Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Apologética e os apócrifos (2)
Apologética e os apócrifos (2)

                                                             APOCRIFOS 

 

 (Ἀπόκρυφα, sc. Βιβλία, oculto, misterioso), um termo em teologia, aplicado em vários sentidos para denotar certos livros que reivindicam um caráter sagrado. A palavra ocorre no N.T. no seu sentido comum (Marcos 4:22). Pode ser encontrada em primeiro lugar, como denotando uma certa classe de livros, em Clemente de Alexandria (Stromata, 13, c. 4, ἐκ τινὸς ἀποκρύφων).

  1. Definição e Aplicação do Termo. - O significado primário de ἀποκρυφος ", escondido, secreto" (em que sentido ele é usado em helenístico, bem como grego clássico, ver Siraque 23:19; Lucas 08:17; Colossenses 2:13), parece, para o fim de 2d século, ter sido associado com a significação "espúrias", e, finalmente, para se estabeleceram para o último. Tertuliano e Clemente de Alexandria (de Anim c 2..) (Strom 1, 19, 69;. 3, 4, 29) aplicá-la aos livros falsos ou espúrias que os hereges de seu tempo circulavam como autoritário. A primeira passagem a partir do referido Estromas, no entanto, pode ser tomado como um exemplo da fase de transição das palavras. Os seguidores de Prodicus, um professor gnóstico, se diz lá para se gabar de que eles têm βίβλους ἀποκρύφους de Zoroastro. Em Atanásio (Ep Fest 2, 38;.. Sinopse Sac Scrip 2, 154, ed Colon 1686....), Agostinho (Faust 11, 2;.. Civ Dei, 15, 23)., Jerome (Ep anúncio Latam e, em Prol. Gal.) a palavra é usada de maneira uniforme com o mau sentido que se tornou ligado a ele. Os escritores da época, no entanto, não parecem ter visto claramente como a palavra tinha adquirido nesse sentido secundário; e, portanto, encontramos explicações conjunturais de sua etimologia. A observação de Atanásio (Synops. S. Scr. 1. c.) De que tais livros são ἀποκρυφῆς μᾶλλον ἤ ἀναγνώσεως ἄξια provavelmente se entende mais como uma peça de teatro sobre a palavra de como dar a sua derivação. Conjecturas posteriores são (1), que dado pelos tradutores da Bíblia em Inglês (ed. 1539, Pref. De Apocr.), "Porque eles estavam acostumados a ser lido não abertamente e em comum, mas como que em segredo e além ; " Ἀπὸ (2), um, que descansa em um mal-entendido sobre o significado de uma passagem em Epifânio (ac Pond. C de Mens.. 4) que os livros em questão foram assim chamados porque, não sendo no cânon judaico, eles foram excluídos τῆς κρυπτῆς da arca em que as verdadeiras Escrituras foram preservadas; (3), que a palavra ἀπόκρυφα respostas para os hebreus גְּניּזַים, libri absconditi, pelo qual os judeus mais tarde designada aqueles livros que, como de autoridade duvidosa ou não tendendo a edificação, não foram lidos publicamente nas sinagogas; (4), que se origina no κρυπτά ou livros secretos dos mistérios gregos. Destes, pode ser o suficiente para dizer, que (1) é, no que respeita alguns dos livros agora com o nome em desacordo com o fato; que (2), como já foi dito, repousa sobre um erro; que (3) quer o apoio de evidência direta do uso de ἀπόκρυφα como a tradução para a palavra hebraica; e que (4). embora se aproxima ao que é, provavelmente, a verdadeira história; da palavra, é até agora apenas uma conjectura.

Nos primeiros séculos da Igreja cristã, este termo era frequentemente usado para designar livros de um autor incerto ou anônimo, ou de alguém que tinha escrito sob um nome falso. Sua aplicação, no entanto, nesse sentido está longe de ser distinta, como, a rigor, seria incluir livros canônicos cujos autores foram desconhecido ou incerto, ou mesmo pseudepigraphal. Orígenes, em Mateus 22: 1-46, tinha aplicado o termo apócrifo de forma semelhante: "Esta passagem é para ser encontrado em nenhum livro canônico" (regulari, pois temos o trabalho de Orígenes apenas na tradução para o latim por Rufino), " mas no livro apócrifo de Elias "(Secretis Elioe). E "," Isto é simples, que muitos exemplos foram apresentados pelos apóstolos e evangelistas, e inserido no Novo Testamento, o que nós não lemos nas Escrituras canônicas que possuímos, mas que são encontrados no Apocrypha "(Orígenes , Proef. em CANTIC.). Assim também Jerome, referindo-se as palavras (Efésios 5:14) "Desperta, tu que dormes, e levanta-te de entre os mortos", observa que "o apóstolo citou que isso ocultos (reconditis) profetas, e como parece ser apócrifo, como tem feito em várias outras instâncias. " Epifânio pensei que este termo foi aplicado a livros como não foram colocados na Arca da Aliança, mas guardou em algum outro lugar (veja a enciclopédia de Suicer para a verdadeira leitura da passagem neste pai). Sob o termo apócrifos foram incluídos livros de caráter religioso, que estavam em circulação entre os cristãos particulares, mas não foram autorizados a ser lido nas assembléias públicas; tais como 3 e 4 Esdras 3: 1-13 e 4 Macabeus. (Veja Stare, De apocryphor. Appellatione, Greifsw. 1766.)

Em relação ao Novo Testamento, o termo tem sido aplicado geralmente aos livros inventados pelos hereges para favorecer seus pontos de vista, ou pelos católicos sob assinaturas fictícios. Desta descrição muitos evangelhos espúrios ou apócrifos (veja abaixo). É, provavelmente, em referência a tal que Basil, Cirilo de Jerusalém, e Jerome deu adverte contra a leitura de livros apócrifos; embora seja possível, a partir do contexto, que a última pai nomeou alude aos livros que também foram chamados eclesiástica, e depois deutero-canônicos. A seguinte passagem de sua epístola aos Lata, sobre a educação de sua filha, servirão para ilustrar esta parte de nosso assunto: "Todos os livros apócrifos devem ser evitados, mas se ela quiser lê-los, não para estabelecer a verdade das doutrinas , mas com um reverencial feelingfor as verdades que elas significam, ela deve ser dito que eles não são as obras dos autores, cujos nomes sejam distintos, que contêm muita coisa que está com defeito, e que é uma tarefa que exige grande prudência para encontrar ouro no meio do barro. " E, para o mesmo efeito Philastrius: "Entre os quais estão os maniqueístas, gnósticos [etc.], que, tendo alguns livros apócrifos sob nomes dos apóstolos (ou seja, alguns atos separados), estão acostumados a desprezar as Escrituras canônicas, mas estas Escrituras secretos - ou seja, apócrifo - embora eles devem ser lidos pelo perfeito para sua moral, não deveria ser lido por todos, como hereges ignorantes ter adicionado e levado o que quisessem ". Ele então começa a dizer que os livros a que ele se refere são os Atos de André, escritos por "os discípulos que estavam seus seguidores", etc.

No Bibliotheque Sacree, pelo dominicanos Richard e Giraud (Paris, 1822), o termo é definido para significar (1), livros anônimos ou pseudepigraphal; (2), os que não são lidos publicamente, embora possam ser lidos com edificação em privado; (3,) os que não passam de autênticos e de autoridade divina, embora eles passam por ser composto por um autor sagrado ou um apóstolo, como a Epístola de Barnabé; e (4), livros perigosas compostas por hereges antigos para favorecer as suas opiniões. Eles também, aplicar o nome "aos livros, que, depois de ter sido impugnada, são colocados no cânon por consentimento das igrejas, como Tobit, etc." Jahn aplica-lo, em seu sentido mais estrito, e aquilo que ele tem suportado desde o século IV, aos livros que, a partir de sua inscrição, ou o nome do autor, ou o assunto, pode facilmente ser tomadas para livros inspirados, mas não são tão na realidade. Também tem sido aplicado por Jerome para certos livros que não são encontrados no cânon hebraico, mas ainda lido publicamente desde tempos imemoriais na Igreja Cristã para edificação, embora não seja considerado de autoridade em controvérsias de fé. Estes também foram denominados livros eclesiásticos, e foram denominados, pelo amor de distinção, os livros deuterocanônicos, na medida em que não estavam no original ou cânon hebraico. Nesse sentido, eles são chamados por alguns de Antilegomena do Antigo Testamento. "O uncanonical. Livros", diz Atanásio, ou o autor da sinopse, "são divididos em antilegomena e apócrifos." (Ver antilegomena).

Eventualmente, na história da Igreja primitiva, o grande número de produções pseudônimas impingidos sobre os incautos como ao mesmo tempo sagrado e secreto, sob os grandes nomes da história judeu ou cristão, trouxe toda esta classe de obras em descrédito. Aqueles cuja fé descansou no ensinamento da Igreja cristã, e que olhou para o OT Escrituras, quer em hebraico ou a coleção de setembro, não tardaram a perceber que essas produções eram destituídos de toda a autoridade. Eles aplicaram em desprezo que havia sido usado como um título de honra. Os livros secretos (.. Secretiores libri, Orig Comm em Mateus ed Lomm. 4:. 237) foram rejeitados por espúrio. A palavra apócrifo foi logo degradado para a posição a partir da qual ele nunca foi, uma vez ressuscitado. Até agora, como livros como o Testamento dos Doze Patriarcas e da Assunção de Moisés estavam preocupados, a tarefa de discriminação foi relativamente fácil, mas tornou-se mais difícil quando a questão afetou os livros que foram encontrados na tradução setembro do Antigo Testamento ; e reconhecido pelos judeus helenistas; mas não estavam no texto hebraico ou no cânon reconhecido pelos judeus da Palestina. A história desta dificuldade, e da maneira em que afectada a recepção de livros em particular, e não pertencem ao objecto da CANON do que a do presente artigo, mas os seguintes factos pode ser indicado como tendo sobre a aplicação da palavra :

  1. Os professores das Igrejas gregas e latinas, acostumados ao uso da Septuaginta, ou versões descansando sobre a mesma base, foram, naturalmente, levou a citar livremente e reverência de todos os livros que foram incorporadas ao Programa. Em Clemente de Alexandria, Orígenes, Atanásio, encontramos citações dos livros de presente apócrifos, como "Escritura", "divina Escritura", "profecia". Eles estão muito longe de aplicar o termo ἀπόκρυφος a estes escritos. Se eles estão conscientes da diferença entre eles e os outros livros do Antigo Testamento, é apenas tão longe para levá-los (comp. Athan. Synops. S. Scr. 1. c.) Para colocar o ex-na lista de οὐ κανονιζόμενα ἀντιλεγόμενα, livros que eram de mais uso para a instrução ética dos catecúmenos que para a edificação dos cristãos maduros. Augustine, de igual modo, aplica-se a palavra "Apocrypha" apenas aos livros espúrios com títulos falsos que estavam em circulação entre os hereges, admitindo os outros, embora com algumas reservas, sob o título de canônico (de doctr. Chr. 2, 8 ). 2. Sempre que, por outro lado, qualquer professor entrou em contato com os sentimentos que prevaleceram entre os cristãos da Palestina, há a influência da limitação rigorosa do antigo cânon hebraico é ao mesmo tempo visível. Isto é visto em sua relação com a história do cânone na lista dada por Melito, bispo de Sardes (Euseb. HE 4, 26), e obtido por ele de Palestina. De seus efeitos sobre a aplicação da palavra, os escritos de Cirilo de Jerusalém e Jerome dar exemplos abundantes. O primeiro (Catech. 4, 33) dá a lista canônica dos 22 livros do Antigo Testamento Escrituras, e rejeita a introdução de todos os escritos "apócrifos". Este último, em sua Epístola aos Laeta avisa a mãe cristã em educar sua filha contra "omnia apócrifos". O Prologus Galeatus mostra que ele não me esquivei de incluindo sob esse título os livros que fazia parte da Septuaginta, e foram realizadas em honra dos alexandrinos e latino Igrejas. Ao lidar com os vários livros que ele discute cada em seus róprios méritos, admirando alguns, falando sem hesitação dos "sonhos", "fábulas" dos outros.
  2. O ensino de Jerome influenciada, embora não decididamente, a linguagem da Igreja ocidental. Os antigos escritos heréticos espúrios, o "Apocrypha" de Tertuliano e Clemente, caiu mais e mais para o fundo, e foram quase totalmente esquecido. Os livros duvidosos do Antigo Testamento foram usadas publicamente no serviço da Igreja, citado frequentemente com reverência como Escritura, às vezes, no entanto, com dúvidas ou limitações quanto à autoridade de livros individuais de acordo com o conhecimento ou discernimento crítico deste ou daquele escritor (comp. Bp. Cosins da Scholastic História da Canon). Durante este período, o termo pelo qual eles eram comumente descrito não era apócrifa, mas "eclesiástica". Então, eles tinham sido descrito por Rufinus (Expos. Em Sìmb. Apost. P. 26), que praticamente reconheceu a distinção feita por Jerônimo, embora ele não se aplicaria o epíteto mais infamante de livros que foram realizados em homenagem.
  3. Ele foi reservado para a idade da reforma para carimbar a palavra Apocrypha com sua significação presente. Os dois pontos de vista que até então existiam juntos, lado a lado, em relação aos quais a Igreja tinha pronunciado nenhuma decisão autoritária, se destacou em contraste mais nítido. O Concílio de Trento fechou a questão que tinha sido deixada aberta, e privou seus teólogos da liberdade que tinha até então desfrutado, estendendo o cânon das Escrituras, de modo a incluir todos os livros até agora duvidosos ou deuterocanônicos, com exceção dos dois livros de Esdras e da Oração de Manassés, as provas contra o que parecia muito forte para ser resistida (Sess. IV de Can. Script.). De acordo com este decreto, as edições da Vulgata publicados pela autoridade continha os livros que o Conselho tinha pronunciado canônico, como estando em pé de igualdade com aqueles que nunca havia sido questionada, enquanto os três que haviam sido rejeitadas foram impressos geralmente em menor digite e ficou após o Novo Testamento. Os reformadores da Alemanha e da Inglaterra, por outro lado, influenciado em parte pelo renascimento do estudo do hebraico e o conseqüente reconhecimento da autoridade do hebraico Canon, e, posteriormente, pela reação contra este trecho da autoridade, mantido o parecer do Jerome e empurrou-o para seus resultados legítimos.

O princípio que tinha sido afirmado por Carlstadt dogmaticamente em seu "de Canonicis Scripturis libellus" (1520) foi tida em conta pelos Luther. Ele falou de livros individuais entre aqueles em questão com uma liberdade tão grande quanto a de Jerônimo, a julgar cada um em seus próprios méritos, elogiando Tobit como uma "comédia agradável", e da Oração de Manasseh como um "bom modelo para os penitentes", e rejeitando os dois livros de Esdras como contendo fábulas sem valor. O exemplo de recolher os livros de liquidação duvidosa em um grupo separado, tinha sido criado na edição Strasburg da Septuaginta, 1526. Na edição completa de Lutero da Bíblia alemão, em conformidade (1534), os livros (Judite, Sabedoria, Tobias, Eclesiástico 1: 1-30 e 2 Macabeus, Adições a Ester e Daniel, e da Oração de Manassés) foram agrupados sob o título geral de "apócrifos, ou seja, livros que não sejam de como vale a pena com a Sagrada Escritura, ainda são boas e úteis para ser lido . " Na história da Igreja Inglês, Wicliff mostrou-se neste como em outros pontos o precursor da Reforma, e aplicou o termo Apocrypha para todos, mas os "vinte e cinco" Canonical livros do Antigo Testamento. O julgamento de Jerome foi formalmente afirmou na sexta artigo. Os livros contestados foram recolhidas e descrita da mesma forma no Inglês Bíblia impressa de 1539 (de Cranmer), e, em seguida, uma vez que não houve nenhuma flutuação como para a aplicação da palavra. (Veja deuterocanônicos).

  1. Apocrypha bíblico. - A coleção de livros para que este termo é popularmente aplicada inclui o seguinte. A ordem dada é que em que eles estão na versão em Inglês.
  2. 1 Esdras 2: 1-30. 2 Esdras 3: 1-36. Tobit 4: 1-42. Judith 5: 1-24. O restante dos capítulos do Livro de Ester, que não se encontram nem no hebraico nem no Chaldee. 6. A Sabedoria de Salomão. 7. A Sabedoria de Jesus o Filho de Sirach, ou Eclesiástico 8: 1-19. Baruch. 9. O Cântico dos Três Santa Crianças. 10. A História de Susanna. 11. A história da destruição de Bel e do Dragão. 12. A Oração de Manassés, rei de Judá. 13. 1 Macabeus 14: 1-49. 2 Macabeus.

Os livros separados desta coleção são tratados de em artigos distintos. Sua relação com os livros canônicos do Antigo Testamento é discutido sob CANON (Veja CANON). Propomos aqui a considerar apenas a história e personagem da coleção como um todo em sua relação com a literatura judaica.

Seja qual for perguntas podem estar em questão a autoridade destes livros, que têm em todos os casos um interesse, das quais nenhuma controvérsia pode privá-los, como ligado com a literatura, e, portanto, com a história, a dos judeus. Eles representam o período de transição e de decadência que se seguiu no retorno da Babilônia, quando os profetas, que eram então os mestres do povo, havia falecido, e a idade de escribas conseguiu. Incerto como podem ser as datas de livros individuais, poucos, se houver, podem ser lançadas mais para trás do que no início do século III aC O mais recente, o Livro 2d de Esdras, é, provavelmente, o mais tardar em 30 aC, 2 Esdras 7:28 sendo uma interpolação posterior. As alterações do caráter judaico, as diversas fases que o judaísmo apresentados na Palestina e em Alexandria, o bem eo mal, que foram convocados pelo contato com a idolatria no Egito, e pela luta contra ele na Síria, todos estes se apresentam ao leitor dos apócrifos com maior ou menor nitidez. Em meio às diversidades que poderíamos naturalmente esperar encontrar em livros escritos por diferentes autores, em diferentes países, e em intervalos de tempo consideráveis, é possível discernir algumas características que pertencem a toda a coleção.

  1. A ausência do elemento profético. Do primeiro ao último dos livros testemunham a afirmação de Josephus (Apocalipse 1: 1-20; Apocalipse 8: 1-13), que o διαδοχή ἀκριβὴς dos profetas tinham sido quebrados após o encerramento da OT canon. Ninguém fala porque a palavra do Senhor veio até ele. Às vezes, há uma confissão direta de que o dom de profecia havia partido (1 Macabeus 9:27), ou a emissão de uma esperança de que ele pode um dia voltar (ibid 1 Macabeus. 9: 4; 1 Macabeus 9:46; 1 Macabeus 14:41). Às vezes, um professor afirma em palavras a perpetuidade do dom (Sabedoria de Salomão 7:27), e mostra no ato de afirmá-la como diferente a iluminação que ele havia recebido era dos que conferiram os profetas dos livros canônicos. Quando um escritor simula o caráter profético, ele repete com ligeiras modificações a língua dos antigos profetas, como em Baruch, ou faz uma mera previsão do texto de uma dissertação, como na Epístola de Jeremy, ou joga de forma arbitrária com combinações de sonhos e símbolos, como em 2 Esdras. Estranho e desconcertante como o último nominado livro é, o que quer que há nela de sentimento genuíno indica uma mente não à vontade consigo mesmo, distraído com os seus próprios sofrimentos e com os problemas do universo, e que é, portanto muito longe da pronunciação de um homem que fala como um mensageiro de Deus.
  2. Conectado com isto é o desaparecimento quase total do poder que se tinha mostrado na poesia do Antigo Testamento. O Cântico dos Três Crianças reivindica o caráter de um salmo, e é, provavelmente, uma tradução de algum hino litúrgico; mas, com essa exceção, a forma de poesia é completamente ausente. Até agora, como os escritores têm estado sob a influência do cultivo grega, eles pegam o gosto pela ornamento retórico que caracterizou a literatura de Alexandria. Discursos fictícios tornar adições quase indispensáveis ​​para a narrativa de um historiador, e a história de um mártir não é completa se (como no posterior Acta Martyrum de tradições cristãs) o sofredor declama em conjunto termos contra os perseguidores (Cântico dos Três crianças. , 3-22; 2 Macabeus 6: 7).
  3. A aparência, como parte da literatura atual do tempo, de obras de ficção, descansando ou pretendam descansar sobre uma base histórica. É possível que este desenvolvimento do gênio nacional pode ter sido, em parte, o resultado do Cativeiro. Os exilados judeus trouxeram com eles a reputação de excelência em minstrelsy, e foram chamados a cantar os "cânticos de Sião" (Salmos 137: 1-9). O julgamento de habilidade entre os três jovens em um Esdras 3: 4, implica uma crença tradicional de que aqueles que foram promovidos a lugares de honra sob os reis persas foram mais evidentes para os presentes de um caráter um tanto similar. A transição desta para a prática de contar histórias era, com os judeus, como mais tarde com os árabes, fácil e natural suficiente. O período do Cativeiro, com suas estranhas aventuras, e do afastamento das cenas relacionadas com ele, ofereceu um campo vasto e atraente para a imaginação desses narradores. Às vezes, como em Bel e do Dragão, o motivo de tais histórias seria o amor da própria mistura maravilhosa com o sentimento de desprezo com o qual o judeu olhava o idólatra. Em outros casos, como no Tobit e Susanna, a história iria ganhar popularidade de suas tendências éticas. As variações de singular no texto do antigo livro indicar ao mesmo tempo a extensão da sua circulação e as liberdades tomadas pelos sucessivos editores. Na narrativa de Judith, mais uma vez, provavelmente há algo mais do que os juros que a história do passado. Há de fato muito pouca evidência da verdade da narrativa para nós a olhar para ela como a história em tudo, e ele toma o seu lugar na região de romance histórico, escrito com uma motivação política, Sob o pretexto de os velhos inimigos de assírios Israel, o escritor está secretamente atacar os invasores sírios, contra a qual os seus compatriotas estavam em disputa, misturando-se, por uma história de heroísmo imaginado ou tradicional, a seguir o exemplo de Judith, como ela havia seguido o de Jael (Ewald, Gesch. Israels , 4, 541). O desenvolvimento desta forma de literatura, é claro, compatível com um alto grau de excelência, mas é verdade de que em todos os momentos, e foi especialmente verdadeiro para a literatura do mundo antigo, que pertence sim para sua posterior e fracas período. É um sinal especial de decadência na honestidade e discernimento quando tais escritos -são passou ao largo e aceito como pertencentes a história real.
  4. O livre exercício da imaginação dentro do domínio da história levou ao crescimento de uma literatura puramente lendária. O pleno desenvolvimento deste fato foi reservado para um período ainda mais tarde. Os livros apócrifos ocupar um lugar intermediário entre os do Antigo Testamento em sua simplicidade e veracidade e as extravagâncias selvagens do Talmud. Como é, no entanto, encontramos neles os germes de algumas das tradições fabulosas que foram influenciando as mentes dos judeus na época do ministério de nosso Senhor, e, desde então, em alguns casos incorporados-se mais ou menos com a crença popular de cristandade. Assim, em 2 Macabeus 1: 2, nos reunimos com as declarações que, no tempo do cativeiro os sacerdotes tinham ocultado o fogo sagrado, e que foi milagrosamente renovada - que Jeremias tinha ido, acompanhado do tabernáculo e da arca, "para a montanha onde Moisés subiu para ver a herança de Deus ", e tinha lá escondido em uma caverna junto com o altar do incenso. A aparição do profeta no encerramento do mesmo livro (15:15), como dar a Judas Macabeu a espada com a qual, como um "presente de Deus", ele era "ferir os adversários", mostra como um lugar de destaque foi ocupada por Jeremiah nas tradições e as esperanças do povo, e nos prepara para compreender os rumores que se seguiram sobre o ensino de nosso Senhor e de trabalho que "Jeremias ou um dos profetas" tinham aparecido novamente (Mateus 16:14). Então, novamente em 2 Esdras 13: 40-47, encontramos a lenda de todo o desaparecimento das Dez Tribos, que, apesar do testemunho direto e indireto, do outro lado, tem dado ocasião mesmo em nosso próprio tempo para tantos selvagem conjecturas. No cap. 14 do mesmo livro reconhecemos (como tem sido apontado já) a tendência de se definir um valor mais alto em livros de um conhecimento esotérico do que sobre aqueles no cânon hebraico; mas que merece aviso de que esta é também uma outra forma de a tradição que Ezra ditada a partir de uma memória de inspiração sobrenatural os livros sagrados que, de acordo com essa tradição, tinha sido perdido, e que ambas as fábulas são exageros da parte efectivamente tomadas por ele e pelos "homens da Grande Sinagoga" no trabalho de coleta e arranjá-las. Assim também a narrativa retórica do Êxodo na Sabedoria de Salomão 16: 1-29; Sabedoria de Salomão 17: 1-21; Sabedoria de Salomão 18: 1-25; Sabedoria de Salomão 19: 1-22 indica a existência de um, meia lado lendária história tradicional a lado com o canônico. Parece, de fato, como se a vida de Moisés tinha aparecido com muitos enfeites diferentes. A forma em que que a vida aparece em Josephus, os fatos mencionados no discurso de St. Stephen, e não encontrados no Pentateuco, as alusões à Janes e Jambres (2 Timóteo 3: 8), para as disputas entre Michael eo diabo (Juízes 1 : 9), para o "rock que se seguiu" os israelitas (1 Coríntios 10: 4), todos dar testemunho da popularidade generalizada dessa história apócrifa semi-. (Veja Enoque (BOOK OF).)
  5. Como a característica mais marcante da coleção como um todo e do período a que pertence, há a tendência de passar livros suposto sob a cobertura de nomes ilustres. Os livros de Esdras, as adições ao Daniel, as cartas de Baruch e Jeremias, e da Sabedoria de Salomão, são, obviamente, desta personagem. É difícil, talvez, para nós para medir, em cada caso o grau em que os escritores de tais livros eram culpados de fraudes reais. Em um livro como a Sabedoria de Salomão, por exemplo, a forma pode ter sido adotado como um meio de ganhar a atenção por que ninguém era susceptível de ser enganado, e, como tal, não excede os limites da personificação legítimo. A ficção, neste caso, não é preciso diminuir a nossa admiração e reverência para com o livro mais do que isso iria destruir a autoridade de Eclesiastes estávamos a chegar à conclusão, a partir da evidência interna ou de outra, que pertencia a uma idade mais avançada do que a de Salomão . O hábito, no entanto, de escrever livros sob nomes fictícios é, como os posteriores mostra a história judaica, muito perigosa. A prática torna-se quase um comércio. Cada tipo de trabalho cria uma nova demanda, a serem cumpridas por sua vez, por uma nova oferta e, assim, a prevalência de uma literatura apócrifa torna-se um sinal claro de falta de veracidade, de um lado, e falta de discernimento, de outro.
  6. A ausência de honestidade, e do poder de distinguir a verdade da mentira, mostra-se em uma forma ainda mais grave na inserção de documentos formais que pretendem ser autêntico, mas na realidade não completamente estabelecer qualquer alegação nesse título. Este é obviamente o caso com o decreto de Artaxerxes em Esther 16. As cartas com as quais 2 Macabeus abre a partir da judeus em Jerusalém trair seu verdadeiro caráter, pela sua imprecisão histórica. Dificilmente podemos aceitar como verdadeira a carta em que o rei dos Lacedaemonians (1 Macabeus 12: 20-21) escreve a Onias que "os Lacedaemonians e judeus são irmãos, e que eles são da estirpe de Abraão." As letras em 2 Macabeus 9: 1-29; 2 Macabeus 11: 1-38, por outro lado, pode ser autêntica medida em que o seu conteúdo ir, mas a imprudência com que tais documentos são inseridos como enfeites e fazem-pesos lança dúvida em maior ou menor grau em todos eles .
  7. A perda da simplicidade e precisão que caracterizam a história do Antigo Testamento é mostrado também nos erros e anacronismos em que estes livros abundam. Assim, para levar alguns dos exemplos mais marcantes, Haman é feito um macedônio, eo propósito de sua trama é transferir o reino dos persas para os macedônios (Esther 16:10); duas afirmações contraditórias são dadas no mesmo livro da morte de Antíoco Epifânio (2 Macabeus 1: 15-17; 2 Macabeus 9: 5-29); Nabucodonosor é feito para habitar em Nínive como o rei da Assíria (Judith 1: 1).
  8. Na sua relação com o desenvolvimento ético e religioso do judaísmo durante o período que estes livros abraçar, encontramos

(1.) as influências da luta contra a idolatria sob Antíoco, como mostrado parcialmente na revitalização do velho espírito heróico, e no registro das obras que ela chamou por diante, como em Macabeus, em parte novamente na tendência de uma narrativa como Judith, e os protestos contra idol- adorar em Baruch e Sabedoria.

(2.) A hostilidade crescente dos judeus em direção ao samaritanos é mostrado pela confissão do Filho de Siraque (Eclesiástico 1: 1-30; Eclesiástico 25: 1-26; Eclesiástico 26: 1-29).

(3.) O ensino de Tobit ilustra a proeminência em seguida e depois atribuído a esmola entre os deveres de uma vida santa (Tobias 4: 7-11; Tobit 12: 9). A classificação dos três elementos de uma tal vida, a oração, o jejum, a esmola, em Tobit 12: 8, ilustra o ensinamento ético tradicional dos escribas, que foi imediatamente reconhecido e purificada a partir dos erros que haviam sido relacionados com ele no Sermão da Montanha (Mateus 6: 1-18).

(4.) O mesmo livro indica também a crescente crença na tutela individual de anjos e os germes de uma daemonology grotesco, descansando, em parte, os fenômenos mais misteriosos da natureza espiritual do homem, como os casos de possessão demoníaco nos Evangelhos, mas associando-se apenas muito facilmente com todas as fraudes e superstições de exorcistas ambulantes.

(5.) O grande livro Alexandrino da coleção, a Sabedoria de Salomão, respira, como seria de esperar, uma cepa de maior humor; e, embora não há absolutamente nenhum motivo para a tradição patrística que ele foi escrito por Philo, a conjectura de que ele poderia ter sido não era sem plausibilidade, que bem poderia recomendar-se a homens como Basílio e Jerome. A personificação da Sabedoria como "o espelho imaculado do poder de Deus e a imagem de sua bondade" (7, 26), como o professor universal de todas as "almas santas" em "todas as idades" (7, 27), como orientador e governar o povo de Deus, aproxima-se o ensino de Philo, e antecipa que do apóstolo João, como para a manifestação do Deus invisível por meio do Logos e do escritório de que a Palavra divina, como a luz que ilumina todo homem. Em relação novamente para o caráter simbólico do Templo como "uma semelhança do santo tabernáculo" que Deus "preparou desde o princípio" (João 9: 8), a linguagem deste livro em si conecta imediatamente com a de Philo e com o ensino do autor da Epístola aos Hebreus. Mas o que é a grande característica do livro, a partir da escola da qual emanou, é a apreensão do escritor do reino de Deus e as bênçãos connectcd com ele como eterna, e de modo independente das concepções de tempo dos homens.

. Espúrias e Pseudepigraphal Books, distintas das Antilegomena ou eclesiástica. - Entre esta classe são, sem dúvida, a ser considerados os livros 3d e 4 de Esdras; e é, sem dúvida, em referência a estes que, em sua carta aos Vigilantius, Atanásio fala de uma obra de Esdras, que ele diz que nunca tinha sequer ler. Da mesma natureza são também o livro de Enoch, o Testamento dos Doze Patriarcas, a Assunção de Moisés, etc .; que, assim como 3 e 4 Esdras, sendo por muitos considerado como as ficções de cristãos dos séculos II e III, é duvidoso que elas deveriam ser classificados nos Apócrifos do Antigo ou do Novo Testamento. Orígenes, no entanto, acreditava que o Novo Testamento ter contido citações de livros deste tipo escrito antes dos tempos dos apóstolos, como é evidente, a sua referência a essa em seu prefácio à Cânticos. Então, na sua Carta aos Apianus, ele observa que havia muitas coisas mantidos a partir do conhecimento do público, mas que foram preservados nos livros ocultos ou apócrifos, ao que ele refers.the passagem (Hebreus 11:37), "Eles foram serrados ao meio. " Orígenes provavelmente alude aqui para que a descrição de livros que os judeus chamados Genuzim, גְּנוּזִים, uma palavra da mesma significação com apócrifos, e aplicada aos livros deixados de lado, ou não permitido para ser lido ou considerado publicamente, mesmo quando divinamente inspirada, não se encaixam para a circulação indiscriminada: entre estes últimos foram o primeiro capítulo do Gênesis, o Cântico dos Cânticos, e os nossos últimos oito capítulos do profeta Ezequiel. Os livros que temos aqui enumerados, como o livro de Enoch, etc., as quais foram todas do conhecimento dos pais antigos, ter descido aos nossos tempos; e, embora incontestavelmente espúria, são de valor considerável de sua antiguidade, como lançar luz sobre as opiniões religiosas e teológicas dos primeiros séculos. O mais curioso é o 3d e 4 livros de Esdras, e no livro de Enoch, que tem sido, mas recentemente descoberto, e adquiriu interesse peculiar de sua contendo a passagem citada pelo apóstolo Judas. (Ver ENOQUE). Nem são os livros apócrifos do Novo Testamento destituídos de interesse. Embora os atos espúrios existentes deixaram de ter qualquer defensores de sua autenticidade, eles não estão sem o seu valor para o estudante bíblico, e têm sido aplicados com sucesso para ilustrar o estilo e linguagem dos livros originais, a que suportarão uma estreita analogia. O tradutor americano de termos História Eclesiástica de Mosheim eles "ficções inofensivos e engenhosos, destinadas, quer para satisfazer a fantasia ou para silenciar os inimigos do cristianismo."

Alguns dos livros apócrifos não têm sido sem os seus defensores nos tempos modernos. Os Cânones e Constituições Apostólicas, e as várias liturgias atribuídas a São Pedro, São Marcos, etc., e publicado pela Fabricius em seu Codex Apocryphus Novi Testamenti, foram considerados pelo aprendidas e excêntrico William Whiston, eo Grabe não menos aprendeu , de igual autoridade com qualquer uma das composições apostólicos confessedly genuínos (ver primitivo cristianismo de Whiston e Spicilegium de Grabe). Eles são, no entanto, considerado pela maioria como inicialmente não de uma data anterior a do segundo século, e como contendo interpolações que traem o quarto ou quinto; eles podem, portanto, ser considerada apenas como evidência da prática da Igreja no período em que foram escritos. Eles têm sido geralmente apelou para pelo aprendeu como ter preservado as tradições da época imediatamente posterior a apostólica; e, a partir da coincidência notável que é observável nas partes mais essenciais dos chamados liturgias Apostólicas, ele não é de forma improvável que, não obstante as suas interpelações, eles contêm as principais partes das mais antigas formas de culto cristão. A maioria dos evangelhos apócrifos e Atos notado pelos pais, e condenado no catálogo de Gelásio, que são geralmente pensado para ter sido as ficções dos hereges, no segundo século, há muito que caiu no esquecimento. Daqueles que permanecem, embora algumas tenham sido consideradas por homens eruditos como verdadeiras obras da era apostólica, mas a maior parte são universalmente rejeitado como falso, e como está escrito no segundo e terceiro séculos. Alguns são, com grande aparência de probabilidade, atribuído a Leucius Clarinus, deveria ser o mesmo com Leôncio e Seleuco, que era famoso por falsificações semelhantes no final do século III.

A autoria da Epístola de Barnabé (qv) ainda é uma questão de disputa; e não parece mas muita razão para acreditar que não existia fundamento para a acusação feita por Celso contra os primeiros cristãos, que tinham interpolados ou forjou o antigo sibilino Oráculos. Na carta do Papa Inocêncio I para St. Exupere, bispo de Toulouse, escrito por volta do ano 405, depois de dar um catálogo dos livros que formam o cânon das Escrituras (que inclui cinco livros de Salomão, Tobit, e dois livros de Macabeus) , ele observa: "Mas os outros, que são escritos sob o nome de Matthias, ou de Tiago, o Menor, ou aqueles que foram escritas por um Leucius sob o nome de Pedro e João, ou aqueles sob o nome de Andrew por Xenocheris e Leonidas o filósofo, ou sob o nome de Thomas, ou se há algum outro, você deve saber que eles não são apenas para ser rejeitado, mas condenado ". Esses sentimentos foram posteriormente confirmadas pelo Conselho romana de setenta bispos, realizada sob o Papa Gelásio em 494, nos atos de que há uma longa lista de evangelhos apócrifos e age, a maior parte do que se supõe ter perecido. Os atos deste conselho, no entanto, não são geralmente considerados como sendo verdadeira. Mas, seja qual for a autoridade deve ser atribuída a esses documentos, não se pode negar que a Igreja primitiva demonstraram um alto grau de discriminação na difícil tarefa de distinguir o verdadeiro a partir dos livros espúrios, como foi bem observado por Jones (nova e cheia Método, 1, 15) e Baxter (Resto do santo, p. 2). (Veja CANON).

O que se segue é uma lista dos escritos genuínos mencionados no velho teste, mas agora perdeu, ou geralmente pensava assim seja.:

A "profecia de Enoque" (Juízes 1:14). Mas (Veja ENOCH)

O "Livro das Guerras do Senhor" (Números 21:14).

O "Livro dos Justos" (Josué 10:13; 2 Samuel 1:18). (Veja Jasar).

O "Livro da Ordem do Reino", ou da Administração Real, escrito por Samuel (1 Samuel 10:25). VejaKING.

Os "Livros de Natã e Gade" sobre Rei Davi (1 Crônicas 29:29).

O "Livros de NATHAN, Aías, e Ido" sobre King Solomon

(2 Crônicas 9:29). 'S Parábolas SALOMÃO, músicas e tratados sobre História Natural "(1 Reis 04:32 sq), mas (Veja PROVÉRBIOS);. (Veja Cânticos); (Ver Eclesiastes).

O "Livro dos Atos de Salomão" (1 Reis 11:41).

O "Livro de Seraías" sobre o rei Roboão (2 Crônicas 0:15). O "Livro de JEIU" sobre Josafá (2 Crônicas 20:34). O "Livro de Isaías" sobre o rei Uzias (2 Crônicas 26:22)

Mas (ver Isaías). As "palavras dos videntes" para o rei Manassés (2 Crônicas 26:22). O "Livro das Lamentações" sobre o rei Josias (2 Crônicas 35:25). Mas (Ver Lamentações).

O "Volume de Jeremias" queimado por Jeudi (Jeremias 36: 2; Jeremias 36: 6; Jeremias 36:23). Mas (ver Jeremias).

A "Crônica dos Reis de Judá" (1 Reis 14:29; 1 Reis 15: 7). Mas (Veja CHRONICLES).

O Chronicle 'do Kings'of Israel "(1 Reis 14:29). Mas (Veja CHRONICLES).

A seguir, uma lista de ganchos pseudepigraphal relativos ao Antigo Test., Ainda existentes (excluindo as que constam da definitivamente chamado "Apocrypha"), com a língua em que foram descobertas cópias antigas. Veja cada título ou autor professada aqui citado, sob a sua própria cabeça, no corpo deste Cyclopaedia.

A "História de Antíoco" Epifânio (Heb.). Esta parece ser uma versão hebraica ilegível das contas desse tirano nos livros dos Macabeus (ver Fabricius, Codex Pseudepigr. 5,1. 1, 1165 sq., Onde uma tradução latina é dado do mesmo).

 A "História da ARENATHI," Esposa de José (Lat. Dado por Fabricius, ib. 1, p. 774 sq 

FONTE Cyclopedia de bíblica, teológica e Literatura Eclesiástica,1870

fonte www.avivamentonosul.com