seus dias; ou pode ser a partir de sua tendo sido em um dialeto diferente daquele a que estava habituado em Edessa. Neste caso, então, a tradução foi feita em alguma outra parte da Síria; que dificilmente teria sido feito a menos que o cristianismo teve em tal tempo foi mais difundido lá do que era em Edessa. O dialeto daquela cidade se afirma ter sido o siríaco mais pura; se, então, a versão foi feita para esse lugar, sem dúvida teria sido um monumento de tal dialeto pourer. Provavelmente a origem da versão antiga sírio deve ser comparado com o do velho latim, VER VULGATE ; e provavelmente difere tanto da linguagem polida de Edessa como fez o velho latim, feita na província Africano, dos escritores contemporâneos de Roma, como Tácito. Embora os vestígios da origem desta versão do teste velho. ser, mas poucos, no entanto, é de importância que deve ser marcado; para a antiga sírio tem o valor peculiar de ser a primeira versão do original hebraico feita para uso cristão, e, de fato, 'a única tradução "do tipo antes que de Jerome que foi feito posteriormente ao momento em que Ephrem escreveu. Este comentarista sírio pode têm denominado "nossa versão", em contraste com todos os outros, então atuais (para os Targmums foram quase as versões), que eram meros reflexos de 'grego e não do original hebreus.

 

  1. Origem. - A prova de que esta versão foi feita a partir do hebraico é dupla: temos as declarações diretas de Efrém, que compara-lo em lugares com o hebraico e fala dessa origem como um fato; e quem é confirmado (se isso fosse necessário) por escritores sírios posteriores; encontramos a mesma coisa evidente a partir do exame interno da própria versão. Seja qual for a mudança interna ou revisão que pode ter recebido, as bases Hebrew da tradução é inconfundível. Tais indicações de revisão deverá ser posteriormente especificado brevemente.

 

De Ephrem ter mencionados tradutores desta versão, concluiu-se que era o trabalho de vários: uma coisa bastante provável em si, mas que dificilmente poderia ser provado a partir da ocorrência de uma frase casual, nem mesmo de variações na prestação de a mesma palavra hebraica; tais variações, sendo encontrado em quase todas as traduções, mesmo quando feitas por uma pessoa que de Jerome, por exemplo; e que seria quase impossível de evitar, especialmente antes do momento em concordâncias e léxicos estavam à mão. Variações na fraseologia geral dão um terreno muito mais segura para supor vários tradutores.

 

tem sido muito discutido se esta tradução fosse um judeu ou um trabalho cristão. Alguns, que têm sustentado que o tradutor era um judeu, têm argumentado a partir de seu conhecimento do hebraico e do seu modo de renderização. Mas estas considerações não provam nada. Na verdade, ele poderia muito bem ser posto em dúvida, se naquela época um judeu teria formado nada além de um Chaldee Targum; e, assim, diffuseness de paráfrase poderia ser esperado, em vez de proximidade da tradução. Não há necessidade de qualquer objecção razoável feito para a opinião de que é um trabalho cristão. Na verdade, é difícil supor que, antes da difusão do cristianismo na Síria, poderia ter sido necessária a versão.

 

  1. História. - A primeira edição impressa desta versão foi a que apareceu no Paris Poliglota de Le Jay em 1645; diz-se que o editor, Gabriel Sionita, um maronita, tinha apenas um MS imperfeito., e que, além de erros, ele estava com defeito a passagens inteiras, e até mesmo como a livros inteiros. Esta última acusação parece ser assim fez como se fosse dar a entender que os livros foram omitidos, além daqueles dos apócrifos, uma parte que Sionita confessadamente não tinha. Ele é indicado para ter fornecido as deficiências, traduzindo em siríaco a partir da Vulgata. Dificilmente pode ser supposect mas que há algum exagero nestas declarações. Sionita pode ter preenchido hiato eventual, em suas MS .; mas requer um exame muito definido antes que possamos totalmente de crédito que ele, assim, fornecido livros inteiros. Parece necessária para acreditar que os livros defeituosos eram simplesmente aqueles no Apocrypha, que ele não forneceu. O resultado, porém, é que a edição de Paris, mas é uma base enfermos para o nosso falar com a confiança do texto desta versão.

 

Em Poliglota de Walton, 1657, o texto Paris é reproduzido, mas com a adição dos livros apócrifos que tinha sido querendo. Foi geralmente dito que Walton havia feito muito para alterar os textos sobre MS. autoridade; mas a tarde Prof. Lee nega afirmando que "a única adição feita por Walton era alguns livros apócrifos". De Polyglot de Walton, Kirsch, em 1787, publicou uma edição separada do Pentateuco. Do sírio Saltério tem havido muitas edições. O primeiro destes, como mencionado por Eichhorn, apareceu em 1610; que tem ao lado uma versão em árabe. Em 1625 houve duas edições; o que está em Paris editada por Gabriel Sionita, e um em Leyden por Erpenius de dois MSS. Estes têm sido repetido desde então; mas anterior a todas elas, menciona-se que os sete penitencial Salmos apareceram em Roma em 1584. Um Inglês tradução dos Salmos de David foi feita a partir da Peshito por A. Oliver (Bost. 1861).

 

Na pontuação dada nos poliglotas, um sistema foi introduzido, que foi, em parte, uma peculiaridade do próprio Gabriel Sionita. Isto tem de ser tido em conta por aqueles que usar o Polyglot Paris ou de Walton; pois em muitas palavras, existe uma redundância de vogais, e a forma de alguns é, portanto, extremamente alterado.

 

Quando a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira propôs mais de cinquenta anos atrás, para emitir o teste da antiga sírio. pela primeira vez num volume separada, o atraso Prof. Lee foi empregue para fazer essas preparações editoriais como poderia ser conectado com um mero revisão do texto, sem qualquer especificação das autoridades. Dr. Lee recolhidos com a finalidade de seis siríaco MSS. Teste do velho. em geral, e uma cópia muito antiga do Pentateuco; ele também usou em parte os comentários de Ephrem e de Bar-Hebraeus (veja a classe. Journal, 1821, p. 245 sq.). A partir dessas várias fontes que ele construiu seu texto, com a ajuda de que já encontrado nas poliglotas. É claro que as correções dependia próprio julgamento do editor; ea falta de uma especificação dos resultados de agrupamentos deixa o leitor em dúvida quanto ao que o depoimento pode estar nesses lugares em que há um afastamento do texto Poliglota. Mas, apesar de mais informações pode ser desejado, temos na edição de Lee (Londa 1823) um verdadeiro texto siríaco, por parte das autoridades siríaco, e livre da suspeita de ter sido formada nos tempos modernos por porções traduzindo de Gabriel Sionita do latim.

 

Mas agora temos no MS. tesouros trazidos dos vales Nitrian os meios de longe a edição mais precisão esta versão. Mesmo que os resultados não devem aparecer a ser impressionante, uma utilização completa destes MSS. iria colocar esta versão em tal base de evidências diplomática como iria mostrar de forma positiva como essa antiga tradução cristã do hebraico foi lido no dia 6 ou 7 º século, ou possivelmente ainda mais cedo, poderia, assim, usar o siríaco com um grau mais cheio de confiança na críticas do texto hebraico, assim como podemos versões mais antigas do novo teste. para a crítica do grego.

 

No início de 1849, o Rev. John Rogers, cânone de Exeter, publicada Razões pelas quais uma nova edição do Peschito, ou antiga versão siríaca do Antigo Testamento, devem ser publicados. Houve uma esperança forte expressa logo após a emissão da Canon o apelo de Rogers que o trabalho seria formalmente colocado de forma adequada nas mãos do Rev. Wm. Cureton, e, assim, serem desempenhadas sob a sua superintendência na imprensa Universidade de Oxford. Canon Rogers anunciou isso em um apêndice do seu panfleto. Isto, no entanto, não tem sido efectuada.

 

A única léxico tolerável para o Velho. Teste. Peshito é reedição ampliada de Michaelis de Castell (Gott. 1878, 2 pts. 8vo), por Bernstein não viveu para publicar mais de uma parte do seu léxico há muito esperado. VER língua siríaca .

 

  1. Identidade. - Mas , se o texto siríaco impressa repousa sobre de nenhuma maneira uma base muito satisfatória, pode-se perguntar, como pode-se dizer positivamente que o que temos é a mesma versão substancialmente que foi usado pelo Ephrem no século 4? Felizmente, temos os mesmos meios para identificar o siríaco com que antigamente usado como temos de mostrar que o moderno Vulgata Latina é substancialmente a versão executada por Jerome. Nós admitimos que o Latin impresso comum sofreu de várias maneiras, e ainda na parte inferior e na sua textura geral, é, sem dúvida, a obra de Jerome: assim com o Peshito do Teste Velha, qualquer que seja erros de julgamento foram cometidos por Gabriel Sionita. , o primeiro editor, e no entanto pouco tem sido feito por aqueles que deveriam ter corrigido estas coisas em MS. autoridade, a identidade da versão é também determinado para que possa ser assim destruídas, ou até mesmo (que pode ser dito) materialmente obscurecida.

 

A partir das citações de Efrém, e os single.words em que ele faz observações, temos provas suficientes da identidade da versão; mesmo que às vezes ele também apresente a prova de que as cópias como impresso não são exatamente como ele leu. (Veja os exemplos de acordo, na maior parte dos lugares dadas por Wiseman, Hor. Syr. P. 122, etc., em que Ephrem pensa que necessária para explicar uma palavra síria nesta versão, ou para discutir seu significado, quer a partir de sua tendo-se tornado antiquadas em seu tempo, ou do fato de ser não utilizado no mesmo sentido pelos sírios de Edessa.)

 

A prova de que a versão que chegou até nós é substancialmente thatused pelos sírios no século 4 é, talvez, mais definida a partir da comparação de palavras do que womuld ter sido a partir da comparação das passagens de maior comprimento; porque em citações mais longas que sempre pode haver algum motivo para pensar que talvez o MS. de Ephrem poderia ter sido conformado com posteriores siríaco cópias do texto sagrado; enquanto que, no que diz respeito às palavras peculiares, sem essa suspeita pode ter qualquer vplace, uma vez que é sobre essas palavras ainda encontrados no Peshito que as observações de Ephrem se baseiam. Ti fato de que às vezes ele cita de forma diferente do que estamos agora somente leitura mostra uma variação de cópias, talvez antigos, ou talvez tais como é encontrado apenas no texto impresso que temos.

 

  1. Relações com outros textos. - Pode-se dizer que o siríaco, em geral apoia o texto hebraico que temos como argumentos agora podem ser levantadas sobre coincidências hora ou variações não podem ser certamente conhecido até que o texto antigo da versão é melhor estabelecida. Ocasionalmente, no entanto, é claro que o tradutor sírio ler uma consoante por outra no hebraico e traduzido em conformidade; às vezes outra vocalização do hebraico foi seguido.

 

A semelhança foi apontada entre o siríaco e da leitura de alguns dos Targums Caldeu. Se o Targum é o mais velho, não é improvável que o tradutor sírio, usando todas as ajudas ao seu alcance para obter um conhecimento exato do que ele estava fazendo, examinou os Targums em passagens difíceis. Este não é o lugar para discutir formalmente a data e origem dos Targums (qv); mas se (como parece quase certo) os Targums que chegaram até nós são quase sem exceção mais recente do que a versão Siríaca, ainda assim eles são, provavelmente, os sucessores de Targums anterior, que através de amplificação por ter atingido a sua forma presente. Assim, se Targums existentes são mais recentes do que o siríaco, pode acontecer que as suas coincidências surgem a partir da utilização de uma fonte comum de um Targum anteriormente.

 

Mas há um outro ponto de investigação de maior importância; ele é, até que ponto esta versão foi afetado pela setembro? e em que estamos a atribuir essa influência? É possível que a influência do setembro é, em parte, ser atribuído a copiadores e revisores; enquanto que, em parte, este pertencia à versão que originalmente feito. Pois, se um tradutor teve acesso a uma outra versão, enquanto ocupado em fazer sua própria, ele pode consultar, em casos de dificuldade; e assim ele pode inconscientemente segui-lo em outras partes. Mesmo sabendo as palavras de uma tradução em particular pode afetar o modo de tornar em outra tradução ou revisão. Assim, um tinge do setembro pode facilmente ter existido nesta versão a partir do primeiro, embora em livros inteiros que não podem ser encontrados em tudo. Mas quando o uso extensivo do setembro é lembrado, e como logo foi supersticiosamente imaginado ter sido feito por inspiração direta, de modo que foi considerado canonicamente authoritive, não podemos sentir maravilha que as leituras do setembro deveria ter sido, desde periodicamente, introduzido; isso pode ter começado provavelmente antes uma versão siríaca tinha sido feito a partir do texto Hexaplar grega; porque em tal texto revisto do setembro as adições, etc., em que essa versão difere da Hebrew seria tão marcante que dificilmente pareceria ser o texto autoritário e genuíno. (Veja o artigo seguinte).

 

Alguns comparação com o grego é provável, mesmo antes da época de Ephrem; pois, como os livros apócrifos, enquanto ele cita alguns deles (embora não como Escritura), as adições apócrifas a Daniel e os livros dos Macabeus ainda não foram encontrados em siríaco. Quem traduziu qualquer um desses livros do grego pode facilmente também em comparação com ele em alguns lugares os livros previamente traduzidos do hebraico.

 

  1. Recensões. - No livro de Salmos esta versão apresenta muitas peculiaridades. Ou a tradução do Saltério deve ser um trabalho independente do Peshito em geral, ou então ele tem sido estranhamente revisto e alterado, não só a partir do grego, mas também de uso litúrgico. Talvez, na verdade, os Salmos são uma versão diferente; e que, neste contexto, a prática das igrejas sírias é como a de Igreja Católica Romana "e da Igreja da Inglaterra em usar liturgicamente uma versão diferente do livro muito lido eclesiasticamente.

 

Afirma-se que, depois das divisões da Igreja síria, houve revisões desta uma versão pelo Monophysites e pelos nestorianos; provavelmente seria encontrado; se o assunto poderia ser totalmente investigados, que não estavam nas mãos de partidos diferentes cópias em que os acidentes comuns da transcrição tinha introduzidas variações.

 

O Karkaphensian recension mencionado por Bar-Hebraus era conhecido apenas pelo nome antes de as investigações de Wiseman; encontra-se em dois: MS .: no Vaticano. Neste recension trabalho vem antes de Samuel; e imediatamente depois de Isaías os Profetas Menores. Os Provérbios sucesso Daniel. O arranjo no Novo. Teste. é tão singular. Ela começa com os Atos dos Apóstolos e termina com os quatro Evangelhos; enquanto as epístolas de Tiago, Pedro e João, vêm antes dos quatorze cartas de Paulo. Esta recensão procedeu do Monophysites. De acordo com Assemani e Wiseman, o nome significa montanhosa, porque originou-se com aqueles que vivem sobre Mount Sagara, onde havia um mosteiro de jacobitas sírios, ou simplesmente porque foi usado por eles. Há uma peculiaridade na pontuação introduzido por uma inclinação para o grego; mas é, quanto ao mérito, a versão Peshito.

 

  1. O siríaco Versão do texto Hexaplar grego.

 

  1. origem e à natureza. - A única versão siríaca do Antigo Test. até o século 6 foi aparentemente o Peshito como acima. A primeira indicação definitiva de uma porção do Teste velho. traduzido do grego é através de Moisés Aghelaeus. Este escritor sírio viveu em meados do século 6. Ele fez uma tradução da Glafira de Cirilo de Alexandria do grego para o siríaco; e, na epístola prefixado, ele fala das versões do novo teste, eo Saltério, "que Policarpo (tenha sua alma!), o chorepiscopus, feito em siríaco para os Xenaias fiéis, o professor de Mabug, digno do memória do bem "(Assemani, Bibliotheca Orientalis, 2, 83). Vemos, portanto, que uma versão siríaca dos Salmos teve uma origem semelhante à siríaco New Test Philoxniain ... Sabemos que a data da última era 508 AD; o Saltério, foi, provavelmente, uma obra contemporânea. Diz-se que o patriarca nestoriano Marabba, 552 dC, fez uma versão do grego; não parecem estar em existência, de modo que, se alguma vez foi completamente executado, ele provavelmente foi substituída pela versão Hexaplar de Paulo de Tela; de fato; Paul pode tê-lo usado como base de seu trabalho, adicionando marcas de referência, etc.

 

Esta versão de Paulo de Tela, um Monophysite, foi feita no início do século 7, em sua base, ele usou o texto Hexaplar grega - isto é, o de setembro, com as correções de Orígenes, os asteriscos, obeli, etc. e, com as referências às outras versões gregas. O texto grego na sua base concorda, em sua maior parte, com o Códice Alexandrino. Mas que muitas vezes se inclina para o Vaticano, e não raramente aos textos Complutense. Em outros momentos, ela se afasta de todos.

 

A versão siro-Hexaplar foi feito no princípio de seguir o grego, palavra por palavra, o mais exatamente possível. Ele contém as marcas introduzidas por Orígenes, e as referências às versões de Aquila, Symmrachus, Theodotion, etc. Na verdade, é a partir dessa versão Siríaca que obtemos nosso conhecimento mais preciso com os resultados dos trabalhos críticos de Orígenes.

 

  1. Histórico. - Andreas Masius, em sua edição do livro de Josué (Antuérpia, 1574), usado pela primeira vez os resultados deste texto siro-Hexaplar; para, sob a autoridade de uma MS. em sua posse, ele revisou a grega; introdução de asteriscos e obeli, mostrando assim o que Orígenes havia feito, o quanto ele tinha inserido no texto, eo que tinha marcado como não encontrados no hebraico. O MS sírio. usado por Masius foi perdido há muito tempo; embora neste dia, após a recuperação dos Códigos Reuchlii do Apocalipse (a partir do qual Erasmus primeira edição desse livro) pelo Prof. Delitzsch, dificilmente poderia ser um motivo de surpresa se ​​esse sírio Codex deve voltar a ser encontrada.

 

É a partir de uma MS. na Biblioteca Ambrosiana, em Milão que possuímos meio preciso saber isso versões Siríaca As MS. em questão contém os Salmos, Jó, Provérbios, Eclesiastes, Cânticos, Sabedoria, Eclesiastes, profetas menores, Jeremias, Baruch, Daniel, Ezequiel e Isaías. Norbeirg publicado, em Lund, em 1787, os livros de Jeremias e Ezequiel de uma transcrição, que tinha feito do MS. no Milan. Em 1788 Bugati publicada no Milan o livro de Daniel; Ele também editou os Salmos, a impressão de que tinha sido concluído antes de sua morte em 1816; que foi publicado em 1820. O resto do conteúdo da Milão Codex (com a excepção dos livros apócrifos) foi publicado em Berlim, em 1835, por Middeldorpf, a partir da transcrição feito pelo Norberg; Middeldorpf também acrescentou o quarto livro (segundo) dos Reis a partir de uma MS. em Paris. Rørdam emitido Libri Judicum et Ruth secundum Versionemn Syriaco-Hexapalarem ex Codice Musei Britannici nunc porimum editi, Greec translati, Notisque illustrati (em dois fascículos, 1859, 1861, Copenhagen, 4to). Um estudioso competente assumiu a tarefa de editar o restante - Dr. Antonio Ceriani, de Milão. Em 1861 apareceu seu Monumenta Sacra et Projana ( Milão , tom. 1. fascic. 1), que contém, entre outros documentos antigos, a Hexaplar-sírio Baruch, Lamentações e da Epístola de Jeremias. No prefácio do editor aprendeu afirma a sua intenção de publicar, a partir das MS Ambrosiano. e outros, a versão inteira, até mesmo os livros impressos antes, de cuja execução imprecisa ele fala em termos justos. A segunda parte tem aparecido desde então. Além dessas partes desta versão Siríaca, a MSS. dos mosteiros Nitrian agora no Museu Britânico gostaria de acrescentar um bom negócio mais: entre eles há seis a partir do qual muito pode ser desenhado, de modo que parte do Pentateuco e outros livros podem ser recuperados. Estes MSS. são como que pelo Milan, em ter as marcas de Orígenes no texto, as referências a leituras na margem; e, ocasionalmente, a própria palavra grega é, portanto, citado em grego. O seguinte é a notação desses MSS, e seus conteúdos e datas.:

 

12.133 (Além da Peshito Exisdus), Joshua (defeituoso), Cesit. 7. "Traduzido a partir de um MS grego. Da Hexapla, confrontado com um dos Tetrapla." 12.134, Exodus. AD 697.

 

14.434, Salmos formado a partir de dois MSS cento. 8 (com a Canção dos três filhos subjoined para o segundo). Ambos MSS. estão com defeito. Subscrição, "Segundo a setembro" 14,437, Numbers e 1 Reis, com defeito (cento. 7 ou 8). A subscrição de 1 Reis diz, que foi traduzido para o siríaco em Alexandria no ano 927 (AD 616).

 

14.442, Genesis, com defeito (com 1 Samuel Peshito). "De acordo com o setembro" (cento. 6).

 

17.103, juízes e Ruth, com defeito (cento. 7 ou 8). Subscrição de juízes, "Segundo a setembro .;" a Ruth, "Desde o Tetrapla do setembro" Riordam emitido em Copenhaga, em 1859, a primeira porção de uma edição do MS. 17.103: uma outra parte já foi publicada. Alguns destes MSS. foram escritas 3 do mesmo século em que a versão foi feita. Eles podem provavelmente ser dependia como dando o texto com precisão geral.

 

  1. outros textos. - A lista de versões do teste Velha. para o siríaco, muitas vezes parece ser muito numerosos; mas uma análise verifica-se que muitas traduções, cujos nomes aparecem em um catálogo, são realmente quer, como nunca teve uma existência real, ou então que eles são a versão do hebraico ou então que a partir do texto Hexaplar do de setembro, sob nomes diferentes, ou com alguma ligeira revisão. Para enumerar as versões supostamente é desnecessária. É único requisito de mencionar que Thomas de Harkel, cujo trabalho na revisão da tradução do novo teste. terá de ser mencionado, também parece ter feito uma tradução do grego para o siríaco de alguns dos livros apócrifos, pelo menos, as assinaturas em alguns MSS. afirmar isso.

 

  1. As versões Siríaca Nova Testanment. - Estes podemos convenientemente enumerar menos de cinco cabeças, incluindo várias recensões sob alguns deles, mas tratar separadamente a notável "text curetoniano."

 

  1. O Peshito-sírio New Test. (Texto de Widmanstadt e Evangelhos de Cureton). -Em Tudo o que constitui o novo teste sírio. pode ter existido antes da hora de Philoxenus (início do século 6), que fez uma nova tradução a ser feita, será mais conveniente considerar todas essas traduções mais antigas ou revisões em conjunto; embora possa haver razões posteriormente atribuídos para não sobre a versão das eras anteriores do cristianismo como absolutamente um.

 

  1. Data. - Pode ficar como um fato admitido que uma versão do novo teste. em siríaco existiu no século 2; e para isso, pode referir-se a declaração de Eusébio respeitando Hegesipo, que ele "fez citações do Evangelho de acordo com os hebreus e siríaco," ἔκ τε τοῦ καθ Εβραίους εὐαγγελίου καὶ τοῦ Συριακοῦ (Hist. Ecl. 04:22) . Parece igualmente certo que, no século 4, tais aversão era como 'ell conhecido do novo teste. como do Velho. Foi o companheiro do Teste Velha.

 

tradução feita a partir do hebraico, e como tal estava em uso habitual nas igrejas Siríaco. Para a tradução em uso comum entre os sírios, ortodoxo, Monophysite ou Nestorian, a partir do século 5 e daí em diante, o nome do Peshito foi tão comumente aplicado no Novo Teste. como o Velho. No século 7, pelo menos, a versão tão atual adquiriu o nome de idade, em contraste com o que foi então formado e revisado pela Monophysites.

 

Embora não temos determinados dados quanto à origem desta versão, é provável em cada fundamento de que uma tradução siríaca do novo teste. Era um acompanhamento de que do Velho; qualquer que seja, portanto, tem, por um, carrega sobre a outra também.

 

  1. Histórico. - Parece haver, mas alguns avisos da antiga versão Siríaca nos primeiros escritores. Cosmas Indicopleustes, no primeiro semestre do século 6, aliás nos informa que a tradução siríaca não contém a Segunda Epístola de Pedro, 2 e 3 João, e Jude. Esta foi considerada correta, quando, mil anos depois, esta tradução antiga tornou-se mais uma vez conhecida, para os estudiosos ocidentais. Em 1552, Moses de Mardin veio a Roma para o Papa Júlio III, encomendado por Inácio, o Jacobite (Monophysite) patriarca, para declarar suas opiniões religiosas, para efeito (diz-se) uma união com a Igreja de Roma, e para obter o siríaco New Test. impresso. Neste último objeto Moisés falhou tanto em Roma e Veneza. Em Viena, ele foi, no entanto, bem-sucedida. Widmanstadt, o chanceler do imperador Fernando I, teve ele mesmo aprendeu siríaca de Teseu Ambrosius muitos anos antes; e através de sua influência o imperador empreendeu a carga de uma edição que apareceu em 1555, através dos trabalhos conjuntos de Widmanstadt, Moisés e Postell. Alguns exemplares foram depois emitida com a data de 1562 na parte de trás do título.

 

Em ter apenas três epístolas católicas, este novo teste sírio. concordou com a descrição do Cosmas; o Apocalipse foi também querendo, bem como a secção Joh 8: 1-11 ; esta última omissão, e alguns outros pontos, foram notados na lista de errata. Ele também quer algumas palavras em Mt 10: 8 ; Mt 27:35 ; dois versículos em Lucas 22 viz. 17, 18; e 1Jo 5: 7 , todos os que estão ausentes do siríaco MSS. Em 2Co 5; 2Co 8 tem no fermento de pureza, que é encontrado em fontes nestorianas sozinho; mas tem a leitura usual em Hb 2: 9 , não o Nestorian um χωρὶς θεοῦ. Os editores parecem ter seguido o seu MSS. com grande fidelidade, de modo que a edição é justamente valorizado. Em edições posteriores esforços foram feitos conjecturally alterar o texto através da introdução de 1Jo 5: 7 e outras porções que não pertencem a essa tradução. Uma das principais edições que é de Leusden e Schaaf; neste texto é feita, tanto quanto possível através do fornecimento de cada lacuna de qualquer fonte; na pontuação há uma particularidade estranha, que, na parte antiga Leusden escolheu seguir uma espécie de Chaldee analogia, enquanto que, por sua morte, Schaaf introduzido um sistema regular de siríaco vocalização por todo o resto do volume. O Lexicon que acompanha esta edição é de grande valor. Esta edição foi emitido pela primeira vez em 1708: mais cópias, no entanto, que a data 1709; enquanto alguns, ter a declaração falsa e desonesta na página de título ", Secinda editio amendis purgata", e a data de 1717. O falecido Prof. Lee publicou uma edição em 1816, no qual ele corrigido ou alterado o texto sobre a autoridade de um alguns MSS. Esta é medida independente da do Widmanstadt. É, no entanto, muito longe de ser realmente uma edição crítica. III 1892 a edição do Sr. William Greenfield (muitas vezes reimpresso a partir das placas de estereotipia), foi publicado pela; Srs Bagster.; se este o texto da Widmanstadt foi seguido (com as vogais totalmente expressos), e com certos suplementos dentro suportes de edição de Lee para o agrupamento com o texto de Lee Greenfield não era responsável. Existem hoje na Europa excelentes materiais para a formação de uma crítica: edição desta versão for, houwever,-se dizer que, como em sua primeira publicação do MSS. foram empregues honesta utilizado, é no texto de Widmanstadt numa condição muito melhor do que o teste é velho Peshito. A melhor léxico, que também serve para uma concordância, é de Schaaf (1709,4to). O Peshito foi traduzido para o Inglês por Eltherilge (1846, 1849, 2 vols 12mo.); e melhor por Murdock (em 1 vol. 8vo, NY 1851).

 

  1. Character. - Esta versão siríaco, foi várias estimativas; Alguns têm pensado que nela que bad um monumento genuínos e inalterados do segundo, ou talvez mesmo do primeiro século. Eles, assim, naturalmente manteve-o como quase coordenada em posição de autoridade com o texto grego, e como sendo de um período anterior a qualquer cópia grega existente. Outros, encontrando nela marcas indubitáveis ​​de uma idade mais tarde, estavam inclinados a negar que tivesse qualquer pretensão de uma antiguidade muito remota. Assim La Croze pensou que o siríaco New Test comumente impressa. não é Peshito em tudo, mas o Philoxenian executada no início do século 6. O fato é que esta versão como a nós transmitida contém marcas de antiguidade e também vestígios de uma época posterior. As duas coisas são tão misturadas que, se uma ou outra classe de fenômenos só foram consideradas, as opiniões mais opostas pode ser formado. O parecer da Wettstein foi um dos mais perverso que poderia ser imaginado; ele encontrou nesta versão leituras que concordam com o latim; e, em seguida, agindo sobre o estranho sistema de crítica que ele adotou em seus últimos anos, ele afirmou que qualquer acordo com o latim era uma prova de corrupção a partir dessa versão, de modo que com ele as provas da antiguidade tornaram-se os sinais de origem mais tarde e ele, assim, atribuído a tradução ao século 7o. Com ele as verdadeiras indicações de leituras posteriores foram apenas as marcas do próprio reverso. Michaelis levou terreno muito oposta à de Wettstein; ele manteve a sua antiguidade e autoridade muito árdua. O antigo ponto pode ser facilmente comprovado, se uma classe de leituras sozinho: foram consideradas; e isto é confirmado pelos conteúdos do próprio versão. Mas, por outro lado, existem dificuldades, pois muitas vezes leituras de um tipo muito mais recentes parecem; -se, assim, pensou que pode ser comparado, com o Latina como encontrado no Codex Brixianus, em que existe uma base antiga, mas também o trabalho de um revisor é manifesto. Assim, o julgamento formado por Griesbach parece ser certamente a uma correcta quanto à particularidade do texto desta versão. Ele diz (usando os termos apropriados para o seu sistema de recensões): Nulli harum recensionum Syriaca versio, Prout quidem Typis excusa est, similis, verum necc ulli prorsus dissimilis est Em multis concinit cum A1exaldrina:. Recensione, em pluribus cum Occidentali, em nonnullis etiam cum Constantinopolitana, ita tamen ut quee em hanc posterioribus demum seculis invecta sunt, repudiet plerique. diversis ergo temnporibus ad Graecos códices avião Diversos iterum iterumque Recognita Esse videtur "(Test novembro Proleg. 75). em uma nota Griesbach introduziu a comparação do Codex Brixianus, "Illustrari hoc potest codicum nonnullorum Latinorum Exemplo, qui priscam quidem versionem ad Occidentalem recensionem accommodatam representant, passim sed ad juniores libros Grsecos refictam. Ex hoc genere. est Brixianus Codex Latinus, quimmon Raro um greco-Latinis et vetustioribus Latinis omnibus solus discedit, et in Graecorum contraditório trânsito ". Alguns prova de que o texto do Peshito impresso comum tem sido re-feito aparecerá quando ele é comparado com o curetoniano siríaco Evangelhos.

 

  1. Recensões menor. - Se toda a esta versão procedeu do mesmo tradutor tem sido questionada. Não só pode Michaelis estar certo em supor um tradutor peculiar da Epístola aos Hebreus, mas também outras peças podem ser de diferentes mãos; esta opinião vai se tornar mais geral, quanto mais a versão é estudado. As revisões a que a versão foi submetido podem ter conseguido, em parte, mas não totalmente, em obliterar as indicações de uma pluralidade de tradutores. Os Atos e Epístolas parecem ser mais recente do que os Evangelhos, embora muito menos revista; ou então, se coeva, muito mais corrigida pela tarde grego MSS.

 

Não há razão suficiente para supor que esta versão já continha as quatro epístolas católicas e do Apocalipse, agora ausente dele, não só nas edições impressas, mas também no MSS.

 

Algumas variações de cópias do Peshito foram considerados como se pudessem ser denominado monofisista e recensões nestorianas; mas a designação seria muito definida, para as diferenças não são suficientes para justificar a classificação.

 

O MSS. do Karkaphensian recensão (como tem sido denominado) do teste Peshito velho. contêm também o novo com um personagem semelhante de texto.

 

  1. Os curetoniano siríaco Evangelhos. - Este , embora, na realidade, mas uma variedade de Peshito, tais exposições marcado peculiaridades que pode quase ser chamado de uma versão diferente.

 

  1. História, data e conteúdo. - Entre os manuscritos. trouxe dos mosteiros Nitrian em 1842, Dr. Cureton notado uma cópia dos Evangelhos diferentes enormemente a partir do texto comum, e esta é a forma de texto ao qual o nome de "curetoniano sírio" tem sido corretamente aplicada. Cada critério, o que comprova a Peshito comum não exibem um texto de extrema antiguidade, igualmente comprova a origem precoce desta. A descoberta está no fato de que do objeto, que estava sendo procurado, a falta de que tinha sido previamente determinados. Dr. Cureton considera que os MS. dos Evangelhos é do século V, um ponto em que todos os juízes competentes são, provavelmente, concordou. Algumas pessoas, de fato, têm procurado desvalorizar o texto, apontar suas diferenças em relação ao Peshito, considerar todas as variações tais como corrupções e, portanto, para estigmatizar o curetoniano sírio como uma revisão corrupto do Peshito, bárbara na linguagem e falsa em leituras . Este julgamento peremptório é tão razoável como se o velho latim no Codex Vercellensis foram chamados a uma revisão ignorante da versão do Jerome. O acórdão que a curetoniano siríaco é mais velho que o Peshito não é a opinião peculiar de Cureton, Alford, Tregelles, ou estudiosos da Bíblia da escola de provas antiga neste país, mas também é a de estudiosos continental, tais como Ewald, e aparentemente do falecido Prof. Bleek.

 

O MS. contém Mt 1: 8 , 22 ; Mt 10: 23-31 , 25 , Mark, os quatro últimos apenas versos; Jo 1: 1-42 ; João 3: 6-7 , 36 ; João 14: 11-29 ; Lu 2 : 48 ; Lu 03:16 ; Lu 07:33 ; Lu 15:21 ; Lu 17:24 , 37 . Teria sido uma coisa de muito valor se uma cópia perfeita de esta versão tinha chegado até nós; mas como é, temos razão bastante para valorizar a descoberta do Dr. Cureton, que mostra como realmente esses críticos têm argumentado que concluiu que essa versão deve ter existido, e que considerava isso como um fato comprovado, mesmo quando não só não parte da versão era conhecido por ser existentes, mas também quando até mesmo o registro de sua existência foi despercebido. Porque há um registro que mostra um conhecido com esta versão, a qual, bem como para a própria versão, a atenção tem sido dirigida pelo Dr. Cureton. Bar-Salibi, bispo de Amida no século 12, em uma passagem traduzido por Dr. C. (em discutir a omissão de três reis na genealogia em Mateus), diz: "Não é encontrado, ocasionalmente, uma cópia sírio, feita de hebraico, que insere estes três reis na genealogia, mas depois fala de quatorze e não da dezessete gerações, porque catorze gerações foi substituído por dezessete anos pelos hebreus por conta de sua participação para o número septenary ", etc. Este" mostra que Bar-Salibi sabia de um texto siríaco dos Evangelhos em que Acazias, Joás e Amazias foram inseridos em Mt 1: 8 ; existe a mesma leitura no curetoniano siríaco, mas isso pode ter sido uma coincidência. Mas, na ver. 17 do texto curetoniano tem, em contradição com a Ver. 8, quatorze gerações e não dezessete anos; e por isso teve a cópia mencionada por Bar-Salibi: o primeiro ponto pode ser mera coincidência; o último, no entanto, mostra um tal tipo de união em contradição, como comprova a identidade de maneira muito convincente. Assim, embora esta versão era desconhecido na Europa antes da sua descoberta por Dr. Cureton, deve, no século 12 têm sido conhecidos como um texto encontrado às vezes; e, como mencionado pela Monophysite bispo, pode ser mais em uso entre seus correligionários que entre outros. Talvez, como a sua existência e utilização é, portanto, registrada no século 12, alguns ainda mais descoberta do siríaco MSS. pode fornecer-nos com uma outra cópia de modo a fornecer os defeitos de um felizmente recuperado.

 

  1. Relação com o Peshito e textos mais antigos. - Ao examinar o texto curetoniano com o Peshito impressa comum, que muitas vezes encontrar essa identidade da frase e tornando a mostrar que eles não são traduções totalmente independentes; em seguida, mais uma vez, nos deparamos com tal variedade nas formas de palavras, etc., como parece indicar que na Peshito a fraseologia tinha sido revisto e refinado. Mas a grande diferença (pode-se dizer característica) entre o curetoniano e os evangelhos Peshito está em suas leituras; por enquanto o último não pode em seu estado atual ser considerada uma produção inalterada do século 2, os ex-carrega todas as marcas de extrema antiguidade, embora em lugares que podem ter sofrido a partir da introdução da corrente de leituras em tempos muito antigos.

 

O seguinte são alguns dos muitos casos em que o antigo leitura é encontrado na curetoniano, e mais tarde a leitura ou de transição na Peshito. Para as autoridades gerais sobre o tema de cada passagem, deve ser feita referência às notas em edições críticas do novo teste grego.

 

Mt 19:17 , τί με ἐρωτᾶ '/ ς περὶ τοῦ ἀγαθοῦ; a antiga leitura, como encontramos nas melhores autoridades, e como sabemos a partir de Orígenes; de modo que o Curetonlian: τί με λέγεις ἀγαθόν; o texto comum com a Peshito. Mt 20:22 , a cláusula do texto comum, καὶ τὸ βάπτισμα ὃ ἐγὼ βαπτιζομαι (ea parte correspondente da seguinte verso), estão no Peshito; enquanto nós sabemos de Orígenes que eles estavam em seu dia uma peculiaridade do Mark. Omitido na curetoniano com os outros melhores autoridades. Na verdade, exceto a Peshito e algumas cópias latino-revistas, não há nenhuma evidência existente para estas palavras antes do século 5. Mt 5: 4-5 : aqui a antiga ordem das bem-aventuranças, apoiado por Orígenes, Tertuliano, o cânones de Eusébio, e Hilary, é a de colocar μακάριοι οἱ πραεῖς, κ.τ.λ., antes μακάριοι οἱ πενθοῦντες, κ.τ.λ .; aqui o curetoniano concorda com. as distintas testemunhos para esse fim contra o Peshito. Em 1:18, sabemos da Irensens que o nome "Jesus" não foi lido; e isso é confirmado pela curetoniano: no fiat, a leitura comum, no entanto amplamente apoiada, não poderia ter se originado até Ιησοῦς χριστὸς foi tratado como um nome próprio combinado, caso contrário, o significado de τοῦ δὲ Ιησοῦ χριστοῦ ἡ γένεσις não iria ser "o nascimento de Jesus Cristo", mas "o nascimento de Jesus como o Cristo." Aqui a leitura curetoniano está em plena conformidade com o que sabemos do século 2 em oposição ao Peshito. Dentro. 6: 4 a curetoniano omite αὐτός; Ver na mesma. e no ver. 6 omite ἐν τῷ φανερῷ:., Em cada caso com as melhores autoridades, mas contra a Peshito Mt 05:44 foi amplificado por copistas de uma maneira extraordinária; as palavras entre parêntesis mostram as amplificações, e o lugar a partir do qual cada um foi tomada: ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν. Αγαπᾶτε τοὺς ἐχθροὺς ὑμῶν εὐλογεῖτε τοὺς καταρωμένους ὑμᾶς, Lu 6: 2S; καλῶς ποιειτε τοὺς μισοῦντας ὑμᾶς, ver. 27], καὶ προσεύχεσθε ὑπὲρ τῶν ἐπηρεαζότων ὑμᾶς καὶ, ver. 35] διωκόντων ὑμᾶς. A forma mais breve é atestada por Irenseus, Clemente, Orígenes, Cipriano, Eusébio, etc .; e embora as palavras e cláusulas inseridas são encontrados em quase todos os MSS gregos. (exceto Códices Vaticanus e Sinaiticus), e em muitas versões, incluindo a Peshito, eles não estão no curetoniano sírio. É um tipo semelhante são Mt 18:35 , τὰ παραπτώματα αὐτῶν: Lu 08:54 , ἐκβαλῶν ἔξω πάντας καὶ: 9 : 7, ὑπ αὐτοῦ; Ver. 54, ὡς καὶ Ηλίας ἐποίησεν: Xi, 2, γενηθήτω τὸ θέλημά σου ὡς ἐν οὐρανῷ καὶ ἐπὶ τῆς γῆς : ver. 29, τοῦπροφήτου: ver. 44, γραμματεῖς καὶ φαρισαῖοι ὑποκριταί: Joh 4:43 , καὶ ἀπῆλθεν: 5, 16, καὶ ἐζήτουν αὐτὸν ἀποκτεῖναι: 06:51, ἣν ἐγὼ δώσω: ver. 69, τοῦ ζῶντος.

 

Por outro lado, o curetoniano muitas vezes altera o texto para o pior, como nos exemplos a seguir:

 

Em Lucas 24, versículo quadragésimo é omitido, ao contrário da Peshito e os mais antigos MSS uncial. A, B, א. Em Mt 22:35 , λέγων καὶ é lido pelo curetoniano; mas está ausente de Peshito, que é suportado por B e א. Em 7:22, as palavras "não temos nós comido e bebido em teu nome?" São inseridos sem quaisquer MS. autoridade, aparentemente de Lu 13:26 . Em 11:23, em vez de o texto grego de costume, ele tem " tu não serás elevada até o céu, mas"; ao contrário de toda autoridade e trair ao mesmo tempo um original grego com μή. Em 21: 9, ele é adicionado ao fim ", e muitos saíram-lhe ao encontro, e foram regozijando e louvando a Deus a respeito de tudo aquilo que comemos", palavras totalmente não autorizadas. Em ver. 23, διδάσκοντι é omitida sem autoridade. Em 23:18, a partir ε¨ν ὃς para ἐστιν também são deixados de fora, a evidência extelrnal to.all contrário. Em Lu 08:16 , é a adição não autorizada "expôs outra parábola". Em 11:29, "senão o sinal do profeta Jonas" é omitido, ao contrário do MSS. Lu 20:12 é omitido, sem autoridade. Em 22: ver. 20 está querendo, e ver. 19 é colocado antes de ver. 17; διδόμενον também está ausente no ver. 19, sem autoridade. Em João 5; Joh 8, temos a adição "ir embora para tua casa." Assim, também, em ver. 9 ", e ele tomou o seu leito" é omitido. Em 06:20, μὴ φοβεῖσθε são deixados de fora, contra a MS. autoridade.

 

A seguir, são pontos de comparação com o início de MSS observou. É muitas vezes concorda com B, C, D, ea versão latina de idade antes de ser corrigido por Jerome, especialmente a sua MSS. uma. b, c; com D, acima de tudo. Muito raramente ele coincidir com uma só. Assim, Mt 19: 9 as palavras καὶ ὁ ἀπολελυμένην γαμήσας, μοιχᾶται são omitidos, como em D, a, b, e, se; e para ver. 28.a longa passagem é adicionado que é apenas em D, a, b, c, d. Omite 16: 2, 3, com B e outros dois uncial MSS .; embora a idade Itálico tem-los, bem como D. Em 13:55, tem Joseph com B, C, o antigo Itálico, Vulgata, e outras autoridades.

 

  1. hebraico original de Mateus. - Não é necessário para muito grande atenção a ser pago para a fraseologia do curetoniano siríaca, a fim de ver que o Evangelho de Mateus difere no modo de expressão e de vários outros elementos do que encontramos no resto. Isso pode levar-nos novamente a olhar para o testemunho de Bar-Salibi; ele nos diz quando se fala desta versão de Mateus, não é encontrado, ocasionalmente, uma cópia sírio feito fora do hebraico; Sabemos, assim, que a opinião dos próprios sírios no século 12 foi que esta tradução de Mateus não foi feita a partir do grego , mas a partir do original hebraico do evangelista: como, também, é o julgamento do Dr. Cureton: "este Evangelho de Mateus aparece, pelo menos, a ser construída sobre o texto original aramaico, que era o trabalho de o próprio apóstolo ( Prefácio siríaco Evangelhos, p. 6).

 

Sabemos por Jerome que o Mateus hebraico tinha מחר onde o grego tem ἐπιούσιον . Nós não encontramos essa palavra aqui, mas lemos tanto para ἐπιούσιον e σήμερον no final do verso, " constante do dia." Isso pode ter surgido a partir da interpretação ", amanhã pela manhã seguinte," dada a מחר; e pode ser ilustrada pelo Teste velho. passagens, por exemplo, Nu 4: 7 . Aqueles que pensam que, se esta versão siríaca tinha sido feita a partir de hebraico de Mateus devemos encontrar מחר aqui esquecer que uma tradução não é um transfusão verbal.

 

Sabemos a partir de Eusébio que Hegesipo citada do Evangelho segundo os Hebreus, e a partir do siríaco. Agora, em um fragmento de Hegesippus (Routh, 1, 219), há a cotação, μακάριοι οἱ ὀφθαλμοὶ ὑμῶν οἱ βλεπόντες καὶ τὰ ωτα ὑμῶν τὰ ἀκούοντα , palavras que pode ser uma tradução grega de Mt 13:16 , tal como está neste siríaco evangelho como o temos, ou provavelmente também no trabalho hebraica de o próprio apóstolo.

 

A partir destes e de outros dados, Dr. Cureton conclui que nesta versão Evangelho de Mateus foi traduzido de Hebraico (siro-Chaldaic) original do apóstolo, embora feridos desde por copistas ou revisores. A mesma opinião é mantido pelo abbé Lehir (Etude, etc. [Par 1859.]); mas é vigorosamente rejeitada por Ewald (Jahrb. d. bibl. Wissenschaft, vol. 9) e muitos críticos posteriores.

 

  1. O Philoxenian siríaco Versão, e sua revisão por Thomas de Harkel. - Philoxenus , ou Xenaias, bispo de Hierapolis ou Mabug no início do século 6 (que era um daqueles Monofisitas que subscreveram a Henoticon do imperador Zeno), causada Policarpo, seu chorepiscopus, para fazer uma nova tradução do Novo Teste . para o siríaco. Este foi executado em AD 508, e é geralmente denominado. Philoxenian a partir do seu promotor. Em uma passagem Bar-Hebrseus diz que ela foi feita no tempo de Philoxenus; em sua Chroniecon que foi feito por seu desejo; e em outro lugar do mesmo - trabalho que ele- foi a sua própria produção. Moses Aghelaeus (Assemani, Biblioth. Oriental. 2, 83) afirma que seu autor era Policarpo, bispo rural de Philoxenus. Em um MS árabe., Citado pela Assemani (ibid. 2, 23), Philoxenus é dito por um autor Jacobite ter traduzido os quatro Evangelhos em siríaco.

 

  1. História. - Esta versão não foi transmitida a nós na forma em que foi feita pela primeira vez; que só possuem uma revisão da mesma, executados por Thomas de Harkel no século seguinte ( Os Evangelhos, AD 616). Pococke, em 1630, dá um extrato de Bar-Salibi, em que a versão do Thomas de Harkel é mencionado; e, embora Pococke não sabia o que versão Thomas tinha feito, ele fala de um sírio tradução do Evangelho que lhe é comunicado por alguns aprendeu homem que ele não nomeia, que, desde a sua adesão servil ao grego, foi, sem dúvida, o texto Harklean . Na Bibliotheca Orientalis de Assemani houve mais avisos da obra de Thomas; e em 1730 Samuel Palmer enviado do antigo Amida (agora Diarbekir) siríaco MSS. Gloucester com o Dr. Ridley, no qual a versão está contido. Assim, ele tinha duas cópias dos Evangelhos, e um de todo o resto do Novo. Teste., Exceto o final da Epístola aos Hebreus e do Apocalipse. Nenhum outro MSS. parecem ter ainda vir a luz que contém qualquer desta versão além dos Evangelhos. A partir das assinaturas aprendemos que o texto foi revisto por Thomas com três (algumas cópias dizer dois grego MSS. Uma cópia grego é igualmente mencionados no final das epístolas católicas.

 

Ridley publicou em 1761 uma conta do MSS. em sua posse, e um aviso de esta versão. Ele tinha a intenção de editar o texto; esta foi, no entanto, feito por White, em diferentes épocas de 1778 a 1803. Após a publicação dos Evangelhos, as pesquisas de Adler trouxe mais cópias em aviso de que parte do texto Harklean. De um dos MSS. no Vaticano, o Evangelho de João foi editada por Bernstein em 1851. Note-se que esta versão difere da Peshito em contendo todos os sete epístolas católicas.

 

  1. Caracteres. - Ao descrever esta versão, uma vez que chegou até nós, o texto é a primeira coisa a ser considerada. Esta é caracterizada por extrema literalidade o idioma siríaco é constantemente dobrada para atender o grego, e tudo está de alguma maneira expressa na frase grega e da ordem. É difícil imaginar que ele poderia ter sido destinado à leitura eclesiástica. Não é independente da Peshito, as palavras, etc, dos quais são muitas vezes empregados. Quanto ao tipo de texto grego que representa, ele é apenas o que se poderia esperar, no século 6. O trabalho de Thomas no texto em si é visto na introdução de obeli, pelo qual passagens que ele rejeitou foram condenados; e de asteriscos, com o qual suas inserções foram distinguidos. Seu modelo em tudo isso foi o texto Hexaplar grego. O MSS. os quais foram utilizados por Thomas eram de um tipo diferente daqueles empregado na fabricação do versão; eles representavam, em geral, um texto muito mais antigo e mais puro. A margem da recensão Harklean contém (como o texto Hexaplar do setembro) leituras em sua maioria, aparentemente, a partir do MSS grego. usava. Foi questionado se essas leituras não são uma comparação com o Peshito; se algum deles são assim, eles foram provavelmente introduzidos desde a época de Thomas. É provável que a versão Philoxenian era muito literal, mas que a adaptação servil para o grego é o trabalho de Thomas; e que o seu texto , assim, deu à luz sobre a mesma relação com a de Philoxenus como a Bíblia latina de Arias Montano faz à de seu predecessor Pagninus. Para a crítica textual esta versão é uma boa autoridade, do texto do seu próprio tempo, pelo menos, onde não se limita a seguir o Peshito. As amplificações na margem do livro de Atos trazer uma MS. usado por Thomas em estreita comparação com o Codex Beze. Um dos MSS. dos Evangelhos enviado para Ridley contém o texto Harklean, com alguma revisão por Bar-Salibi.

 

As leituras marginais são provavelmente a parte mais valiosa da versão em uma visão crítica. Um dos MSS gregos. comparados por Thomas tinha afinidade considerável para D nos Evangelhos e Actos. De 180 leituras marginais, cerca de 130 são encontrados em B, C, D, L, 1, 33, 69, etc. Com D sozinha de MSS. harmoniza dezenove vezes nos Evangelhos; com D e B sete vezes. Com o Alexandrino, ou A, sozinho, ele concorda duas vezes, mas com ele e outros, D, L, oito vezes. Com o Vaticano, ou B, sozinho, ele harmoniza duas vezes, mas com ele e outras quatro vezes (veja Adler, p. 130, 131).

 

  1. versões Siríaca de porções querendo nos Peshito. -

 

(I.) A Segunda Epístola de Pedro, Segunda e Terceira de João, e o de Jude. - O fato já foi notado que a antiga versão Siríaca não continha estas epístolas. Eles foram publicados pela Pococke 2, 1630 a partir de um MS. na Bodleian. A versão destas epístolas tantas vezes concorda com o que temos na recensão Harklean que a um é pelo menos dependente do outro. A sugestão do Dr. David filho (Crítica bíblica, 2, 196) que o texto do Pococke é a de Philoxenus antes de ter sido revisto por Thomas parece mais provável. Mas, se é que opôs a tradução não mostra como um grande conhecimento do grego, como se poderia esperar na tradução do resto do Philoxenian, deve ser lembrado que aqui ele não tinha o Peshito para ajudá-lo. No Paris Poliglota estas epístolas foram adicionados à Peshito, com o qual eles já foram comumente impresso, embora eles não têm a menor relação com essa versão.

 

(II). O Apocalipse. - Em 1627, De Dieu editada uma versão Siríaca do Apocalipse de uma MS. na biblioteca de Leyden, escrito por um "Caspar da terra do: os índios," que viviam na última parte do século 16. A MS. em Florença, também escrito por este Caspar, tem uma subscrição afirmando que ele foi copiado em 1582 a partir de um MS. na escrita de Thomas de Harkel em 622. Se isto estiver correto, isso mostra que Thomas pelo próprio teria sido apenas um pobre tradutor do novo teste. Mas a assinatura parece ser de autoridade duvidosa; e, até o Rev. B. Harris Cowper chamou a atenção para uma cópia mais antiga da versão, que poderia muito bem ser um pouco incerto se isso fosse realmente uma obra antiga. É de pequeno valor crítico, e as MS. a partir do qual foi editado está escrito incorretamente. Foi no MS. qual os SPA. Usher enviado como um presente para De Dieu em 1631, em que o conjunto do novo teste sírio. é dito ter sido contida (de qual versão é desconhecida), que, tendo sido as únicas MS completos. do tipo descrito; e desta MS., em comparação com o texto do Apocalipse impresso por De Dieu, Usher diz: "o sírio recentemente estabelecido em Leyden pode ser alterado por minhas MS. copiar" (Todd, Walton, 1, 196, nota) . Este livro, da Paris Poliglota e daí em diante, foi adicionado ao Peshito nesta tradução.

 

Alguns têm erroneamente chamado este sírio Apocalypse a Philoxenian, um nome ao qual ele não tem título: o erro parece ter originado de um erro verbal em uma propaganda velha da edição de Greenfield (para o qual ele não era responsável), que disse que "o apocalipse e as Epístolas não encontrados no Peshito são dadas a partir da versão Philoxenian. "

 

(III). A versão Siríaca de Joh 8: 1-11 . - Dos MS. enviado pela ABP. Usher para De Dieu, este último publicado nesta seção em 1631. A partir De Dieu foi inserido na Polyglot Londres, com uma referência a MS de Usher., E, portanto, ele passou com as outras edições do Peshito, onde é um mero interpolação.

 

Uma cópia da mesma versão (essencialmente) é encontrada em de Ridley Codex Basrsalibcei, onde é atribuída a Maras, 622; Adler encontrado também em um MS Paris. Abbas, atribuída a Paul Mar.

 

Bar-Salibi cita uma versão diferente, fora de Maras, bispo de Amida, através da crónica de Zacharias de Melitina. Veja Assemani (Biblioth. Orient. 2, 53 e 170), que dá as palavras introdutórias. Provavelmente a versão editada é a de Paul (como indicado na Paris MS.), E que de Maras o referido, por Bar-Salibi; enquanto no MS de Ridley. os dois são confundidos. O Paul mencionado é, aparentemente, Paulo de Tela, o tradutor do texto Hexaplar grego para o siríaco.

 

  1. The Jerusalem sírio Lecionário. - As MS. no Vaticano contendo esta versão foi consideravelmente totalmente descrito por SE Assemani em 1756 no catálogo da MSS. pertencente a essa biblioteca; mas tão poucas cópias desse trabalho escapou da destruição pelo fogo que era praticamente inédita e seu conteúdo quase: desconhecido. Adler, que, em Copenhague, tinha a vantagem de estudar um dos poucos exemplares deste catálogo, chamou a atenção do público, a este documento peculiar em sua Kurze Uebersichit seineer biblisch- kritischen Reise nach Rom (Altona, 1783), p. 118-127, e, ainda mais, em 1789, em seu exame valioso das versões Siríaca. O. SENHORA. foi escrito em 1031 por escrito sírio peculiar; As porções são, naturalmente, os dos diferentes festivais, algumas partes dos Evangelhos não estar lá em tudo. O dialeto não é siríaco comum; foi chamado de Jerusalém sírio desde que seja suposto para se parecer com o Jerusalem Talmud em linguagem e outros pontos. A gramática é peculiar; as formas quase Caldeu em vez de siríaco; dois personagens são usados ​​para expressar PH e P.

 

Na opinião de Adler sua data como uma versão seria a partir do 4º ao 6º século; mas dificilmente pode-se supor que se trata de uma idade tão precoce, ou que quaisquer sírios, em seguida, poderia ter usado tão corrupto um dialeto. Pode sim ser suposto ser uma tradução feita a partir de um lectionary grega, nunca tendo existido como tradução substantivo. Para que idade a sua execução deve ser atribuído parece totalmente incerto. Uma outra consideração da MS. desta versão, elaborada a partir de uma comparação entre a descrição de Assemani no catálogo do Vaticano, e que de Adler, com o MS. -se na Biblioteca do Vaticano, é dada em Horne Introd. 4: 284-L287. A única passagem completa publicada até recentemente foi devido à Adler-viz. Mt 27: 3-32 ; e estudiosos só poderia repetir ou trabalhar em cima do que ele deu. Mas a versão foi publicada inteira por Minischalchi Erizzo (Verona, 1861, 1864, 2 vols 4to;. A primeira contendo o texto, com uma tradução para o latim, o segundo, prolegomena e um glossário). Editores críticos do Novo Testamento grego não pode agora ignorar este documento muito valioso, cujas leituras são tão importantes. Ele contém as seguintes partes dos Evangelhos: todos os Matthew exceto 03:12; 5: 34-41; 6: 25-34; 7: 19-23; 8: 14-19; 10: 9-15, 23-31, 34-36; 11: 16-26; 12: 1-29, 38-50; 13: 1-43, 55-58; 14: 1-13: 35, 36; 15: 1-20, 29-31; 1

6:12, 20-28; 17:20, 27; 18: 5-9, 11:21, 22; 19: 1, 2, 13-15; 20: 17-28; 21: 44-46; 26: 40-43; todos Mark exceto 1: 12-34, 45; 02:13, 18-22; 3: 6-35; 4: 5, 1-23, 35-43; 6: 6-13, 31-56; 7: 1-23; 8: 1-26, 32, 33; 9: 1-15,31,41-50; 10: 1-31,46-52; 11: 1-21, 26-33; 00:12; 13; 14; 15: 1- 15, 33-42; tudo Luke exceto 1: 69-75, 77-79; 3: 23-38; 4: 1-15, 37-44; 5: 12- 16, 33-39; 6: 11-16, 24-30, 37-49; 7:17, 18, ​​30-35 - ou seja, 22-25, 40; 9: 7- 21, 45-56; 10: 13-15, 22-24; 11: 1-26, 34-54 ;. 12: 1, 13-15, 22-31, 41-59; 13: 1-10, 30-35; 14: 12-15, 25-35; 15: 1-10; 16: 1-9, 16-18; 17: 1, 2, 20-37; 18: 1, 15-17, 28-34; 19: 11-48; 20: 9-44; 21: 5-7, 20-24, 37, 38; 22:40, 41, 46-71; 23: 1-31, 50-56; Todos John excepto 2: 23-25; 3: 34-36; 4: 1-4, 43-45; 6: 34,45, 46, 71; 7: 30-36; 11:46, 55-57; 13: 18-30; 19: 21-24.

 

Quanto às leituras, parece-nos que eles são, como caracterizou os séculos 5º e 6º. O texto não é a de א, B, Z, ou até D, mas sim que de A e C. Em Mateus 6: tem a doxologia da Oração do Senhor, que não está em א, B, D, Z; ele tem Joh 7: 8-53 , 11 ; contém Joh 5; Joh 3; Joh 4; tem a ordem habitual dos quarto e quinto versículos de Mateus 5; e tem a forma alargada depois de ver. 44 Além disso, contém os últimos doze versos de Marcos 16: ao contrário do Aleph e B; tem υιος, não θεός, em Joh 1; João 18; e em Mt 22:35 tem a λέγων depois καὶ leitura, omitido em B, L, e o Peshito. Ele também tem δώδεκα οἱ em Lu 22:14 , com A, C, E, etc., mas ao contrário do Aleph, B, D. o curetoniano siríaco, e itálico. Em João 1:27 tem as palavras ἐμπροσθέν μου γέγονεν, ao contrário do Aleph, B, L, and4 o curetoniano sírio; mas com A, E, F, etc., o antigo Itálico, Vulgata, e Peshito. Em Mt 19:17 , tem o velho e genuíno τί με ἐρωτᾶ '/ ς περὶ τοῦ ἀγαθοῦ, em João 03:15 , μὴ ἀπόληται ἀλλά são omitidos com א eo curetoniano sírio, E, etc. No geral, embora seja fácil para ver uma série de leituras mais antigas do texto, tais como aqueles em א, B, a velha Itálico, D, etc., mas as leituras de um período posterior prevalecer. Seu texto, embora muitas vezes diferente da Peshito, não é nem mais velho nem melhor. (fonte Notas Enciclopedia Strong.).

fontewww.mauricioberwaldofiicial.blogspot.com