Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

pdf free, enter link, this link, book download, enter link, download book, The Universe Next Door: A Basic Worldview Catalogue pdf free, download pdf, site 797272, download book,

satanalogia(teologia sistematica)
satanalogia(teologia sistematica)

                                       

                                   SATANALOGIA 

Lexicons

sā'tan ( שׂטן , satã ), "Adversário", do verbo שׂטן , satã "Ciladas" (como adversário); Σατᾶν , Satán , Σατανᾶς , Satanás "Adversário", διάβολος , diabolos "Diabo", "adversário" ou "acusador", κατήγωρ , katḗgōr (Total de anticlássica e unGreek) (usado uma vez em Apocalipse 12:10 ), "acusador"):

 DEFINIÇÃO

I. Definição.

A criada, mas sobre-humana, pessoal, o mal, o mundo de energia, representado nas Escrituras como o adversário tanto de Deus e dos homens.

II. Fatos bíblicos com respeito a Satanás.

1. Nomes de Satanás:

O mais importante deles é o hebraico e equivalentes gregos notado acima. Essas palavras são usadas no sentido geral justificado por seu significado etimológico. É aplicado até mesmo para o próprio Yahweh ( Números 22:22 , Números 22:32 ; compare 1 Samuel 29: 4 ; 2 Samuel 19:22 ; Salmo 109: 6 , etc.). A palavra "Satanás" é usada 24 vezes no Antigo Testamento. Em Jó ( Jó 1: 6 f) e Zec ( Jó 3: 1 f) tem o artigo definido prefixado. Em todos os casos, mas quando um artigo é omitido é utilizado num sentido geral. Esta única exceção é 1 Crônicas 21: 1 (compare 2 Samuel 24: 1 ), onde a palavra é geralmente concedido para ser usado como um nome próprio. Este significado é fixado nos tempos do Novo Testamento. Estamos, portanto, habilitado a notar no termo "Satanás" (e Diabo) o crescimento de uma palavra de um termo geral para uma denominação e, posteriormente, a um nome próprio. Todos os outros nomes de Satanás salvar apenas estes dois são títulos descritivos. Além desses dois nomes principais de uma série de outros merecem enumeração específica. Tentador ( Mateus 4: 5 ; 1 Tessalonicenses 3: 5 ); Belzebu ( Mateus 12:24 ); Enemy ( Mateus 13:39 ); Um Evil ( Mateus 13:19 , Mateus 13:38 ; 1 João 2:13 , 1 João 2:14 ; 1 João 3:12 , e, particularmente, 1 João 5:18 ); Belial ( 2 Coríntios 6:15 ); Adversário ( ἀντίδικος , antıdikos), ( 1 Pedro 5: 8 ); Enganador (literalmente "aquele que engana") ( Apocalipse 12: 9 ); Dragon (Grande) ( Apocalipse 12: 3 ); Pai da Mentira ( João 8:44 ); Assassino ( João 8:44 ); Sinner ( 1 João 3: 8 ) - estes são referências isoladas que ocorrem 1-3 vezes cada um. Na grande maioria das passagens (70 de 83) ou Satanás ou Diabo é usado.

2. caráter de Satanás:

Satanás está sempre representado no Novo Testamento como o inimigo tanto de Deus e do homem. A noção popular é que Satanás é o inimigo do homem e ativo na humanidade enganosa e xingando por causa de seu ódio intenso e oposição a Deus. Mateus 13:39 , parecem apontar nessa direção, mas se fosse para arriscar uma opinião em um região onde não há fatos suficientes para justificar uma condenação, seria que o teor geral das Escrituras indica exatamente o contrário, ou seja, que o ciúme de Satanás e ódio dos homens levou-o em antagonismo com Deus e, consequentemente, para a bondade. A descrição moral fundamental de Satanás é dada por nosso Senhor quando Ele descreve Satanás como o "mal" ( Mateus 13:19 , Mateus 13:38 ; comparar descrição de Isaías do Senhor como o "Santo", Isaías 1: 4 e, muitas vezes ); isto é, aquele cuja natureza e são indicados para o mal. O mal moral é o seu atributo de controle. É evidente que esta descrição não pode ser aplicado a Satã como originalmente criado. Mal ético não pode ser concreated. É a criação de cada vontade livre por si. Não nos é dito em termos definitivos como Satanás tornou-se a um mal, mas certamente poderia ser por nenhum outro processo do que uma queda, segundo o qual, no mistério da personalidade livre, uma vontade mal toma o lugar de uma boa.

3. As obras de Satanás:

As obras de todo o mundo e de longa idade de Satanás devem ser rastreados para um motivo predominante. Ele odeia a Deus e ao homem e faz tudo o que nele se encontra para derrotar o plano da graça de Deus e para estabelecer e manter um reino do mal, na sedução e ruína da humanidade. O equilíbrio e sanidade da Bíblia em nenhum lugar é mais impressionante do que exibiu em seu tratamento da obra de Satanás. Não é só a Bíblia inteiramente livre das extravagâncias do Satanology popular, que é cheio de histórias absurdas sobre as aparições, truques e transformações de Satanás entre os homens, mas apresenta uma precisão de confiança e consistência, de declaração, que é mais tranqüilizador. Quase nada se disse a respeito agência satânica outro do que os homens ímpios que enganar os outros homens. Na controvérsia com os seus adversários em matéria de exorcismo ( Marcos 3:22 f e paralela do) nosso Senhor refuta sua afirmação caluniosa de que Ele está em conluio com Satanás pela proposição simples que Satanás não trabalhar contra si mesmo. Mas no que diz Ele faz muito mais do que refutar essa calúnia. Ele definitivamente alinha a Bíblia contra a idéia popular de que um homem pode fazer uma aliança pessoal definido e consciente com Satanás para qualquer outro propósito. O agente de Satanás é sempre uma vítima. Além disso, a sugestão contida nesta discussão que Satanás tem um reino, juntamente com algumas outras alusões não muito definidas, são tudo o que nós temos que ir em cima nessa direção. Também não estamos ensinado em qualquer lugar que Satanás é capaz de qualquer medida para introduzir desordem no universo físico ou operar diretamente na vida dos homens. É verdade que, em Lucas 13:16 , nosso Senhor fala da mulher que estava inclinada sobre como um "quem Satanás tinha presa, eis que esses 18 anos", e que em 2 Coríntios 12: 7 Paulo fala de sua enfermidade como um " mensageiro de Satanás enviado para esbofetear ". Paulo também fala ( 1 Tessalonicenses 2:18 ) de Satanás impedindo-o de visitar a igreja em Tessalônica. Um estudo cuidadoso dessas passagens relacionados (em conjunto com o prólogo do Trabalho) irá revelar o fato de que a ação direta de Satanás no mundo físico é muito limitado. Satanás pode ser dito para ser implicado em todas as catástrofes e desgraças da vida humana, na medida em que eles são mais ou menos diretamente subordinada pecado (ver particularmente Hebreus 2:14 ) Pelo contrário, é perfeitamente evidente que o poder de Satanás consiste principalmente na sua capacidade de enganar. É interessante e característica que, segundo a Bíblia, Satanás é, fundamentalmente, um mentiroso e seu reino é um reino fundado em mentiras e enganos. A doutrina de Satanás, portanto, corresponde em cada detalhe importante a ênfase bíblica geral sobre a verdade. "A verdade vos libertará" ( João 8:32 ) - este é o caminho da libertação do poder de Satanás.

Agora, parece que para fazer Satanás preeminentemente o enganador faria o homem uma vítima inocente e, portanto, relaxar a questão moral. Mas de acordo com a Bíblia, o homem é criminis participar do no processo de seu próprio engano. Ele é enganado só porque ele deixa de amar a verdade e vem em primeiro lugar para o amor e, em seguida, para acreditar em uma mentira ( 2 Coríntios 1:10 ). Isso realmente vai para o fundo do problema da tentação. Os homens não são tentados pelo mal, por si só , mas por um bem que pode ser obtido apenas com o custo de fazer errado. Todo o poder do pecado, pelo menos em seu início, consiste na oscilação da falsidade fundamental que qualquer bom é realmente atingível por irregularidade. Desde tentação consiste nisto ataque ao senso moral, o homem é constitucionalmente protegida contra o engano, e é moralmente culpado em se permitir ser enganado. A tentação de nosso Senhor se lança a mais clara possível luz sobre os métodos atribuídos a Satanás e A tentação foi dirigida a consciência da filiação divina de Cristo; que foi um ataque traiçoeiro enfatizando a boa, minimizando ou encobrir o mal; de fato, torcendo o mal em bem. Era uma tentativa maligna deliberada para obscurecer a verdade e induzir ao mal através da aceitação de falsidade. O ataque quebrou contra a fidelidade à verdade que fez auto-engano, e, consequentemente, o engano de fora, impossível. A mentira foi perfurado pela verdade ea tentação perdeu seu poder (verTentação de Cristo). Este incidente revela um dos métodos de Satanás - por sugestão de imediato, como no caso de Judas ( Lucas 22: 3 ; João 13: 2 , João 13:27 ). Às vezes, porém, e, talvez, mais frequentemente, os dispositivos de Satanás ( 2 Coríntios 2:11 ) incluem agentes humanos. Aqueles que estão entregue ao mal e que persuadir os outros para o mal são filhos e servos de Satanás (Veja Mateus 16:23 ; Marcos 08:33 ; Lucas 4: 8 ; João 6:70 ; Jo 8:44 ; Atos 13:10 ; 1 João 3: 8 ). Satanás também trabalha através de pessoas e instituições deveriam estar do lado da direita, mas realmente mal. Aqui a mesma falsidade e mentira sempre presente e ativo são exibidas. Quando ele é chamado de "o deus deste mundo" ( 2 Coríntios 4: 4 ), parece ser a entender que ele tem o poder de revestir-se de atributos aparentemente divinas. Ele também se torna um anjo de luz, apresentando defensores da falsidade sob o disfarce de apóstolos da verdade ( 2 Coríntios 11:13 , 2 Coríntios 11:15 ; 1 João 4: 1 ; 2 Tessalonicenses 2: 9 ; Apocalipse 12: 9 ; Apocalipse 19:20 ). Na combinação de passagens aqui reunidos, é claramente indicado que Satanás é o instigador e fomentador de que o espírito de anarquia que se apresenta como ódio tanto de verdade e justiça, e que tem funcionado tão amplamente e de forma tão desastrosa na vida humana.

4. História de Satanás:

A história de Satanás, incluindo a fase dele que continua a ser realizado, pode ser definido apenas ao longo das linhas mais gerais. Ele pertence à ordem angelical dos seres. Ele é, por natureza, um dos filhos de Elohim ( Jó 1: 6 ). Ele caiu, e em virtude de sua contundência pessoal tornou-se o líder das forças anárquicas de maldade. Como um ser livre, ele se fundiu sua vida no mal e tornou-se completamente e irremediavelmente mal. Como um ser de alta inteligência que ele ganhou grande poder e exerceu uma grande influência sobre outros seres. Como um ser criado a maior gama de seu poder está dentro do compasso do que é permitido. É, portanto, coberto em pelo governo providencial de Deus e essencialmente limitado. A ênfase bíblica sobre o elemento de falsidade na carreira de Satanás pode ser levado a entender que seu reino pode ser menor em extensão do que parece. De qualquer forma, ele está confinado à esfera cósmica e uma porção de tempo limitado. Ele também está condenada. Nas passagens estreitamente relacionados 2 Pedro 2: 4 e Juízes 1: 6 afirma-se que Deus expulsou os anjos, quando pecaram, no inferno, e os entregou aos abismos da escuridão, ficando reservados para o juízo. Isso tanto se refere ao controle divino constante dessas forças insurgentes e também aponta para a sua total e definitiva destruição. A colocação de Satanás em obrigações é, evidentemente, tanto constante e progressiva. A limitação essencial do império do mal e sua derrocada final está prenunciado no Livro de Job (capítulos 38 a 41), onde o poder do Senhor se estende até mesmo ao espírito simbolizada do mal.

Segundo a tradição sinóptica, nosso Senhor na crise da tentação imediatamente após o batismo ( Mateus 4 e paralelos), se encontraram e durante o tempo conquistou Satanás como Seu adversário pessoal. Este concurso preliminar não fechar o assunto, mas era o penhor de uma vitória completa. De acordo com Lucas ( Lucas 10:18 ), quando a Setenta voltaram de sua missão lavada com a vitória sobre as forças do mal, Jesus disse: "Eu vi Satanás cair (e não" caído "; ver Plummer," Luke ", ICC , em o lugar citado.) como um raio do céu. " Em cada triunfo sobre os poderes do mal estavam vendo Cristo na visão da queda de Satanás. Em conexão com a vinda dos helenistas que desejava vê-lo, Jesus asseverou ( João 12:31 ), "Agora é o juízo deste mundo; agora será o príncipe deste mundo será expulso". Em vista da sua paixão aproximando Ele diz de novo ( João 14:30 ), "O príncipe vem o mundo; e ele nada tem em mim." Mais uma vez em conexão com o advento prometido do Espírito, Jesus asseverou ( João 16:11 ) que o Espírito convencerá o mundo do juízo ", porque o príncipe deste mundo já está julgado." Em Hebreus ( Hebreus 2:14 , Hebreus 2:15 ) diz-se que Cristo tomou sobre Si a natureza humana, a fim ", que por sua morte, reduzir a nada o que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo." Em 1 João 3: 8 diz-se, "Para este fim era o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo." Em Apocalipse 12: 9 afirma-se, em conexão com a ascensão de Cristo, para que Satanás foi lançado para a Terra e seus anjos com ele. De acordo com a passagem imediatamente a seguir ( Apocalipse 12: 10-12 ), este vazamento para baixo não era completa ou final no sentido de extinguir suas atividades por completo, mas envolve o triunfo potencial e certo de Deus e Seus santos eo igualmente derrota certa de Satanás. Em 1 João 2:13 os jovens são tratados como aqueles que "já vencestes o maligno." Em Apocalipse 20: 1-15 o campo do futuro é coberto na afirmação de que Satanás está "amarrado por mil anos"; então solto "por um pouco de tempo", e, finalmente, "lançados no lago de fogo."

A comparação dessas passagens convencerá o estudante cuidadoso que, enquanto não podemos construir um programa cronológica definida para a carreira de Satanás, estamos claro nos principais pontos. Ele é limitado, julgado, condenado, preso, reservados para o julgamento desde o início. O resultado é determinado que o processo pode ser entediante e lenta. A vitória de Cristo é a derrota de Satanás; em primeiro lugar, para Si mesmo como Líder e Salvador dos homens ( João 14:30 ); em seguida, para os crentes ( Lucas 22:31 ; Atos 26:18 ; Romanos 16:20 ; Tiago 4: 7 ; 1 João 2:13 ; 1 João 5: 4 , 1 João 5:18 ); e, finalmente, para o mundo inteiro ( Apocalipse 20:10 ). A obra de Cristo já destruiu o império de Satanás.

III. Considerações gerais.

Há, sem dúvida, graves dificuldades no caminho de aceitar a doutrina de um, sobre-humana, o poder do mal pessoal como Satanás é descrito para ser. É duvidoso, porém, se esses diffificulties não pode ser devido, pelo menos em parte, a um mal-entendido sobre a doutrina e algumas de suas implicações. Além disso, deve-se reconhecer, que tudo o que pode haver dificuldades no processo de ensino, eles são exageradas e, ao mesmo tempo, não bastante satisfeitas pelo ceticismo vaga e irracional que nega sem investigação. Há dificuldades envolvidas em qualquer visão do mundo. Para dizer o mínimo, alguns problemas são atendidas pela visão de um super-homem, o mal mundial de energia. Nesta seção certas considerações gerais são instados com vista a diminuir as dificuldades muito sentida por algumas mentes. Necessariamente, certos itens recolhidos na seção anterior está aqui enfatizou novamente.

1. Doutrina da Escritura Satanás não sistematizada:

A doutrina bíblica de Satanás está longe desenvolvidas de forma sistemática. Para os materiais neste campo estamos encerrados para referências esparsas e incidentais. Estas passagens, que mesmo no agregado não são numerosos, diga-nos o que precisamos saber sobre a natureza, história, reino e obras de Satanás, mas oferecem pouca satisfação ao temperamento meramente especulativo. A relativa falta de desenvolvimento neste domínio se deve em parte ao fato de que os escritores bíblicos estão interessados ​​principalmente em Deus, e só secundariamente nos poderes das trevas; e, em parte, ao fato de que na Bíblia doutrina espera em fatos. Assim, a figura maligna e sinistra do adversário é gradualmente delineada contra a luz da santidade de Deus como revelado progressivamente no processo mundo providencial que se centra em Cristo. É um fato significativo que as indicações relativas à Satanás se tornam numerosos e definida apenas no Novo Testamento. A luz do dia da revelação cristã era necessária a fim de descobrir o inimigo à espreita, pouco divulgados, mas de nenhuma maneira totalmente conhecidos na revelação anterior. A divulgação de Satanás é, em forma de, pelo menos, histórico, não dogmática.

2. Satanás e Deus:

Em segundo lugar, a relação de Satanás a Deus, já foi salientado, devem ser mantidos sempre em mente. A doutrina de Satanás se funde na doutrina geral sobre anjos (vejaANGEL). Tem sido frequentemente salientado que as características pessoais de anjos são muito pouco insistiu. Eles são conhecidos principalmente por suas funções: mesclado, por um lado, em seus próprios escritórios, e, por outro, nas atividades do próprio Deus.

No Testamento Satanás Old não é representado como um espírito caído e maligno, mas como um servo do Senhor, que desempenha uma função divina e ter o seu lugar no trem celeste. Nas contas paralelas de numeração de David de Israel ( 1 Samuel 24: 1 ; 1 Crônicas 21: 1 ) o tentador de David é atribuída tanto ao Senhor e Satanás. A razão para isto é que "a tentação dos homens é também uma parte de sua providência", ou que, no intervalo entre os documentos a personalidade do tentador tem mais claramente surgiram. Neste caso, a conta em Crônicas seria quase aproximar o ensino do Novo Testamento. No Livro de Jó ( Jó 1: 6 ), no entanto, Satanás está entre os Filhos de Deus e seus ataques sobre o trabalho são divinamente permitido. Em Zec ( Jó 3: 1 , Jó 3: 2 ) Satanás também é um servo do Senhor. Em ambas as passagens, há a sugestão de oposição entre o Senhor e Satanás. No primeiro caso Satanás ataca sem sucesso o caráter de alguém a quem homenageia o Senhor; enquanto no segundo Yahweh explicitamente repreende Satanás por sua atitude para com Israel (ver GA Smith, BTP , II, 316 f). A inauguração de Satanás como um mundo de energia rebelde é reservado para o Novo Testamento, e com isso mais completa ensinando o tratamento simbólico da tentação no Gen é estar conectado. Há uma razão pedagógica som, do ponto de vista da revelação, para esta retenção na fonte antes de toda a verdade a respeito de Satanás. Nos estágios iniciais do pensamento religioso que parece ser difícil, se não impossível, para manter a soberania de Deus, sem atribuir a Sua agência esses males no mundo que são mais ou menos diretamente conectada com o julgamento e punição (compare Isaías 45: 7 ; Amós 3: 6 ). O Velho Testamento enfatiza suficientemente a responsabilidade do homem por seus próprios atos maus, mas o mal super-humano é trazido sobre ele a partir de cima. "Quando as almas voluntariosas têm de ser enganado, o espírito que faz isso, como no caso de Acabe, vem de cima" (GA Smith, op. Cit., 317). A revelação progressiva de caráter e propósito de Deus, que cada vez mais imperativa exige que a origem do mal moral e mal consequentemente natural, deve ser atribuída à vontade criado em oposição à vontade divina, leva à declaração final que Satanás é um moralmente ser caído para cuja conquista o Poder Divino na história é prometido. Há, também, a possibilidade de que na transição significativa do Satan do Antigo Testamento para a do Novo Testamento temos os contornos de uma biografia e uma indicação da maneira pela qual os anjos caíram.

3. Satanás essencialmente limitada:

A terceira consideração geral, com base nos dados indicados no parágrafo anterior, deverão ser instados na mesma conexão. No delineamento Novo Testamento de Satanás, suas limitações são claramente definidas. Ele é sobre-humano, mas não em qualquer sentido divino. Suas atividades são cósmica, mas não universal ou transcendente. Ele é um ser criado. Seu poder é definitivamente circunscrito. Ele está condenado à destruição final como uma potência mundial. Toda a sua carreira é a de um ser secundário e dependente que é permitido um certo alcance limitado do poder - um tempo-lease de atividade ( Lucas 4: 6 ).

4. Conclusão:

Estas três considerações gerais foram agrupadas desta forma, porque eles dispõem de três acusações que estão em curso contra a doutrina de Satanás.

(1) A primeira é, que é mitológica na origem. Que não é dogmática é uma evidência priori contra essa hipótese. A mitologia é dogma primitivo. Não há nenhuma evidência de uma teodiceia ou filosofia do mal no tratamento bíblica de Satanás. Além disso, enquanto a doutrina bíblica é assistemática em forma, é rigidamente limitado em escopo e em todos os lugares essencialmente consistente. Mesmo no Apocalipse, onde naturalmente mais espaço é permitido para a imaginação, as mesmas idéias essenciais aparecer. A doutrina de Satanás corresponde, de item para item, para o saneness intelectual e seriedade ética do mundo-visão bíblica como um todo. É, por conseguinte, não mitológica. A contenção da imaginação castigado, não a extravagância de fantasia mitológica, está em evidência durante todo o tratamento bíblica do assunto. Mesmo o uso de termos atuais na mitologia (como, talvez, Gênesis 3: 1 , Gênesis 03:13 , Gênesis 03:14 ; Apocalipse 12: 7-9 ; comparar 1 Pedro 5: 8 ) não implica mais do que uma roupa literária de Satanás em atributos comumente atribuída a forças malignas e desordenados.

(2) A segunda objeção é que a doutrina é devido à influência do dualismo persa . A resposta para isso é simples, com base em fatos já apresentados. A doutrina bíblica de Satanás não é dualista. O império de Satanás teve um começo, ele terá um fim definitivo e permanente. Satanás é grande inimigo de Deus na esfera cósmica, mas ele é criação de Deus, existe por vontade divina, e seu poder é relativamente não mais compatível com a de Deus do que o de homens. Satanás aguarda sua desgraça. Weiss diz que (diz respeito à representação do Novo Testamento de conflito entre Deus e os poderes do mal): "Lá está neste nenhum dualismo maniqueísta, ... mas só a experiência mais profunda da obra de redenção como a destruição definitiva do poder a partir do qual todo o pecado no mundo dos homens procede "( Teologia Bíblica do Novo Testamento , tanslations inglesas da Bíblia , II, 272; comparar GA Smith, op cit, II, 318..).

(3) A terceira objeção é praticamente o mesmo que o segundo, mas dirigida diretamente para a doutrina em si, para além da questão de sua origem, ou seja, que ele destrói a unidade de Deus. A resposta a esta também é uma negativa simples. Para algumas mentes a realidade de vontades criadas é dualista e, portanto, insustentável. Mas a verdadeira doutrina da unidade abre espaço para outras vontades que a de Deus - ou seja, daqueles seres a quem Deus concedeu liberdade. Aqui fica a doutrina do pecado e de Satanás. A doutrina de Satanás não milita contra a unidade de Deus do que a idéia, tão necessários para a moralidade e religião da mesma forma, de outro criado vontades posta em oposição à vontade de Deus. Assim como a concepção de Satanás se funde, em uma direção, na doutrina geral de anjos, por isso, na outra, ele combina com o tema amplo e difícil do mal (compare "Satanás" HDB , IV, 412a).

Literatura.

Todas as obras-padrão em Teologia Bíblica, bem como dicionários, etc., tratar com mais ou menos rigor a doutrina de Satanás. Os teólogos alemães do tipo mais evangélica, como Weiss, Lange, Martensen (Dinamarquês), Dorner, enquanto exibem uma tendência para a especulação excessiva, discernir os aspectos mais profundos da doutrina. De monografias conhecidas do escritor ninguém deve ser recomendada sem qualificação. É um assunto sobre o qual a Bíblia é seu melhor intérprete.

FONTE  Enciclopédia Internacional Standard Bible 1870

veja mais WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM